A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DESENVOLVIMENTO INFANTIL. Pensamento Introdutório O conceito de trauma hoje está muito mais relacionado à falta de estimulação e que, portanto, precisamos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DESENVOLVIMENTO INFANTIL. Pensamento Introdutório O conceito de trauma hoje está muito mais relacionado à falta de estimulação e que, portanto, precisamos."— Transcrição da apresentação:

1 DESENVOLVIMENTO INFANTIL

2 Pensamento Introdutório O conceito de trauma hoje está muito mais relacionado à falta de estimulação e que, portanto, precisamos nos engajar mais com os bebês, sempre tendo o cuidado de observar nossos sentimentos, nossas emoções. Dr. Bernard Golse. Desenvolvimento intelectual e afetivo de crianças.

3 Primeiro mês A cabeça é grande e pesada, mas aos poucos vai fortalecendo o pescoço. Quando colocado de bruços levanta o queixo. Já consegue mover simetricamente os pés e as mãos. Dorme a maior parte do tempo. De tanto chorar, vai descobrir ser esse o seu melhor recurso para conseguir atenção. Tem dezenas de reflexos, como o que faz agarrar coisas com tanta força que seria capaz de se sustentar nas mãos. C onsegue ver com nitidez apenas os objetos que se encontram entre 25 e 35 cm de seu rosto.

4 A audição nos bebês é muito mais desenvolvida que a visão. Principalmente porque, nos últimos meses de gestação, ele podia ouvir perfeitamente bem o bater do coração de sua mãe, o timbre da sua voz, e conseguia distinguir certos barulhos externos. Desde os primeiros dias de vida o bebê tem um bom nariz, ele aprende a reconhecer o cheiro da pele de sua mãe, mostrando o quanto é profundo o laço mãe-filho. Demonstra medo de barulhos intensos. Primeiro mês

5 Estimulação: Converse e cante. Faça massagens, o toque transmitirá amor, carinho e segurança. Músicas suaves. Brinquedos e Brincadeiras: móbiles de berço, brinquedos para morder e aqueles que em geral animaizinhos, que também podem ser amarradas ao berço e possuem um cordão que, puxado, faz o brinquedo se movimentar. Os olhos se mexem ou soa uma música, por exemplo.

6 Segundo mês Mantém a cabeça erguida por mais tempo e, quando deitado de bruços, é capaz de levantar o rosto. Esperto, percebe um ruído com rapidez. Chora e sorri. Os acessos de choro acontecem por causa das cólicas e quase sempre têm hora marcada: final da tarde, começo da noite. Acompanha pessoas e objetos. Consegue emitir sons e já tenta levantar o tórax com a cabeça. Vira o rosto na direção de um toque na bochecha ou canto do lábio. Acalma-se ao ouvir vozes e sorri. Mexe braço e pernas desordenadamente devido à falta de coordenação e tenta pegar objetos suspensos.

7 Segundo mês Estimulação: Apresente objetos grandes e coloridos para que ele possa brincar e tentar alcançá-los com as mãos. Utilize móbiles que fiquem no seu campo visual. A partir do momento que ele conseguir segurar firme sua cabeça, é importante não segurá-lo mais como recém-nascido, para que fique mais firme. Você pode fazer isso apoiando as costas da criança sobre o seu tórax e segurando-a sentada pelas pernas e pela barriga; ou apoiando o tórax da criança contra o seu ombro.

8 Terceiro mês Reage a barulhos arregalando os olhos e parando de mamar. Ao ouvir o chocalho, pode franzir a testa. É sinal de amadurecimento da função auditiva. Também a visão está melhorando. A partir de agora, enxerga em cores. As mãos são a grande descoberta dessa fase e ele as mantém bem abertas. Ele aprende que, mesmo sem querer, batendo em um móbile consegue como resultado um som ou um movimento. Reconhece os pais. Consegue firmar a cabeça. Agita-se com brincadeiras, escuta músicas e responde ao estímulo dos pais com sorrisos, sons vocálicos e gritinhos. Fica de bruços, apoia-se nos antebraços.

