A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA – 2012 DENGUE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA – 2012 DENGUE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE."— Transcrição da apresentação:

1 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA – 2012 DENGUE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

2 * Dados consolidados até 3 de novembro de Fonte: NEVE/SESA Casos Notificados – 1995/2012*

3 * Dados consolidados até outubro Fonte: NEVE/SESA Incidência/ hab. por município Região Central

4 * Dados consolidados até outubro Fonte: NEVE/SESA Incidência/ hab. por município Região Sul

5 * Dados consolidados até 3 de novembro de Fonte: NEVE/SESA Incidência/ hab. por município Região Norte

6 * Dados consolidados até 3 de novembro Fonte: NEVE/SESA Incidência/ hab. por município Região Metropolitana

7 DEN 17 municípios12 municípios20 municípios15 municípios DEN 27 municípios11 municípios16 municípios3 municípios DEN 31 município 4 municípios DEN municípios Preocupação: EPIDEMIA com o DEN 4 – sorotipo recém-introduzido com população suscetível. Circulação do Vírus da Dengue por Sorotipo

8 O LACEN recebeu um total de amostras, de 73 municípios (31,9%) amostras foram positivas. Os municípios têm enviado poucas amostras para sorologia, extremamente necessárias para as confirmações fora do período epidêmico. Sorologia

9 Responsabilidade de gestores e da sociedade Intersetorialidade Garantir número adequado de agentes de endemias Controle Vetorial - Preocupações

10 Metodologia para conhecer a distribuição da infestação, por amostragem, num período de 3 a 5 dias, permitindo assim direcionar o trabalho dos agentes para os estratos mais comprometidos. Deve ser feito no mínimo em Jan/Mar/Out LIRAa não substitui o trabalho da rotina – necessário ainda fazer no mínimo de 4 ciclos anuais LIRAa

11 LIRAa POR MÊS – 2012 – ES MÊS JANMARJUNJULAGOOUT Aracruz2,20,80,6 Boa Esperança-----0,3 Bom Jesus do Norte1,00,7--0,0 Cachoeiro de Itapemirim-0,7-1,1-0,7 Cariacica3,52,1--- Conc. da Barra-0,7---- Colatina-2,2 --- Guarapari2,41,5-1,7-0,7 Ibiraçu0,20,3---- Itapemirim-0,0- -- Linhares-0,61,3-1,00,9 Marataízes0,50,7---- Montanha0, Nova Venécia0,30,1---0,2 Pinheiros Piúma-1,0--0,30,8 São Mateus0,02,0---6,3 Serra1,91,1-1,6-1,1 Viana-3,1---- Vila Velha-2,5-1,7-- Vitória1,11,6--3,01,8 Fonte: NEVE/SESA

12 Medido através do percentual positivo (presença de foco de Aedes) nos imóveis pesquisados através das visitas casa a casa, em cada ciclo. Munic. em ALERTA IIP – Índice de Infestação Predial 1,0 – 3,9Média IIP Baixo Guandu1.44 Colatina1.41 Linhares1.03 Marataízes1.07 Pedro Canário3.73 Piúma1.32 São Mateus1.70 Sooretama2.76 Viana2.32 Vila Valério1.15 Vitória2.05 Fonte: SISFAD

13 01 agente para cada 800 a 1000 imóveis nas atividades de visita casa a casa. OBJETIVO: inspecionar 100% dos imóveis a cada 2 meses. SITUAÇÃO HIPOTÉTICA: 01 agente para imóveis Cobertura comprometida, imóveis sem inspeção, manutenção do mosquito no ambiente, adoecimento de uma pessoa ou de uma coletividade. Parâmetros para Estruturação Do Controle Vetorial

14 Muitos municípios já apresentavam déficit de agentes. Após as eleições houve demissões e a situação está ainda pior. Sem uma equipe de agentes em número adequado e capacitada é impossível executar as ações necessárias para proteger a vida da população. Preocupação Governo Estadual/ Desafio Municipal

15 OBJETIVO: Diminuir danos, evitar óbitos. COMPREENDE: Capacitação de pessoal; Garantia de acesso; Hidratação em todos os pontos de atenção; Garantia de exame de hemograma no prazo estabelecido; A elaboração de planos de contingência municipais exequíveis e que atendam as necessidades locais; Intersetorialidade; Mobilização Social. Assistência aos Pacientes

16 Garantir materiais, equipamentos, medicamentos e outros insumos necessários de maneira contínua e organizada: soro fisiológico 0,9%; sais de hidratação oral; jelco/abocath/scalp adulto e infantil (nº 16, 18, 20, 22 e 24); equipo de soro; antipirético e analgésico (paracetamol e dipirona); esfigmomanômetro adulto; esfigmomanômetro infantil (Bolsa do manguito com 3 cm, 5 cm, 7 cm, 12 cm e 18 cm); estetoscópio; termômetro; cadeiras de hidratação. Ações para a Organização dos Serviços Assistenciais

17 Casos Graves de Dengue no ES – 2008 – 2012* AnoCasos GravesÓbitos % Letalidade , , , , *64781,24 *Dados até 03 de Novembro de Fonte: SESA/NEVE

18 Planos de Contingência – 2012/2013 Municípios que ainda não entregaram os Planos de Contingência Água Doce do Norte Barra de São Francisco Boa Esperança Castelo Conceição do Castelo Ecoporanga Fundão Ibitirama Irupi Itapemirim Jerônimo Monteiro Marataízes Marechal Floriano Mimoso do Sul Nova Venécia Pedro Canário Piúma Ponto Belo Rio Novo do Sul Santa Leopoldina São José do Calçado São Mateus

19 Ações da SESA Distribuição de bombas costais manuais; Distribuição de bombas costais motorizadas; Cessão de veículos para conter epidemias/surtos com retorno imediato à COUBV após o uso; Distribuição de Inseticidas; Manutenção de equipamentos de UBV leve e pesado; Capacitação de técnicos municipais para uso de UBV leve e pesado; Visitas de assessoria; Pesquisa do vetor e sua resistência aos produtos;

20 Ações da SESA Aquisição e distribuição de cadeiras para hidratação; Capacitação de profissionais de saúde; Investigação de óbitos suspeitos de dengue em parceria com os municípios; Produção e reprodução de material educativo e de manejo clínico; Campanhas educativas, campanhas de mídia. Disponibilidade de equipe de técnicos (médico veterinário, enfermeiro e biólogo) em todas as regionais de saúde para apoio técnico aos municípios.

21 Contatos Regionais Superintendência Regional de Saúde de Colatina – (27) – Késia Margoto; Superintendência Regional de Saúde de Vitória - (27) , 1893 – Orlei Amaral; Superintendência Regional de Saúde de São Mateus – (27) Cleusa Moreira; Superintendência Regional de Saúde de Cachoeiro – (28) – Maria Aparecida Stulz

22 Contatos Nível Central - SESA ROBERTO LAPERRIERE JR. - Médico Veterinário - (27) ALINE VALADARES – Bióloga – THERESA CARDOSO – Médica Infectologista – FABIANA VIEIRA – Médica Infectologista – FLÁVIA, ROSANGELA E HELEN – Programa de educação e mobilização social – ,2471 GILSA PIMENTA RODRIGUES – Coordenadora da Vigilância Epidemiológica – e

23 TADEU MARINO OBRIGADO!


Carregar ppt "SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA – 2012 DENGUE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google