A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde PROAHSA Junho de 2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde PROAHSA Junho de 2011."— Transcrição da apresentação:

1 Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde PROAHSA Junho de 2011

2 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Participantes do projeto Orientador: Prof. Dr. Álvaro Escrivão Júnior Orientandos: Ana Júlia Alves de Faria Julianne Rodrigues de Moraes Rosa Mariana Wiezel dos Santos Marina Boralli de Sousa Rafael Moraes Pinto Renata Paccagnella de Picoli 2

3 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução Metodologia Limitações do estudo Condições de vida e saúde Capacidade instalada Considerações finais 3

4 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução 4 Envelhecimento populacional desafio da saúde pública contemporânea Estima-se que em 2020 haverá cerca de 32 milhões de idosos no Brasil Aceleração no processo de transição demográfica e epidemiológica aumento na demanda por saúde do grupo etário dos idosos Lima-Costa e Veras (2003); Giatti L, Barreto SM (2003) IBGE/Datasus Veras et al (2008)

5 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução 5 É necessário discutir caminhos para manter os idosos socialmente e economicamente integrados e independentes A Política Nacional do Idoso assegura direitos sociais à pessoa idosa com a finalidade de recuperar, manter e promover autonomia e independência dos idosos, direcionando medidas coletivas e individuais de saúde, em consonância com os princípios e diretrizes do SUS Lei nº 8.842/94 e Decreto nº 1.948/96 (Política Nacional do Idoso)

6 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução Desafio atual: escassez de recursos para uma demanda crescente 6 perduram por vários anos cuidados constantes medicação contínua exames periódicos Doenças crônicas e múltiplas maior consumo dos serviços de saúde maior frequência de internações hospitalares maior tempo de ocupação do leito Lima-Costa e Veras (2003); Veras et al (2008)

7 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução 7 processo de envelhecimento populacional rápido e intenso coexistência de problemas típicos de populações jovens e em franco crescimento Região Metropolitana de São Paulo Ramos et al (2009)

8 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução Estudos epidemiológicos de base populacional: 8 Dados primários são mais adequados para a produção de informações acuradas sobre condições de saúde custos e complexidade operacional os tornam praticamente inviáveis Dados secundários gerados pelos sistemas nacionais de informação em saúde podem ser usados para análise e planejamento de ações em saúde Loyola Filho et al (2004)

9 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Objetivo Com o intuito de fornecer elementos que caracterizem a população e a situação de saúde do idoso da Região Metropolitana de São Paulo, o presente trabalho traz um estudo das bases de dados disponíveis e apresenta informações que podem ser utilizadas como subsídio para melhor planejamento de serviços e programas para esse segmento populacional. 9

10 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução Metodologia Limitações do estudo Condições de vida e saúde Capacidade instalada Considerações finais 10

11 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Metodologia Pesquisa das principais fontes de informações oficiais Caracterização da população idosa da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) População idosa: aquela com 60 anos ou mais, considerando a classificação da OMS (referência de idade para indivíduos de países subdesenvolvidos) 11 situação de saúde e seus determinantes rede física instalada produção dos serviços de saúde

12 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Metodologia Referência para análise e método de cálculo: Indicadores e Dados Básicos (IDB) Cálculo de outros indicadores de acordo com as informações encontradas Períodos diferentes de acordo com o parâmetro analisado a 2011 Comparações das respectivas Regiões de Saúde e da RMSP com dados do Estado de São Paulo e do Brasil 12

13 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Metodologia 13 Dados socioeconômicos: IBGE Censo do ano 2000Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) Suplemento saúde da PNAD-IBGE 2008: Um Panorama da Saúde no Brasil - Acesso e Utilização dos Serviços, Condições de Saúde e Fatores de Risco e Proteção à Saúde

14 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Metodologia Morbidade, mortalidade, produção de serviços e rede física instalada: portal eletrônico Datasus 14 Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM/Datasus) Sistema de Informações Hospitalares (SIH- SUS/Datasus) Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA- SUS/Datasus) Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB/Datasus) Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES/Datasus)

