A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A SIMPLICIDADE DO MAPA DE RISCOS Curso de CIPA Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A SIMPLICIDADE DO MAPA DE RISCOS Curso de CIPA Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais."— Transcrição da apresentação:

1

2 A SIMPLICIDADE DO MAPA DE RISCOS Curso de CIPA Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais

3 Histórico O MAPEAMENTO DE RISCO no Brasil, surgiu através da portaria nº 05 de 20/08/92, modificada pelas portarias nº 25 de 29/12/94 e portaria 08 de 23/02/99, tornando obrigatória a elaboração de MAPAS DE RISCO pelas CIPA´s. NR 05 – Item 5.16 Atribuições: a) Identificar os riscos do processo de trabalho e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior número de trabalhadores…NR 05 – Item 5.16 Atribuições: a) Identificar os riscos do processo de trabalho e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior número de trabalhadores…

4 Histórico CIPA primeira CIPA foi formada no Brasil (LIGHT-RJ) regulamenta ç ão da CIPA – participa ç ão cada vez maior do sindicato dos trabalhadores e instituto nacional de sa ú de Fundacentro MG desenvolve curso de CIPA com introdu ç ão do mapa de riscos atrav é s de modelo oper á rio italiano de 1972.

5 Definições Mapa de riscos: Representação gráfica do mapeamento de riscos ambientais

6 Definições Mapeamento de Riscos ambientais: O MAPEAMENTO DE RISCO é um levantamento dos locais de trabalho apontando os riscos que são sentidos e observados pelos próprios trabalhadores de acordo com a sua sensibilidade.

7 Riscos Ambientais: A norma considera como riscos ambientais os agentes: –físicos, –químicos –biológicos –riscos ergonômicos –riscos de acidentes Riscos em locais de trabalho e que venham a causar danos à saúde dos trabalhadores.

8 Riscos Ambientais Riscos físicos: 1.Ruído, 2.Vibrações, 3.Radiação ionizante (raio-x, alfa, gama) 4.Radiação não-ionizante (radiação do sol, radiação de solda), 5.Temperaturas extremas (frio / calor), 6.Pressões anormais 7.Umidade. Cor Verde

9 8 Agentes Físicos Ruído - máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, provocando a curto, médio e longo prazo sérios prejuízos à saúde.

10 Riscos Físicos 1 - RUÍDO O ruído é definido como um som indesejável, produto das atividades diárias da comunidade. O som representa as vibrações mecânicas da matéria através do qual ocorre o fluxo de energia na forma de ondas sonoras.

11 Agentes Agressivos à Saúde e suas Consequências Agentes Físicos – Conceitos e Consequências Ruído: Barulho ou som indesejável produzidos por máquinas, equipamentos ou processos. Efeitos à Audição Sensação de Zumbido Surdez Temporária Ruptura do Tímpano Surdez Permanente

12 Agentes Agressivos à Saúde e suas Consequências Ruído Efeitos no Trabalho Problemas na comunicação Baixa concentração Desconforto Cansaço Nervosismo Diminuição da produtividade

13 Agentes Agressivos à Saúde e suas Consequências Ruído Efeitos ao Organismo Aumento da pressão arterial Ansiedade e tensão Insônia Alterações menstruais Impotência sexual Desequilíbrio emocional Contração dos músculos Estreitamento dos vasos sangüíneos

14 RUÍDOS - As máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo a curto, médio e longo prazos provocar sérios prejuízos à saúde. - Dependendo do tempo de exposição, nível sonoro e da sensibilidade individual, as alterações danosas poderão manifestar-se imediatamente ou gradualmente. - Quanto maior o nível de ruído, menor deverá ser o tempo de exposição ocupacional.

15 Consequências O ruído age diretamente sobre o sistema nervoso, ocasionando: · fadiga nervosa; · alterações mentais: perda de memória, irritabilidade, dificuldade em coordenar idéias; · hipertensão; · modificação do ritmo cardíaco; · modificação do calibre dos vasos sanguíneos; · modificação do ritmo respiratório; · perturbações gastrointestinais; · diminuição da visão noturna; · dificuldade na percepção de cores. Além destas conseqüências, o ruído atinge também o aparelho auditivo causando a perda temporária ou definitiva da audição.

16 Medidas de controle Para evitar ou diminuir os danos provocados pelo ruído no local de trabalho, podem ser adotadas as seguintes medidas: · Medidas de proteção coletiva: enclausuramento da máquina produtora de ruído; isolamento de ruído. · Medida de proteção individual: fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI) (no caso, protetor auricular). O EPI deve ser fornecido na impossibilidade de eliminar o ruído ou como medida complementar. · Medidas médicas: exames audiométricos periódicos, afastamento do local de trabalho, revezamento. · Medidas educacionais: orientação para o uso correto do EPI, campanha de conscientização. · Medidas administrativas: tornar obrigatório o uso do EPI: controlar seu uso.

