A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Lacunas para a pesquisa e divulgação para a assistência

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Lacunas para a pesquisa e divulgação para a assistência"— Transcrição da apresentação:

1 Aumento da prematuridade no país: melhoria de acesso à tecnologia ou prematuridade evitável?
Lacunas para a pesquisa e divulgação para a assistência Maria do Carmo Leal Vice-Presidente de Ensino, Informação e Comunicação Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz agosto/2008

2 Prematuridade Maior determinante da morbidade e mortalidade do RN;
Vem aumentando no mundo contemporâneo; Aumento maior da prematuridade tardia (34-37 sg); Estudos recentes apontam para o risco de efeitos adversos para qualquer nível de prematuridade; As intervenções obstétricas têm sido responsabilizadas por uma parte deste crescimento.

3 Porcentagem de nascimentos classificados como prematuros nos Estados Unidos, 1981-2004.
Proporção de Nascimento Prematuro (%) Ano Fonte: Goldenberg, R.; Culhane, J F; Romero, R. Epidemiology and causes of preterm birth.. January, Disponível em: <http://www.thelancet.com>. Acesso em

4 Precursores Obstétricos da Prematuridade
Prematuridade Espontânea (membranas intactas) Complicações maternas ou fetais (parto induzido ou cesáreas ) Ruptura Prematura de Membranas (trabalho de parto prematuro) Fonte: Goldenberg, R.; Culhane, J F; Romero, R. Epidemiology and causes of preterm birth.. January, Disponível em: <http://www.thelancet.com>. Acesso em

5 Tendência temporal dos nascimentos únicos pré-termo segundo precursores obstétricos nos EUA, Todos nascimentos prematuros Nascimentos prematuros espontâneos Indicações médicas Ruptura de membranas Nascimento prematuros < 37 semanas (%) Fonte: Goldenberg, R.; Culhane, J F; Romero, R. Epidemiology and causes of preterm birth.. January, Disponível em: <http://www.thelancet.com>. Acesso em

6 Mudança temporal dos nascimentos únicos pré-termo segundo precursores obstétricos em relação ao ano de 1989 nos EUA. Indicações medicas Todos nascimentos prematuros Nascimentos prematuros espontâneos Ruptura de membranas Mudança na taxa de nascimento pré-termo em relação a 1989 (%) Fonte: Goldenberg, R.; Culhane, J F; Romero, R. Epidemiology and causes of preterm birth.. January, Disponível em: <http://www.thelancet.com>. Acesso em

7 Indicadores selecionados construídos a partir de informações do SINASC segundo Grande Região e categoria populacional, Brasil, 2005 Região População (hab.) Mães com Ensino Fundam. Incompleto (%) Mães sem Consulta Pré-natal (%) Mães com 7 ou + Consultas Pré-natais (%) Baixo Peso ao Nascer (%) Parto Prematuro (%) Parto Cesáreo (%) Norte < 70,6 8,0 22,0 5,9 4,8 25,2 51,7 5,0 33,8 7,3 5,4 37,2 Total 59,2 6,2 29,1 6,8 5,2 32,4 Nordeste 72,3 4,0 30,4 6,5 5,1 24,7 51,6 3,4 41,5 8,3 39,3 61,8 3,7 36,0 7,4 5,7 32,1 Sudeste 51,3 1,2 60,8 8,2 6,3 48,7 34,4 1,5 69,9 9,2 7,8 52,6 38,1 1,4 67,9 9 7,5 Sul 51,8 0,8 66,8 6,4 49,1 37,6 69,3 8,9 50,3 43,2 68,3 8,4 49,8 Centro-Oeste 53,5 58,7 5,3 47,3 38,4 1,9 60,4 8,1 50,5 43,7 1,7 59,8 6,7 49,7 Brasil 62,6 3,1 44,2 7,1 5,5 35,7 40,8 2,3 58,8 8,7 7,2 47,5 48,5 2,6 53,6 6,6 43,3 Andrade C L T; Szwarcwald C L; Castilho E A - Baixo peso ao nascer no Brasil de acordo com as informações sobre nascidos vivos do Ministério da Saúde, C S P, 2008 Fonte:

