A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Vivei o Presente Abdruschin (Escrito em 1931) Vivei o Presente Abdruschin (Escrito em 1931)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Vivei o Presente Abdruschin (Escrito em 1931) Vivei o Presente Abdruschin (Escrito em 1931)"— Transcrição da apresentação:

1

2 Vivei o Presente Abdruschin (Escrito em 1931) Vivei o Presente Abdruschin (Escrito em 1931)

3 Ao observarmos o ser humano encontramos várias divisões. Uma parte vive exclusivamente no passado, isto é, só começam a compreender as coisas quando estas já são passadas. O resultado é que eles não podem alegrar-se verdadeiramente a respeito de um acontecimento nem sentir intuitivamente a gravidade de qualquer coisa. Ao observarmos o ser humano encontramos várias divisões. Uma parte vive exclusivamente no passado, isto é, só começam a compreender as coisas quando estas já são passadas. O resultado é que eles não podem alegrar-se verdadeiramente a respeito de um acontecimento nem sentir intuitivamente a gravidade de qualquer coisa.

4 Somente depois é que começam a falar dela, a se entusiasmarem ou a se lastimarem. Desse modo se descuidam sempre dos acontecimentos do presente, ocupados com as conversas sobre os fatos decorridos, quer seja para lastimá-los ou para se aprazerem a seu respeito. Somente quando as coisas pertencem ao passado é que começam a dar-lhes valor. Somente depois é que começam a falar dela, a se entusiasmarem ou a se lastimarem. Desse modo se descuidam sempre dos acontecimentos do presente, ocupados com as conversas sobre os fatos decorridos, quer seja para lastimá-los ou para se aprazerem a seu respeito. Somente quando as coisas pertencem ao passado é que começam a dar-lhes valor.

5 Uma outra parte, ao contrário, vive no futuro. Só desejam e só tem esperança no futuro, esquecendo-se que o presente lhes pode dar muito, e esquecendo-se também de se mover, de modo que possam transformar em realidade muitos de seus sonhos de futuro. Ambas as partes, às quais pertence a maior porção da humanidade, não têm vivido realmente sobre a Terra. Estão perdidos em sua existência terrena. Uma outra parte, ao contrário, vive no futuro. Só desejam e só tem esperança no futuro, esquecendo-se que o presente lhes pode dar muito, e esquecendo-se também de se mover, de modo que possam transformar em realidade muitos de seus sonhos de futuro. Ambas as partes, às quais pertence a maior porção da humanidade, não têm vivido realmente sobre a Terra. Estão perdidos em sua existência terrena.

6 Haverá também indivíduos que compreenderão por modo inteiramente falso o grito: Vivei o presente! julgando talvez que com isso tenho em mente aconselhar o aproveitamento e gozo de cada momento, inculcando uma existência frívola. Há muitas pessoas que passam pela vida cambaleando dessa maneira insensata. É certo que com esse apelo exige-se o aproveitamento incondicional de cada minuto, interiormente, não no sentido superficial, somente externo. Haverá também indivíduos que compreenderão por modo inteiramente falso o grito: Vivei o presente! julgando talvez que com isso tenho em mente aconselhar o aproveitamento e gozo de cada momento, inculcando uma existência frívola. Há muitas pessoas que passam pela vida cambaleando dessa maneira insensata. É certo que com esse apelo exige-se o aproveitamento incondicional de cada minuto, interiormente, não no sentido superficial, somente externo.

7 Cada hora do presente deve ser verdadeiramente vivida pelo homem! Tanto a alegria como o sofrimento. O homem deve encontrar-se aberto em todos os seus sentidos e o pensamento a todos os sentimentos do presente, e, por esse motivo, encontrar-se desperto. Somente assim terá lucro com a vida terrena que lhe foi destinada. Cada hora do presente deve ser verdadeiramente vivida pelo homem! Tanto a alegria como o sofrimento. O homem deve encontrar-se aberto em todos os seus sentidos e o pensamento a todos os sentimentos do presente, e, por esse motivo, encontrar-se desperto. Somente assim terá lucro com a vida terrena que lhe foi destinada.

8 Não poderá encontrar a verdadeira vida nem com os pensamentos do passado nem com os sonhos a respeito do futuro, porque ambos não podem ser bastante fortes para imprimir seu cunho próprio no espírito, a ponto de constituir isso um lucro que possa levar para o Além. Se não viver mesmo, não poderá ficar amadurecido. O amadurecimento depende de viver. Não poderá encontrar a verdadeira vida nem com os pensamentos do passado nem com os sonhos a respeito do futuro, porque ambos não podem ser bastante fortes para imprimir seu cunho próprio no espírito, a ponto de constituir isso um lucro que possa levar para o Além. Se não viver mesmo, não poderá ficar amadurecido. O amadurecimento depende de viver.

