A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE DERRAME PLEURAL INTERNADOS NA ENFERMARIA DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA DO HRAS Bárbara Costalonga Orientadora:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE DERRAME PLEURAL INTERNADOS NA ENFERMARIA DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA DO HRAS Bárbara Costalonga Orientadora:"— Transcrição da apresentação:

1 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE DERRAME PLEURAL INTERNADOS NA ENFERMARIA DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA DO HRAS Bárbara Costalonga Orientadora: Dra. Lisliê Capoulade Orientadora: Dra. Lisliê Capoulade

2 HISTÓRICO A primeira descrição de infecção pleural foi realizada pelos egípcios no ano de 3000 ac, e posteriormente por Hipócrates em 500 ac; A primeira descrição de infecção pleural foi realizada pelos egípcios no ano de 3000 ac, e posteriormente por Hipócrates em 500 ac; Antes do século 20 o único tratamento existente era drenagem aberta, associada à elevada mortalidade. Antes do século 20 o único tratamento existente era drenagem aberta, associada à elevada mortalidade.

3 INTRODUÇÃO Pneumonia é a principal causa de mortalidade infantil até os 5 anos no Brasil Pneumonia é a principal causa de mortalidade infantil até os 5 anos no Brasil Derrame parapneumônico (DPP): principal complicação de pneumonia Derrame parapneumônico (DPP): principal complicação de pneumonia Incidência do DPP varia de 21 a 91% aumento da morbi-mortalidade infantil Incidência do DPP varia de 21 a 91% aumento da morbi-mortalidade infantil Agentes: Streptococcus pneumoniae,S.aureus, S.pyogenes, H. influenzae, Clamydia tracomatis, Micoplasma pneumoniae, Vírus Agentes: Streptococcus pneumoniae,S.aureus, S.pyogenes, H. influenzae, Clamydia tracomatis, Micoplasma pneumoniae, Vírus

4 DERRAME PLEURAL TRANSUDATO Proteína < 3 g/dl DHL < 200 UI/L Proteína LP/Sg < 0,5 DHL LP/Sg < 0,6 EXSUDATO Proteína > 3 g/dl DHL > 200 UI/L Proteína LP/Sg > 0,5 DHL LP/Sg > 0,6 DPP complicadoDPP não complicado Cultura de LP (+) Glicose < 40 mg/dl DHL > 1000 UI/L pH < 7,2 Cultura de LP (-) Glicose > 40 mg/dl DHL < 1000 UI/L pH > ou = 7,2

5 INTRODUÇÃO American Thoracic Society: Fase exsudativa Fase fibrinopurulenta Fase de organização

6 INTRODUÇÃO Diagnóstico laboratorial: Diagnóstico laboratorial: Raio-x de tórax (decúbito lateral) Raio-x de tórax (decúbito lateral) USG (DPP pequenos / loculações /estágio) USG (DPP pequenos / loculações /estágio) Toracocentese ( >10mm / identificar o agente) Toracocentese ( >10mm / identificar o agente) Estudo do LP (bioquímica / cultura / aglutinação látex) Estudo do LP (bioquímica / cultura / aglutinação látex) Hemocultura (positividade de 10% a 60%) Hemocultura (positividade de 10% a 60%) TC de tórax (complicações) TC de tórax (complicações)

7 INTRODUÇÃO DPP não complicados: antibioticoterapia DPP não complicados: antibioticoterapia Estágio DPP + resposta ao tto + grau encarceramento: Estágio DPP + resposta ao tto + grau encarceramento: Drenagem torácica fechada sob selo dágua (DPP volumosos / Empiemas ) Toracoscopia (empiemas loculados e/ou sinais de encarceramento) Drenagem torácica aberta/ pleurostomia (empiemas crônicos) Fibrinolíticos (DPP loculados) Toracotomia (empiemectomia/ fase de organização)

8 INTRODUÇÃO Complicações : pneumotórax, fístula broncopleural, atelectasias, piopneumotórax, pneumatoceles e abscesso pulmonar Complicações : pneumotórax, fístula broncopleural, atelectasias, piopneumotórax, pneumatoceles e abscesso pulmonar

9 OBJETIVOS 1- Gerais: Estudar as características clínicas e laboratoriais de pacientes com derrame pleural na enfermaria de Pneumologia Pediátrica do HRAS. Estudar as características clínicas e laboratoriais de pacientes com derrame pleural na enfermaria de Pneumologia Pediátrica do HRAS.

10 OBJETIVOS 2- Específicos: Avaliar a freqüência de DPP em relação à idade e sexo; Avaliar a freqüência de DPP em relação à idade e sexo; Observar a utilização da USG como indicativo de drenagem torácica; Observar a utilização da USG como indicativo de drenagem torácica; Avaliar a realização de procedimentos como: toracocentese, drenagem torácica, análise do LP e hemocultura; Avaliar a realização de procedimentos como: toracocentese, drenagem torácica, análise do LP e hemocultura; Descrever os esquemas de antibiótico mais utilizados e a duração do dreno; Descrever os esquemas de antibiótico mais utilizados e a duração do dreno; Avaliar a presença de complicações de derrame pleural. Avaliar a presença de complicações de derrame pleural.