8 Percentual de baixo peso ao nascer por idade gestacional segundo Grande Região e categoria populacional, Brasil, 2005 % Baixo Peso ao Nascer Região Idade gestacional < ,00 hab. > hab. Total Norte < 32 semanas 97,8 96,1 96,7 32 a 36 semanas 34,7 55,1 47,4 37 ou mais 4,1 4,2 5,9 7,3 6,8 Nordeste 97,9 45,6 59,2 53,2 4,0 4,4 6,5 8,2 Sudeste 98,0 56,7 59,0 58,6 4,5 9,1 8,9 Sul 98,8 98,7 56,0 58,0 7,8 8,8 8,4 Centro-Oeste 98,4 98,1 51,5 51,7 3,4 3,8 6,3 8,0 7,4 Brasil 49,7 58,2 55,6 4,3 7,0 8,6 Andrade C L T; Szwarcwald C L; Castilho E A - Baixo peso ao nascer no Brasil de acordo com as informações sobre nascidos vivos do Ministério da Saúde, C S P, 2008

9 Evolução percentual da prematuridade (IG <37 semanas) segundo tipo de parto e prestador no MRJ. SINASC, 1996 1997 1998 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 CV(%) Município RJ Vaginal 8,3 8,8 9,2 9,3 9 9,1 7,3 8,1 -2,4 Cesáreo 6,8 6,7 7,1 9,7 10,6 10,7 10,4 11,6 70,6 Total 7,6 7,5 8 9,4 9,8 8,9 9,9 30,3 Estabelecimentos do SUS 8,5 8,4 8,6 7,9 -7,1 12,2 13,5 13,4 14,5 14 14,6 55,3 Estabelecimentos Privados 6,9 7 8,2 7,8 7,2 9,6 10,2 4,2 50,7 4,9 4,7 4,8 6,6 6 6,4 98

10 Características das mães e dos RN por parto vaginal nos estabelecimentos do SUS no MRJ. SINASC, Variáveis 1996 1998 2000 2002 2004 2006 Média 1996/2006 CV(%) 1996/2006 Idade da mãe 10 a 19 28,8 29,1 27,8 27,3 26,7 28,1 -7,2 20 a 34 63,5 63,3 63 64,1 64,8 65,5 3,2 35 e mais 7,7 7,6 7,9 8,1 7,8 0,8 Escolaridade Fundamental Incompompleto 67,7 66,3 60,7 56,6 52,5 47,4 57,9 -30 Fundamental Completo e + 32,3 33,7 39,3 43,4 47,5 52,6 42,1 62,9 Consulta pré-natal 0 a 3 - 21,6 20,9 17,5 16,6 19 -23,2 4 a 6 39,6 31,6 30,5 32,7 32,9 -17,4 7 e mais 38,8 52 50,7 48,1 30,7 Apgar 5º min < 7 3 2,6 2,3 2,2 2 2,4 -33,8 Baixo peso ao nascer (g) Sim 12,5 11,9 11 10,2 9,3 11,1 -25,5

11 Características das mães e dos RN por parto cesáreo nos estabelecimentos do SUS no MRJ. SINASC, Variáveis 1996 1998 2000 2002 2004 2006 Média 1996/2006 CV(%) 1996/2006 Idade da mãe 10 a 19 19,4 20,4 19,3 18,5 18 18,6 18,9 -4,4 20 a 34 69,4 68,4 68 67,9 68,3 -2,1 35 e mais 11,2 12,7 13,5 14,1 12,8 20,6 Escolaridade Fundamental Incomp. 53,9 54,7 51,4 47,8 45,8 40 48,6 -25,9 Fundam. Comp. e mais 46,1 45,3 52,2 54,2 60 30,3 Consulta pré-natal 0 a 3 - 13 12,9 11,5 12,2 -14,7 4 a 6 39,2 28,9 28,3 30,9 -26 7 e mais 58,2 60,2 59,9 57 25,3 Apgar 5º min < 7 3,9 3,4 2,9 3,2 2,8 2,6 3,1 -33,2 Baixo peso ao nascer (g) Sim 11,3 15,3 15,1 15,9 13,7 38,3