17 Riscos Físicos 2 - VIBRAÇÃO É qualquer movimento que o corpo executa em torno de um ponto fixo. Esse movimento pode ser regular, do tipo senoidal ou irregular, quando não segue um padrão determinado

18 17 Agentes Físicos Vibrações Mecânicas - na indústria é comum o uso de máquinas e equipamentos que produzem vibrações as quais podem ser prejudiciais para o trabalhador. As vibrações podem ser localizadas ou generalizadas.

19 VIBRAÇÕES Na indústria é comum o uso de máquinas e equipamentos que produzem vibrações, as quais podem ser nocivas ao trabalhador. As vibrações podem ser: Localizadas - Generalizadas -

20 VIBRAÇÕES Localizadas - (em certas partes do corpo). São provocadas por ferramentas manuais, elétricas e pneumáticas. Conseqüências: alterações neurovasculares nas mãos, problemas nas articulações das mãos e braços; osteoporose (perda de substância óssea).

21 VIBRAÇÕES Generalizadas - (ou do corpo inteiro). As lesões ocorrem com os operadores de grandes máquinas, como os motoristas de caminhões, ônibus e tratores. Conseqüências: Lesões na coluna vertebral; dores lombares.

22 Medidas de controle: Para evitar ou diminuir as conseqüências das vibrações é recomendado o revezamento dos trabalhadores expostos aos riscos (menor tempo de exposição). Vibrações

23 Agentes Agressivos à Saúde e suas Consequências Vibrações Vibrações Mecânicas: São oscilações, tremores, balanços, movimentos vibratórios e trepidações produzidas por máquinas e equipamentos. Vibrações Localizadas Alterações Neuro-Vasculares Problemas nas Articulações Osteoporose

24 Agentes Agressivos à Saúde e suas Consequências Vibrações Vibrações de Corpo Inteiro Problemas na coluna vertebral Dores lombares Lesões nos rins

25 Riscos Físicos 3 - RADIAÇÃO IONIZANTE São emissões de energia em diversos níveis, desde a fixa do visível, passando pelo ultra-violeta, raio-X, raio gama e partículas alfa e beta, capazes de contato com elétrons de um átomo, retirando-as, provocando a ionização dos mesmos.

26 Agentes Agressivos à Saúde e suas Consequências Radiações Ionizantes Radiações Ionizantes: energia produzida por materiais artificiais ou naturais que afetam gravemente o organismo humano como: césio, cobalto, aparelhos de RX, ultra-sonografia, irídio, etc.. Anemia Câncer Leucemia Alterações Genéticas Queda de Cabelo Etc.

27 Saiba Mais ! Radiação Ionizante: partícula ou onda eletromagnética que ao interagir com a matéria, ioniza direta ou indiretamente seus átomos ou moléculas

28 Saiba Mais ! A ionização ocorre quando existe um desequilíbrio eletrônico dentro do átomo. Esse desequilíbrio é originado quando o n.º de prótons (+) se torna diferente do número de elétrons (-), transformando átomos em íons. (danos fisiológicos)

29 Riscos físicos 4 - Radiação Não-Ionizante Ao contrário da anterior, não tem poder de ionização. Apenas podem ativar todo o conjunto de átomos que recebem esta carga de energia. São classificadas pelo comprimento de onda de nanômetros a quilômetros.

30 Saiba Mais! Radiação Não-Ionizante Conforme a sua freqüência podem ser apenas refletidas, absorvidas sem conseqüências, a medida que aumentam fazem contrações cardíacas, debilitação do sistema nervoso central e como efeitos agudos causam catarata ou até mesmo a morte. Fator determinante é o tempo de exposição. Radiação a laser - Encontradas nas atividades de levantamento topográficos, medicinas, comunicações. Radiação de microondas - são bastante utilizadas nas comunicações sendo produzida em instalações de radar e rádio transmissores..

31 RADIAÇÕES São formas de energia que se transmitem por ondas eletromagnéticas. A absorção das radiações pelo organismo é responsável pelo aparecimento de diversas lesões. Podem ser classificadas em dois grupos: Radiações não ionizantes: radiação infravermelha proveniente de operação em fornos solda oxiacetilênica radiação ultravioleta solda elétrica, raios laser, microondas, etc.

32 Radiação Lesões no corpo do trabalhador perturbações visuais (conjuntivites, cataratas), queimaduras, lesões na pele,

33 RADIAÇÕES Medidas de controle: Medidas de proteção coletiva: isolamento da fonte de radiação Medidas de proteção individual: fornecimento de EPI adequado ao risco (ex: avental, luva, perneira e mangote de raspa para soldador, óculos para operadores de forno) Medida médica: exames periódicos.

