A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ÀS GUERRAS NAPOLEÔNICAS. A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O MOVIMENTO OPERÁRIO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ÀS GUERRAS NAPOLEÔNICAS. A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O MOVIMENTO OPERÁRIO."— Transcrição da apresentação:

1 DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ÀS GUERRAS NAPOLEÔNICAS

2 A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O MOVIMENTO OPERÁRIO

3 O QUE FOI A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ?  Conjunto de transformações econômicas, tecnológicas e sociais impulsionadas pela transformação técnica na produção manufatureira.  Passagem do sistema de produção marcadamente agrário e artesanal para outro de cunho industrial, dominado pela maquinaria.  Consolidação do capitalismo

4 PIONEIRISMO INGLÊS  Condições políticas favoráveis – Revoluções Inglesas, localização do território;  Política mercantilista (comercialismo) bem sucedida, garantindo uma acumulação primitiva de capital;  Vasta rede fluvial e bons portos naturais, que favoreciam os transportes e escoamento da produção;  Mercado consumidor vasto – destacando os tratados favoráveis, como o Tratado de Methuen (panos e vinhos) com Portugal.

5  A política dos cercamentos que garantiu a Inglaterra matéria-prima e mão-de-obra farta e barata. Mas afinal o que foram os cercamentos ???  Consistiu no cercamento e expulsão dos camponeses das terras comunais, principalmente no final do século XVII e XVIII. As areas desocupadas passaram a serem utilizadas como pastagem para ovelhas, principal matéria-prima das manufaturas têxteis da Inglaterra.  Também foi um evento importante na consolidação da noção de propriedade privada na Inglaterra.

6 PRINCIPAIS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO SÉCULO XVIII  Em 1733, John Kay inventa a lançadeira volante.  Em 1767 James Hargreaves inventa a "spinning janny", que permitia a um só artesão fiar 80 fios de uma única vez.  Em 1768 James Watt inventa a máquina a vapor.  Em 1785 Edmond Cartwright inventa o tear mecânico. James Watt

7

8 1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1750/1850)  Inglaterra, França, Bélgica, Estados Unidos  Energia: Carvão Mineral  Maquinário: Ferro fundido/ máquina a vapor  Indústria têxtil e siderurgia  Péssimas condições de trabalho  Capitalismo Industrial e liberal ou Concorrencial – predomínio da lei da oferta e da procura sem interferências dos governos.

9 2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ( )  Alemanha, Itália, Rússia, Japão  Fontes de Energia: Carvão Mineral, Petróleo, energia elétrica  Diversificação industrial: petroquímica, metalurgia, farmacêutica, eletroeletrônico  Maquinário: Ferro Fundido, Aço  Melhoria das condições de trabalho (consolidação do movimento operário)  Capitalismo Financeiro – tendência à concentração das industrias em torno de um capital financeiro.

10 CONSEQUÊNCIAS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL  - Aumento da produção de mercadorias em menos tempo;  - Maior concentração de renda nas mãos dos donos das indústrias;  - Avanços nos sistemas de transportes (principalmente ferroviário e marítimo) à vapor;  - Desenvolvimento de novas máquinas e tecnologias voltadas para a produção de bens de consumo;  - Surgimento de sindicatos de trabalhadores com objetivos de defender os interesses da classe trabalhadora;  - Aumento do êxodo rural (migração de pessoas do campo para as cidades) motivado pela criação de empregos nas indústrias;  - Aumento da poluição do ar com a queima do carvão mineral para gerar energia para as máquinas;  - Crescimento desordenado das cidades, gerando problemas de submoradias;  - Aumento das doenças e acidentes de trabalhos em função das péssimas condições de trabalho nas fábricas;  - Uso em grande quantidade de mão-de-obra infantil nas fábricas

11

12 MOVIMENTO OPERÁRIO Péssimas condições vividas pelos operários durante o século XIX:  Salários muito baixos  Longas jornadas (16/18 horas)  Condições insalubres no ambiente de trabalho  Superexploração do trabalho feminino e infantil  Ausência completa de qualquer assistência ao trabalhador

13

14

15

16 O DESENVOLVIMENTO DO MOVIMENTO OPERÁRIO Ludismo:  Ned Ludd  Inglaterra  Destruição de máquinas  O governo inglês reagiu decretando pena de morte aos revoltosos.