15 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Metodologia Saúde suplementar: ANS Sistema de Informação de Beneficiários da Agência Nacional de Saúde Suplementar (SIB-ANS) Produção de serviços de saúde comparação da produção existente com a preconizada pelos Parâmetros de Cobertura Assistencial no Âmbito do Sistema Único de Saúde publicados pela Portaria nº 1.101/GM de 2002 Cobertura do atendimento à saúde análise da cobertura de atendimento da Estratégia de Saúde da Família preconizada pela Política Nacional de Atenção Básica publicada pela Portaria nº 648/GM de

16 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução Metodologia Limitações do estudo Condições de vida e saúde Capacidade instalada Considerações finais 16

17 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Limitações do trabalho Dados não encontrados: Esperança de vida aos 60 anos de idade Escolaridade estratificados por faixa etária PIB per capita Razão de Renda Proporção de Pobres Taxa de Desemprego 17

18 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Limitações do trabalho Portaria nº não estabelece parâmetros exclusivos para a população idosa Mudança na apresentação dos dados no Datasus de consultas ambulatoriais do SIA-SUS Não foi possível identificar os serviços destinados ao atendimento exclusivo do idoso Dados disponíveis do setor de saúde suplementar são insuficientes para caracterizar sua população 18

19 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução Metodologia Limitações do estudo Condições de vida e saúde Capacidade instalada Considerações finais 19

20 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Condição de vida e saúde 20 Indicadores sócio-demográficos Indicadores de condições de saúde

21 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Envelhecimento notado em todo o Brasil, com a cidade de São Paulo apresentando maior índice Como está o envelhecimento populacional na RMSP? Índice de envelhecimento (%) da população residente na Região Metropolitana de São Paulo, Fonte: IBGE/Datasus Localidade Alto do Tietê19,4 24,625,827,0 Franco da Rocha17,2 22,023,324,5 Guarulhos19,4 24,325,426,6 Mananciais17,1 22,723,825,2 Rota dos Bandeirantes18,9 25,026,427,9 Grande ABC30,230,140,643,345,6 São Paulo37,5 45,947,749,8 RMSP*30,130,037,639,441,2 Estado de São Paulo*33,6 43,245,447,6 Brasil*28,5 36,337,039,5 (*) Referencial comparativo 21

22 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Qual a cidade do Grande ABC que mais contribui para o elevado índice de envelhecimento? Investimento em vacinas, campanhas ao longo dos anos e do auxílio da tecnologia Melhora na qualidade de vida das pessoas Aumento da expectativa de vida Carboni e Reppetto (2007) Índice de envelhecimento (%) da população residente na Microrregião de Saúde do Grande ABC, Fonte: IBGE/Datasus Localidade São Caetano do Sul89,5 125,8132,5139,9 Santo André44,2 59,462,365,5 Ribeirão Pires27,7 37,539,641,8 São Bernardo do Campo26,6 36,338,340,4 Diadema18,1 25,727,429,3 Mauá19,2 25,827,128,6 Rio Grande da Serra17,5 23,625,126,5 Grande ABC30,230,140,643,345,6 22

23 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde São quase 2 milhões de idosos na RMSP, sendo que a proporção de idosos é maior no Estado de SP População de idosos em 2009 Brasil: Estado de São Paulo: RMSP: Fonte: IBGE/Datasus 23

24 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde 6,1% ,3% ,6% ,8% 2010 SP e Grande ABC apresentam maior porcentagem de idosos, indicando grande peso desta faixa na população Localidade Alto do Tietê6,0 7,07,27,4 Franco da Rocha5,3 6,26,56,7 Guarulhos5,7 6,66,87,1 Mananciais5,2 6,36,56,8 Rota dos Bandeirantes5,5 6,77,07,3 Grande ABC7,8 9,49,910,2 São Paulo9,3 10,610,911,3 RMSP8,0 9,29,69,8 Proporção de idosos (%) residentes na Região Metropolitana de São Paulo, Fonte: IBGE/Datasus 24 Proporção de idosos no Brasil Loyola Filho et al (2004); IBGE/Datasus