34 Riscos Físicos 5 - Temperaturas extremas –FRIO –CALOR

35 CALOR Altas temperaturas podem provocar: · desidratação; · erupção da pele; · câimbras; · fadiga física; · distúrbios psiconeuróticos; · problemas cardiocirculatórios; · insolação. Ex.: Calor, no caso das usinas siderúrgicas;

36 FRIO Baixas temperaturas podem provocar: · feridas; · rachaduras e necrose na pele; · enregelamento: ficar congelado; · agravamento de doenças reumáticas; · predisposição para acidentes; · predisposição para doenças das vias respiratórias. Ex.: o frio, no caso dos frigoríficos.

37 Medidas de controle:frio/calor Medidas de proteção coletiva: ventilação local exaustora com a função de retirar o calor e gases dos ambientes, isolamento das fontes de calor/frio. · Medidas de proteção individual: fornecimento de EPI (ex: avental, bota, capuz, luvas especiais para trabalhar no frio).

38 Riscos físicos 6 - Pressões Anormais Hipobárica: quando o homem está sujeito a pressões menores que a pressão atmosférica. Estas situações ocorrem a elevadas altitudes. (coceira na pele, dores musculares, vômitos, hemorragias pelo ouvido e ruptura do tímpano) Hiperbárica: quando o homem fica sujeito a pressões maiores que a atmosférica. (mergulho e uso de ar comprimido). Hiperbarismo – intoxicação pelos gases. Hipobarismo – mal das montanhas.

39 Riscos físicos 7 - Umidade Faixa de conforto a que corresponde à temperatura de 22 a 26 º C e umidade relativa do ar entre 45 e 50 %.

40 UMIDADE As atividades ou operações executadas em locais alagados ou encharcados, com umidade excessiva, capazes de produzir danos à saúde dos trabalhadores, são situações insalubres e devem ter a atenção dos prevencionistas por meio de verificações realizadas nesses locais para estudar a implantação de medida de controle. Consequências: · doenças do aparelho respiratório; · quedas; · doenças de pele; · doenças circulatórias.

41 · Medidas de proteção coletiva: estudo de modificações no processo do trabalho, colocação de estrados de madeira, ralos para escoamento. · Medidas de proteção individual: fornecimento do EPI (ex: luvas, de borracha, botas, aventa para trabalhadores em galvanoplastia, cozinha, limpeza etc). Medidas de controle: UMIDADE

42 Riscos Ambientais Riscos Químicos Riscos químicos são: 1.poeiras, 2.fumos, 3.névoas, 4.neblinas, 5.gases, 6.vapores

43 Riscos Químicos Aerosóis:podem ser encontrados na forma de gases e vapores, ou na forma de partículas. As partículas quando dispersas na atmosfera possuem estabilidade de suspensão e dividem-se em: –PoeirasFumos –NévoasNeblinas

44 1 - Poeiras Aerosóis sólidos formados por desagregação mecânica de corpos sólidos. As partículas geradas tem em geral diâmetros maiores que um mícron –Poeiras minerais –Poeiras de madeira –Poeira em geral –Ex.: Poeiras de sílica, granito, algodão, etc... Riscos Químicos

45 2 - Fumos Aerosóis sólidos formados por condensação de vapores, geralmente metálicos. As partículas geradas tem em geral diâmetros maiores que um mícron –Fumos de solda –Ex.: Óxido de zinco, nos processos de solda com ferro, alumínio, etc. Riscos Químicos

46 3 - Névoas Aerosóis constituídos por partículas líquidas, independente da natureza e do diâmetro das partículas, formadas por desagregação mecânica de corpos líquidos. –Névoa de tinta Riscos Químicos

47 4 - Neblina Aerosóis líquidos, formados por condensação de vapores. Riscos Químicos

48 5 - Vapores São substâncias que se encontram no estado gasoso como resultado de algum tipo de alteração no seu estado normal e temperatura ambiente. Ex.: Vapores de benzol, gasolina, mercúrio, etc. Riscos Químicos

49 6 - Gases Não possuem formas e volumes próprios e tendem a se expandir indefinidamente. À temperatura ordinária, mesmo sujeitos à pressão fortes, não podem ser total ou parcialmente reduzidos ao estado líquido. –GLP, oxigênio –Ex.: Monóxido de Carbono, gás sulfídrico, gás cianídrico, anidrido sulfuroso, cloro, etc. Riscos Químicos

50 49 Vias de penetração - QUIMICOS Os agentes químicos possuem três vias básicas de penetração no corpo humano: Via Respiratória - as substâncias penetram pelo nariz e boca afetando a garganta e chegando aos pulmões. Através da circulação sanguínea, podem seguir para outros órgãos, onde manifestam os seus efeitos tóxicos, tais como: asma bronquites pneumoconiose, etc. Via Cutânea - os ácidos, álcalis e solventes ao atingirem a pele, podem ser absorvidos ou provocar lesões como: alterações na circulação e oxigenação do sangue Via Digestiva - a contaminação do organismo ocorre pela ingestão acidental ou não de substâncias nocivas, presentes em alimentos contaminados, deteriorados ou na saliva.