17 "Nós marchamos para realizar a nossa vontade Com machado, lança ou fuzil. Meus valentes cortadores Os que com apenas um só forte golpe rompem com as máquinas cortadeiras"

18 Cartismo:  Inglaterra  O movimento surgiu por volta de 1837  “Carta do Povo”- redigida pela associação dos operários reivindicavam melhores condições de trabalho, sufrágio universal masculino, renovação anual do parlamento, participação no parlamento.  O movimento foi massacrado pelo parlamento inglês que desconsiderou as reivindicações impostas pelos trabalhadores.

19 Trade Unions:  Organizações de associações de trabalhadores, de caráter assistencialist a, germe do sindicato moderno

20 Sindicatos:  A definição de sindicato varia, de acordo com o tempo e as condições políticas, razão pela qual, para alguns estudiosos, o sindicato é a coalizão permanente para a luta de classe e, para outros, é o órgão destinado a solucionar o problema social.

21 NOVAS IDEIAS  Com a consolidação da revolução industrial, surgem novas ideias que contestavam o individualismo liberal que caracteriza as práticas do liberalismo econômico e os princípios da economia clássica, configurando-se como uma resposta aos problemas sociais que se agravavam á medida que a industrialização avançava.

22 SOCIALISMO UTÓPICO  Surge na França em meados do século XIX  A igualdade se dará através da bondade e justiça humanas, de forma pacífica, aqueles que tem propriedades saberão dividi-las com os que não possuem.  Atuação do Estado que, através da centralização da economia, evitaria os abusos tipicos do capitalismo.  A falta de embasamento científico leva a denominação para tal corrente de Utópica ou Romântica.

23  Charles Fourrier : Propõe a criação de “Falanstérios” onde representantes das diversas classe se reúnem, fazendo doações e contribuições e recebendo proporcionalmente ao que entregou. Não desconstrói as discrepâncias sociais do capitalismo.

24  Robert Owen: Funda nos Estados Unidos uma organização chamada New Harmony, onde tenta, sem êxito, colocar suas ideias: menores jornadas de trabalho, assistência social ao trabalhador e sua família e participação do trabalhador nos lucros da empresa. Ficou conhecido como o “bom patrão”.  Louis-Blanc : Sugere a criação, com interferência do Estado, de “oficinas nacionais nas quais trabalhadores de um mesmo ramo trabalham juntos para se evitar a concorrência.

25 SOCIALISMO CRISTÃO  Em 1891, por meio da encíclica “Rerum Novarum”, o papa Leão XIII, conhecido como o Papa do proletariado, se opõe à luta entre classes, à doutrina marxista e, ao mesmo tempo, mesmo reconhecendo a propriedade privada, condena os abusos do capitalismo selvagem.  Nessa encíclica ainda há o estabelecimento dos direitos e deveres de patrões e operários dentro dos princípios da justiça e da caridade. A compreensão e o amor entre empregados e empregadores seria a principal base para a justiça social.

26 SOCIALISMO CIENTÍFICO  Surgiu na Alemanha, sobretudo na segunda metade de século XIX.  Karl Marx e Friederich Engels são seus defensores e autores das principais obras: “O manifesto comunista” (1864) e “O capital” (1867).  Luta de Classes  Mais Valia: Lucro patronal, sendo a diferença entre aquilo que os trabalhadores efetivamente produzem e aquilo que recebem sob a forma de salário.

27  O caminho para a igualdade de classes está no fim da propriedade privada dos meios de produção e seu controle pelo deve ser exercido apenas pelo Estado. Dessa forma, o Estado promove a redistribuição de riquezas eliminando a diferenças entre as classes. Quando essa diferença for nula, e a riqueza estiver plenamente distribuída, o comunismo é atingido com a eliminação de todas as instituições que regulam a sociedade.