9 Terceiro mês Estimulação:Cante, faça gestos e expressões faciais. Tentará imitar e responde aos estímulos com sorrisos e ruídos. Estimule o tato(texturas diferentes). Sentar com apoio ou bebê conforto. Brinquedos e Brincadeiras: continuam sendo os móbiles de berço e brinquedos para morder. Movimente-lhe os pés e as mãos, afague, massageie e faça cócegas.

10 Quarto mês O bebê pega o que quer. Não pode mais ficar sozinho sobre lugares altos. Mesmo estando de bruços, levanta as pernas e pode virar de um lado para outro. Chora quando é deixado sozinho, Para os cientistas, esse é o primeiro sinal do desenvolvimento da sociabilidade do bebê. Quando ouve a voz da mãe, vira a cabeça e os olhos procurando por ela. Grita forte e demonstra interesse por brinquedos. Ri bastante, expressa desagrado e reconhece a voz de familiares. Aumenta a capacidade visual. Fica em pé quando segurado pela cintura. Explora objetos com a boca e balança brinquedos sonoros.

11 Quarto mês Estimulação: Conte histórias curtas e imite o barulho dos animais com diferentes tons de voz, ele tentará imitar. Jogue brinquedos (bolas, dados, caixinhas) para ele tentar pegar. Brinquedos e Brincadeiras: são aqueles que ela poderá levá-los à boca. Eles devem ser feitos com material flexível – para que o bebê não se machuque quando levá-lo à boca – e não tóxico (obrigatoriedade, aliás, que vale para todos os brinquedos). Como muitos dos objetos indicados para esta faixa etária produzem som e têm texturas e cores diferentes, eles também auxiliam no desenvolvimento do tato, olfato, paladar, audição, visão, além da coordenação motora.

12 Quinto mês Lambe, morde e chupa tudo o que estiver a seu alcance. Está aprimorando sua percepção do mundo. Na mesma linha de comportamento, tende a abrir um sorriso diante de um rosto familiar, assim como a se mostrar tímido na presença de estranhos. Eles se alegram com a própria imagem no espelho. Imita caretas. Segura objetos com firmeza e consegue se arrastar para pegá-los. Percebe o barulho dos brinquedos e fica atento para o que acontece ao seu redor. Balbucia, movimenta-se com mais agilidade e pode rolar. Faz força para sentar-se. Consegue discernir a voz doce da áspera e demonstra com expressão facial algo que desagrada. Brinca de esconder e transfere objetos de uma mão para outra.

13 Quinto mês Estimulação : Durante o banho brinque com a água e relate o que está fazendo. Deixe-o brincar com brinquedos macios, como mordedores, pois tudo que pega leva à boca. Dance músicas de ritmos diferentes. Espalhe brinquedos e deixe-o brincando no chão.

14 Sexto mês Vira totalmente a cabeça para localizar a origem de um barulho ou procurar um objeto que caiu de suas mãos. Também já estica os braços para ganhar colo e pode segurar a mamadeira com as duas mãos, embora não se espere que consiga levá- la à boca. O bebê percebe que tem vida própria e passa a não colaborar em atividades impostas como trocar a fralda. Pode balbuciar "mama" e "papa", mas sem associar nenhum significado a eles. Tudo o que pega leva à boca.

15 Balbucia monossílabos associados com figuras e gosta de brincar de esconder. Locomove-se na cama. Demonstra grande interesse pelas mãos e gosta de passear nos ombros dos adultos. Sua visão já estará bem semelhante a de um adulto. Sexto mês

16 Estimulação: Convide para passear e estenderá os braços. Imite o barulho dos animais e objetos como cachorro, gato, galinha, telefone e estimule-o a fazer o mesmo. Ao ar livre deixe-o perto de árvores para ver o movimento e barulho.

17 Sétimo mês Começa a entender o significado de algumas palavras, como o "não".] Senta-se com certo equilíbrio e mostra determinação querendo brinquedos que estão fora de seu alcance. Tenta agarrá-los com as mãos. Interessam-se em observar figuras em livro. Aparecimento dos primeiros dentes, em geral os incisivos centrais inferiores. Como resultado, o bebê pode ficar com as bochechas vermelhas, gengivas inchadas, babar e às vezes irritado. Grita e ri alto. Ensaia engatinhar, mas ainda não consegue. Põe pedacinhos de comida na boca. Adora mudar objetos de uma mão para outra e levanta os braços em saudação. Estranha pessoas e objetos não conhecidos e sente medo. Repete os próprios sons. Começam a temer à frente de pessoas estranhas.

