A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Unidade 4- Administração na Idade Moderna. 1- Introdução A Idade Moderna tem o seu início com a queda de Constantinopla pelos turcos otomanos em 1453.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Unidade 4- Administração na Idade Moderna. 1- Introdução A Idade Moderna tem o seu início com a queda de Constantinopla pelos turcos otomanos em 1453."— Transcrição da apresentação:

1 Unidade 4- Administração na Idade Moderna

2 1- Introdução A Idade Moderna tem o seu início com a queda de Constantinopla pelos turcos otomanos em 1453 d.C. e se estendeu até 1789 com o começo da Revolução Francesa, envolvendo um período de 336 anos. Nesse período o mundo mudou e aumentou de tamanho com os descobrimentos marítimos e desenvolvimento das colônias.

3 1- Introdução A Idade Moderna apresentou grandes transformações: início do capitalismo moderno, formação dos Estados Nacionais, mercantilismo, Reforma Protestante, Renascimento, Iluminismo, Independência dos EUA, Revolução Francesa e início da Revolução Industrial.

4 2- Renascimento No campo político o Renascimento é o período de surgimento e consolidação do Estado Moderno. Os senhores feudais haviam perdido o poder nos séculos anteriores, dando lugar aos países e cidades-estados. A concentração de pessoas em grandes contingentes urbanos aumentou a complexidade dos problemas, estimulando o aprimoramento das estruturas e técnicas administrativas.

5 2- Renascimento No capo das idéias, o Renascimento foi movido por valores humanistas, como a melhoria da condição individual, o desenvolvimento pessoal e a retomada dos conceitos gregos. As principais contribuições do Renascimento foram: - Valorização do ser humano;

6 2- Renascimento - Grandes consórcios de empresas; - Separação entre os papéis do empreendedor e do empregado; - Invenção da contabilidade moderna; - Acumulação de capital; - Administração como área do conhecimento.

7 3- Mercantilismo As conquistas ultramarinas e o desenvolvimento da economia européia propiciaram o fortalecimento dos Estados Nacionais e o enriquecimento de suas camadas mercantis. O mercantilismo teve um objetivo preliminar estritamente prático e imediato: estabelecer as diretrizes econômicas do Estado Nacional centralizado.

8 3- Mercantilismo O mercantilismo não foi um sistema econômico e, portanto, não pode ser considerado um modo de produção. Ele marca a transição do feudalismo para o capitalismo. Apesar das variações de um Estado para outro e de uma época para outra, a política mercantil se baseou em princípios comuns: - Metalismo: acumulo de ouro e prata; - Balança Comercial Favorável: exportar mais do que importar;

9 3- Mercantilismo - Novos Mercados: mercados consumidores; - Protecionismo: favorabilidade econômica; - Colonialismo: as colônias complementavam a economia da metrópole; - Intervencionismo Estatal: o Estado intervinha na economia de acordo com os seus interesses.

10 3.1- Espanha Enriqueceu em razão do acúmulo de metais preciosos e não desenvolveu comércio, agricultura e manufatura, pois o ouro e a prata enviados pelas colônias eram suficientes.

11 3.2- Portugal Apesar do ouro e da prata enviados pelas colônias, chegou a desenvolver o comércio de produtos vindos do Oriente, principalmente pela Companhia das Índias.

12 3.3- Inglaterra O mercantilismo inglês era basicamente industrial e agrícola. A política econômica era bem planejada, protegendo-a da concorrência estrangeira por meio de uma rígida política alfandegária. Houve a formação de uma burguesia industrial, além disso, o governo incentivou a construção naval para facilitar o comércio exterior.

13 4- Capitalismo O capitalismo se caracteriza pela definição das relações assalariadas de produção, com a separação entre os detentores dos meios de produção (capital) e os fornecedores de trabalho. No capitalismo, a produção é dirigida para o mercado, há uma intensificação das trocas monetárias, o surgimento da organização empresarial e o espírito de lucro. Ao longo do tempo, o capitalismo pode ser dividido em fases, expostas a seguir.

14 4.1- Pré-capitalismo Foi o período da economia mercantil em que a produção se destinava a trocas e não apenas ao uso imediato. Não havia ainda a generalização do trabalho assalariado.

15 4.2- Capitalismo Mercantil Neste período, apesar de predominar o trabalho do artesão, o trabalho assalariado se amplia. A maior parte do lucro passou a concentrar-se na mão dos comerciantes e intermediários, e não mais dos produtores. Surge o mercantilismo.

16 4.3- Capitalismo Industrial Nesse período, o trabalho assalariado se instala, em prejuízo dos artesãos e separando claramente os possuidores dos meios de produção e os trabalhadores.

17 4.4- Capitalismo Financeiro É a fase atual do capitalismo, onde o sistema bancário e as grandes corporações financeiras tornam-se dominantes e passam a controlar as demais atividades.