25 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde A população em idade produtiva tem sustentado cada vez mais dependentes, especialmente no Grande ABC Mendes et al (2005) idosos por 100 crianças idosos por 100 crianças Localidade São Paulo14,2 16,116,517,0 Grande ABC11,811,714,014,715,2 Alto do Tietê9,6 10,711,111,4 Rota dos Bandeirantes8,5 10,110,611,0 Guarulhos8,7 10,010,310,7 Mananciais8,0 9,69,910,3 Franco da Rocha8,4 9,59,910,2 RMSP12,2 13,914,414,9 Razão de dependência de idosos residentes na Região Metropolitana de São Paulo, Fonte: IBGE/Datasus 25 Brasil:

26 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde As mulheres sobrevivem mais que os homens, porém com maiores índices de incapacidade Maia, Duarte e Lebrao (2006) Maior sofrimento no envelhecimento feminino Elaboração de políticas públicas: envelhecimento feminino com melhor qualidade e prevenção dos óbitos dos homens idosos 26 Santos (2003)

27 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Quanto mais velha a população, maior será a proporção de mulheres em relação aos homens da mesma faixa etária Camarano et al (2004) Homens: maior exposição a riscos ambientais e sociais Maior longevidade das mulheres Diferença acentua-se quanto maior a faixa etária Feminização da velhice Razão de sexo da população idosa, estratificada por faixa etária, residente na Região Metropolitana de São Paulo, 2009* Fonte: IBGE/Datasus Localidade60 a 64 anos65 a 69 anos70 a 74 anos75 a 79 anos80 anos e +Total Alto do Tietê0,900,860,790,730,640,82 Franco da Rocha1,000,940,840,740,690,89 Grande ABC0,820,780,720,640,550,73 Guarulhos0,840,800,740,630,550,75 Mananciais0,960,870,830,700,650,85 Rota dos Bandeirantes0,850,820,720,650,560,76 São Paulo0,750,710,660,590,500,67 RMSP0,800,750,690,620,530,70 (*) Manteve-se constante entre 2005 e

28 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde População de 80 anos e mais superando a de 75 a 79 anos no sexo masculino e no feminino ja é maior desde de 2007 Grupo com 75 anos ou mais teve o maior crescimento relativo (49,3%) nos últimos dez anos Mendes et al (2005) Aumento dos óbitos em idades mais avançadas Jacob Filho e Souza (2000) Fonte: IBGE/Datasus 28

29 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Taxas de mortalidade tendem a ser mais elevadas no grupo com ausência de escolaridade (referente ao município de São Paulo) Lebrão et al (2008) PNAD de 1998: redução da prevalência de enfermidade crônica com o aumento da escolaridade e da renda Almeida et al (2002) Os idosos da RMSP são alfabetizados? Fonte: PNAD - IBGE 29

30 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Condição de vida e saúde Indicadores sócio-demográficos Indicadores de condições de saúde 30

31 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Do total de óbitos da população da região metropolitana, qual porcentagem desses óbitos é atribuída aos idosos? Mudança do perfil de mortalidade Aumento do risco de apresentar doenças crônicas Doenças múltiplas que perduram por vários anos Necessidade de acompanhamento de equipes multidisciplinares Enfermidades complexas e onerosas 31 Almeida et al (2002); Veras (2002); Pereira et al (2009)

32 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Qual a porcentagem de participação de causas dos capítulos CID- 10 no total de óbitos? 32

33 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Qual a porcentagem de participação das causas CID-BR-10 no total de óbitos? Karsch (1998); Lima-Costa et al (2003) Brasil apresenta a segunda maior taxa de mortalidade por AVC do mundo Crescente demanda por procedimentos diagnósticos e terapêuticos das doenças crônicas não transmissíveis 33

34 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Qual a porcentagem de participação das causas CID-BR-10 no total de internações? Processo de envelhecimento reduz elasticidade reduz capacidade vital reduz mecanismo de defesa 34 Manid (2001); Santos (2002)

35 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Qual a porcentagem de participação dos capítulos CID-10 no total de internações? Os acometimentos do envelhecimento não devem ser explicados por uma única doença Camarano (2004) 35