18 Sétimo mês Estimulação: Dê brinquedos que façam barulho, coloridos, de diferentes formas e tamanhos. Coloque-os próximo ao bebê e estimule-o a buscá-los. Ensine-o a dar tchau. Em pouco tempo repetirá seus gestos. No banho, disponibilize brinquedos que flutuem para estimular a percepção e curiosidade.

19 Oitavo mês Os brinquedos são o mundo do bebê. Brinca de soltá-los no chão, esperando que a mãe ou o pai os pegue de volta. Procura o brinquedo sumido atrás dos móveis. É provável que tente imitar os pais. Emite uma série de sons e parece prestar atenção à conversa dos adultos. Reconhece o próprio nome, olhando sempre para quem o chamou. Está pronto para engatinhar, embora muitas vezes isso demore um pouco mais para acontecer. Mas se locomove rolando, arrastando a barriga ou o bumbum. Já senta sozinho e fica de pé com apoio. Segura objetos com a ponta dos dedos, bate palmas e coloca vários cubos dentro de uma caixa. Acena e pára quando lhe dizem não. Manifesta sentimentos de raiva quando contrariado.

20 Oitavo mês Estimulação: Brinque de esconde-esconde com toalha ou cortina, ficará alegre. Deixe-o jogar objetos no chão. Ele repetirá inúmeras vezes este movimento, assim, estará criando a noção de causa e efeito. Conte histórias, mostrando as imagens do livro.

21 Nono mês Juntando o polegar ao indicador, os dedos funcionam como uma pinça para pegar pequenos objetos. Bate palmas e dá tchau. Balbucia constantemente para ouvir a própria voz e se diverte quando imita sons, como o tossir, por exemplo. Quando perguntado "onde está o papai?", vira a cabeça, procurando por ele. Isso revela que, a partir de agora, o bebê é capaz de guardar algumas imagens na memória. Até então, ele só conseguia se recordar da pessoa quando ela aparecia na sua frente. Consegue engatinhar bem e adquire força nos pés.

22 Passa a manifestar de forma mais clara sua personalidade, gosta de ser o centro das atenções e faz gracinhas. Agarra-se a móveis e consegue levantar-se. Nascem mais dentinhos. É muito ativo durante o dia, olha entre as pernas abertas e empilha dois cubos. Adora jogar objetos ao chão e observá-los cair. Nono mês

23 Estimulação: Deixe perto do bebê brinquedos grandes e coloridos. Ensine a empilhar e encaixar. Conte tudo que irá fazer. Repetirá sílabas. Deixe o tocar os animais e converse com ele sobre os animais. Imite os sons deles. Brinquedos e Brincadeiras: É a hora de entregar a ele brinquedos que também se movimentam, como joão-bobo, cubos em tecido, carrinhos com base sólida, para que serem empurrados ou puxados. A criança fará uma festa com bolas de oito a dez centímetros de diâmetro, cavalinhos do seu tamanho para que ela possa balançar e outros objetos. Caixas para tirar e colocar objetos, piões com som, caleidoscópios, brinquedos de empilhar, tocar, apalpar também são estimulantes. Adoram brincar em minitúnel.

24 Décimo mês Está aprendendo a se expressar e, para tal, usa o dedo indicador para apontar algo que deseja. Começa a entender conceitos como "aqui", "lá", "dentro", "fora", "para cima" e "para baixo". Para ter atendidos seus pedidos, recorre ao "da". Sente ciúme e pode chorar se outra criança for pega no colo pela mãe. Também entende quando os pais desaprovam seu comportamento. Engatinhando, a criança percorre grandes distâncias.

25 Senta e levanta sozinho, dá tchau e pode falar papai e mamãe. Gira a parte superior do corpo para alcançar um objeto, melhora a habilidade manual e começa a definir qual mão vai ser a dominante. Já troca passinhos com apoio, imita sons e pode falar dissílabos. Interessa-se por fotos, desenhos e figuras. Décimo mês

26 Estimulação: Converse e dê alternativas. Você quer o urso ou a bola. Aprende a mostrar o que quer e chora se não for atendido. Dance e cante com ele no colo, ele tentará imitar a coreografia e soltará seus monossílabos. Brinque de falar ao telefone, estimulará a linguagem. Estimule a interação com outras crianças.