51 Agentes Químicos VIAS DE PENETRAÇÃO - CONSEQÜÊNCIAS Via Cutânea Dermatoses Anemia Alterações na circulação e oxigenação do sangue

52 Riscos ambientais Riscos biológicos Microorganismos indesejáveis: Bactérias (antraz) Fungos (parasitas) Protozoários Bacilos (bacilo de Kock)

53 Riscos ambientais Riscos ergonômicos Local de trabalho inadequado (anti- ergonômico), levantamento e transporte de pesos sem meios auxiliares corretos, postura inadequada, Posições viciosas de trabalho, Movimentos repetitivos,.

54 Riscos ambientais Riscos de acidentes Variados (falta de iluminação, probabilidade de incêndio, explosão, piso escorregadio, armazenamento, arranjo físico e ferramenta inadequados, máquina defeituosa, mordida de cobra, aranha, escorpião).

55

56 Mapeamento dos riscos ambientais Por Que Fazer ? Estes riscos podem prejudicar o bom andamento da seção, portanto, devem ser identificados, avaliados e controlados de forma correta. forma correta.

57 Dificuldade ? de capacidade, informação e subsídios técnicos para identificar, avaliar e controlar os riscos existentes dentro de seus processo produtivos. A maior dificuldade das empresas no mapeamento dos riscos ambientais, está na falta de capacidade, informação e subsídios técnicos para identificar, avaliar e controlar os riscos existentes dentro de seus processo produtivos. Os MAPAS DE RISCO, devem ser refeitos a cada gestão da CIPA.

58 Para a empresa: Benefícios Para a empresa: Facilita a administração da prevenção de acidentes e de doenças do trabalho; Ganho da qualidade e produtividade; Aumento de lucros diretamente; Informa os riscos aos quais o trabalhador está expostos, cumprindo assim dispositivos legais.

59 Benefícios Para os trabalhadores Propicia o conhecimento dos riscos que podem estar sujeitos os colaboradores; Fornece dados importantes relativos a sua saúde; Conscientiza quanto ao uso dos EPI´s.

60 Informações Informações ? Os MAPAS DE RISCO contém, ainda informações como o número de trabalhadores expostos ao risco e especificação do agente. Os MAPAS DE RISCO contém, ainda informações como o número de trabalhadores expostos ao risco e especificação do agente. (Ex.Local laboratório: químico - ácido clorídrico - 5 colaboradores). (Ex.Local laboratório: químico - ácido clorídrico - 5 colaboradores).

61 Representação gráfica do MAPA DE RISCOS O mapa de riscos é representado graficamente, através de círculos de cores (conforme tabela anexa) e tamanhos proporcionalmente diferentes (riscos pequeno médio e grande), sobre o Lay-Out da empresa e deve ficar afixado em local visível a todos os trabalhadores.

62 FACILIDADE E SIMPLICIDADE Para fazer o Lay-out. –Dica: Utilizando ferramentas de desenho no Word ou Powerpoint, inserir linhas e na opção formatar auto forma definir o tamanho. Para inserir círculos –Dica: Utilizando ferramentas de desenho (auto formas) no Word ou Powerpoint, inserir círculos e semicírculos e na opção formatar auto forma definir o tamanho e a cor. 5 5 Exemplo: Inserir figura - auto formas - círculo ou semicírculo e formatar. Inserir e centralizar uma caixa de texto para identificar o número de trabalhadores expostos ao risco e outra ao lado ou abaixo para identificar o risco.

63 CORES USADAS NO MAPA DE RISCOS Os números dentro dos círculos indicam quantos funcionários estão expostos ao risco. TAMANHO DOS CIRCULOSLEGENDA: CORES INDICA RISCOS FÍSICOS INDICA RISCOS QUÍMICOS INDICA RISCOS BIOLÓGICOS INDICA RISCOS ERGONÔMICOS INDICA RISCOS DE ACIDENTES INDICA RISCO PEQUENO INDICA RISCO MÉDIO INDICA RISCO GRANDE Nome e logotipo da empresa MAPA DE RISCOS – CIPA Gestão 2001/2002 Nome do Setor