36 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Motivos das variações das taxas de internação ao longo dos anos (informações referentes ao Brasil) Redução nas taxas de internação por doenças do aparelho circulatório sugerindo efeito dos programas iniciais de combate à hipertensão Redução da causa de internação por doenças do aparelho respiratório associado ao programa de vacinação dos idosos (influenza) Aumento das taxas de internação por doenças do aparelho digestivo, relacionando este fato com o consumo em demasia de algumas medicações e a má alimentação que ocorre com freqüência nos grandes centros urbanos. Gois e Veras (2010) 36

37 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Localidade Alto do Tietê30,1 32,128,2 Franco da Rocha19,222,022,919,9 Guarulhos18,920,620,817,0 Manaciais19,524,928,719,7 Rota dos Bandeirantes20,320,818,818,3 Santo André20,017,521,523,2 São Paulo20,520,823,321,6 RMSP20,921,023,321,7 Prioridade I do Pacto pela Vida Taxa de internação por fratura de fêmur Aumento da taxa de internação por lesões, envenenamentos e algumas outras consequências das causas externas Influência das quedas nos idosos como um dos fatores de maior destaque Gois e Veras (2010) Taxa de internação hospitalar por fratura de fêmur em pessoas idosas residentes na Região Metropolitana de São Paulo por habitantes idosos, Fonte: SIH/SUS - Datasus 37

38 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Prioridade I do Pacto pela Vida Taxa de internação por fratura de fêmur Taxa de internação hospitalar por fratura de fêmur em pessoas idosas residentes na Região do Alto do Tietê por habitantes idosos, no período de 2007 a Fonte: SIH/SUS - Datasus 38 Região do Alto do Tietê Município Arujá15,922,521,119,3 Biritiba-Mirim14,218,024,218,3 Ferraz de Vasconcelos32,334,433,721,2 Guararema31,536,458,940,1 Itaquaquecetuba34,927,329,118,2 Mogi das Cruzes29,125,924,924,1 Poá27,641,048,035,7 Salesópolis31,432,531,530,7 Santa Isabel56,252,335,034,8 Suzano27,330,939,545,1 Região do Alto do Tietê30,1 32,128,2

39 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Qual a porcentagem de participação dos capítulos CID-10 no total de internações, por sexo? Sexo Masculino Sexo Feminino Grupo de doenças (CID-10) Alto do Tietê Franco da Rocha Grande ABC GuarulhosMananciais Rota dos Bandeirantes São Paulo Aparelho circulatório25,2125,5227,3233,0727,4326,5631,10 Aparelho respiratório7,501,8711,025,226,205,4712,27 Pele e do tecido subcutâneo12,508,5711,6714,0811,6914,7810,18 Aparelho digestivo15,5522,7414,4514,2114,2611,809,87 Ouvido e da apófise mastóide 9,726,575,566,628,606,848,00 Proporção de internações hospitalares (%) dos idosos do sexo masculino por grupo de doenças CID-10 em 2009 Grupo de doenças (CID-10) Alto do Tietê Franco da Rocha Grande ABCGuarulhosMananciais Rota dos Bandeirantes São Paulo Aparelho circulatório25,4527,6026,3433,0129,5127,8227,72 Neoplasias (tumores)6,902,419,344,623,332,4211,92 Lesões enven e alg out conseq causas externas 12,648,076,797,659,399,2410,02 Aparelho respiratório15,7217,9114,0413,4113,5711,959,67 Aparelho digestivo10,417,3610,7113,809,6915,439,11 Proporção de internações hospitalares (%) dos idosos do sexo masculino por grupo de doenças CID-10 em 2009 Fonte: SIH/SUS - Datasus 39

40 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Internações hospitalares No Brasil, neoplasia como causa que merece maior preocupação - saiu do 6º lugar em 1994 (4%) para o 4º lugar em 2005 (8%) No Brasil, quase 40% das internações por neoplasias foram de mulheres idosas confirmando importante presença desta causa nas internações de idosos do sexo feminino. Gois e Veras (2010) Camarano et al (1999) 40

