A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Esta solenidade era celebrada já no século IV. João, filho de Zacarias e Isabel, parente da Virgem, é o Precursor de Jesus Cristo, e coloca a serviço.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Esta solenidade era celebrada já no século IV. João, filho de Zacarias e Isabel, parente da Virgem, é o Precursor de Jesus Cristo, e coloca a serviço."— Transcrição da apresentação:

1

2 Esta solenidade era celebrada já no século IV. João, filho de Zacarias e Isabel, parente da Virgem, é o Precursor de Jesus Cristo, e coloca a serviço dessa missão toda a sua vida, cheia de austera penitência e de zelo pelas almas. Como Ele próprio nos disse: Convém que Ele cresça e eu diminua. Esse é também o processo que deve verificar-se na vida de todo o fiel cristão. São João Batista

3 I. HOUVE UM HOMEM enviado por Deus, de nome João. Veio para dar testemunho da luz e preparar para o Senhor um povo bem disposto. Santo Agostinho faz notar que a Igreja celebra o nascimento de João como algo sagrado, e é o único nascimento que se festeja: celebramos o nascimento de João e o de Cristo. É o último Profeta do Antigo Testamento e o primeiro que indica o Messias. O seu nascimento foi motivo de alegria para muitos, para todos aqueles que pela sua pregação conheceram a Cristo;

4 Foi a aurora que anuncia a chegada do dia. Por isso São Lucas faz constar expressamente a época em que o Batista iniciou a sua missão, num momento histórico bem determinado: No ano décimo quinto do reinado de Tibério Cesar, sendo governador da Judéia Pôncio Pilatos, tetrarca da Galiléia Herodes…João representa a linha divisória entre os dois Testamentos. A sua pregação foi o começo do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. E o seu martírio, um presságio da Paixão do Salvador. Contudo, João era uma voz passageira; Cristo é a palavra eterna desde o princípio.

5 Os quatro Evangelistas não duvidam em aplicar a João o belíssimo oráculo de Isaías: Eis que eu envio o meu mensageiro para que te preceda e te prepare o caminho. Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. O Profeta refere-se em primeiro lugar ao regresso dos judeus à Palestina, depois do cativeiro da Babilônia: vê Javé como rei e redentor do seu povo, depois de tantos anos no desterro, caminhando à sua frente pelo deserto da Síria para conduzi-lo com firmeza à pátria

6 Conforme o antigo costume do Oriente, é precedido por um arauto, que anuncia a proximidade da sua chegada e faz com que se preparem os caminhos, de que ninguém naqueles tempos costumava cuidar a não ser em circunstâncias muito relevantes. Esta profecia, além de se ter cumprido com o fim do cativeiro, viria a ter um segundo cumprimento, mais pleno e profundo, ao chegarem os tempos messiânicos. O Senhor também teria o seu arauto na pessoa do Precursor, que o precederia preparando os corações para a sua vinda.

7 Contemplando hoje a grande figura do Batista, que cumpriu tão fielmente a sua missão, podemos pensar se também nós aplainamos os caminhos do Senhor, para que Ele entre na alma dos nossos amigos e parentes que ainda estão longe da sua amizade, e para que os que estão próximos se deem mais generosamente. Nós, cristãos, somos os arautos de Cristo no mundo de hoje. O Senhor serve-se de nós como tochas, para que essa luz ilumine… Depende de nós que muitos não permaneçam nas trevas, mas andem por caminhos que levam até à vida eterna.

8 II. A MISSÃO DE JOÃO caracteriza-se sobretudo por ser o Precursor, aquele que anuncia outro: Veio para dar testemunho da luz, a fim de que todos cressem por ele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz.

9 Assim diz no início do seu Evangelho aquele discípulo que conheceu Jesus graças à preparação e à indicação expressa que recebeu do Batista: No dia seguinte, achando-se João outra vez com dois dos seus discípulos, fixou os olhos em Jesus que passava e disse: Eis o Cordeiro de Deus. Ouvindo as suas palavras, os dois discípulos seguiram Jesus. Que grandes recordações e que imenso agradecimento não teria o Apóstolo São João quando, quase no fim da vida, evocava no seu Evangelho aquele tempo passado junto do Batista, que foi instrumento do Espírito Santo para que conhecesse Jesus, seu tesouro e sua vida!

10 A pregação do Precursor estava em perfeita harmonia com a sua vida austera e mortificada: Fazei penitência – clamava sem descanso –, porque o reino dos Céus está próximo. Tais palavras, corroboradas pela sua vida exemplar, causaram uma forte impressão em toda a região, e em breve João se viu rodeado por um numeroso grupo de discípulos, dispostos a ouvir os seus ensinamentos. Um forte movimento religioso sacudiu toda a Palestina. As multidões, como agora, estavam sedentas de Deus, e a esperança do Messias era muito viva.

