A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Kraemer 1 Disciplina de Redes de Computadores II Roteamento Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Kraemer 1 Disciplina de Redes de Computadores II Roteamento Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer"— Transcrição da apresentação:

1 Kraemer 1 Disciplina de Redes de Computadores II Roteamento Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer

2 Kraemer Funções chave de um roteador: manter tabelas de roteamento e verificar se outros roteadores conhecem alterações na topologia da rede. quando pacotes chegam a uma interface, o roteador deve usar a tabela de roteamento para determinar por onde enviá-lo (comutação e troca de enquadramento). Exemplo de protocolo não-roteável NetBEUI. Visão Geral de Roteamento

3 Kraemer Visão Geral de Roteamento

4 Kraemer Roteamento camada 3 (boqueia broadcast e tem visão hierárquica). Comutação camada 2. Roteamento X Comutação

5 Kraemer Roteamento X Comutação

6 Kraemer Roteamento X Comutação

7 Kraemer IP é o principal protocolo roteado da Internet. IP permite o roteamento de pacotes da origem até o destino através do melhor caminho possível. Há flexibilidade no endereçamento por classes e isto se chama divisão de sub-redes. VLMS (sub-rede de sub-rede). As sub-redes dimensionam o tamanho (quantidade) exato de hosts. Para isto, utiliza-se máscara não convencional. Protocolo Roteado

8 Kraemer Um protocolo roteado permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Para ser roteável deve atribuir um número de rede e um número de host. O endereço de rede é obtido por uma operação AND com a máscara da rede. Protocolo Roteado

9 Kraemer Protocolo Roteado

10 Kraemer Protocolo Roteado

11 Kraemer Considerações sobre IP: é hierarquico sem conexão de melhor entrega possível não confiável (não verifica se os dados chegaram ao destino) Protocolo Roteado

12 Kraemer Protocolo Roteado

13 Kraemer Camada 2 trata de endereçamento local. Camada 3 trata de endereçamento que ultrapassa a rede local. A medida que dados ultrapassam dispositivos de camada 3, dados da camada 2 são alterados, mas quais dados são alterados? Protocolo Roteado

14 Kraemer Protocolo Roteado

15 Kraemer Orientado a conexão contata o destino antes de enviar e transmite fluxo contínuo (comutado por circuito). Sem conexão não contata o destino (comutado por pacote). A confiabilidade é feita pela camada 4. Protocolo Roteado

16 Kraemer Protocolo IP Tamanho em palavras de 32 bitsPayload de dados + HLEN Número de sequência Controla a fragmentação Ajuda no reagrupamento Relação com camada superior Assegura que o cabeçalho seja multiplo de 32 Máximo de 64 Kb Protocolo Roteado

17 Kraemer Roteado (IP, IPX, AppeTalk, etc): fornece informações suficientes de endereço para que o roteador encaminhe ao próximo dispositivo, até chegar ao destino define o formato e uso dos campos de um pacote Roteamento (RIP, OSPF, IGRP, BGP e EIGRP) Roteado X Roteamento

18 Kraemer Métrica (depende do protocolo) Convergem e depois trocam mensagens constantemente Protocolos de Roteamento

19 Kraemer Métricas de roteamento Largura de banda Atraso Carga (volume de atividade) Confiabilidade (taxa de erros) Contagem de saltos Ticks (espécie de atraso do IBM PC) Custo (valor arbitrário, normalmente baseado em largura de banda Protocolos de Roteamento

20 Kraemer IGP e EGP IGP Protocolo de Roteamento Interior (roteia dados de um sistema autonômo - única administração) Routing Information Protocol (RIP e RIPv2) Interior Gateway Routing Protocol (IGRP) Enhanced IGRP (EIGRP) Open Shortest Path First (OSPF) System-to-Intermediate System (IS-IS) EGP Protocolo de Roteamento Exterior Border Gateway Protocol (BGP) Protocolos de Roteamento

21 Kraemer IGP e EGP Protocolos de Roteamento

22 Kraemer Vetor de distância ou de estado de link São classificações do IGP Vetor de distância contagem de saltos. Roteadores enviam parte da tabela de roteamento periodicamente para seus adjacentes, mesmo que não haja alteração na rede. Exemplos: RIP IGRP EIGRP (acrescenta características de estado de link) Protocolos de Roteamento

23 Kraemer Vetor de distância ou de estado de link Estado de Link envia atualização quando há alteração (LSA) ou periodicamente. Criar rotas de caminho mais curto (OSPF e IS-IS) LSA (Aviso de Estado de Link) enviado quando um roteador identifica alteração. Todos os vizinhos recebem o LSA Protocolos de Roteamento

24 Kraemer RIP: menor número de saltos nem sempre é o caminho mais rápido limite de 15 saltos RIPv1 utiliza classfull (exige máscara) RIPv2 utiliza classless (ou VLSM – mascaramento de sub-redes com tamanho variável) Protocolos de Roteamento

25 Kraemer IGRP: considera atraso, carga e confiabilidade utiliza classfull EIGRP: convergência rápida híbrido Protocolos de Roteamento

26 Kraemer IS-IS: estado de link utilizado para protocolos roteados diferentes do IP OSPF: estado de link caminho mais curto e melhor Protocolos de Roteamento

27 Kraemer BGP: utilizado por ISPs Seleção de caminho livre de loops BGPv4 utiliza classless roteamento com base em políticas Protocolos de Roteamento


Carregar ppt "Kraemer 1 Disciplina de Redes de Computadores II Roteamento Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google