A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Material para estudo e pesquisa – use o mouse. Os Kãhuna ensinaram que ao homem tinha sido dada a alegria infindável, como também algumas tristezas,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Material para estudo e pesquisa – use o mouse. Os Kãhuna ensinaram que ao homem tinha sido dada a alegria infindável, como também algumas tristezas,"— Transcrição da apresentação:

1

2 Material para estudo e pesquisa – use o mouse.

3 Os Kãhuna ensinaram que ao homem tinha sido dada a alegria infindável, como também algumas tristezas, que a vida era boa e bela quando vivida normalmente e que viver assim era crescimento e experiência necessários. Para viver uma vida com progresso e felicidade, devia-se ter os TRÊS EUS unidos perfeitamente e trabalhando como um grupo sob a sábia direção do Aumakua (Eu Superior).

4 Somente a vida vivida sem a direção do Aumakua e sem UNIÃO com ele poderia ser predominantemente sofredora e cheia de tristezas...

5 O Aumakua é uma parte de nós mesmos. É o mais elevado dos três eus do Ser Humano. É um anjo guardião, o Pai Interno, o Salvador Pessoal. Um espírito totalmente confiável!

6 Toda a prece não importa a quem seja dirigida e a despeito da multiplicidade de deuses e ídolos, não pode ir a nenhum lugar senão à P O E A U M A K U A – Grande Companhia dos Eus Superiores.

7

8 A existência do Eu Superior (Aumakua) e sua permanência conosco e acima de nós como um deus e representante do Deus Universal. Não precisamos lutar para conceber a natureza do Deus Universal. FUNDAMENTAL: RECONHECER o Aumakua (Eu Superior) como ele é - e dirigir nossas preces a Ele -, em sua sabedoria superior na escalada ascendente de crescimento e evolução. Este é um dos grandes segredos de todos os tempos:

9 Uma vez reconhecido por aquilo que é o Aumakua (Eu Superior) sempre estará pronto a ACEITAR O CONVITE para guiar-nos e ajudar-nos.

10 Mas deve ser RECONHECIDO e CONVIDADO, pois é forçado, por alguma lei de seu próprio nível, a não tirar do UNIHIPILI (Eu Básico) e UHANE (Eu médio) o DOM do livre-arbítrio que lhes permite aprender pela experiência, depois de DECIDIR POR SI PRÓPRIOS – AQUILO QUE IRÃO OU NÃO FAZER. Max Freedom Long Crescendo na Luz

11 Os Kãhuna chamavam os Eus Superiores unidos de POE AUMAKUA, “Grande Companhia dos Eus Superiores”. Não há nada de bom que sejamos chamados a fazer em nossas vidas que o Aumakua não tenha aprendido a fazer. Poe Aumakua – Grande Companhia dos Eus Superiores – é uma fonte infindável de auxílio e guia, bastando CONVIDÁ-LOS a tomar seus lugares adequados no viver dos três eus, que é a nossa vida.

12 Lembrete: Podemos pedir a Poe Aumakua – A Grande Companhia dos Eus Superiores – por proteção sob todas as esferas – para as pessoas pelas quais rezamos. Vale lembrar, que as orações por terceiros – sem interesses pessoais – (quando pedimos paz, harmonia, saúde ideal, prosperidade, alegria, sem sermos específicos) etc., atraem a atenção de Poe Aumakua dessas pessoas e, com essa atitude desinteressada, também recebemos auxílio deles; uma bênção a mais. Pense nisso.

13 Outra dica interessante: Seja responsável quando rezar por alguém. Nem tudo que é bom para nossa vida é bom para a vida de outra pessoa, mesmo que seja um parente próximo. E, na dúvida, vale refletir sobre o que se pede nas orações, o impacto desse ‘atendimento’ a curto, médio e longo prazo; o que o resultado desse ‘pedido’ favorecerá, não só a nós mesmos, mas, principalmente, aqueles pelos quais estamos rezando. Penso, nessas horas, que a confiança (fé) depositava em Poe Aumakua é que fará a grande diferença nos resultados das preces por terceiros. E, para fechar esse parágrafo: “Que seja feita a Vossa vontade (e não a minha vontade), Amama.

