A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MOITA MACEDO EXPOSIÇÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO: “MOITA MACEDO – DESENHOS” Moita Macedo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MOITA MACEDO EXPOSIÇÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO: “MOITA MACEDO – DESENHOS” Moita Macedo."— Transcrição da apresentação:

1 MOITA MACEDO EXPOSIÇÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO: “MOITA MACEDO – DESENHOS” Moita Macedo

2 MOITA MACEDO 1) “Cristo”, 1981 Óleo sb platex 48 x 38 cm

3 MOITA MACEDO 2) “Caravelas”, 1983 Óleo sb platex 46 x 53 cm

4 MOITA MACEDO 3) “Cavalo ao entardecer”, 1980 Técª mista sb papel 15 x 21 cm

5 MOITA MACEDO 4) Composição s/ Título Acrílico sb papel 29 x 21 cm

6 MOITA MACEDO 6) Composição s/ Título, 71 Acrílico sb papel 29 x 21 cm

7 MOITA MACEDO 7) “Cidade”, Acrílico sb papel 27 x 20 cm

8 MOITA MACEDO 8) “Cidade”, 1971 Técnica mista sb papel 15 x 21 cm

9 MOITA MACEDO 9) “Cidade”, 1973 Técnica mista sb papel 27 x 18 cm

10 MOITA MACEDO 10) S/ Título, 1981 Técnica mista sb papel 20 x 22 cm

11 MOITA MACEDO 11) “D. Quixote”, 1981 Técª mista sb papel 21 x 15 cm

12 MOITA MACEDO “Tarot”, 1972 Guache sb papel, 23 x 17cm S/ Título, 1972 Guache sb papel, 21 x 15cm

13 MOITA MACEDO 18) 19) e 20) “Cenas de Toreio”, 1972 Técª mista sb papel 10 x 14 cm

14 MOITA MACEDO 12) “Cristo” Desenho sb papel 30 x 21 cm

15 MOITA MACEDO 13) “Cristo”, 1977 Desenho sb papel 30 x 21 cm

16 MOITA MACEDO 14) “Cristo”, 1977 Tinta da China sb papel 30 x 21 cm

17 MOITA MACEDO 21) Composição, Desenhos sb papel x cm

18 MOITA MACEDO 21) Composição, Desenhos sb papel x cm

19 MOITA MACEDO 16) “D. Quixote”, 1971 Guache sb papel x cm

20 MOITA MACEDO 23) S/ Título, 1982 Guache sb papel 18 x 24 cm

21 MOITA MACEDO 17 S/ Título, 1981 Técª mista sb papel 22 x 30 cm

22 MOITA MACEDO O MARAVILHOSO MUNDO DO DESENHO EM MOITA MACEDO: Notas para o reconhecimento do processo criativo de um grande artista A publica ç ão do á lbum de Desenhos seriados de Moita Macedo, organizado por Fernando Ant ó nio Baptista Pereira, constitui não s ó a base que faltava para a compreensão dos processos criativos desse pintor-poeta ainda mal estudado, mas tamb é m um eficaz testemunho de revaloriza ç ão da arte do Desenho como fonte de informa ç ão insubstitu í vel no terreno da Hist ó ria da Arte cient í fica. O artista é um dos nomes injustamente nebulosos no panorama da arte portuguesa novecentista. De facto, Jos é Albano Pontes Santos Moita Morais Macedo ( ), o pintor Moita Macedo, apesar da sua alt í ssima qualidade pl á stica, é ainda hoje uma personalidade mal conhecida da Hist ó ria da Arte. Talvez por causa da sua forma ç ão autodidacta, ou talvez ainda pelo facto de a sua obra ser numerosa e se expressar em v á rias linhas tem á ticas e em diversos materiais e distintas t é cnicas e suportes, a verdade é que s ó ap ó s a sua morte prematura o fasc í nio pelas qualidades deste pintor-poeta se manifestou de modo mais consistente nos meios ligados à cr í tica da produ ç ão art í stica. Este « pintor de natureza surpreendentemente rica », como o definiu Urbano Tavares Rodrigues, foi, entre outras coisas, poeta, escritor, militante de causas c í vicas, resistente à ditadura, viajeiro por terras da Í ndia tântrica e budista, escultor, autor de capas de livro, conferencista e animador dos c í rculos culturais da Siderurgia Nacional.