12 Características das mães e dos RN por parto vaginal nos estabelecimentos privados MRJ. SINASC, Variáveis 1996 1998 2000 2002 2004 2006 Média 1996/2006 CV(%) 1996/2006 Idade da mãe 10 a 19 10,5 9,4 9,3 11,6 6,0 8,4 10,0 -20,5 20 a 34 80,0 77,9 77,2 75,6 77,8 75,4 76,8 -5,8 35 e mais 9,5 12,7 13,5 12,8 16,2 13,2 72,0 Escolaridade Fundamental Incompleto 10,3 14,7 17,0 8,6 8,3 -37,2 Fundamental Completo e + 86,8 89,7 85,3 83,0 91,4 91,7 86,5 5,7 Consulta pré-natal 0 a 3 - 2,0 1,5 0,8 1,7 -14,7 4 a 6 8,2 3,8 2,5 4,7 4,4 -42,3 7 e mais 89,8 94,7 96,7 93,6 94,1 4,2 Apgar 5º min < 7 3,3 2,2 1,9 1,8 -45,3 Baixo peso ao nascer g Sim 7,9 8,7 8,0 7,1 17,7

13 Características das mães e dos RN por parto cesáreo nos estabelecimentos privados no MRJ. SINASC, Variáveis 1996 1998 2000 2002 2004 2006 Média 1996/2006 CV(%) 1996/2006 Idade da mãe 10 a 19 6,9 6,6 6 4,9 4,1 4,5 5,4 -34,6 20 a 34 78,8 77 76 75,6 76,1 76,5 -3,7 35 e mais 14,3 16,4 18 19,5 19,8 18,1 37 Escolaridade Fundamental Incompleto 10 8,9 12,3 9,3 7,9 5,9 9,1 -41,4 Fundamental Completo e + 90 91,1 87,7 90,7 92,1 94,1 90,9 4,6 Consulta pré-natal 0 a 3 - 0,5 0,3 0,2 -54,3 4 a 6 3,4 1,7 2,2 3,1 -62,8 7 e mais 93,6 96,3 98,1 97,6 96,6 4,2 Apgar 5º min < 7 1,4 1,2 1,1 0,9 0,7 1 -51,5 Baixo peso ao nascer (g) Sim 6,3 9,4 56,2

14 Algumas conclusões No período compreendido entre 1996 e 2006, no Município do Rio de Janeiro, apesar da melhoria de alguns indicadores de condição de vida e de acesso aos serviços de saúde na área obstétrica, tais como aumento do nível de instrução das mães, queda na taxa de gravidez na adolescência e melhoria do acesso ao pré-natal, vem ocorrendo: Aumento da prematuridade Aumento do baixo peso ao nascer Melhoria do Apgar no 7o minuto de vida do RN Conclusão: é provável que estejamos provocando uma epidemia de prematuridade iatrogênica no MRJ. Principalmente nas mulheres que são clientes do Sistema de Saúde Suplementar.

15 Algumas características do parto e nascimento nas três coortes de nascimento de Pelotas. Brasil, 2005 Fonte: Barros F C et al - The challenge of reducing neonatal mortality in middleincome countries: findings from three Brazilian birth cohorts in 1982, 1993, and Lancet, March, 2005.

16 Evidências dos prejuizos da prematuridade

17 Diferenças nas Taxas de Mortalidade Infantil (0-6 dias) entre Recém-nascidos a termo (37-41 SG) e pré-termo tardio (34-36 SG) Columbia - EUA, Óbitos x 1000 NV 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Pré-termo tardio 4.6 4.2 4.0 3.6 3.8 3.5 3.7 Nascido a termo 1.9 1.8 1.7 1.6 Pré-termo Tardio Nascidos a termo Causa de Morte de 0 a 6 dias N TMPneo Posto N TMPNeo Posto Taxa Risco Morte Súbita da Infância 784 89.9 1 4,332 45.2 2.0 Malformações congênitas e anormalidades cromossômicas 736 84.4 2 2,883 30.1 2.8 Acidentes (sem intencionalidade) 291 33.4 3 1,754 18.3 Doenças do Sistema Circulatório 126 14.5 4 690 7.2 Influenza e pneumonia 99 11.3 5 379 6 Homicidio 87 10.0 553 5.8 Septicemia 61 7.1 7 256 2.7 2.6 Gastrites, duodenites e enterites não infecciosas 26 3.0 8 82 0.9 12 3.3 Neoplasmas Malignos 25 2.9 9 143 1.5 Doenças do sangue 21 2.4 10 112 1.2 Total de óbitos em 3,192 15,167 Fonte: Tomashek K M et all.- Diferences in Mortality between Late-Preterm and Term Singleton Infants in the United States, The Journal of Pediatricts, November, 2007.

