A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Antônio Luiz Jessica Holanda Karrie Queiroz Michele de F. dos Santos Robson Silva Ronny Ribeiro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Antônio Luiz Jessica Holanda Karrie Queiroz Michele de F. dos Santos Robson Silva Ronny Ribeiro."— Transcrição da apresentação:

1

2 Antônio Luiz Jessica Holanda Karrie Queiroz Michele de F. dos Santos Robson Silva Ronny Ribeiro

3 São operações financeiras por meio das quais são fornecidos recursos para a execução de um investimento, previamente acordado entre as partes: banco e empreendedor. Pode ser desde a compra de um equipamento, até a implantação de uma nova unidade ou complexo industrial. Os recursos devem obrigatoriamente ser empregados na execução da finalidade contratada.

4 Existem diversas fontes alternativas de financiamentos de curto prazo, isto é financiamento com o prazo de exigibilidade até um ano os mais relevantes são: Hot Money: São empréstimos de curtíssimo prazos que os bancos fazem com as empresas. Estas recorrem a essa fonte de recursos para ajustar seu fluxo de caixa.

5 Conta Garantida: Abre-se uma conta de Crédito ( conta garantida) com um valor limite que normalmente é movimentada diretamente pelos cheques emitidos pelo cliente, desde que não haja saldo disponível na conta corrente de movimentação. A medida que, nessa última existam valores disponíveis, estes são transferidos de volta, para cobrir o saldo devedor da conta garantida.

6 O financiamento á longo prazo é uma opção que só deve ser adotada caso você não tenha saída, por exemplo, um empréstimo para pagar uma conta, ou a compra de uma casa, a compra de uma dívida. São todos esses financiamento de longo prazo, mas os juros deles são bem maiores.

7 O financiamento à longo prazo pode ser o mesmo que sair no prejuízo, MAS CUIDADO COM ESTA CILADA, afinal os bancos vivem dos lucros que os empréstimos e financiamento dão devido aos altos juros que são cobrados em cima do valor.

8 Para Financiar a aquisição de bens duradouros de equipamentos e imobiliários, e quando o recurso a capitais próprios não é possível ou não é suficiente,as empresas recorrem a diferentes formas de financiamento de médio e longo prazo.

9  Leasing  Cdc Crédito Direto ao consumidor  Recurso á Capitais próprios:  Empréstimos Bancários:  Capital de Risco  Debêntures  Finame  Cartão do BNDES

10 Locação financeira ou arrendamento mercantil, também conhecido pelo termo em inglês leasing, é um contrato através do qual a arrendadora ou locadora (a empresa que se dedica à exploração de leasing) adquire um bem escolhido por seu cliente (o arrendatário, ou locatário) para, em seguida, alugá-lo a este último, por um prazo determinado.

11 Ao término do contrato o arrendatário pode optar por :  Renová-lo por mais um período;  Devolver o bem arrendado à arrendadora (que pode exigir do arrendatário, no contrato, a garantia de um valor residual)  Adquirir o bem, pelo valor de mercado ou por um valor residual previamente definido no contrato O cliente deste tipo de crédito, é, tipicamente, uma empresa, podendo, no entanto, ser, também, contratado por pessoa física.

12 Onde obter: Bancos, Financeiras, Lojas que vendem produtos financiáveis no CDC. Prazo: geralmente de 3 a 48 meses, para automóveis pode chegar a 84 meses. Varia em função do valor e tipo do bem, da capacidade de pagamento do comprador e das condições da economia.Normalmente o pagamento é em prestações mensais Juros: em geral são pré fixados, nos casos de prazo superior a 12 meses, também são encontradas alternativas com atualização monetária pela TR ou pelo IGP-M

13 Garantias: no caso de veículos, e outros bens quando possível, é exigida a alienação fiduciária. O bem adquirido é dado em garantia. Outros custos: IOF, TAC, taxa de cadastro, seguro do bem, outros seguros Específico para aquisição de bens - veículos, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, equipamentos profissionais, materiais de construção, vestuário, outros bens não perecíveis - e serviços - assistência técnica, manutenção, etc.