64 MAPA DE RISCO

65 QUÍMICOFÍSICOBIOLÓGICOERGONÔMICOMECÂNICO VermelhoVerdeMarromAmareloAzul Fumos metálicos e vapores Ruído e ou som muito alto Microorganismos (Vírus, bactérias, protozoários) Má postura do corpo em relação ao posto de trabalho Equipamentos inadequados, defeituosos ou inexistentes Gases asfixiantes H, He, N eCO2 Oscilações e vibrações mecânicas Lixo hospitalar, doméstico e de animais Trabalho estafante e ou excessivo Máquinas e equipamento sem Proteção e ou manutenção Pinturas e névoas em geral Ar rarefeito e ou vácuoEsgoto, sujeira, dejetos Falta de Orientação e treinamento Risco de queda de nível, lesões por impacto de objetos Solventes (em especial os voláteis) Pressões elevadasObjetos contaminados Jornada dupla e ou trabalho sem pausas Mau planejamento do lay-out e ou do espaço físico Ácidos, bases, sais, álcoois, éters, etc Frio e ou calor Contágio pelo ar e ou insetos Movimentos repetitivos Cargas e transportes em geral Reações químicasRadiação Picadas de animais (cães, insetos, repteis, roedores, aracnídeos, etc) Equipamentos inadequadoe e não ergonômicos Risco de fogo, detonação de explosivos, quedas de objetos Ingestão de produtos durante pipetagem Aerodispersóide no ambiente (poeiras de vegetais e minerais) Alergias, intoxicações e quiemaduras causadas por vegetais Fatores psicologicos(não gosta do trabalho, pressão do chefe, etc) Risco de choque elétrico(correte contínua e alternada)

66 Etapas de elaboração 1.Conhecer o processo de trabalho do local avaliado; os trabalhadores - número, sexo, idade, queixas de saúde, jornada, treinamento recebido; os equipamentos, instrumentos e materiais de trabalho; as atividades exercidas; e o ambiente.

67 Etapas de elaboração 2.Identificar os agentes de riscos existentes no local avaliado, conforme a tabela de classificação dos riscos ambientais.

68 Etapas de elaboração 3.Identificar as medidas preventivas existentes e sua eficácia referente a: proteção coletiva; organização do trabalho; proteção individual; e higiene e conforto: banheiro, lavatórios, vestiários, armários, bebedouros, refeitórios, área de lazer.

69 Etapas de elaboração 4.Identificar os indicadores de saúde: queixas mais freqüentes e comuns entre os trabalhadores expostos aos mesmos riscos; acidentes de trabalho ocorridos; doenças profissionais diagnosticadas; e causas mais freqüentes de ausência ao trabalho.

70 Etapas de elaboração 5.Elaborar o Mapa de Riscos, sobre uma planta ou desenho do local de trabalho, indicando através do círculo: o grupo a que pertence o risco, conforme as cores classificadas; o número de trabalhadores expostos ao risco, o qual deve ser anotado dentro do círculo; a especificação do agente (por exemplo: amônia, ácido clorídico; ou ergonômico - repetitividade, ritmo excessivo) que deve ser anotado também dentro do círculo; e a intensidade do risco, de acordo com a percepção dos trabalhadores, que deve ser representada por tamanhos proporcionalmente diferentes dos círculos.

71 Roteiro para Elaboração do Estudo Preliminar das Atividades e do Ambiente de Trabalho Conhecimento do Processo de Trabalho. Número de funcionários, sexo, idade, treinamentos profissionais em Biossegurança;Número de funcionários, sexo, idade, treinamentos profissionais em Biossegurança; Instrumentos e materiais de trabalho; Instrumentos e materiais de trabalho; Atividades exercidas; Atividades exercidas; Identificação dos Riscos Existentes. Verificação da presença de agentes de risco no local analisadoVerificação da presença de agentes de risco no local analisado

72 Elaboração do Mapa de Riscos Representação gráfica dos riscos sobre o layout do local de trabalho analisado, indicando através de círculos: O grupo de risco de acordo com a cor padronizada;O grupo de risco de acordo com a cor padronizada; O número de trabalhadores expostos ao risco;O número de trabalhadores expostos ao risco; A identidade do risco de acordo com a gravidade.A identidade do risco de acordo com a gravidade. Gravidade pequena diâmetro 1. Gravidade média diâmetro 2. Gravidade grande diâmetro 4.

73 Classificação de Riscos GRUPO 1 – Riscos Físicos: diversas formas de energia tais como ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, umidade, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, bem como infra-som e ultra-som; GRUPO 2 – Riscos Químicos: substâncias, compostos e produtos químicos em geral, poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases e vapores ; GRUPO 3 – Riscos Biológicos : toda entidade biológica incluindo bactérias, parasitas, fungos, vírus, protozoários e bacilos; GRUPO 4 – Riscos Ergonômicos: esforço físico intenso, exigência de postura inadequada, imposição de ritmos excessivos, trabalho em turno noturno, organização do trabalho e outras situações causadoras de stress físico e/ou psíquico; GRUPO 5 - Riscos de Acidentes: condições de insegurança existente nos locais de trabalho, probabilidade de incêndio ou explosão e outras situações de risco capazes de provocar lesões `a integridade física do trabalhador.