41 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde O acesso aos serviços de saúde e a auto-percepção da saúde como indicadores Pesquisa observou prevalência de doenças crônicas maior entre as mulheres e entre os que não possuíam planos de saúde - analisando dados do Brasil colhidos na PNAD de1998 Almeida et al (2002) SexoMuito bomBomRegularRuimMuito ruim Masculino10%43%35%10%2% Feminino9%45%34%8%3% Auto-avaliação da saúde dos idosos residentes na Região Metropolitana de São Paulo, segundo sexo 2008 Plano de saúdeMuito bomBomRegularRuimMuito ruim Possui14%47%31%6%* Não possui7%42%37%11%4% Auto-avaliação da saúde dos idosos residentes na Região Metropolitana de São Paulo, segundo cobertura por plano de saúde, 2008 Fonte: PNAD Auto-avaliação semelhante para ambos sexos Acesso pode influenciar na percepção de saúde do individuo 41

42 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução Metodologia Limitações do estudo Condições de vida e saúde Capacidade instalada Considerações finais 42

43 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Capacidade instalada Estabelecimentos e leitosProdução de serviços de saúde ao idoso Abrangência da Estratégia de Saúde da Família para a população idosa O setor suplementar 43

44 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Rede Estadual de Assistência à Saúde do idoso Hospitais gerais Centros de Referência em Assistência à Saúde do Idoso 7 Centros na RMSP 4 São Paulo 3 Grande ABC. 77% dos idosos da RMSP Estado SP (preconizado): 15 Centros Estado SP: 22 centros Fonte: CNES (Jan2011), Portaria Ministerial nº 702, de 12 de Abril de

45 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde leitos existentes na Região Metropolitana de São Paulo Localidade Leitos estimados pela Portaria Leitos existentesPorcentagem Alto do Tietê % Franco da Rocha % Guarulhos % Mananciais % Rota dos Bandeirantes % Grande ABC % São Paulo % RMSP % Número de leitos estimados pela Portaria nº 1.101/GM de 2002, leitos existentes e proporção entre leitos existentes e estimados para a população da Região Metropolitana de São Paulo e suas Regiões de Saúde, em janeiro de 2011 Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde – CNES (Jan/2011) Portaria nº 1.101/GM, 12/06/

46 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Capacidade instalada 46 Estabelecimentos e leitosProdução de serviços de saúde ao idoso Abrangência da Estratégia de Saúde da Família para a população idosa O setor suplementar

47 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Produção ambulatorial Produção Ambulatorial realizada pela população da Região Metropolitana de São Paulo, por grupo de procedimentos, 2008 a 2010 Fonte: SIA/SUS - Datasus 47 Grupo de procedimento Medicamentos Procedimentos clínicos Procedimentos com finalidade diagnóstica Órteses, próteses e materiais especiais Procedimentos cirúrgicos Transplantes de orgãos, tecidos e células Ações complementares da atenção à saúde Total

48 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Consultas de atenção básica Portaria n° estima a necessidade para uma população heterogênea Algumas regiões realizaram um número menor de consultas de atenção básica do que o estimado Localidade Consultas dos Idosos Consultas estimadas pela Portaria Porcentagem Alto do Tietê ,7% Franco da Rocha ,5% Guarulhos ,9% Mananciais ,4% Rota dos Bandeirantes ,3% Grande ABC ,0% São Paulo ,7% RMSP ,4% Número de Consultas de Atenção Básica realizadas e preconizadas pela Portaria dos idosos residentes na Região Metropolitana de São Paulo e suas Regiões de Saúde, em 2009 Fonte: SIA/SUS - Datasus e Portaria nº 1.101/GM, 12/06/