18 Diferenças nas Taxas de Mortalidade Infantil ( dias) entre Recém-nascidos a termo (37-41 SG) e pré-termo tardio (34-36 SG) Columbia - EUA, Óbitos x 1000 NV 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Pré-termo tardio 3.6 3.4 3.1 3.0 2.8 Nascido a termo 0.7 0.6 0.5 Pré-termo Tardio Nascidos a termo Causa de Morte de 28 a3 64 dias N TMNeoPre Posto Risco Malformações congênitas e anormalidades cromossômicas 1641 188.3 1 2827 29.5 6.4 Morte Súbita da Infância 87 10.0 2 440 4.6 2.2 Hipoxia Intrauterina e Asfixia ao nascer 82 9.4 3 51 12 18.8 Complicações da Placenta, Cordão e Membranas 71 8.2 4 196 2.0 4.1 Complicações Maternas da gravidez 54 6.2 5 58 9 10.3 Doenças do Sistema Circulatório 45 5.1 6 155 1.6 3.2 Hidropisia fetal não causada por doença hemolítica 7 27 0.3 18 17.0 Sepsemia Bacteriana do RN 42 4.8 8 114 1.2 4.0 Desordens relacionadas a prematuridade e BPN não classificadas em outro lugar 32 47 13 7.2 Angústia Respiratória do RN 30 10 35 0.4 15 8.5 Total de óbitos em 2506 5079 Fonte: Tomashek K M et all. – Diferences in Mortality between Late-Preterm and Term Singleton Infants in the United States, The Journal of Pediatricts, November, 2007.

19 Diferenças nas Taxas de Mortalidade Infantil (0-364 dias) entre Recém-nascidos a termo (37-41 SG) e pré-termo tardio (34-36 SG) Columbia - EUA, Óbitos x 1000 NV 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Pré-termo tardio 9.5 8.9 8.7 8.3 7.8 8.1 7.6 7.9 Nascido a termo 3.0 2.9 2.8 2.7 2.6 2.5 2.4 Pré-termo Tardio Nascidos a termo Causa de Morte de 0 a 364 dias N CMI Posto Risco Malformações congênitas e anormalidades cromossômicas 2,899 332.6 1 7,386 77.1 4.3 Morte Súbita da Infância 865 99.2 2 4,716 49.3 2.0 Acidentes (sem intencionalidade) 327 37.6 3 1,958 20.5 1.8 Doenças do Sistema Circulatório 213 24.5 4 986 10.3 Hipoxia Intrauterina e Asfixia ao nascer 147 16.8 5 682 7.1 Influenza e Pneumonia 107 12.2 6 431 4.5 7 Homicidio 100 11.5 600 6.3 Sepsemia Bacteriana do RN 98 11.2 8 250 9 Complicações da Placenta, Cordão e Membranas 93 10.7 234 10 Atelectasia 88 10.1 68 0.7 24 14.4 Total de óbitos em 6,840 23,956 Fonte: Tomashek K M et all. - Diferences in Mortality between Late-Preterm and Term Singleton Infants in the United States, The Journal of Pediatricts, November, 2007.

20 Idade gestacional (semanas)
Mortalidade a curto e longo prazo dos participantes femininos das coortes de nascimento de 1967 a 1988 da Noruega por sexo e idade gestacional. Idade gestacional (semanas) Idade ao morrer 22-27 28-32 33-36 37-42 >43 Mulheres (n= ) n = 2068 n = 4047 n = n = n = Óbito fetal Número de óbitos (%)a 1109 (53.6) 791 (19.6) 1053 (5.1) 1956 (0.38) 143 (0.52) RR (95% IC) 141 ( ) 51 (48-55) 13.5 ( ) 1 [Referência] 1.37 ( ) RR ajustado (95% IC)b 133 ( ) 51 (48-56) 13.5 ( ) 1.4 ( ) Infância (<1 ano) 667 (70.0) 647 (19.9) 582 (3.0) 2427 (0.47) 177 (0.66) 147 ( ) 43 (39-46) 6.3 ( ) 1.41 ( ) 144 ( ) 42 (39-45) 6.3 ( ) 1.4 ( ) Infância (1-5.9 anos) 5 (1.71) 9 (0.34) 58 (0.31) 977 (0.19) 64 (0.24) 9.1 ( ) 1.8 ( ) 1.61 ( ) 1.26 ( ) 9.7 ( ) 1.8 ( ) 1.6 ( ) 1.2 ( ) Infância ( anos) 3 (.09) 31 (.15) 512 (.10) 28 (.11) 1.17 ( ) 1.56 ( ) 1.07 ( ) 0.94 ( ) 1.5 ( ) 1.1 ( ) Adolescência ( anos) 4 (0.16) 25 (0.14) 474 (0.11) 28 (0.13) 0.59 ( ) 1.04 ( ) 1.14 ( ) 1.4 ( ) 1.3 ( ) 1.2 ( ) A Número de indivíduos que morreram na idade especificada segundo o grupo de idade e duração da gestação. B RR ajustado por idade, ano de nascimento, idade materna, instrução materna e todos os fatores preditores. Geeta, K. Swamy, MD; Truls Ostbye, MD, PhD; Rolv, Skjaerven, PhD. Association of Preterm Birth with Long-term Survival, Reprodution, and Next-Generation Preterm Birth. American Medical Association, July

