A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SEMINÁRIO: ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS E ESTUDOS DE EMISSÁRIO SUBMÁRINO PARA O MUNICIPIO DE FLORIANOPOLIS A PROBLEMÁTICA DA DESTINAÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SEMINÁRIO: ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS E ESTUDOS DE EMISSÁRIO SUBMÁRINO PARA O MUNICIPIO DE FLORIANOPOLIS A PROBLEMÁTICA DA DESTINAÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 SEMINÁRIO: ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS E ESTUDOS DE EMISSÁRIO SUBMÁRINO PARA O MUNICIPIO DE FLORIANOPOLIS A PROBLEMÁTICA DA DESTINAÇÃO DE EFLUENTES NO MUNICIPIO DE FLORIANÓPOLIS Bertoldo Silva Costa 27/11/09

2 RESOLUÇÕES CONAMA RESOLUÇÃO CONAMA 01/86 RESOLUÇÃO CONAMA 01/86 Dispõe sobre a obrigatoriedade de EIA/RIMA RESOLUÇÃO CONAMA nº 274/2000 RESOLUÇÃO CONAMA nº 274/2000 Dispõe sobre a Balneabilidade RESOLUÇÃO CONAMA 357/2007. RESOLUÇÃO CONAMA 357/2007. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. LEI Nº , de 13 de abril de 2009 Institui o Código Estadual do Meio Ambiente e estabelece outras providências

3 RESOLUÇÃO 01/86 Artigo 5º - O estudo de impacto ambiental, além de atender à legislação, em especial os princípios e objetivos expressos na Lei de Política Nacional do Meio Ambiente, obedecerá às seguintes diretrizes gerais: Artigo 5º - O estudo de impacto ambiental, além de atender à legislação, em especial os princípios e objetivos expressos na Lei de Política Nacional do Meio Ambiente, obedecerá às seguintes diretrizes gerais: I - Contemplar todas as alternativas tecnológicas e de localização de projeto, confrontando-as com a hipótese de não execução do projeto; I - Contemplar todas as alternativas tecnológicas e de localização de projeto, confrontando-as com a hipótese de não execução do projeto; II - Identificar e avaliar sistematicamente os impactos ambientais gerados nas fases de implantação e operação da atividade ; II - Identificar e avaliar sistematicamente os impactos ambientais gerados nas fases de implantação e operação da atividade ; III - Definir os limites da área geográfica a ser direta ou indiretamente afetada pelos impactos, denominada área de influência do projeto, considerando, em todos os casos, a bacia hidrográfica na qual se localiza; III - Definir os limites da área geográfica a ser direta ou indiretamente afetada pelos impactos, denominada área de influência do projeto, considerando, em todos os casos, a bacia hidrográfica na qual se localiza; lV - Considerar os planos e programas governamentais, propostos e em implantação na área de influência do projeto, e sua compatibilidade. lV - Considerar os planos e programas governamentais, propostos e em implantação na área de influência do projeto, e sua compatibilidade. Parágrafo Único - Ao determinar a execução do estudo de impacto ambiental o órgão estadual competente, ou o IBAMA ou, quando couber, o Município, fixará as diretrizes adicionais que, pelas peculiaridades do projeto e características ambientais da área, forem julgadas necessárias, inclusive os prazos para conclusão e análise dos estudos. Parágrafo Único - Ao determinar a execução do estudo de impacto ambiental o órgão estadual competente, ou o IBAMA ou, quando couber, o Município, fixará as diretrizes adicionais que, pelas peculiaridades do projeto e características ambientais da área, forem julgadas necessárias, inclusive os prazos para conclusão e análise dos estudos.