14 Obtido no estabelecimento vendedor que mantém convênio com uma ou várias instituições financeiras - banco ou financeira. Também há os casos em que o próprio estabelecimento "banca" o financiamento e, posteriormente, negocia estes créditos com uma instituição financeira, gerando o CDC-I; nesta modalidade a loja assume o risco de pagamento pelo comprador - chamada Interveniência. Não é necessário ser cliente ou ter cadastro aprovado previamente, em geral o cadastro é feito na hora e o pagamento poderá ser através de boleto bancário ou carnê pagável no loja

15  O seguro do bem é exigido no caso de veículos.  Há outros seguros, como vida e perda de emprego, que poderão ser exigidos.  Normalmente o preço do seguro é incluído no valor do financiamento O valor do IOF também é normalmente financiado  A alta de pagamento permite ao vendedor retomar o bem financiado.  É um produto flexível em prazos De fácil obtenção  Em geral, as taxas de juros são menores que do Crédito Pessoal, geralmente não tem flexibilidade de taxas em relação a bons cadastros.  O crédito é aprovado com base sistema de credit scoring e behavior scoring.

16  Leia o contrato antes de assinar  Pesquise taxas de juros em estabelecimentos similares  O Código de Defesa do Consumidor exige que os estabelecimentos informem exatamente os juros que estão sendo cobrados do cliente, exija seus direitos  Compare as condições dos diversos prazos possíveis, não apenas o valor da prestação, também o valor dos juros pagos.

17 Constituem uma forma menos cara de uma empresa se financiar e, simultaneamente, uma forma de garantir a manutenção de sua atividade, e deste modo, garantir o seu crescimento

18 Os Capitais próprios são os capitais da própria empresa, tais como, o capital social reservas, resultados e/ou prestações suplementares.os resultados acumulados retido nas empresa são também denominados de autofinanciamento. Sendo este tipo de recursos normalmente escasso, pode, contudo vir a ser utilizado caso os sócios ou acionistas tenham disponibilidade para aumentar o capital social da sociedade ou realizar entradas em dinheiro ou espécie, em volume suficiente para sustentar as necessidades de investimento requeridas, as quais poderão, posteriormente, vir ou não a ser transformadas em capital

19 Destinam-se a financiar investimentos em curso ou no seu início. A empresa tem que negociar as condições de concessão do empresário com a entidade bancária a quem o solicita designadamente o prazo, o período de carência de juros e/ou de amortização de capital e a taxa de juro.

20 As Sociedades de Capital de Risco (SCR) têm um modelo que assenta na partilha do risco do negócio com as empresas em início de atividade ou aquelas que necessitam, em determinada altura da sua vida, de injetar mais capital de modo a sustentar o seu crescimento ou a entrar em novos negócio

21 Tal partilha assenta na participação das SCR no capital das empresas que solicitam o seu apoio através de um contrato ou acordo que determina as formas de relacionamento entre a SCR e a empresa participada e estipula igualmente o período, previsto na lei, durante o qual aquela permanecerá no capital bem como a mais valia que deseja obter quando da sua saída no final do período estabelecido no contrato.

22 O financiamento através de Sociedades de Capital de Risco é uma forma de financiamento barata, já que não obriga à liquidação de quaisquer encargos financeiros, mas a obtenção de apoio de uma SCR obriga à análise rigorosa e aprovação prévia de um plano de negócios detalhado da empresa.