21 Mortalidade a curto e longo prazo dos participantes masculinos das coortes de nascimento de 1967 a 1988 da Noruega por sexo e idade gestacional. Homens (n = ) n = 2534 n = 5357 n = n = n = Óbito fetal Número de óbitos (%)a 1333 (52.6) 985 (18.4) 1238 (4.8) 2083 (0.39) 159 (0.60) RR (95% IC) 136 ( ) 48 (44-51) 12.4 ( ) 1 [Referência] 1.55 ( ) RR ajustado (95% IC)b 126 ( ) 47 (44-50) 12.3 ( ) 1.6 ( ) Infância (<1 ano) 901 (75.0) 1101 (25.2) 860 (3.5) 3227 (0.60) 193 (0.73) 126 ( ) 42 (40-45) 5.8 ( ) 1.21 ( ) 118 ( ) 41 (39-44) 5.7 ( ) 1.2 ( ) Infância (1-5.9 anos) 4 (1.33) 24 (0.73) 100 (0.42) 1500 (0.28) 84 (0.32) 4.8 ( ) 2.6 ( ) 1.50 ( ) 1 [Referencia] 1.14 ( ) 5.3 ( ) 2.5 ( ) 1.5 ( ) 1.1 ( ) Infância ( anos) 3 (1.01) 12 (0.37) 46 (0.19) 858 (0.16) 60 (0.23) 6.4 ( ) 2.3 ( ) 1.21 ( ) 1.43 ( ) 7.0 ( ) 1.2 ( ) 1.4 ( ) Adolescência ( anos) 11 (0.34) 50 (0.21) 1042 (0.20) 65 (0.25) 1.33 ( ) 1.05 ( ) 1.27 ( ) 1.6 ( ) 1.0 ( ) 1.2 ( ) A Número de indivíduos que morreram na idade especificada segundo o grupo de idade e duração da gestação. B RR ajustado por idade, ano de nascimento, idade materna, instrução materna e todos os fatores preditores. Geeta, K. Swamy, MD; Truls Ostbye, MD, PhD; Rolv, Skjaerven, PhD. Association of Preterm Birth with Long-term Survival, Reprodution, and Next-Generation Preterm Birth. American Medical Association, July 2008.

22 Idade Gestational em semanas
Características reprodutivas e educacionais dos participantes femininos das coortes de nascimento da Noruega por sexo e idade gestacional Idade Gestational em semanas Características 22-27 28-32 33-36 37-42 >43 Mulheres (n = ) n = 216 n = 1543 n = 9680 n = n = Menor que secundário completo, % 33.3 32.2 29.9 24.7 28.4 RR(95% IC) 1.34 ( ) 1.29 ( ) 1.21 ( ) 1 [Referência] 1.15 ( ) RR ajustado (95% IC)a 1.28 ( ) 1.19 ( ) 1.13 ( ) 1.10 ( ) Pos-graduação % 36.6 37.1 37.7 43.4 39.4 0.84 ( ) 0.86 ( ) 0.87 ( ) 0.91 ( ) 0.86 ( ) 0.94 ( ) 0.93 ( ) 0.95 ( ) Pessoas com experiência reprodutiva, % 25.0 59.2 66.9 68.4 69.4 0.36 ( ) 0.85 ( ) 0.98 ( ) 1 1.01 ( ) Adjusted RR (95% CI)a 0.33 ( ) 0.81 ( ) 0.97 ( ) 1.0 ( ) Idade média (DP) ao nascer o primeiro filho. 25.4 (4.1) 24.4 (4.0) 24.5 (4.1) 24.7 (4.0) 24.4 (4.1) Filhos prematuros, % 14.0 9.2 8.8 6.4 5.7 2.1 ( ) 1.52 ( ) 1.42 ( ) 0.90 ( ) 2.4 ( ) 1.5 ( ) 1.4 ( ) 0.87 ( ) Morte fetal, taxa por 1000 NV e NM 20.8 14.8 8.9 7.6 7.7 2.79 ( ) 1.96 ( ) 1.17 ( ) 1.02 ( ) 2.5 ( ) 1.8 ( ) 1.1 ( ) 1.0 ( ) Mortalidade Infantil na prole, taxa por 1000 NV 10.6 7.5 4.1 3.9 4.5 2.72 ( ) 1.91 ( ) 1.03 ( ) 1.18 ( ) 2.5 ( ) 1.8 ( ) 1.1 ( ) 1.2 ( ) A RR ajustado por idade, ano de nascimento, idade materna, instrução materna e todos os fatores preditores. Geeta, K. Swamy, MD; Truls Ostbye, MD, PhD; Rolv, Skjaerven, PhD. Association of Preterm Birth with Long-term Survival, Reprodution, and Next-Generation Preterm Birth. American Medical Association, July 2008.