74 Exemplo de mapa de risco MAPA DE RISCO

75 74 LEGENDA

76 Mapa de Riscos

77 Reforma das Instalações Físicas Umas das formas mais eficazes de contenção, controle, eliminação e melhoria das condições de segurança é o direcionamento arquitetônico do fluxo das rotinas de trabalho.

78 Reforma das Instalações Físicas Principais Aspectos Dissociação da parte administrativa dos laboratórios para um local único; Confecção de gargantas de segurança na saída dos laboratórios, contendo armários para EPIs e chuveiro de segurança;Confecção de gargantas de segurança na saída dos laboratórios, contendo armários para EPIs e chuveiro de segurança; Saída de emergência;Saída de emergência; Sala para equipamentos que causam desconforto;Sala para equipamentos que causam desconforto; Visores para o exterior do laboratório;Visores para o exterior do laboratório; Aplicação da norma de sinalização de segurança (NR 26);Aplicação da norma de sinalização de segurança (NR 26); Melhoria das condições atuais da esterilização, direcionando o fluxo de material e pessoas contaminados para que jamais retornem aos laboratórios sem a devida descontaminação;Melhoria das condições atuais da esterilização, direcionando o fluxo de material e pessoas contaminados para que jamais retornem aos laboratórios sem a devida descontaminação; Controle de acesso ao laboratório.Controle de acesso ao laboratório.

79 Saiba Mais ! DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR, - portaria nº 26, de 06 de maio de 1998, A FALTA DO MAPA DE RISCO OCASIONA MULTAS PESADAS, POR EXEMPLO: Uma empresa com 01 a 250 empregados pode pagar uma multa variando de 630 a ufir. Uma empresa com 250 a 500 empregados pode pagar uma multa entre de a ufir. Uma empresa com 501 a empregados pode pagar uma multa entre A ufir

80 GRADAÇÃO / MENSURAÇÃO DOS RISCOS

81 80 GRADAÇÃO / MENSURAÇÃO DOS RISCOS Riscos Físicos, Químicos e Biológicos Risco Grave: Deve ser considerado o risco cuja concentração ou intensidade, tempo de exposição, etc, se encontrarem acima dos limites de tolerância e que comprovadamente estejam afetando a saúde do trabalhador, mesmo sendo usados equipamentos de proteção individual e/ou coletiva. Risco Médio: Deve ser considerado o risco cujo concentração ou intensidade e tempo de exposição, etc, estiverem abaixo dos limites de tolerância, mas que ainda provoquem desconforto ao trabalhador, mesmo sendo usadas proteção individual /ou coletiva; Risco Leve: Deve ser considerado o risco cuja concentração ou intensidade, tempo de exposição, etc, estiverem abaixo dos limites de tolerância e não estejam causando desconforto aos trabalhadores, isto é, a agressividade do agente no meio ambiente possa ser considerada desprezível.

82 81 Riscos Ergonômicos Risco Grave: Deve ser considerado como risco grave, quando, por consenso, for flagrante um dos seguintes aspectos: trabalho físico e excessivamente pesado e permanente; postura incorreta em relação a posição e movimentação do corpo por longos períodos; trabalho em turno e noturno com excesso de horas extras; ritmo excessivo de trabalho e repetitivo por longos período; trabalho excessivamente monótono e por longos períodos. Risco Médio: Considerar as situações anteriores citadas, desde que suas ocorrências sejam ocasionais. Risco Leve: Considerar as situações anteriores, que geram cansaço, mas com pouca possibilidade de afetar o trabalhador.

83 82 Riscos de Acidentes Risco Grave: Considerar os casos em que ficar evidenciado a possibilidade de ocorrer lesões graves ou fatais ou a ocorrência de dano físico com paralisação da atividade. Risco Médio: Considerar os casos em que haja pouca possibilidade de ocorrerem lesões graves. Risco Leve: Considerar as situações em que o trabalhador no exercício da função não se aproxima dos pontos considerados perigosos

84

85 84

86 As cores adotadas: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura; - lilás; - cinza; - alumínio; - marrom. Cor na segurança do trabalho