49 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Cobertura de consultas da atenção bá sica A Portaria n° 1101 preconiza 1,5 consultas de atenção básica por habitante por ano. Localidade Consultas dos Idosos População de idosos Cobertura Alto do Tietê ,65 Franco da Rocha ,80 Guarulhos ,15 Mananciais ,18 Rota dos Bandeirantes ,47 Grande ABC ,21 São Paulo ,07 RMSP ,20 Número de Consultas de Atenção Básica realizadas, População de idosos e cobertura de consultas na população de idosos de acordo com a Região Metropolitana de São Paulo e suas Regiões de Saúde, em Fonte: SIA/SUS - Datasus e IBGE 49

50 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Consultas especializadas Localidade Consultas dos Idosos Consultas estimadas pela Portaria Porcentagem Alto do Tietê % Franco da Rocha % Guarulhos % Mananciais % Rota dos Bandeirantes % Grande ABC % São Paulo % RMSP % Número de Consultas Especializadas realizadas e preconizadas pela Portaria dos idosos residentes na Região Metropolitana de São Paulo e suas Regiões de Saúde, em Fonte: SIA/SUS - Datasus e Portaria nº 1.101/GM, 12/06/

51 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Cobertura de consultas especializadas Número de Consultas de Especialidade realizadas, População de idosos e cobertura de consultas na população de idosos de acordo com a Região Metropolitana de São Paulo e suas Regiões de Saúde, em 2009 Fonte: SIA/SUS - Datasus e IBGE Localidade Consultas dos Idosos População de idosos Cobertura Alto do Tietê ,22 Franco da Rocha ,85 Guarulhos ,82 Mananciais ,78 Rota dos Bandeirantes ,66 Grande ABC ,38 São Paulo ,86 RMSP ,69 51

52 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Internações (SIH) Número de internações da população idosa residente na Região Metropolitana de São Paulo e suas Regiões de Saúde, por 100 habitantes idosos, em Fonte: SIH/SUS - Datasus Localidade Internações SUS/100 idosos Alto do Tietê11,1 Franco da Rocha10,7 Guarulhos11,4 Mananciais14,9 Rota dos Bandeirantes11,2 Grande ABC10,5 São Paulo9,1 RMSP9,9 Portaria 1.101: 7 a 9% de internações por habitante, por ano para a população em geral. 52

53 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Internações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) em % dos idosos entrevistados na RMSP estiveram internados nos últimos 12 meses Destes, 53% apresentavam cobertura de plano de saúde. 53 Fonte: PNAD-IBGE (2008)

54 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Internações - Série Histórica Fonte: IBGE /Datasus 54

55 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Internações por causas sensíveis à atenção básica Proporção de internações por causas sensíveis à atenção básica em idosos em relação ao total de internações em idosos residentes na Região Metropolitana de São Paulo, segundo as Regiões de Saúde, 2008 a Fonte: SIH/SUS - Datasus 55 Localidade Alto Tietê32,5%32,0%31,1% Rota dos Bandeirantes30,8%28,7%26,3% São Paulo26,2%25,5%25,1% Guarulhos33,7%34,2% Grande ABC28,9%28,1%26,7% Mananciais31,5%29,5%27,0% Franco da Rocha36,1%36,4%35,5% RMSP28,2%27,4%26,6%

56 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Internações por causas sensíveis à atenção básica Proporção de internações por causas sensíveis à atenção básica em idosos em relação ao total de internações em idosos residentes na Região Metropolitana de São Paulo, segundo as causas de internação, Fonte: SIH/SUS - Datasus 56 CausasProporção de internações Insuficiência cardíaca6,0% Doenças cerebrovasculares4,8% Hipertensão2,4% Infecção no rim e trato urinário2,3% Angina2,0% Diabetes melitus1,9% Doenças pulmonares1,7% Úlcera gastrointestinal1,1% Infecção da pele e tecido subcutâneo1,1% Pneumonias bacterianas1,0% Outras causas2,2%

57 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Considerações sobre a assistência à saúde do idoso O envelhecimento proporciona aumento de incidência e prevalência para diversas morbidades Eleva a demanda de serviços de saúde pelos idosos aumentando a necessidade de consultas, de atendimento especializado e internação Readequação da Portaria n° para planejamento de serviços de saúde para idosos, pois além de suas especificidades, representam uma parcela significativa e crescente da população 57 Cesar e Paschoal in Lebrão e Duarte (2003 )