23 Características reprodutivas e educacionais dos participantes masculinos das coortes de nascimento da Noruega por sexo e idade gestacional Homens (n = ) n = 216 n = 1935 n = n = n = Menor que secundário completo, % 35.6 34.7 28.9 25.3 29.1 RR(95% CI) 1.42 ( ) 1.36 ( ) 1.14 ( ) 1 [Referência] 1.15 ( ) RR ajustado (95% IC)a 1.40 ( ) 1.27 ( ) 1.09 ( ) 1.11 ( ) Pos-graduação % 20.8 26.2 28.8 32.6 29.2 0.66 (.45-97) 0.80 ( ) 0.88 ( ) 0.90 ( ) 0.70 ( ) 0.87 ( ) 0.95 ( ) Pessoas com experiência reprodutiva, % 13.9 38.6 48.5 50.4 50.8 0.26 ( ) 0.74 ( ) 0.96 ( ) 1 1.01 ( ) 0.24 ( ) 0.70 ( ) 0.95 ( ) 1.0 ( ) Idade média (DP) ao nascer o primeiro filho. 26.9 (4.2) 26.4 (3.6) 26.5 (3.8) 26.5 (3.7) 26.3 (3.7) Filhos prematuros, % 14.0 6.7 6.9 6.1 6.4 2.5 ( ) 1.1 ( ) 1.15 ( ) 1.05 ( ) 2.5 ( ) 1.8 ( ) 1.1 ( ) 1.2 ( ) Morte fetal, taxa por 1000 NV e NM 5.6 6.2 7.6 0.87 ( ) 0.96 ( ) 1.2 ( ) 0.99 ( ) 0.96 ( ) 1.3 ( ) Mortalidade Infantil na prole, taxa por 1000 NV 2.4 4.5 3.2 3.8 0.75 ( ) 1.39 ( ) 1.18 ( ) 0.71 ( ) 1.4 ( ) 1.2 ( ) A RR ajustado por idade, ano de nascimento, idade materna, instrução materna e todos os fatores preditores. Geeta, K. Swamy, MD; Truls Ostbye, MD, PhD; Rolv, Skjaerven, PhD. Association of Preterm Birth with Long-term Survival, Reprodution, and Next-Generation Preterm Birth. American Medical Association, July 2008.

24 Prevalência de nascimentos prematuros por subgrupos de causas e ano de nascimento. Dados do Sistema de Informação Perinatal de nascidos vivos sem malformação congênita. Total Diferenças **P Espontâneo com complicações maternas 8.9 (2,179) 8.5 (4,307) 9.0 (6,680) 8.8 (13,166) 1.1 <.001 Espontâneo sem complicações maternas 62.1 (15,185) 63.3 (32,007) 56.0 (4,161) 59,5 (88,753) -9.8 Rutura prematura de placenta com complicações maternas 1.5 (379) 1.2 (609) 1.4 (1,014) 1.3 (2,002) -6.7 Rutura prematura de placenta sem complicações maternas 17.3 (4,236) 13.5 (6,844) 15.2 (11,247) 15.0 (22,327) -12.1 Indução/cesárea eletiva com complicações maternas 3.4 (828) 4.6 (2,349) 7.5 (5,577) 5.9 (8,754) 120.6 Indução/cesárea eletiva por outras causas* 6.8 (1,654) 8.9 (4,482) 11.0 (8,146) 9.6 (14,282) 61.8 9.4 (24,461 8.9 (50,598) 9.5 (74,225) 9.3 (149,284) -1. *Apresentação transversa, cesárea anterior, suspeito de ser pequeno para a idade gestacional e outros ** Teste X2 para tendência linear Barros, F C & Velez M P - Temporal Trends of Preterm Birth Subtypes and Neonatal Outcomes. Obstetrics & Gynecology, May, 2006.