28 ANARQUISMO  Doutrina defensora da inexistência de governos  Principais defensores: Bakunin e Kropotkin  Defendiam o Estado como origem dos males da sociedade, pregando a formação de “pequenas comunidades cooperativas de subsistência”

29 1ª INTERNACIONAL -AIT ( )  Organização dos sindicatos de todo o mundo pela melhoria nas condições de trabalho.  Discussões a cerca do Socialismo científico e o anarquismo.

30

31 CRIAÇÃO DO DIA DO TRABALHO  A História do Dia do Trabalho remonta o ano de 1886 na industrializada cidade de Chicago (Estados Unidos).  No dia 1º de maio deste ano, milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho, entre elas, a redução da jornada de trabalho de treze para oito horas diárias. Neste mesmo dia ocorreu nos Estados Unidos uma grande greve geral dos trabalhadores.  Foram dias marcantes na história da luta dos trabalhadores por melhores condições de trabalho. Para homenagear aqueles que morreram nos conflitos, a Segunda Internacional Socialista, ocorrida na capital francesa em 20 de junho de 1889, criou o Dia Mundial do Trabalho, que seria comemorado em 1º de maio de cada ano.

32

33 INDEPENDÊNCIA DOS EUA (1776)

34  Influência do Iluminismo:  Independência dos EUA (1776)  13 colônias = imigrantes em busca de liberdade política e religiosa – séc. XVII.

35

36  Norte: Colônia de povoamento:  pequenas propriedades ou médias  trabalho Livre assalariado  produção agrícola voltada para subsistência;  atividades manufatureiras;  comércio marítimo com outros países.  Era permitido o contrabando, um comércio triangular com as Antilhas – chá- açúcar- madeira.

37  Ao Sul: Colônias de exploração:  produzem para o mercado externo;  trabalho escravo;  monocultura (algodão, tabaco e arroz)  grandes propriedades.  13 colônias governadas por um vice-rei mais assembléia dos colonos, sob as leis da metrópole.

38  – Guerra dos Sete Anos = França X Inglaterra  Inglaterra vence, mas para se ressarcir de seus prejuízos adota as chamadas Leis Intoleráveis:  1764 – Lei do açúcar: restringe o comércio americano;  1765 – Lei do selo: pagamento de selagem obrigatória de correspondências e afins;

39  1767 – Lei do chá : determina o monopólio para a Cia das índias Orientais (inglesa).  Em resposta os colonos americanos fizeram uma manifestação que foi sufoca pelas tropas inglesas e ficou conhecida como o Massacre de Boston (1770)

40  E em 1773, a Inglaterra tentou impor a compra pelos EUA do chá que ela tinha estocado, e para isso manteve as taxas dos outros chás comercializados bem alta.  Em represália, os colonos americanos, disfarçados de índios mohawks, resolveram jogar 300 caixas de chá na baía de Boston. O episódio ficou conhecido como A festa do Chá.

41

42  O governo inglês defendeu os interesses da Companhia das Índias Orientais, e o Parlamento exigiu que os colonizadores pagassem US$ 1 milhão (em termos de dólares do século 21) valor estimado da carga jogada no mar. Diante da recusa dos colonos, a Marinha Britânica bloqueou a baía.  Esse incidente levou os colonizadores à Guerra Revolucionária.

43  1774 – Primeiro congresso Continental da Filadélfia – pede o fim das leis intoleráveis.  1775 – Segundo Congresso da Filadélfia – luta pela luta pela independência dos EUA – 4/07/1776 – base iluminista.  EUA – constituição de 1787 – República presidencialista federalista.

44 FESTA DO CHÁ EM BOSTON 1773 FIM.

45 REVOLUÇÃO FRANCESA  Revolução Francesa é o nome dado ao conjunto de acontecimentos que, entre 5 de Maio de 1789 e 9 de Novembro de 1799, alteraram o quadro político e social da França. Em causa estavam o Antigo Regime (Ancien Régime) e a autoridade do clero e da nobreza. Foi influenciada pelos ideais do Iluminismo e da Independência Americana (1776).  A Revolução é considerada como o acontecimento que deu início à Idade Contemporânea. Aboliu a servidão e os direitos feudais na França e proclamou os princípios universais de " Liberdade, Igualdade e Fraternidade " ( Liberté, Egalité, Fraternité ), frase de autoria de Jean Nicolas Pache.