87 Vermelho. O vermelho deverá ser usado para distinguir e indicar equipamentos e aparelhos de proteção e combate a incêndio. - caixa de alarme de incêndio; - hidrantes; - bombas de incêndio; - sirenes de alarme de incêndio; - caixas com cobertores para abafar chamas; - extintores e sua localização; - indicações de extintores (visível a distância, dentro da área de uso do extintor); - localização de mangueiras de incêndio (a cor deve ser usada no carretel, suporte, moldura da caixa ou nicho); - baldes de areia ou água, para extinção de incêndio; - tubulações, válvulas e hastes do sistema de aspersão de água; - transporte com equipamentos de combate a incêndio; - portas de saídas de emergência; - rede de água para incêndio (sprinklers); - mangueira de acetileno (solda oxiacetilênica); - em botões interruptores de circuitos elétricos para paradas de emergência. Cor na segurança do trabalho

88 Amarelo. Em canalizações, deve-se utilizar o amarelo para identificar gases não liquefeitos. O amarelo deverá ser empregado para indicar "Cuidado!", assinalando: - partes baixas de escadas portáteis; - corrimões, parapeitos, pisos e partes inferiores de escadas que apresentem risco; - espelhos de degraus de escadas; - bordas desguarnecidos de aberturas no solo (poços, entradas subterrâneas, etc.) e de plataformas que não possam ter corrimões; - bordas horizontais de portas de elevadores que se fecham verticalmente; - faixas no piso da entrada de elevadores e plataformas de carregamento; - meios-fios, onde haja necessidade de chamar atenção; - paredes de fundo de corredores sem saída; - vigas colocadas a baixa altura; - cabines, caçambas e gatos-de-pontes-rolantes, guindastes, escavadeiras, etc.; - equipamentos de transporte e manipulação de material, tais como empilhadeiras, tratores industriais, pontes-rolantes, vagonetes, reboques, etc.; - fundos de letreiros e avisos de advertência; - pilastras, vigas, postes, colunas e partes salientes de estruturas e equipamentos em que se possa esbarrar; - cavaletes, porteiras e lanças de cancelas; - bandeiras como sinal de advertência (combinado ao preto); - comandos e equipamentos suspensos que ofereçam risco; - pára-choques para veículos de transporte pesados, com listras pretas. Listras (verticais ou inclinadas) e quadrados pretos serão usados sobre o amarelo quando houver necessidade de melhorar a visibilidade da sinalização. Cor na segurança do trabalho

89 o. O branco será empregado em: - passarelas e corredores de circulação, por meio de faixas (localização e largura); - direção e circulação, por meio de sinais; - localização e coletores de resíduos; - localização de bebedouros; - áreas em torno dos equipamentos de socorro de urgência, de combate a incêndio ou outros equipamentos de emergência; - áreas destinadas à armazenagem; - zonas de segurança. Cor na segurança do trabalho Branco

90 Preto. O preto será empregado para indicar as canalizações de inflamáveis e combustíveis de alta viscosidade (ex: óleo lubrificante, asfalto, óleo combustível, alcatrão, piche, etc.). O preto poderá ser usado em substituição ao branco, ou combinado a este, quando condições especiais o exigirem. Cor na segurança do trabalho

91 Azul O azul será utilizado para indicar "Cuidado!", ficando o seu emprego limitado a avisos contra uso e movimentação de equipamentos, que deverão permanecer fora de serviço. - empregado em barreiras e bandeirolas de advertência a serem localizadas nos pontos de comando, de partida, ou fontes de energia dos equipamentos. Será também empregado em: - canalizações de ar comprimido; - prevenção contra movimento acidental de qualquer equipamento em manutenção; - avisos colocados no ponto de arranque ou fontes de potência. Cor na segurança do trabalho

92 Verde O verde é a cor que caracteriza "segurança". Deverá ser empregado para identificar: - canalizações de água; - caixas de equipamento de socorro de urgência; - caixas contendo máscaras contra gases; - chuveiros de segurança; - macas; - fontes lavadoras de olhos; - quadros para exposição de cartazes, boletins, avisos de segurança, etc.; - porta de entrada de salas de curativos de urgência; - localização de EPI; caixas contendo EPI; - emblemas de segurança; - dispositivos de segurança; - mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica). Cor na segurança do trabalho

93 Laranja O laranja deverá ser empregado para identificar: - canalizações contendo ácidos; - partes móveis de máquinas e equipamentos; - partes internas das guardas de máquinas que possam ser removidas ou abertas; - faces internas de caixas protetoras de dispositivos elétricos; - faces externas de polias e engrenagens; - botões de arranque de segurança; - dispositivos de corte, borda de serras, prensas. Cor na segurança do trabalho