4 (*) geralmente média geométrica de 80% da amostras Normas de lançamento Padrões microbiológicos de balneabilidade e corpos d´água

5 RESOLUÇÃO 357/07 CONSIDERANDO CONSIDERANDO a água integra as preocupações do desenvolvimento sustentável,baseado nos a água integra as preocupações do desenvolvimento sustentável,baseado nos princípios da função ecológica da propriedade, da prevenção, da precaução, do poluidor-pagador, do usuário-pagador e da integração, bem como no reconhecimento de valor intrínseco à natureza

6 CONSIDERANDO CONSIDERANDO a Constituição Federal e a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981,visam controlar o lançamento no meio ambiente de poluentes, a Constituição Federal e a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981,visam controlar o lançamento no meio ambiente de poluentes, proibindo o lançamento em níveis nocivos ou perigosos para os seres humanos e outras formas de vida RESOLUÇÃO 357/07

7 CONSIDERANDO CONSIDERANDO a saúde e o bem-estar humano, bem como o equilíbrio ecológico aquático, não devem ser afetados pela deterioração da qualidade das águas. RESOLUÇÃO 357/07

8 CAPÍTULO I – DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO I – DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO II – Da Classificação Dos Corpos De Água CAPÍTULO II – Da Classificação Dos Corpos De Água –Seção I – Das Águas Doces –Seção II – Das Águas Salinas –Seção III – Das Água Salobras CAPÍTULO II –Das Condições e Padrões De Qdade Das Águas CAPÍTULO II –Das Condições e Padrões De Qdade Das Águas Seção I – Das Disposições Gerais Seção I – Das Disposições Gerais Seção II – Das Águas Doces Seção II – Das Águas Doces Seção III – Das Águas Salinas Seção III – Das Águas Salinas CAPÍTULO IV – Das Condições e Padrões de Lançamento de Efluentes CAPÍTULO IV – Das Condições e Padrões de Lançamento de Efluentes CAPÍTULO V – Diretrizes Ambientais para o Enquadramento CAPÍTULO V – Diretrizes Ambientais para o Enquadramento CAPÍTULO VI – Disposições Finais e Transitórias CAPÍTULO VI – Disposições Finais e Transitórias RESOLUÇÃO 357/07

9 Art. 2o Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: – –I - águas doces: águas com salinidade igual ou inferior a 0,5 ; – –II - águas salobras: águas com salinidade superior a 0,5 e inferior a 30 ; – –III - águas salinas: águas com salinidade igual ou superior a 30 ; – –XV - corpo receptor: corpo hídrico superficial que recebe o lançamento de um efluente; RESOLUÇÃO 357/07

10 CAPÍTULO II Da Classificação Dos Corpos De Água DAS ÁGUAS DOCES Art. 4º. Águas Destinadasclasse 1classe 2classe 3classe 4 ao abastecimento para consumo humano, após tratamento SimplificadoConvencional Convenciaonal ou Avançado à proteção das comunidades aquáticas; x à recreação de contato primário contato secundário à irrigação de hortaliças hortaliças (consumida s cruas) hortaliças, plantas frutíferas e de parques, jardins, campos de esporte e lazer, com os quais o público possa vir a ter contato direto; culturas arbóreas, cerealíferas e forrageiras; à dessedentação de animais. x à proteção das comunidades aquáticas em Terras Indígenas. x à aqüicultura e à atividade de pesca. x à pesca amadora; x Navegação x Harmonia paisagística x

11 CAPÍTULO II Da Classificação Dos Corpos De Água Das Águas Salinas. Art. 5ª classe especialclasse 1classe 2classe 3 à preservação dos ambientes aquáticos em unidades de conservação de proteção integral à recreação de contato primário, conforme Resolução CONAMA no 274, de 2000; à pesca amadora; e à navegação à preservação do equilíbrio natural das comunidades aquáticas. à proteção das comunidades aquáticas; e à recreação de contato secundário. à harmonia paisagística. à aqüicultura e à atividade de pesca.

12 CAPÍTULO II Da Classificação Dos Corpos De Água As águas salobras. Art. 6º classe especialclasse 1classe 2classe 3 à preservação dos ambientes aquáticos em unidades de conservação de proteção integral à recreação de contato primário, conforme Resolução CONAMA no 274, de 2000 à pesca amadora; e à navegação à preservação do equilíbrio natural das comunidades aquáticas. à proteção das comunidades aquáticas; à recreação de contato secundário. à harmonia paisagística. à aqüicultura e à atividade de pesca; ao abastecimento para consumo humano após tratamento convencional ou avançado; à irrigação de hortaliças que são consumidas cruas e de frutas que se desenvolvam rentes ao solo e que sejam ingeridas cruas sem remoção de película, e à irrigação

13 CAPÍTULO III Das Condições e Padrões De Qualidade Das Águas Art. 8o O conjunto de parâmetros de qualidade de água selecionado para subsidiar a proposta de enquadramento deverá ser monitorado periodicamente pelo Poder Público.