46  Revolução burguesa.  Antecedentes/causas:  Maior população da Europa Ocidental (25 milhões).  80% rural.  Absolutismo parasitário  Luís XVI Festas, banquetes, pensões, guerras inúteis, tratados desvantajosos.

47  Restrições mercantilistas: taxações, proibições, monopólios.  Sociedade estamental (extrema desigualdade): 97% 2% 1% 1º ESTADO: CLERO 2º ESTADO: NOBREZA 3º ESTADO: BURGUESIA + CAMPONESES + SANS CULOTES: obrigações e impostos. Terras, cargos prestígio, privilégios, e isenção fiscal Os sans-culottes eram artesãos, trabalhadores e até pequenos proprietários que viviam nos arredores de Paris. Recebiam esse nome porque não usavam os elegantes calções que a nobreza vestia, mas uma calça de algodão grosseira.

48  Crise econômica: concorrência inglesa, excesso de gastos, altos impostos, inundações, secas...  Difusão de ideais iluministas.  Revolta dos Notáveis (1787): nobres inconformados com proposta de cobrança de impostos, exigem convocação dos Estados Gerais.  Os Estados Gerais (1789):  Reunião (consultiva) de membros dos 3 Estados.  Objetivo básico: tributação.  Divergência de votação (por deputado ou por Estado)

49  3º Estado separa-se e autoproclama-se em Assembléia Nacional Constituinte (juramento da péla).  Criação da Guarda Nacional (milícia burguesa) para resistir ao rei.  14/07/1789: QUEDA DA BASTILHA (início oficial da Revolução Francesa) A Queda da Bastilha, símbolo mais radical e abrangente das revoluções burguesas. A Tomada da Bastilha, por Jean-Pierre Louis Laurent Houel.

50  A Assembléia Nacional (1789 – 1792):  Grande Medo (AGO): camponeses rebelam-se contra autoridade dos senhores feudais.  Abolição de privilégios feudais.  DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO – igualdade jurídica, direito à propriedade e resistência à opressão.  Desigualdade econômica no lugar da sociedade estamental.  Constituição civil do clero (1790).  Igreja subordinada ao Estado.  JuramentadosX Refratários.

51  1ª Constituição francesa (1791): monarquia constitucional, divisão de poderes, voto censitário, manutenção da escravidão nas colônias.  Proibição de greves e associações de trabalhadores (Le Chepelier).  Divisões entre os parlamentares:  GIRONDINOS – alta burguesia, conservadores, sentados na direita do parlamento.  JACOBINOS – pequena e média burguesia, apoiados por sans-culotes, favoráveis a mudanças mais radicais, sentados na esquerda do parlamento. Apelidados de “montanheses”.

52  Cordeliers – camadas populares  Feuillants – burguesia financeira.  Nobres começam a abandonar a França (emigrados).  Rei tenta fugir e é preso (1791).  França é invadida por países absolutistas (Áustria e Prússia).  Exército popular (COMUNA INSURRECIONAL DE PARIS), liderado por jacobinos, é formado para conter inimigos.  Rei = traidor  Monarquia é abolida (1792) As palavras de Danton (jacobino) ressoaram de forma marcante nos corações dos revolucionários. Disse ele: "Para vencer os inimigos, necessitamos de audácia, cada vez mais audácia, e então a França estará salva".

53  A Convenção Nacional (1792 – 1795):  GirondinosXJacobinos  Set/1792 – Jun/1793: Girondinos no poder.  Jan/1793 – Luís XVI é guilhotinado.  1ª coligação contra a FRA (AUS + PRUS + ESP + HOL + ING).  Revolta de camponeses de Vendéia (contra a Revolução).  Crise econômica.