23 MOITA MACEDO … / O MARAVILHOSO MUNDO DO DESENHO EM MOITA MACEDO: Notas para o reconhecimento do processo criativo de um grande artista Macedo escolheu a via do informalismo expressionista, atrav é s da qual melhor soube explorar, em modos muito pessoais (com s á bia acentua ç ão do relevo pictural como aqui bem observa Baptista Pereira), esse encantamento pelos caminhos de uma pintura dilacerante, marcada pela distor ç ão das formas, pela devo ç ão pelos nocturnos, pelas convulsões do tra ç o e da mat é ria, num di á logo libert á rio entre o onirismo e a realidade. Tem-se afirmado que a sua arte oscila entre um informalismo de base, devidamente assumido e consciencializado, e a tradi ç ão dos novos selvagens, em tra ç os onde o neo-expressionismo abstracto e o gestualismo constr ó em as experiências e as possibilidades do artista. Esta auto-defini ç ão de tendências teve uma causa: depois de ser incentivado no seio do ambiente art í stico da Cooperativa Gravura, onde conheceu o seu amigo Almada-Negreiros, teve de seguida o conhecimento directo da obra de Artur Bual, artista que lhe marcaria graus de exigência e est í mulo paraa linhas criadoras em novas dimensões de nostalgia, fulgor, desencanto e esperan ç a... ( … ) livro, que explica a essência do informalismo gestual de Moita Macedo. Os desenhos – base para o entendimento do mundo de sonhos e agita ç ões critativas do pintor, mas tamb é m, em si mesmo, verdadeiros desenhos-pinturas, dado o recurso fren é tico à cor que é recorrente nestes trabalhos, e face à s fronteiras 

24 MOITA MACEDO … / O MARAVILHOSO MUNDO DO DESENHO EM MOITA MACEDO: Notas para o reconhecimento do processo criativo de um grande artista t é nues que no caso possam tra ç ar-se entre pintura e desenho...) -- foram devidamente grupados por Fernando Ant ó nio Baptista Pereira em quatro grandes categorias tem á ticas, a que chamou: o grupo Desejos, Rostos e Nus, onde o onirismo buli ç oso e para-er ó tico seduz pela diversidade de conceitos lineares e as buscas obsessivas em varia ç ões sobre um mesmo tema, o grupo Os Outros Eus, deriva na obra do artista por outros temas, como o da Tauromaquia, registo das suas origens ribatejanas, mas tamb é m pelos Cristos martirizados, onde o sopro de Bual se expressa, o grupo Presen ç a do Mundo e dos Homens, onde as visões de cidades ut ó picas, os agrupamentos de figuras e as cenas de trabalho se multiplicam, e, finalmente, o grupo Evasão e Utopia, acaso o mais interessante, atrav é s do qual melhor se entendem as obsessões do pintor pelas manchas complexas e pela gestualidade de um informalismo muito pessoal. Tem-se destacado justamente no artista a touche vigorosa de um gestualismo que se exprime atrav é s do claro-escuro e do barroquismo de manchas de um Hartung, por exemplo, e é precisamente pelo estudo dos desenhos, como o fez solidamente Fernando Ant ó nio Baptista Pereira, que este livro agora proporciona, que melhor se vai poder entender essa expressão pl á stica de Moita Macedo. Vitor Serrão – Historiador de Arte (Catedr á tico da Faculdade de Letras de Lisboa)


Carregar ppt "MOITA MACEDO EXPOSIÇÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO: “MOITA MACEDO – DESENHOS” Moita Macedo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google