14 CAPÍTULO III Das Condições E Padrões De Qualidade Das Águas Art. 11. O Poder Público poderá, a qualquer momento, acrescentar outras condições e padrões de qualidade, para um determinado corpo de água, ou torná-los mais restritivos, tendo em vista as condições locais, mediante fundamentação técnica.

15 CAPÍTULO IV Das Condições e Padrões de Lançamento de Efluentes Art. 24. Os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados, direta ou indiretamente, nos corpos de água, após o devido tratamento e desde que obedeçam às condições, padrões e exigências dispostos nesta Resolução e em outras normas aplicáveis. Parágrafo único. O órgão ambiental competente poderá, a qualquer momento: I - acrescentar outras condições e padrões, ou torná-los mais restritivos, tendo em vista as condições locais, mediante fundamentação técnica; e II - exigir a melhor tecnologia disponível para o tratamento dos efluentes, compatível com as condições do respectivo curso de água superficial, mediante fundamentação técnica.

16 CAPÍTULO IV Das Condições e Padrões de Lançamento de Efluentes Art. 25. É vedado o lançamento e a autorização de lançamento de efluentes em desacordo com as condições e padrões estabelecidos nesta Resolução. Parágrafo único. O órgão ambiental competente poderá, excepcionalmente, autorizar o lançamento de efluente acima das condições e padrões estabelecidos no art. 34, desta Resolução, desde que observados os seguintes requisitos: I - comprovação de relevante interesse público, devidamente motivado; II - atendimento ao enquadramento e às metas intermediárias e finais, progressivas e obrigatórias; III - realização de Estudo de Impacto Ambiental-EIA, às expensas do empreendedor responsável pelo lançamento; IV - estabelecimento de tratamento e exigências para este lançamento; e V - fixação de prazo máximo para o lançamento excepcional.

17 CAPÍTULO IV Das Condições e Padrões de Lançamento de Efluentes Art. 33. Na zona de mistura de efluentes, o órgão ambiental competente poderá autorizar, levando em conta o tipo de substância, valores em desacordo com os estabelecidos para a respectiva classe de enquadramento, desde que não comprometam os usos previstos para o corpo de água. Parágrafo único. A extensão e as concentrações de substâncias na zona de mistura deverão ser objeto de estudo, nos termos determinados pelo órgão ambiental competente, às expensas do empreendedor responsável pelo lançamento.

18 CAPÍTULO IV Das Condições e Padrões de Lançamento de Efluentes Art. 34. Os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados, direta ou indiretamente, nos corpos de água desde que obedeçam as condições e padrões previstos neste artigo, resguardadas outras exigências cabíveis:

19 CAPÍTULO VI Disposições Finais e Transitórias Art. 42. Enquanto não aprovados os respectivos enquadramentos, as águas doces serão consideradas classe 2, as salinas e salobras classe 1, exceto se as condições de qualidade atuais forem melhores, o que determinará a aplicação da classe mais rigorosa correspondente.

20 LEI Nº , de 13 de abril de 2009 Institui o Código Estadual do Meio Ambiente e estabelece outras providências Art XI - DBO 5 dias, 20°C no máximo de 60 mg/l, sendo que este limite somente pode ser ultrapassado no caso de efluente de sistema de tratamento biológico de água residuária que reduza a carga poluidora em termos de DBO 5 dias, 20°C do despejo em no mínimo 80% (oitenta por cento); e XII - os efluentes líquidos, além de obedecerem aos padrões gerais anteriores, não devem conferir ao corpo receptor características em desacordo comos critérios e padrões de qualidade de água, adequados aos diversos usos benéficos previstos para o corpo de água.