54 Execução: “No dia 21 de janeiro, um coche, rodeado por uma escolta armada, passando por ruas nas quais formavam fileiras, a Guarda Nacional levou Luís XVI à Place de la Révolution (hoje a Place de la Concorde). Junto à guilhotina ele tentou falar à multidão: ‘Franceses, morro inocente; é do patíbulo e próximo a comparecer perante Deus que vô-lo digo. Perdôo meus inimigos. Desejo que a França...’ Neste ponto Santerre, chefe da Guarda Nacional de Paris, gritou: ‘Tambours!’ e os tambores afogaram o resto. A população presenciou em sombrio silêncio quando a pesada lâmina caiu, contanto carne e osso. Naquele dia, um espectador, recordando mais tarde disse: ‘todos se retiraram vagarosamente e nós quase não ousávamos olhar-nos uns aos outros.” A Guilhotina e o Imaginário do Terror de Daniel Arasse; "Enciclopédia Compacta de Conhecimentos Gerais" da ISTOÉ; The Execution of Louis XVI, 1793.

55  Jun/1793 – Jul/1794: Jacobinos no poder.  Radicalismo.  1793: Constituição do Ano I – sufrágio universal, fim da escravidão nas colônias.  Comitê de Salvação Pública (administração e defesa externa).  Comitê de Salvação Nacional (segurança interna).  Tribunais Revolucionários (julgamento de opositores).  Calendário Revolucionário.  Lei do Preço Máximo.  Ensino público e gratuito.  Confisco e venda (a preços populares) de bens da Igreja e nobreza.

56  Fim da supremacia católica.  Assassinato de Marat  Divergências entre jacobinos.  Danton X Robespierre* X Hérbert  Terror: abuso da guilhotina.  Desgaste do governo. MARAT ROBESPIERRE DANTON

57  Golpe do 9 Termidor (Reação Termidoriana): Robespierre é guilhotinado e Girondinos retomam o poder.  Convenção Termidoriana (1794 – 1795):  Anulação das leis dos jacobinos.  Perseguições a populares (Terror Branco). Prisão de RobespierreExecução de Robespierre

58  O Diretório (1795 – 1799):  1795: Nova Constituição – 5 diretores (poder executivo), voto censitário.  1795 e 1797 – golpes realistas (frustrados)  1796: Conspiração ou Conjura dos Iguais (Graco Babeuf) – rebelião popular fracassada.  Segunda Coligação contra a França (PRUS + ESP + HOL + ITA) – derrotada.  Crise econômica, corrupção, impopularidade.  Napoleão Bonaparte destaca-se.  Golpe do 18 Brumário (1799): Napoleão Bonaparte toma o poder.  Fim da Revolução Francesa. GRACO BABEUF NAPOLEÃO BONAPARTE

59  Importância do movimento:  Fim do Antigo Regime.  Ascensão da burguesia.  Desenvolvimento do capitalismo.

60 PERÍODO NAPOLEÔNICO (1799 – 1815)

61 PERÍODO NAPOLEÔNICO Fases:  Consulado ( )  Império ( ) CONSULADO ( ) Trino e Vitalício:  03 Cônsules  Napoleão (Deliberativo)  Seyès e Ducos (Consultivo)  Constituição 1799: # Amplia poderes do 1º Cônsul (10 anos) # Poderes ditatoriais # Ditadura militar mascarada # Voto Universal

62 Medidas Favorecem a Burguesia  Centralização e Reorganização da Administração  Controle da crise financeira  Incentivo a Indústria (taxas alfandegárias) e ao Comércio  Banco da França  Nova Moeda (Franco)  Melhor arrecadação de Impostos  Restabelecimento de relações com a Igreja (Pio VIII): Catolicismo e mantém bens confiscados  Guerras externas (Inglaterra, Rússia e Áustria)  Educação  militarização

63  Constituição 1802: Cônsul Vitalício Código Civil (Napoleônico) :  Liberalismo Burguês  Propriedade Privada  Igualdade Jurídica  Relações de Patrão e Empregados  Escravidão nas Colônias  Subordinação da mulher ao homem no casamento  Proibidas às Greves  Ratificou a Reforma Agrária da Revolução  Revolução Industrial Francesa  Sagrado Imperador pelo Papa em Notre Dame (1804)