18 5- Arsenal de Veneza Veneza foi uma cidade-Estado que, ao redor do século XV, controlava o setor comercial mais importante da época: o de produtos orientais. Os demais concorrentes (holandeses, ingleses, franceses e ibéricos) mão tiveram outra opção senão buscar novas e melhores rotas comerciais. Em 1436, Veneza implantou seu próprio estaleiro naval, o arsenal, para fins de criação de uma frota mercante privada e de defesa. Foi na época a maior instalação industrial do mundo, empregando cerca de 2 mil trabalhadores.

19 5- Arsenal de Veneza O arsenal tina três propósitos: equipar, consertar e reparar navios. Para aumentar a eficácia e reduzir custos, o arsenal empregava várias técnicas administrativas que até hoje são utilizadas: - Linha de Montagem; - Padronização;

20 5- Arsenal de Veneza - Armazenamento; - Controle de Estoque; - Controle Contábil; - Controle de Custos; - Trabalho Humano (supervisão eficiente).

21 6- Maquiavel Nicolau Maquiavel nasceu em Florença em 1469, e morreu em Seu pai, advogado, típico renascentista, se empenhou em transmitir uma aprimorada educação clássica para seu filho. O livro, o príncipe, de Maquiavel, foi escrito em 1513, e posteriormente dedicado a Lourenço de Médici.

22 6- Maquiavel Podemos considerá-lo como um manual para governantes, pois tenta explicar como conquistar e manter Estados, além de outros temas como alianças, negociações e acordos políticos, relações entre o Estado e o povo, política interna e externa, corrupção, nepotismo e favorecimento. Maquiavel viveu em uma Itália fragmentada em pequenos estados ou principados, dominada pela influência dos Estados estrangeiros, principalmente França e Espanha que ocuparam vários de seus territórios “sem chefe, sem ordem, vencida, espoliada, lacerada e invadida”.

23 6- Maquiavel Foi nesse contexto que Maquiavel escreveu um dos livros mais lidos e comentados de todos os tempos, onde procura apontar um caminho para a Itália desfalecida. Desejando que a Itália saia do seu estado de repouso e venha a se tornar grande e conhecida por todos “inteiramente pronta e disposta a seguir uma bandeira, desde que haja alguém que a erga”.

24 6- Maquiavel A conotação negativa associada ao seu nome é injusta, já que muitas de suas idéias poderiam ser endossadas em qualquer época sem restrições, como por exemplo: “Se tiver que fazer o mal, o príncipe deve fazê-lo de uma vez só. O bem, deve fazê-lo aos poucos.” “A primeira opinião sobre o príncipe baseia-se na observação dos homens que o cercam.” “A aprovação dos governados é essencial para o sucesso dos governantes.”

25 7- Reforma Protestante A Reforma, no século XVI, modificou certos valores que influenciavam a Europa. Enfatizou o espírito individualista e empreendedor, e a responsabilidade individual, em substituição à submissão religiosa valorizada pela Igreja Católica. Os primeiros líderes protestantes enfatizaram o trabalho duro como forma de melhorar a situação pessoal e beneficiar a comunidade. Essa proposta contribuiu para deslocar a ênfase da salvação no futuro para a prosperidade no presente.

26 7- Reforma Protestante Martin Lutero aboliu a hierarquia da Igreja Católica, declarando que o sacerdócio poderia ser praticado por todos os fiéis, não apenas por quem tivesse sido ordenado. Essa proposta transferiu os poderes de decisão do clero para o cidadão comum, sobre como conduzir os negócios terrenos.

27 8- Staff na Área Militar Frederico II ( ), rei da Prússia, baseou seu absolutismo em uma administração burocrática centralizada e modelar, e organizou um exército poderoso e exemplar. Frederico notou que os seus excelentes generais apresentavam alguns pontos fracos, como falta de tempo para a estratégia militar, para planificar ou reunir rapidamente informações para a tomada de suas decisões.

28 8- Staff na Área Militar Ele forçou seus generais a delegar suas funções de gabinete e de planejamento a um Estado-maior (staff), o qual passou a resolver todos os assuntos de planejamento e organização militar. Ao diminuir as responsabilidades de linha, aumentou a autoridade dos generais, elevando assustadoramente a sua eficiência. Esse modelo fora depois copiado e aprimorado pelo exército americano, que o usa até hoje.

29 9- Idade Contemporânea A Idade Contemporânea vai desde a Revolução francesa de 1789 até os dias atuais. Nela ocorrem a formação do capitalismo industrial e as relações de trabalho que se estenderam até os dias de hoje.


Carregar ppt "Unidade 4- Administração na Idade Moderna. 1- Introdução A Idade Moderna tem o seu início com a queda de Constantinopla pelos turcos otomanos em 1453."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google