21 INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO – EM FUNÇÃO DO GRAU DE TRATAMENTO PRELIMINAR – REMOÇÃO DE SÓLIDOS GROSSEIROS, GORDURAS E AREIA. PRELIMINAR – REMOÇÃO DE SÓLIDOS GROSSEIROS, GORDURAS E AREIA. PRIMÁRIO – SEDIMENTAÇÃO, FLOTAÇÃO, SISTEMAS ANAEROBIOS. PRIMÁRIO – SEDIMENTAÇÃO, FLOTAÇÃO, SISTEMAS ANAEROBIOS. SECUNDÁRIO – FILTRAÇÃO BIOLOGICA, LODOS ATIVADOS, DECANTAÇÃO FINAL. SECUNDÁRIO – FILTRAÇÃO BIOLOGICA, LODOS ATIVADOS, DECANTAÇÃO FINAL. TERCIÁRIO – DESINFECÇÃO, REMOÇÃO NUTRIENTES, FILTRAÇÃO FINAL TERCIÁRIO – DESINFECÇÃO, REMOÇÃO NUTRIENTES, FILTRAÇÃO FINAL

22 EMISSÁRIO SUBMÁRINO Disposição Final de Esgotos em águas oceânicas (após o devido tratamento), obedecendo às condições, padrões e exigências dispostos legislação ambiental e em outras normas aplicáveis. Disposição Final de Esgotos em águas oceânicas (após o devido tratamento), obedecendo às condições, padrões e exigências dispostos legislação ambiental e em outras normas aplicáveis. Transportam esgotos da costa até o ponto de lançamento previamente determinado. Transportam esgotos da costa até o ponto de lançamento previamente determinado. Final – possui canalização difusora cuja função é diluir (diluição inicial) adequadamente o esgoto na água do mar. Final – possui canalização difusora cuja função é diluir (diluição inicial) adequadamente o esgoto na água do mar. Zona de mistura – campo de esgotos Zona de mistura – campo de esgotos

23 Alguns Critérios Importantes a serem considerados –Para que o Emissário nãoProduza efeitos Deletéricos Uso e Aproveitamento das Águas Uso e Aproveitamento das Águas –Estético –Inabilitado e aproveitamento para a pesca –Esportivo –Balneário e receativo. Segurança Sanitaria Concentração de bactárias coliformes Concentração de bactárias coliformes Aumento turbidez Aumento turbidez Diminuição do Oxigenio Dissolvido Diminuição do Oxigenio Dissolvido Apareciemtno gorduras, flutuantes, sedimentos Apareciemtno gorduras, flutuantes, sedimentos Odores Odores Formação deposito no fundo do mar Formação deposito no fundo do mar Aumento nutrientes na água Aumento nutrientes na água toxidez toxidez

24 Filosofia do Projeto (estudos) deve Considerar Tipo de aproveitamento das águas e dos critérios estabelecidos. Tipo de aproveitamento das águas e dos critérios estabelecidos. Sazonalidade Sazonalidade Problemas de manutenção – operação, rompimento Problemas de manutenção – operação, rompimento Direção da descarga Direção da descarga

25 MINIMIZAÇÃO DO IMPACTO DO LANÇAMENTO NO MARINHO AMBIENTE TRÊS AÇÕES PRINCIPAIS PROJETO OTIMIZADO – –Máxima diluição – –Velocidade de autolimpeza PROGRAMAS SISTEMÁTICOS DE MONITORAMENTO AMBIENTAL E INSPEÇÃO - monitoramento marinho (água e sedimentos), das praias, dos efluentes e controle de odor inspeção periódica do emissário PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL - Plano de contingência para vazamento de produto químico, contaminação dos, resíduos, rompimento do emissário, etc. Programa Básico Ambiental – PBA (incluindo compensação ambiental)


Carregar ppt "SEMINÁRIO: ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS E ESTUDOS DE EMISSÁRIO SUBMÁRINO PARA O MUNICIPIO DE FLORIANOPOLIS A PROBLEMÁTICA DA DESTINAÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google