27 Décimo primeiro mês O bebê prepara-se para andar. Tenta ficar de pé encostando nas paredes e c aminha com apoio, passa da posição de pé para sentado e desloca-se segurando em móveis. Move-se com agilidade, sobe e desce de móveis e escadas. Abre gavetas e começa a ter noção do que é proibido e permitido. Hora de proteger as quinas e remover os objetos de decoração mais leves. Seu senso de humor se revela nessa fase. Reage com irritação quando contrariado. Se tiver irmãos, vai querer ficar junto deles, mas não entende o que significa dividir brinquedos. Suporta bem ficar períodos sozinho e brinca com outras crianças. Vira páginas de um livro, segura copos e chama crianças e adultos para brincar. Também atende a dá, mas não solta o objeto.

28 Décimo primeiro mês Estimulação: Participe das brincadeiras. Deixe à mão objetos que possam ser colocados e retirados de um recipiente. No banho coloque objetos que possam ser preenchidos com água e esvaziados. Brinque em pracinhas nos balanços e escorregadores. Mostre animais conhecidos e apresente novidades. Estimule o uso do copo e canudinho.

29 Primeiro ano Deve estar andando, ou quase. No começo, anda com os braços abertos para se equilibrar melhor. Dá uns passinhos, porém prefere engatinhar para explorar o mundo. Não demonstra cansaço, mas tende a dormir melhor à noite depois de um dia de tanto movimento. A sociabilidade está aumentando. O bebê pode até dar beijinhos, mas odeia ficar sozinho. Surgem os ataques de birra. O bebê passa a exercitar sua independência e reage com freqüência diante das limitações próprias ou impostas. Tem interesse pelas cores e coopera para se vestir. Entrega um brinquedo quando solicitado e a linguagem fica mais apurada. Define o que gosta e aversões. Lembra onde estão guardados os brinquedos. Temem quanto à separação dos pais e pessoas estranhas.

30 Primeiro ano Estimulação: Cante e conte histórias. Disponibilize livros e revistas para manusear. Incentive-o a comer sozinho e a guardar brinquedos. Ele já entende ordens curtas, portanto, explique tudo a criança: o que estão fazendo, aonde vai, etc... Brinque de esconde-esconde ou pega-pega. Jogue bola. Brinquedos e Brincadeiras: os triciclos sem pedal, que podem ser empurrados pelos pais. Nessa idade, o bebê também pode começar a ensaiar o encaixe. Há no mercado opções que estimulam essas atividades, com peças para serem colocadas dentro de uma casinha, por exemplo, ou com chaves para serem enfiadas nas fechaduras corretas. Por volta de um ano e dois meses, a criança já pode experimentar os triciclos com pedais. Caminhões com carroceria e baús. Ótima idéia também são aqueles que podem ser desmontados. Eles exercerão um fascínio imenso sobre a criança, curiosíssima em descobrir como as coisas funcionam.

31 Um ano e seis meses Tira brinquedos dos outros, anda e quer subir escadas sozinho. Gosta de imitar os adultos, rabisca no papel com lápis de cor ou caneta e se diverte com água. Usa bastante a palavra não. Corre, brinca com bola, anda para trás e aumenta o vocabulário. Começa a comer sozinho. Sente a ausência dos pais e gosta de ouvir várias vezes a mesma história ou a mesma música. Para pegar um brinquedo que caiu debaixo da mesa ou da cama, se precisar, já sabe usar uma vareta ou algo parecido. Já demonstra claramente o que quer e o que não quer.