25 Taxas de cesárea em vários países
FONTE: ANS

26 Taxas de cesariana nos países em desenvolvimento de acordo com o nível de renda.
Ref: Lancet 2005

27 Alguns dados do Brasil São 3.035.000 nascimentos 1.311.689 cesáreas
Taxas de cesárea em nível nacional 43% Taxas de cesárea em nível nacional no SUS 29% Taxas de cesárea em nível nacional no setor privado 80% Rio de Janeiro – 50% (90% privado e 41% público) São Paulo – 54% (90% privado e 41% no público) Ribeirão Preto – 50,8% (privado 77,9%; público 33,9%) São Luís – 33,7% (privado 93,7% e público 25,3%)

28 Fatores que influenciam as taxas de cesárea no Brasil
Localização geográfica de residência da mãe Condições socioeconômicas da clientela Fontes de financiamento dos serviços de saúde Modelo vigente de atenção médica. Um dos fatores aventados para este aumento de cesarianas, que seria a “demanda” das mulheres brasileiras, tem sido refutado em estudos nos serviços públicos e privados.

29 Sobre a decisão de fazer a cesárea: um estudo na saúde suplementar no RJ
Mais de 430 mulheres entrevistadas no momento do parto em duas unidades de saúde do Sistema Suplementar, localizadas na cidade do Rio e na Região Metropolitana do Rio e inquiridas sobre o seu desejo quanto o tipo de parto : Ao início da gestação 70% das multíparas e 80% das primíparas queriam ter um parto normal; Ao chegarem ã maternidade no momento do parto, apenas 30% delas queriam ter parto normal; Ao saírem da maternidade, 10% teve parto normal. Uma parte dos motivos referidos por elas para este resultado não coincidiam com o que estava escrito no prontuário (1/3 deles sem anotações) nem com os resultados perinatais observados (ex desproporção céfalo pélvica, hipertensão arterial materna, etc. Resultados semelhantes tese de doutoramento do Maluf em São Paulo.

30 Morbidade em recém-natos de cesáreas eletivas
Coorte Aarhus de nascimentos entre 1998 a 2006 na Dinamarca sem malformação congênita Autoes: Kirkeby H A et al, BMJ, dez 2007. Objetivo do estudo: avaliar morbidade respiratória (tacpnéia respiratória, síndrome de insuficiência respiratória, hipertensão pulmonar persistente), necessidade de oxigênio por mais de dois dias, ventilação mecânica e uso de oxigênio nasal em pressão positiva. Principais resultados: 2687 (8%) nascidos de cesárea eletiva quando comparados com os nascidos de parto vaginal, apresentaram mais elevado risco de morbidade respiratória. Quando na 37a semana gestacional OR 3,9 Quando na 38a semana gestacional OR 3,0 Quando na 39a semana gestacional OR 1,9 O mesmo padrão foi encontrado para morbidade respiratória grave, sendo os valores das OR maiores, 5.0 para 37 semanas de gestação.

31 Riscos de conseqüências adversas no próximo nascimento de uma cesárea anterior
Coorte retrospectiva de nascimentos únicos de secundíparas mulheres - entre 1998 a 2003 na Austrália. Autores: Kennare G D et al, Obstetrics & Gynecology, fev 2007. Objetivo do estudo: comparar as conseqüências no nascimento de (24%) mulheres que tiveram cesárea prévia com as (76%) que tiveram um parto vaginal prévio. Principais resultados: A coorte de cesárea prévia que realizou parto normal na segunda gestação, teve mais elevado risco (ajustado)de: Malapresentação OR 1,8 Placenta prévia OR 1,7 Hemorragia anteparto OR 1.2 Prolongado trabalho de parto OR 5.9 Cesárea de emergência OR 9.4 Ruptura uterina OR 84.4 Óbito materno OR 7.6 Baixo peso ao nascer OR 1.3 Nascimento morto (inexplicável) OR 2.3