58 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Capacidade instalada 58 Estabelecimentos e leitos destinados ao idoso na RMSPProdução de serviços de saúde ao idoso Abrangência da Estratégia de Saúde da Família para a população idosa O setor suplementar

59 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Estratégia de Saúde da Família Segundo a Estratégia de Saúde da Família é preconizada 1 Equipe de Saúde da Família (ESF) para pessoas População RMSP 2009: Necessidade de ESFExistem ESF28% do preconizado 59 Fonte: IBGE/Datasus; SIAB/Datasus (Dez/2009); Portaria GM/MS 648 de 2006

60 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Equipes de Saúde da Família Número total de Equipes de Saúde da Família cadastradas e número de Equipes de Saúde da Família estimadas pela Portaria GM/MS 648 de 2006 para atendimento à população idosa na Região Metropolitana de São Paulo e suas Regiões de Saúde, em LocalidadeEquipes cadastradas Número de equipes necessárias para atender a população idosa Alto do Tietê5328 Franco da Rocha379 Guarulhos6723 Mananciais5517 Rota dos Bandeirantes533 Grande ABC21367 São Paulo RMPS Fonte: IBGE/Datasus; SIAB/Datasus (Dez/2009); Portaria GM/MS 648 de

61 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Cadastramento na Estratégia de Saúde da Família População de idosos, número de idosos cadastrados na Estratégia de Saúde da Família e proporção de cadastro sobre a população de idosos na Região Metropolitana de São Paulo e suas Regiões de Saúde, Fonte: IBGE/Datasus; SIAB/Datasus (Dez/2009) Localidade População de idosos residentes População de idosos cadastrados Porcentagem Alto do Tietê ,5% Franco da Rocha ,7% Grande ABC ,3% Guarulhos ,8% Mananciais ,8% Rota dos Bandeirantes ,8% São Paulo ,6% RMSP ,3% 61

62 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Capacidade instalada 62 Estabelecimentos e leitos destinados ao idoso na RMSPProdução de serviços de saúde ao idoso Abrangência da Estratégia de Saúde da Família para a população idosa O setor suplementar

63 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Idosos beneficiários de planos de saúde Número de idosos beneficiários de plano de saúde, população de idosos e proporção de idosos com plano de saúde no município de São Paulo, Região Metropolitana de São Paulo, Estado de São Paulo e Brasil, em Fonte: IBGE/Datasus; SIB/ANS/MS (Dez/2009) Localidade Número de idosos beneficiários População de idosos residentes na RMSP Porcentagem de idosos com plano de saúde Brasil ,6% São Paulo - Estado ,0% RMSP ,0% São Paulo - Municipio ,2% 63

64 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Saúde suplementar segundo a PNAD 53% dos idosos da RMSP que foram internados, apresentavam algum plano de saúde 46% dos idosos que realizaram consulta médica neste período também estavam cobertos pelo plano de saúde privado. Fonte: PNAD-IBGE (2008) 64

65 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Crescimento do número de beneficiários idosos na última década Fonte: SIB/ANS/MS 65

66 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Setor de saúde suplementar: algumas considerações Um estudo realizado no Estado do Rio Grande do Sul observou que com o aumento da renda, o idoso apresentava maior tendência a escolher o atendimento pela rede privada de saúde O aumento da renda do brasileiro idoso nos últimos anos: provável responsável pelo aumento de beneficiários nesta idade Questionamento sobre a qualidade da assistência a saúde prestada pelo setor público a esta população 66 Bós e Bós (2004) IBGE (2005)

67 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Introdução Metodologia Limitações do estudo Condições de vida e saúde Capacidade instalada Considerações finais 67

68 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Considerações finais 68

69 PROAHSA Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde Orientador: Álvaro Escrivão Júnior Autores: Ana Júlia Alves de Faria Julianne Rodrigues de Moraes Rosa Mariana Wiezel dos Santos Marina Boralli de Sousa Rafael Moraes Pinto Renata Paccagnella de Picoli 69


Carregar ppt "Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde PROAHSA Junho de 2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google