32 Um ano e seis meses Quando sai para passear, não quer mais ficar no carrinho. Na hora das refeições, passa a recusar aquilo de que não gosta. Gosta de participar das atividades domésticas, como varrer a casa e lavar a louça. Reconhece-se em uma fotografia, apontando e até dizendo seu nome. Sobe com facilidade em cadeiras, abre e fecha gavetas e brinca com o controle remoto da televisão. Adora rabiscar, escalar móveis e consegue tirar uma peça de roupa. Aprende a utilizar objetos como o telefone. Tem por volta de 16 dentinhos e deve ser estimulado a treinar o controle de xixi e cocô. Repete quase tudo o que ouve, aprende a montar quebra cabeças e consegue cantarolar as músicas que gosta. A coordenação olho-mão é aperfeiçoada através de jogos que envolvem apontar, agarrar, arremessar, colocar e pegar.

33 Um ano e seis meses Estimulação: Incentive-a a brincar com outras crianças. Estimule a emprestar brinquedos. Cante músicas. Deixe-a experimentar novas situações. Estimule-a a verbalizar o que quer. Esconda objetos na frente da criança e a deixe procurar. Nomeie objetos, pessoas e plantas para a criança. Incentive-a a resolver pequenos problemas sozinha. Imite ações do dia-a- dia com mímicas e sons. Fale corretamente e não de forma infantilizada. Brinquedos e Brincadeiras: É a hora do faz-de-conta, de brincar de casinha, de escritório, de boneca, de encenar as falas da Bela Adormecida, da Cinderela. O brinquedo passa a ser instrumento de sua fantasia. Por isso, é bom oferecer aos pequenos fantoches – os de dedos eles adoram – e fantasias. Também é o momento de se divertir com areia, terra e criar suas construções. Baldes, regador, pazinhas e peneiras farão muito sucesso com o bebê dessa idade.

34 Dois anos É capaz de fechar um zíper, destampar potes, abrir trincos de portas e até calçar os sapatos de fecho mais simples. Sobe e desce escadas, tira os sapatos e peças de roupa. Já se começa a falar em tirar a fralda. Pára de repetir palavras. Passa a responder às perguntas e a conversar. Ciumento, o bebê não só aprende a usar o pronome possessivo "meu" como quer que tudo seja dele. Alguns fazem isso antes. Conhecido como o "ano terrível", o segundo ano de vida é marcado pelo negativismo. Suas respostas preferidas são: "Não vou", "Não quero", "não gosto". Tem percepção de quem é. Em geral a dentição de leite se completa. Mexe em tudo.

35 Consegue usar a colher e copo. Chuta bola sem perder o equilíbrio, tenta impor suas vontades e passa a sentir ciúme e consegue estabelecer o controle da bexiga. Fala frases. Por volta dos dois anos a criança começa a ser treinada para controlar as fezes. Ela se encanta com o produto do seu corpo, que ela já sabe que deve ser depositado na privada. Esse aprendizado não deve ser imposto pelos pais, muito menos com castigos. A criança tem um tempo para adquirir esse amadurecimento, que é se desprender de seus despojos, e, estando preparada, tenderá a cooperar. Tem medo de barulhos, animais, escuro, objetos grandes, locais estranhos e separação dos pais. Dois anos

36 Estimulação: Conte histórias com maior riqueza de detalhes, use figuras ou fantoches. Ensine a cumprimentar, despedir-se, agradecer. Ofereça papel e lápis para rabiscar, papel para amassar e fazer bolinhas. Ensine-o a fazer bolinhas de sabão. Pedaços de madeira colorida e caixinhas para montar casinhas, torres. Ensine hábitos de higiene (banho). Procurem elogiar o esforço feito para fazer cocô ou xixi. Deixem a criança perceber que ela é dona do próprio corpo. Dois anos

37 Está sempre em movimento. Salta com os dois pés ao mesmo tempo e anda na ponta dos pés. Já pode carregar objetos sem perder o equilíbrio e corre muito bem. Reconhece algumas cores. Adiciona à linguagem detalhes como adjetivos. Consegue manter a atenção por períodos mais longos ao ouvir uma história, pintar ou ver um desenho animado na televisão. Em casa, diverte-se montando e desmontando, empilhando e derrubando. Está aprendendo a conviver com outras crianças, mas ainda manifesta sentimentos de rivalidade e egoísmo. Dois anos e seis meses

38 Estimulação: Continue contando histórias, quantas vezes a crianças desejar. Brinque de faz-de-conta, entre na história, não tenha vergonha de voltar a ser criança, pense que para a criança isso será muito importante e deixe que ela coordene a brincadeira.

