A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Som Em um dia de outono, sentei-me diante de meu jardim e fiquei a observar as folhas mortas que caem com o balançar do vento. Até na natureza Deus dá.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Som Em um dia de outono, sentei-me diante de meu jardim e fiquei a observar as folhas mortas que caem com o balançar do vento. Até na natureza Deus dá."— Transcrição da apresentação:

1

2 Som

3 Em um dia de outono, sentei-me diante de meu jardim e fiquei a observar as folhas mortas que caem com o balançar do vento. Até na natureza Deus dá chegadas e partidas, oportunidades de idas e vindas. Folhas mortas...

4 Enquanto foram vidas em folhas, quanto se enroscavam umas nas outras no balançar do vento. Quantas derrubadas antes do tempo da mão que poda, que as retira de seu habitat natural, ou quanto enfrentaram o sol, tempestade, vento... agarradas em seus galhos. Apenas folhas...

5 Folhas com destino, afinal tudo é vida. Verdes a princípio, amareladas, e com o tempo caídas... Adubo de novas e outras verdes vidas. E sentado diante do jardim continuo a observar, deparando com uma trilha de formigas que passam diante de mim.

6 Uma fila destes minúsculos insetos, vem colaborando com sua comunidade, em busca de suprimentos aguardando o inverno que está a chegar. Trabalham arduamente, somam para depois dividir, respeitando a lei da sobrevivência. Todas as formigas carregam pequenas folhas, seguindo para o mesmo endereço.

7 Noto que uma delas tem um enorme fardo, maior do que pode carregar, um pouco anda e um pouco para, tentando conseguir forças para prosseguir. Porém uma de suas companheiras sem carga nas costas nota... o imenso esforço e vindo do final da fila, coloca-se a andar rapidamente e vem socorrer sua exausta semelhante.

8 Seria intuição? Inteligência... para tão pequenino inseto? Onde teria aprendido a solidariedade? Esta coloca-se ao lado da companheira e juntas dividem o peso, caminhando no mesmo compasso... lado a lado e eu ali... diante de meus olhos vendo esta cena acontecer, logo penso... o quanto tenho que crescer.

9 Sou menor que estes pequenos insetos sem cérebro, sem coração sem emoção. Seguem as duas até o local do depósito, entram no ninho e somem diante de meus olhos. Acompanho o restante da longa fila que vem atrás e me levanto. Olho para o céu e me pergunto: Quem somos nós?

10 Tantos mestres, tantos gurus... e ainda não sabemos repartir, nem dividir o peso da vida com um desconhecido. Muitas vezes nem ao menos com aqueles que nos dão “ Bom Dia” todos os dias, que dormem no mesmo teto e temos como companhia.

11 Encontrei sabedoria, solidariedade, harmonia, lição de vida, em um pequeno jardim. Olho para o radiante Sol e reflito: Folhas mortas... Formigueiro... nunca ouvi o gemido das folhas caindo, quando chegam ao seu fim, nunca ouvi o lamento das formigas, trabalhando horas a fio, caminhando longos trechos, desviando de vários obstáculos.

12 Abaixo de nossos pés, se esconde uma enorme e grande sabedoria. Aprendi que de vez em quando devo me abaixar e observar, antes de olhar para o alto e clamar. Eu... um ser pensante, dotado de coração, voz, sentimento, razão. Pequeno... diante da sábia natureza.

13 Cópia fiel do texto original da autora “Cora Maria” Música: Somewhere in Time (John Barry) Formatação: Marli Não retirar créditos


Carregar ppt "Som Em um dia de outono, sentei-me diante de meu jardim e fiquei a observar as folhas mortas que caem com o balançar do vento. Até na natureza Deus dá."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google