23 É um título de crédito representativo de empréstimo que uma companhia faz junto a terceiros e que assegura a seus detentores direito contra a emissora, nas condições constantes da escritura de emissão. Para emitir uma debênture uma empresa tem que ter uma escritura de emissão, onde estão descritos todos os direitos conferidos pelos títulos, suas garantias e demais cláusulas e condições da emissão e suas características

24 Debêntures também são valores mobiliários emitidos pelas sociedades anônimas, representativas de empréstimos contraídos pelas mesmas, cada título dando, ao debenturista, idênticos direitos de crédito contra as sociedades, estabelecidos na escritura de emissão.

25 Financiamentos, sem limite de valor, para aquisição isolada de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional, credenciados pelo BNDES e para capital de giro associado, através de instituições financeiras credenciadas. A taxa de juro é composta de Custo Financeiro + Spread Básico + Spread do Agente.

26 Custo Financeiro: TJLP - Taxa de Juros de Longo Prazo, Cesta de Moedas, Variação do dólar norte-americano acrescido da Libor, exclusivamente em concorrências internacionais. Spread do Agente: A ser negociado entre a instituição financeira credenciada e o cliente; nas operações garantidas pelo Fundo de Garantia para Promoção da Competitividade - FGPC (Fundo de Aval) até 4% a.a. Prazo Total: Financiamentos até R$ 7 milhões: até 60 meses,Transporte de passageiro: até 48 meses;,Transportadores autônomos de carga: até 72 meses.

27 O Cartão BNDES é um instrumento que fornece crédito rotativo de até R$ 500 mil para que micro, pequenas e médias empresas possam realizar investimentos produtivos. Por meio do Cartão as MPMEs podem ter acesso a uma linha de crédito pré-aprovada e de uso automático. A anuidade é definida pelo banco emissor, a taxa de juros é definida em percentual ao mes, em função da taxa a termo divulgada pela ANDIMA, calculada com base nas Letras do Tesouro Nacional.

28 O prazo de amortização é de 3 a 48 prestações mensais, fixas e iguais. As garantias são negociadas entre o banco emissor e o cliente, na análise de crédito para concessão do cartão. Os fornecedores são empresas fabricantes de máquinas, equipamentos e outros bens de produção, que tenham fabricação total ou parcial no Brasil. O Cartão BNDES poderá ser usado nas modalidades descritas abaixo:

29 Indireta: é a compra tradicionalmente realizada mediante a negociação entre fornecedor e cliente, mas finalizada pelo fornecedor no Portal de Operações do BNDES e quitada com o Cartão BNDES. Direta: é a compra realizada diretamente pelo cliente (on-line) no Portal de Operações do BNDES e quitada com o Cartão BNDES. Esta modalidade está disponível apenas para os produtos cujo fornecedor tenha optado por vender desta forma. Em ambas as modalidades, o custo para o fornecedor é a taxa de desconto, de até 3% deduzida do valor de cada operação.

30 É a instituição financeira autorizada, pelo BACEN, a operar cartão de crédito, aprovada pelo BNDES e responsável pela emissão do Cartão BNDES e pelo risco da operação. É a empresa responsável pela afiliação de fornecedores e pela gestão de transações comerciais através de cartões de crédito ou outros meios de pagamento.

31 Antes de adquirir um financiamento é importante elaborar um planejamento dos gastos anuais, e não diários como geralmente ocorre. Alguns cuidados são primordiais antes de se optar por um financiamento, o administrador devera ficar atento verificando se o empresário possui carência necessária para que se tenha tempo de investir num produto e obter retorno. Se o financiamento não tiver nenhuma carência, pare e pense se será viável.

32 Prazo para o pagamento é outro ponto importante. Quanto maior for o prazo melhor para pedir o financiamento. A lógica do mercado é: pagar mas longe, receber mas rápido e quanto menor a taxa de juros, menos será o custo financeiro e principalmente atentar se as garantias expostas no financiamento. Para não cair em armadilhas é importante ficar atento a todos detalhes por menor que seja.


Carregar ppt "Antônio Luiz Jessica Holanda Karrie Queiroz Michele de F. dos Santos Robson Silva Ronny Ribeiro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google