64 IMPÉRIO ( ):  Nova Nobreza  Valorização do Exército  Fim da Liberdade Individual  Censura  Prisões  Incentivo a Agricultura e Indústria  Guerras Externas  França X Coligações (Rússia, Prússia, Áustria, Inglaterra)  1805 – Derrota em Trafalgar (Al. Nelson)  1805 – Batalha Modelo  1806 – Bloqueio Continental Conquistas:  Espanha  Holanda  Sacro Império  Portugal (após fuga da Família Real) Acordos:  Rússia  Trono para seus irmãos (José, Luís, Jerônimo e Luciano)

65 MAPAS: BLOQUEIO CONTINENTAL

66 Problemas:  Inglaterra: Bloqueio Marítimo  Países aliados de Napoleão: Agricultura  França: # não consegue abastecer a carência de produtos industrializados # não consegue consumir toda matéria-prima Bloqueio Continental:  perde força  Distância (terra): dificulta abastecimento  Oposição da burguesia (comércio diminui)  Rússia quebra bloqueio Guerra com a Rússia (1812)  Chega até Moscou  Guerra devastada  Inverno pesado  Fome, doenças  Retirada ( mortos)

67  Coligação: (Áustria, Prússia, Rússia, Inglaterra)  Batalha de Leipzig: derrota de Napoleão 06/04/1814: Napoleão em Elba Luís XVIII no trono:  Absolutismo  Volta dos emigrados  Valorização da Nobreza  Arbitrariedades  Terror branco  Congresso de Viena  Burguesia perde poder e apóia retorno de Napoleão

68 Governo dos Cem Dias (21/03/1815 – 22/06/1815)  Luís XVIII: foge para Bélgica  Napoleão não consegue negociar a Paz  Coligação contra Napoleão  Waterloo # Wellington entrincheirado # Derrota de Napoleão  Napoleão: Desterro em Santa Helena  Morte: 05/05/1821  Trono: Luís XVIII # Absolutismo # Dívida 700 milhões de Francos

69 CONGRESSO DE VIENA (1814 – 1815)

70  Início: 1814  Interrompida no Governo dos Cem Dias Objetivos:  Reorganizar a Europa após Napoleão  Restaurar o Antigo Regime  Impedir difusão das Idéias Liberais Comitê dos 04:  Áustria (Metternich)  Rússia (Alexandre I)  Prússia  Inglaterra

71 Princípios:  Restauração (Antigo Regime)  Legitimidade (Antigas dinastias)  Equilíbrio de forças (Fronteiras Geográficas)  Compensações  Fronteiras Geográficas (Etnias deixadas de lado)  Recursos materiais e humanos divididos de maneira a nenhuma potência ser mais poderosa que a outra

72  Prússia e Rússia emergem como potências  Itália: Expressão geográfica, vários estados distintos (07)  Confederação dos Estados Germânicos (39) # Prússia: incorporação de parte da Polônia # Áustria: domina Confederação Germânica  Rússia: anexação de parte da Polônia e Finlândia  Inglaterra: # Condenação do Tráfico de Escravos # Supremacia Naval # Poder na América # Incentivo às independências  França: Mantém integridade territorial

73 Santa Aliança (Alexandre I): Pacto militar de ajuda mútua para impedir as idéias liberais (Áustria, Rússia, Prússia) Quádrupla Aliança: Inglaterra Quíntupla Aliança: França Problemas: # Repressão das Reformas Liberais # Inglaterra: impede ação das Américas # Doutrina Monroe: (1823) SISTEMA DE CONGRESSOS (METTERNICH): # II Tratado de Paris # Garantir a Paz # Congressos Periódicos # Política de Intervenção # Sistema de Metternich

74 CONGRESSO DE VIENA ( 1814 – 1815)


Carregar ppt "DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ÀS GUERRAS NAPOLEÔNICAS. A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O MOVIMENTO OPERÁRIO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google