11 MATERIAS E MÉTODOS Estudo descritivo observacional e retrospectivo, que incluiu pacientes com diagnóstico de pneumonia e derrame pleural, internados na enfermaria de Pneumologia Pediátrica do HRAS no período de jan 2005 a julho 2007; Estudo descritivo observacional e retrospectivo, que incluiu pacientes com diagnóstico de pneumonia e derrame pleural, internados na enfermaria de Pneumologia Pediátrica do HRAS no período de jan 2005 a julho 2007;

12 MATERIAS E MÉTODOS Critérios de inclusão: Critérios de inclusão: Pacientes com diagnóstico de pneumonia e derrame pleural; Pacientes com diagnóstico de pneumonia e derrame pleural; Idade > 28 dias e 14 anos; Idade > 28 dias e 14 anos; Ambos os sexos. Ambos os sexos. Critérios de exclusão: Critérios de exclusão: Pacientes com diagnóstico apenas de pneumonia; Pacientes com diagnóstico apenas de pneumonia; Idade 28 dias e > 14 anos; Idade 28 dias e > 14 anos;

13 MATERIAS E MÉTODOS A seleção dos pacientes, foi feita por meio de pesquisa no livro de registro da enfermaria, os prontuários foram solicitados ao arquivo, e os dados foram obtidos por meio da revisão desses, sendo seguido protocolo de pesquisa baseados em dados relacionados aos objetivos do trabalho; A seleção dos pacientes, foi feita por meio de pesquisa no livro de registro da enfermaria, os prontuários foram solicitados ao arquivo, e os dados foram obtidos por meio da revisão desses, sendo seguido protocolo de pesquisa baseados em dados relacionados aos objetivos do trabalho; O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da FEPECS/SES- DF, sendo dispensada a realização de consentimento livre e esclarecido; O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da FEPECS/SES- DF, sendo dispensada a realização de consentimento livre e esclarecido; Os dados coletados foram armazenados e processados com auxílio do programa EpiInfo. A estatística descritiva foi realizada em todos os dados utilizando-se média, valores mínimo e máximo e desvio-padrão.

14 IDENTIFICAÇÃO: DADOS CLÍNICOS: ANTIBIOTICOTERAPIA: COMPLICAÇÕES:

15 R-X DE TÓRAX: OUTROS EXAMES CARACTERÍSTICAS DO LÍQUIDO:

16 RESULTADOS Dos 90 pacientes estudados: 52% sexo feminino (47 pacientes); 52% sexo feminino (47 pacientes); Média de idade: 38 ± 29 meses; Média de idade: 38 ± 29 meses; Tempo médio de internação :16 ± 9,5 dias; Tempo médio de internação :16 ± 9,5 dias; Toracocentese: 79% pacientes (71 ) 84% pacientes (60) drenagem torácica fechada; Toracocentese: 79% pacientes (71 ) 84% pacientes (60) drenagem torácica fechada; Dos 33% pacientes (30) que não foram drenados, 37% (11) foram submetidos à toracocentese; Dos 33% pacientes (30) que não foram drenados, 37% (11) foram submetidos à toracocentese; 2° toracocentese: 11% pacientes ( 10) 2° toracocentese: 11% pacientes ( 10)

17 RESULTADOS Freqüência de DPP X Faixa etária

18 RESULTADOS Toracocentese X Drenagem torácica

19 RESULTADOS Tempo médio de dreno : 11 ± 8 dias; Tempo médio de dreno : 11 ± 8 dias; 53% (47 casos) DPP em hemitórax direito; 53% (47 casos) DPP em hemitórax direito; 2% pacientes (2) derrame e drenagem bilateral; 2% pacientes (2) derrame e drenagem bilateral; 01 paciente drenagem aberta; 01 paciente drenagem aberta; 5% pacientes (03) empiemectomia; 5% pacientes (03) empiemectomia;

20 RESULTADOS 58% (41casos) análise do LP: 58% (41casos) análise do LP: DHL: 44% casos (18) 94% (17) > 1000 UI/L DHL: 44% casos (18) 94% (17) > 1000 UI/L glicose: 76% casos (31) 71% (22) < 40mg/dl glicose: 76% casos (31) 71% (22) < 40mg/dl pH: 7% casos (03) 100% (03) > 7,2 pH: 7% casos (03) 100% (03) > 7,2 Cultura: 37% (26 casos) 31% (08) resultados positivos Cultura: 37% (26 casos) 31% (08) resultados positivos Dos casos de cultura positiva de LP, em 62% (05) não hemocultura e em 38% (03) o resultado da hemocultura foi negativo. Dos casos de cultura positiva de LP, em 62% (05) não hemocultura e em 38% (03) o resultado da hemocultura foi negativo.