39 Três anos Tem habilidade motora para tocar instrumentos musicais simples, como o tambor ou a gaita. É ágil, podendo realizar duas atividades ao mesmo tempo. Chuta bola enquanto corre, toma sorvete subindo escadas, come e fala ao telefone. A criança fica mais independente dos pais, relacionando-se melhor com os outros. É generosa e carinhosa com os amigos, preferindo estar com eles a conversar com os adultos. Está descobrindo as diferenças entre os sexos. É por isso que a menina repete o comportamento da mãe e o menino imita o pai. Pede para ir ao banheiro. Gosta da companhia de outras crianças para brincar. Reconhece cores, formas e tamanhos e começa a se vestir. Explica bem as coisas e continua aprendendo com facilidade e por imitação.

40 Três anos Percebe os sentimentos dos adultos. Sabe comer de garfo e colher. Gosta de contar e ouvir histórias. Segura o lápis como um adulto. Tenta vestir-se sozinha e sabe abotoar. Imita os pais nas brincadeiras e objetos utilizados por eles. Gostam de brincar de fazer cócegas, tocar os próprios genitais e os dos outros. Nessa idade as brincadeiras de médico, de papai-mamãe e outras já fazem parte do desenvolvimento da sexualidade, e continuarão até a criança completar 5-6 anos. Em geral as brincadeiras são feitas em grupinhos mistos, e são uma forma de satisfazer a curiosidade sexual. Não existem contra-indicações para esses jogos. Ao contrário, eles são uma tentativa de afirmar a identidade e um teste de realidade. Nesta fase eles têm medo de máscaras, escuro, animais e separação dos pais.

41 Estimulação: Peça ajuda para pequenas tarefas. Estimule-o a vestir-se e calçar sapatos. Brincadeiras de trenzinho, de esconder. Brincar de casinha. Agrupar os iguais pela cor, forma, etc. Ordenar por tamanhos. Fortaleça hábitos de higiene e estimule que os faça sozinho. Brinquedos e Brincadeiras: Por volta dos três anos, ele começará a se interessar por objetos com os quais possa realizar construções simples. Entram em cena tijolinhos, lego, encaixes mais complexos. Três anos

42 Quatro anos Melhora coordenação, corre, salta, atira e recebe a bola. Torna-se mais independente. Tem noção de localização, acima, embaixo, perto, longe. Ajuda nas tarefas da casa. Conta pequenas histórias. Descoberta do corpo.

43 Quatro anos Estimulação: Ensine boas maneiras, estimule-o a cooperar. Brincadeiras de imitar adultos. Ensine a cuidar de animais e plantas. Montar quebra cabeças. Rasgar jornais com formatos de flor, geométricos. Ensine-o a usar tesoura. Pode brincar com massa de modelar. Brinquedos e Brincadeiras: Apresente-lhe papéis, canetas, giz de cera, lápis de cor, canetinhas, régua, massa de modelar, revistas, jornais.

44 Cinco anos Movimentos mais precisos e coordenados. Desenha, recorta e rasga papéis com maior destreza. Fala de tudo, conversa. Entende os limites. Sabe as estações do ano e suas diferenças. Ele já enxerga como uma pessoa adulta. Temem a separação dos pais, animais, pessoas estranhas como ladrões, mendigos e dano físico.

45 Cinco anos Estimulação: Peça que conte objetos até dez. Estimule-o a vestir-se e despir-se, jogos com regras como passa anel, cinco-marias, estimule-o a dançar ritmos diferentes. Faça a experiência do feijão com algodão, peça que observe e relate o que está acontecendo. Estimule-o a fazer colagens. Brinquedos e Brincadeiras: Nesta fase é muito importante brincadeiras de contenham regras e trabalhos manuais com recorte, colagem e desenhos.

46 A cada dia a criança manifesta um gesto, um sorriso, um olhar diferente que marcam as fases do seu desenvolvimento, mas o ritmo desse processo é individual


Carregar ppt "DESENVOLVIMENTO INFANTIL. Pensamento Introdutório O conceito de trauma hoje está muito mais relacionado à falta de estimulação e que, portanto, precisamos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google