11 São Mateus e São Marcos sublinham que iam ter com João pessoas de todos os lugares: de Jerusalém e das outras aldeias da Judéia, como também da Galiléia, pois os primeiros discípulos que Jesus encontrou eram galileus. Diante dos enviados do Sinédrio, João dá-se a conhecer com as palavras de Isaías: Eu sou a voz que clama. Com a sua vida e as suas palavras, João deu testemunho da verdade: sem covardias perante os que ostentavam o poder, sem se deixar afetar pelos louvores das multidões, sem ceder às contínuas pressões dos fariseus. Deu a vida em defesa da lei de Deus contra todas as conveniências humanas: Não te é lícito ter a mulher do teu irmão, disse a Herodes.

12 A força de João era pouca para conter os desvarios do tetrarca, e o alcance da sua voz muito limitado para preparar para o Messias um povo bem disposto. Mas a palavra de Deus ganhava força nos seus lábios. Na segunda Leitura da Missa, a liturgia aplica ao Batista as palavras do Profeta: Tornou a minha boca semelhante a uma espada afiada, cobriu-me com a sombra da sua mão. Fez de mim uma flecha penetrante, guardou-me na sua aljava. E enquanto Isaías pensa: Foi em vão que padeci, foi em vão que gastei as minhas forças, o Senhor diz-lhe: Vou converter-te em luz das nações, para propagar a minha salvação até os confins da terra.

13 O Senhor deseja que o anunciemos por meio da nossa conduta e da nossa palavra no ambiente em que nos desenvolvemos, ainda que nos pareça que esse apostolado não tem grande alcance. A missão que o Senhor nos encomenda atualmente é a mesma de João: preparar os caminhos, sermos seus arautos, os que o anunciam aos corações. A coerência entre a doutrina e a conduta é a melhor prova da validade daquilo que proclamamos; e é, em muitas ocasiões, a condição imprescindível para falarmos de Deus às almas.

14 III. A MISSÃO DO ARAUTO é desaparecer, ficar em segundo plano quando chega aquele que foi anunciado. Tenho para mim – diz São João Crisóstomo – que por isso foi permitida quanto antes a morte de João, para que, desaparecido ele, todo o fervor da multidão se dirigisse para Cristo, ao invés de se repartir entre os dois. Um erro grave de qualquer precursor seria deixar que o confundissem com aquele que esperam, ainda que fosse por pouco tempo. Uma virtude essencial em quem anuncia Cristo é, pois, a humildade.

15 Dos doze Apóstolos, cinco, conforme menção expressa do Evangelho, tinham sido discípulos de João. E é muito provável que os outros sete também o fossem; ao menos, todos eles o tinham conhecido e podiam dar testemunho da sua pregação. No apostolado, a única figura que deve ser conhecida é Cristo. Ele é o tesouro que anunciamos e é a Ele que temos de levar os outros. A santidade de João, as suas virtudes rijas e atraentes, a sua pregação…, tinham contribuído para que pouco a pouco ganhasse corpo a ideia de que era ele o Messias esperado.

16 Profundamente esquecido de si mesmo, João só deseja a glória do seu Senhor e do seu Deus; por isso protesta abertamente: Eu vos batizo em água, mas eis que está para chegar outro mais forte do que eu, a quem não sou digno de desatar a correia das sandálias; Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo. João, diante de Cristo, considera-se indigno de prestar-lhe os serviços mais humildes, reservados ordinariamente aos escravos de ínfima categoria: trazer e levar as sandálias, desatar-lhes as correias. Diante do Batismo instituído pelo Senhor, o seu não é senão água, símbolo da limpeza interior que deveriam efetuar nos seus corações aqueles que esperavam o Messias. O Batismo de Cristo é o do Espírito Santo, que purifica à semelhança do fogo.

17 Olhemos novamente para o Batista: um homem de caráter firme, como Jesus recorda à multidão: Que saístes a ver no deserto? Uma cana agitada pelo vento? O Senhor sabia, e as pessoas também, que a personalidade de João não se compaginava com a falta de caráter. A humildade não é falta de caráter, mas hombridade enérgica que se apaga diante do Senhor, porque sabe que é Ele que produz em nós o querer e o agir. Quando os judeus foram dizer aos discípulos de João que Jesus reunia mais discípulos que o seu mestre, e o comentário chegou aos ouvidos do Batista, este respondeu: Eu não sou o Messias, mas fui enviado adiante dEle…

18 É necessário que Ele cresça e eu diminua. Esta é a tarefa da nossa vida: que Cristo tome conta do nosso viver. Convém que Ele cresça… Então a nossa felicidade não terá limites, pois poderemos dizer com o Apóstolo: Eu vivo, mas não sou eu; é Cristo que vive em mim. Na medida em que Cristo for penetrando mais e mais nas nossas pobres vidas, a nossa alegria será irreprimível. Peçamos ao Senhor, com o poeta: Que eu seja como uma flauta de cana, simples e oca, onde só Tu possas soprar. Ser somente a voz de outro que clama no deserto. Ser a tua voz, Senhor, no meio do mundo, no ambiente e no lugar onde queres que transcorra a minha vida.

19 Texto – Pe. Francisco F. Carvajal – Imagens Google – Música Benedictus – Formatação Altair Castro 24/06/2012


Carregar ppt "Esta solenidade era celebrada já no século IV. João, filho de Zacarias e Isabel, parente da Virgem, é o Precursor de Jesus Cristo, e coloca a serviço."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google