9 Se na vida terrena não se faz viver sempre o presente em si próprio, voltará vazio, tendo que percorrer novamente o caminho que não soube aproveitar, porque não se encontrava desperto, não soube apropriar-se dele por meio da verdadeira vida. A vida terrena é como um degrau no ser integral do homem, e por tal modo grande que o indivíduo não pode saltá-lo. Se não firmar bem o pé nesse degrau, não poderá passar para o seguinte, porque necessita daquele como fundamento próprio. Se na vida terrena não se faz viver sempre o presente em si próprio, voltará vazio, tendo que percorrer novamente o caminho que não soube aproveitar, porque não se encontrava desperto, não soube apropriar-se dele por meio da verdadeira vida. A vida terrena é como um degrau no ser integral do homem, e por tal modo grande que o indivíduo não pode saltá-lo. Se não firmar bem o pé nesse degrau, não poderá passar para o seguinte, porque necessita daquele como fundamento próprio.

10 Se os homens imaginam toda sua existência nesta Terra como um esforço para voltar à Luz, tem que adquirir consciência clara de que só poderão passar para um determinado degrau depois de haver preenchido verdadeiramente o anterior, e firmado bem o pé nele. Pode-se dizer tudo por modo mais forte ainda: somente da realização total e incondicional de um determinado degrau que tem de ser vivido é que pode desenvolver-se o degrau subseqüente. Se os homens imaginam toda sua existência nesta Terra como um esforço para voltar à Luz, tem que adquirir consciência clara de que só poderão passar para um determinado degrau depois de haver preenchido verdadeiramente o anterior, e firmado bem o pé nele. Pode-se dizer tudo por modo mais forte ainda: somente da realização total e incondicional de um determinado degrau que tem de ser vivido é que pode desenvolver-se o degrau subseqüente.

11 Se o indivíduo não preenche cabalmente com o viver, o único meio que tem disponível para alcançar o amadurecimento, o degrau em que se encontra, não poderá ver o que vem a seguir, porque precisará para isso da realização do viver do degrau anterior. Somente com o aparelhamento adquirido pelo próprio viver é que fica com a força necessária para reconhecer e galgar o degrau superior. Se o indivíduo não preenche cabalmente com o viver, o único meio que tem disponível para alcançar o amadurecimento, o degrau em que se encontra, não poderá ver o que vem a seguir, porque precisará para isso da realização do viver do degrau anterior. Somente com o aparelhamento adquirido pelo próprio viver é que fica com a força necessária para reconhecer e galgar o degrau superior.

12 E assim se dá, sucessivamente, de degrau em degrau. Se quiser olhar somente para o ponto mais elevado, sem atender aos degraus intermédios que o levarão àquele, jamais conseguirá alcançar a meta desejada. Os degraus que se verá na contingência de construir para poder elevar-se, serão muito precários, e demasiado ligeiros, desfazendo-se no momento de serem ensaiados para a ascensão. E assim se dá, sucessivamente, de degrau em degrau. Se quiser olhar somente para o ponto mais elevado, sem atender aos degraus intermédios que o levarão àquele, jamais conseguirá alcançar a meta desejada. Os degraus que se verá na contingência de construir para poder elevar-se, serão muito precários, e demasiado ligeiros, desfazendo-se no momento de serem ensaiados para a ascensão.

13 Esse perigo é obviado pelo fato muito natural de só poder desenvolver-se o degrau ulterior pela realização completa do degrau presente. Quem não quiser, portanto, ficar com sua existência pela metade em um degrau qualquer e ter que voltar continuamente aos já percorridos, esforce-se sempre por pertencer completamente ao presente, para aprendê-lo com acerto, vivê-lo inteiramente, para que possa tirar disso proveitos espirituais. Esse perigo é obviado pelo fato muito natural de só poder desenvolver-se o degrau ulterior pela realização completa do degrau presente. Quem não quiser, portanto, ficar com sua existência pela metade em um degrau qualquer e ter que voltar continuamente aos já percorridos, esforce-se sempre por pertencer completamente ao presente, para aprendê-lo com acerto, vivê-lo inteiramente, para que possa tirar disso proveitos espirituais.

14 Não lhe faltará com isso também o lucro terreno, porque a primeira vantagem colhida consiste em não esperar dos homens e do tempo senão o que realmente podem dar! Desse modo jamais poderá iludir-se, assim como ficará sempre em harmonia com seu ambiente. Não lhe faltará com isso também o lucro terreno, porque a primeira vantagem colhida consiste em não esperar dos homens e do tempo senão o que realmente podem dar! Desse modo jamais poderá iludir-se, assim como ficará sempre em harmonia com seu ambiente.

15 Mas se trouxer consigo somente o passado ou devaneios do futuro, suas expectativas poderão ultrapassar facilmente os limites de seu presente, tendo que ficar desse modo em desarmonia com ele, o que não somente lhe ocasionará sofrimentos como também aos que o cercam mais de perto. Mas se trouxer consigo somente o passado ou devaneios do futuro, suas expectativas poderão ultrapassar facilmente os limites de seu presente, tendo que ficar desse modo em desarmonia com ele, o que não somente lhe ocasionará sofrimentos como também aos que o cercam mais de perto.

16 É certo que o homem deve também pensar no passado para tirar dele experiência, assim como fazer sonhos a respeito do futuro, afim de receber estímulo... Mas só se deve viver conscientemente o presente! É certo que o homem deve também pensar no passado para tirar dele experiência, assim como fazer sonhos a respeito do futuro, afim de receber estímulo... Mas só se deve viver conscientemente o presente!

17


Carregar ppt "Vivei o Presente Abdruschin (Escrito em 1931) Vivei o Presente Abdruschin (Escrito em 1931)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google