32 Admissão de recém-nascidos a termo em UTI neonatais – estudo de base populacional
Estudo transversal de prontuários de nascimentos únicos de mulheres australianas de baixo risco gestacional - entre 1999 a 2002. Autoes:Tracy S K et al, BIRTH dez 2007. Objetivo do estudo: determinar a taxa de admissão de recém-natos em UTI neonatais em relação ao método de nascimento entre mulheres de baixo risco gestacional. Principais resultados: Taxa de admissão em UTI foi de 8,9% primíparas e 6,3% para multíparas. Para as que fizeram uma cesárea eletiva sem entrar em trabalho de parto: Taxas de internação de 15.4% para 37 SG; Taxas de internação de 12.1% para 38 SG Taxas de internação de 5.1% para 39 SG. Não houve diferença importante para a IG de 40 semanas e mais.

33 Reflexões sobre a pressa!

34 Taxas de cesárea na Inglaterra, Escócia e País de Gales, 1992 - 2005

35 Taxas de nascimento normal na Inglaterra e Escócia, 1990 - 2005

36 O que fazer? Documentar as evidências destes prejuizos nos RN e para as mulheres brasileiras; Realizar urgentemente investigações de abrangência nacional, em parceria com a ANS/MS; Estabelecer estratégias para redução das cesáreas eletivas, em parceria com as sociedades médicas.

37 Estratégias para redução de cesarianas desnecessárias
direcionadas aos profissionais (intervenções clínicas) – mudanças no manejo do parto, (estímulo à indução do parto), analgesia e monitoramento fetal; direcionadas às mulheres (intervenções psico-sociais) – orientações, emponderamento e suporte; direcionadas às instituições (intervenções estruturais) – implementação de diretrizes, auditoria, mecanismos de peer-review e segunda opinião.

38 Estratégias clínico-obstétricas
Manejo do parto Monitorização do bem-estar fetal (para redução das taxas de cesariana em situações de diagnóstico falso-positivo de SF pela CTG) Sem evidência conclusiva Analgesia Pouca diferença entre as técnicas Evidência inconclusiva

39 Estratégias clínico-obstétricas
Manejo do parto 1. Indução Para gestações ≥ 41 semanas, indução diminui taxa de cesariana, sem comprometimento perinatal. Misoprostol dose 25 μg via vaginal, parece ser a droga de escolha 2. Condução : - Manejo ativo do parto – sem evidência - Partograma (modelo da OMS - linha de ação 4h após linha de alerta) – redução de cesarianas e melhores indicadores perinatais

40 Estratégias clínico-obstétricas
Manejo do parto 2. Condução Apresentação pélvica – evidência da manobra de versão cefálica externa na redução de cesarianas, aparentemente sem comprometimento perinatal - Parto vaginal após cesariana Evidência de sucesso do parto vaginal Evidência inconclusiva em relação aos riscos maternos e neonatais Recomendação do ACOG, da SGOC e do RCOG (NICE).

41 Estratégias voltadas às mulheres: Informação
Informação para cesárea Sem redução da taxa de cesariana. Maior nível de conhecimento e menor nível de conflito para decisão das gestantes. Suporte contínuo parto Redução de cesariana sem comprometimento perinatal Redução mais acentuada para o suporte não-profissional. (não existem estudos específicos para acompanhantes familiares ) Menor duração do trabalho de parto, menor uso de analgesia, maior satisfação com o parto (profissionais de saúde podem considerar positiva a experiência de acompanhantes no trabalho de parto, sem situações de conflito) Suporte durante gravidez p/ mulheres de risco p/ BPN - Redução de cesariana

42 Estratégias institucionais
Continuidade no cuidado pré-natal/parto Redução da taxa de cesariana associada ao cuidado continuado (independente do profissional envolvido) Diversos benefícios associados ao cuidado continuado prestado por midwives. Diferentes estratégias (guidelines, opinião líderes, auditoria, fedback, midwifery) Redução das taxas de cesariana, principalmente quando uso de mais de uma estratégia, e quando há identificação de barreiras 2ª opinião Mandatória Discreta redução das taxas de cesariana, principalmente cesárea intraparto por distocia e sofrimento fetal

43

44 e-mail: duca@fiocruz.br
Muito obrigada


Carregar ppt "Lacunas para a pesquisa e divulgação para a assistência"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google