94 Púrpura A púrpura deverá ser usada para indicar os perigos provenientes das radiações eletromagnéticas penetrantes de partículas nucleares. Deverá ser empregada a púrpura em: - portas e aberturas que dão acesso a locais onde se manipulam ou armazenam materiais radioativos ou materiais contaminados pela radioatividade; - locais onde tenham sido enterrados materiais e equipamentos contaminados; - recipientes de materiais radioativos ou de refugos de materiais e equipamentos contaminados; - sinais luminosos para indicar equipamentos produtores de radiações eletromagnéticas penetrantes e partículas nucleares. Cor na segurança do trabalho

95 Lilás O lilás deverá ser usado para indicar canalizações que contenham álcalis. As refinarias de petróleo poderão utilizar o lilás para a identificação de lubrificantes. Cinza Cinza claro - deverá ser usado para identificar canalizações em vácuo; b) Cinza escuro - deverá ser usado para identificar eletrodutos Alumínio O alumínio será utilizado em canalizações contendo gases liquefeitos, inflamáveis e combustíveis de baixa viscosidade (ex. óleo diesel, gasolina, querosene, óleo lubrificante, etc.). Marrom O marrom pode ser adotado, a critério da empresa, para identificar qualquer fluído não identificável pelas demais cores. Cor na segurança do trabalho

96 O corpo das máquinas deverá ser pintado em branco, preto ou verde. As canalizações industriais, para condução de líquidos e gases, deverão receber a aplicação de cores, em toda sua extensão, a fim de facilitar a identificação do produto e evitar acidentes. Obrigatoriamente, a canalização de água potável deverá ser diferenciada das demais. Quando houver a necessidade de uma identificação mais detalhada (concentração, temperatura, pressões, pureza, etc.), a diferenciação far-se-á através de faixas de cores diferentes, aplicadas sobre a cor básica. O sentido de transporte do fluído, quando necessário, será indicado por meio de seta pintada em cor de contraste sobre a cor básica da tubulação. Para fins de segurança, os depósitos ou tanques fixos que armazenem fluidos deverão ser identificados pelo mesmo sistema de cores que as canalizações. O armazenamento de substâncias perigosas deverá seguir padrões internacionais. Cor na segurança do trabalho

97 Onde possa ocorrer misturas de 2 (duas) ou mais substâncias químicas, com propriedades que variem em tipo ou grau daquelas dos componentes considerados isoladamente, o rótulo deverá destacar as propriedades perigosas do produto final. Do rótulo deverão constar os seguintes tópicos: - nome técnico do produto; - palavra de advertência, designando o grau de risco; - indicações de risco; - medidas preventivas, abrangendo aquelas a serem tomadas; - primeiros socorros; - informações para médicos, em casos de acidentes; - e instruções especiais em caso de fogo, derrame ou vazamento, quando for o caso Cor na segurança do trabalho

98 Do rótulo deverão constar os seguintes tópicos: -nome técnico completo, o rótulo especificando a natureza do produto químico. -Exemplo: "Ácido Corrosivo", "Composto de Chumbo", etc. Em qualquer situação, a identificação deverá ser adequada, para permitir a escolha do tratamento médico correto, no caso de acidente. - Palavra de Advertência - as palavras de advertência que devem ser usadas são: - "PERIGO", para indicar substâncias que apresentem alto risco; - "CUIDADO", para substâncias que apresentem risco médio; - "ATENÇÃO", para substâncias que apresentem risco leve. Cor na segurança do trabalho

99 -Indicações de Risco - As indicações deverão informar sobre os riscos relacionados ao manuseio de uso habitual ou razoavelmente previsível do produto. Exemplos: "EXTREMAMENTE INFLAMÁVEIS", "NOCIVO SE ABSORVIDO ATRAVÉS DA PELE", etc. -- Medidas Preventivas - Têm por finalidade estabelecer outras medidas a serem tomadas para evitar lesões ou danos decorrentes dos riscos indicados. Exemplos: "MANTENHA AFASTADO DO CALOR, FAÍSCAS E CHAMAS ABERTAS" "EVITE INALAR A POEIRA". -- Primeiros Socorros - medidas específicas que podem ser tomadas antes da chegada do médico. Cor na segurança do trabalho

100 Simbologia segurança do trabalho Risco Biológico Material nocivo ou irritante Proibido a entrada de pessoas

101 Simbologia segurança do trabalho Material corrosivo Material tóxico Material radioativo

102 Proteção obrigatória para os pés Proteção obrigatória para as mãos Uso obrigatório de máscara integral Uso obrigatório de óculos de proteção Simbologia segurança do trabalho

103 Explosivo Inflamável Proibido fumar Extintor Simbologia segurança do trabalho

104 ROTULAGEM e DIAGRAMA DE HOMMEL

105 RISCO Á SAÚDE ESPECIFICADO


Carregar ppt "A SIMPLICIDADE DO MAPA DE RISCOS Curso de CIPA Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais Mapa e Mapeamento de Riscos Ambientais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google