A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Física Geral e Experimental III Prof. Ms. Alysson Cristiano Beneti Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista Faculdade de Engenharia Elétrica – FEE Bacharelado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Física Geral e Experimental III Prof. Ms. Alysson Cristiano Beneti Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista Faculdade de Engenharia Elétrica – FEE Bacharelado."— Transcrição da apresentação:

1 Física Geral e Experimental III Prof. Ms. Alysson Cristiano Beneti Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista Faculdade de Engenharia Elétrica – FEE Bacharelado em Engenharia Elétrica Aula 9 Eletrodinâmica: Corrente Elétrica e Resistência Elétrica IPAUSSU-SP 2012

2 Definição: é uma grandeza que mede a quantidade de carga elétrica que atravessa determinada área de um condutor em determinado intervalo de tempo. Corrente Elétrica Onde: Q – carga elétrica – C(Coulomb) t – tempo - s(segundo) i – corrente elétrica – A(Ampère)

3 O movimento de cargas elétricas no interior de condutores ocorre por meio da migração de elétrons de uma extremidade do condutor para a outra. Corrente Elétrica Condutor sem ddp aplicada em suas extremidades. Movimento aleatório dos elétrons em direções diversas, por causa da agitação molecular (proporcional à temperatura) Condutor com ddp aplicada em suas extremidades. Surge um campo elétrico no interior do fio que interage com o campo elétrico de cada elétron, promovendo uma força eletrostática. O movimento aleatório dos elétrons em direções diversas ainda existe, mas é sobreposto ao movimento de arrasto dos elétrons dentro do condutor. Simulação

4 Sentidos da Corrente Elétrica Real: movimento dos elétrons (polo negativo para o positivo) Convencional: movimento hipotético de cargas positivas (polo positivo para o negativo, não existe na realidade) É o que ocorre na realidade, o movimento de elétrons. Não existe movimento de prótons, mas permanece esta concepção por motivos históricos até hoje. Símbolo de uma Pilha (Gerador)

5 Exemplo 1. (Halliday, p.160) Durante os 4 minutos em que uma corrente de 5 Ampères atravessa um fio, (a) quantos coulombs e (b) quantos elétrons passam por uma secção reta do fio?

6 Efeitos da Corrente Elétrica Térmico ou JouleQuímicoMagnéticoLuminosoFisiológico

7 Para descrever o fluxo de cargas elétricas em determinado ponto do circuito, utilizamos o conceito de densidade de corrente (J), que tem mesma direção e sentido da velocidade das cargas elétricas (elétrons). Densidade de Corrente Elétrica (J)

8 Os elétrons se movem no interior dos condutores com uma velocidade de deriva dada por: Velocidade de Deriva de Corrente (vd) Densidade de corrente (A/m 2 ) Densidade de carga dos portadores (C/m 3 ) Velocidade dos elétrons sem corrente elétrica = 10 6 m/s Velocidade dos elétrons com corrente elétrica = ou m/s Velocidade dos elétrons sem corrente elétrica = 10 6 m/s Velocidade dos elétrons com corrente elétrica = ou m/s

9 Exemplo 1. (Halliday, p.160) Uma corrente de 1, A atravessa um fio de cobre de 2,5mm de diâmetro. O número de portadores de carga por unidade de volume é 8, m -3. Supondo que a corrente é uniforme, calcule (a) a densidade de corrente e (b) a velocidade de deriva dos elétrons. Recomendo resolver o exemplo 26-5 página 150 do Halliday

10 É uma grandeza que representa a oposição que os materiais possuem à passagem de corrente elétrica. Resistência Elétrica (R) Isolantes: resistência elétrica maior Condutores: resistência elétrica menor OBS: vale lembrar que para altas ddp´s os isolantes são ionizados e tornam-se condutores. Unidade de medida de resistência Volt/Ampère = (OHM)

11 A segunda Lei de Ohm é empregada no cálculo da resistência, considerando a estrutura atômica do material (resistividade ), a área de secção transversal do condutor (A) e o comprimento desde condutor (L) Resistência (R) e Resistividade Elétrica ( ) L A Simulação

12 A resistividade varia com a temperatura. Podemos calcular esta variação: Resistência (R) e Resistividade Elétrica ( ) Resistividade do cobre em função da temperatura.

13 Exemplo 1. (Halliday, p.149) Uma amostra de ferro em forma de paralelepípedo tem dimensões 1,2cm x 1,2cm x 15cm. Uma ddp é aplicada à amostra entre as faces paralelas de tal forma que as faces são superfícies equipotenciais. Determine a resistência da amostra se as faces paralelas forem (1) as extremidades quadradas (1,2cm x 1,2cm); (2) as extremidades retangulares (1,2cm x 15cm)


Carregar ppt "Física Geral e Experimental III Prof. Ms. Alysson Cristiano Beneti Instituto Tecnológico do Sudoeste Paulista Faculdade de Engenharia Elétrica – FEE Bacharelado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google