21 RESULTADOS Toracocentese X Análise do líquido pleural

22 RESULTADOS Agentes X Culturas dos líquidos pleurais

23 RESULTADOS Hemoculturas: 16% pacientes (14) Hemoculturas: 16% pacientes (14) 7% (01) S. aureus 7% (01) S. aureus 7% (01) S. epidermidis 7% (01) S. epidermidis 64% (09) negativas 64% (09) negativas 21% (03) não resgatadas 21% (03) não resgatadas Antibioticoterapia endovenosa com média de 10 ± 5 dias; Antibioticoterapia endovenosa com média de 10 ± 5 dias; ATB oral complementar: 71% pacientes (64) durante 7 ± 4 dias: ATB oral complementar: 71% pacientes (64) durante 7 ± 4 dias: 61% amoxacilina (39) 61% amoxacilina (39) 38% amoxacilina com clavulanato (24) 38% amoxacilina com clavulanato (24) 1% cefalexina (1) 1% cefalexina (1)

24 RESULTADOS Média de antibioticoterapia total: 19 ± 8 dias; Média de antibioticoterapia total: 19 ± 8 dias; Tempo total de uso de antibioticoterapia com cultura negativa do LP: 20 ± 6 dias; Tempo total de uso de antibioticoterapia com cultura negativa do LP: 20 ± 6 dias; Transfusão sanguínea: 27% pacientes (24) com média de hemoglobina antes de 8 ± 1 g/dl e após de 10,5 ± 1g/dl e hematócrito de 25 ± 3 % e de 33 ± 3 %; Transfusão sanguínea: 27% pacientes (24) com média de hemoglobina antes de 8 ± 1 g/dl e após de 10,5 ± 1g/dl e hematócrito de 25 ± 3 % e de 33 ± 3 %; O 2 inalatório: 56% pacientes (50) com tempo médio de 3 ± 4 dias; O 2 inalatório: 56% pacientes (50) com tempo médio de 3 ± 4 dias;

25 RESULTADOS Esquemas antibióticos X Faixa etária

26 RESULTADOS Complicações: 19% (17) pneumotórax Complicações: 19% (17) pneumotórax 14% (13) pneumatoceles 14% (13) pneumatoceles 13% (12) atelectasias 13% (12) atelectasias 11% (10) derrame septado 11% (10) derrame septado 11% (10) fístula broncopleural 11% (10) fístula broncopleural 9% (08) abscesso pulmonar 9% (08) abscesso pulmonar 2% (02) piopneumotórax 2% (02) piopneumotórax USG: 37% pacientes (33): 33% (11) septação USG: 37% pacientes (33): 33% (11) septação 9% (03) debris em suspensão 9% (03) debris em suspensão 36% pacientes (12) USG antes da toracocentese 36% pacientes (12) USG antes da toracocentese 12% pac (04) USG não realizaram toracocentese 12% pac (04) USG não realizaram toracocentese TC tórax: 7% pacientes (06) TC tórax: 7% pacientes (06)

27 RESULTADOS Raios-X de tórax X Tempo de internação

28 RESULTADOS USG X Drenagem torácica

29 RESULTADOS Complicações pulmonares X TC de tórax

30 RESULTADOS Evolução: Evolução: 6 % pacientes UTI (05) 6 % pacientes UTI (05) 1% óbito (01) 1% óbito (01)

31 CONCLUSÃO O sexo mais freqüente foi o feminino e a idade mais observada variou de 9 meses a 5 anos; O sexo mais freqüente foi o feminino e a idade mais observada variou de 9 meses a 5 anos; A ultra-sonografia como indicativo de drenagem torácica foi observada em pequena parcela dos casos; A ultra-sonografia como indicativo de drenagem torácica foi observada em pequena parcela dos casos; A grande maioria dos pacientes que realizou toracocentese foi submetida à drenagem torácica; A grande maioria dos pacientes que realizou toracocentese foi submetida à drenagem torácica;

32 CONCLUSÃO Tanto a hemocultura quanto a análise do líquido pleural foram realizadas em pequena parcela dos casos, e a última restringiu-se principalmente à bioquímica com relação à cultura; Tanto a hemocultura quanto a análise do líquido pleural foram realizadas em pequena parcela dos casos, e a última restringiu-se principalmente à bioquímica com relação à cultura; O esquema antibiótico mais utilizado foi a penicilina cristalina, seguido por ampicilina com sulbactam, e o tempo médio de duração do dreno foi de 11 dias; O esquema antibiótico mais utilizado foi a penicilina cristalina, seguido por ampicilina com sulbactam, e o tempo médio de duração do dreno foi de 11 dias; As principais complicações observadas foram: pneumotórax, atelectasias, pneumatoceles, derrame septado, fístula broncopleural e abscesso pulmonar. As principais complicações observadas foram: pneumotórax, atelectasias, pneumatoceles, derrame septado, fístula broncopleural e abscesso pulmonar.

33 CONSIDERAÇÕES FINAIS Preenchimento do livro de registros da enfermaria Protocolo

34


Carregar ppt "PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE DERRAME PLEURAL INTERNADOS NA ENFERMARIA DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA DO HRAS Bárbara Costalonga Orientadora:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google