14 A Huna ensina-nos o fato de que TODOS OS TRÊS EUS DO SER HUMANO têm seu papel a desempenhar na operação criativa da prece. Porém, se qualquer um dos três eus não fizer sua parte, a operação será inútil.

15 Lembre-se sempre: Não podemos nos esquecer de ‘treinar’ com dedicação e ‘amor’ o nosso Unihipili para as tarefas de sua responsabilidade, nesse caso, o de entrar em contato com o Aumakua – compartilhando mana e, entregando’ as imagens (formas-pensamentos) correspondentes a prece formulada – tarefa realizada através do fio AKA de ligação entre o Aumakua e o Unihipili. Os bons resultados são conseqüências de treinamento, dedicação e, principalmente, amor e reconhecimento. Um Unihipili - bem treinado - automaticamente, responde e desempenha sua parte - toda vez que se faz uma prece.

16

17 A Kahea ou “chamado por auxílio”, é uma prece antiga - muito especial – ainda hoje - usada pelos Havaianos quando o assunto é cura física. Kahea é feita somente de uma mulher para um homem ou de um homem para uma mulher. O elemento “segredo” – parece sensato – ao fazer uma prece de cura e ritual de ação.

18 Torná-la conhecida apenas ‘daqueles’ que desejam usá-la, quando necessária. Divulgá-la – através desta apresentação – só foi possível, por ter sido publicada no Boletim 91 – Edição de Outubro, Novembro e Dezembro de 2008 – Associação de Estudos Huna. Trata-se de mais uma informação sobre os antigos Havaianos, fornecida por Max Freedom Long – para o Grupo de Cura Mútua Telepática, e publicado no Huna Work (boletim americano) n. 36

19 O chamado é feito ao Aumakua, poeticamente como o “Olho que tudo vê”.

20 Siga os passos:

21 PREPARAÇÃO Convide o Unihipili para produzir uma sobrecarga de mana através da respiração profunda do tipo 3 : 3 : 6 : 3, (inspire em três segundos, retenha por três segundos, expire em seis segundos e retenha por mais três segundos antes de reiniciar outra série). Pratique tantas vezes quantas forem necessárias, segundo seu discernimento.

22 AÇÃO 1. Ore a Deus. 2. Prenda sua respiração enquanto repete as seguintes fases: Koonohiula oka La Lihilihiula oka La Uanini, uakau, uaola.

23 3. Fale então o nome da pessoa (...) e mencione o lugar da doença, especificando lado direito, akau lado esquerdo, hema, ou como ombro esquerdo, perna direita, peito etc. (Esta prece era usada para produzir a cura instantânea como no caso de osso quebrado

24 4. Agora “HA” (O rito HA da respiração profunda). Expire com força, visando levar mana para a pessoa (paciente), cinco vezes em direção aos pés e depois outras tantas em direção à parte do corpo a ser curada. Repita a sequência tantas vezes quanto for necessário, até que a cura se torne aparente.

25 5. Agradeça a Deus e a Poe Aumakua – Eus Superiores dos envolvidos no ritual. A cura está terminada.

26 Esta prece parece ser bem antiga. As palavras simbólicas dificilmente podem ser traduzidas com significados dos dicionários modernos. Existe também a possibilidade de terem sido feitas mudanças (nesta apresentação, por exemplo, houve uma adaptação do texto publicado no boletim 91) para tornar a prece com um som mais fluente quando fosse recitada. Atrás das palavras também podem ser vistos os símbolos codificados dos Kãhuna.

27 Uma tradução grosseira e literal do verso poderia ser: Olho do sol vermelho, fale sem som. Pálpebras vermelhas, fale sem som. Chova a luz brilhante, Faze chover. Chova vida.

28 O Aumakua é simbolizado pela luz, “La”, é o sagrado Deus Luz. Em traduções de alguns dialetos polinésios, a cor vermelha é o símbolo das coisas mais sagradas. “O olho vermelho do sol” e suas “pálpebras vermelhas” indicam um chamado ao Eu Superior (Aumakua) e a implicação é de que o chamado faz a pálpebras abrir-se e estabelecer o contato com a pessoa que oferece a prece.

29 Chuva ou água pura, mesmo nuvens e névoas simbolizam MANA e pura chuva indicava geralmente a MANA SUPERIOR DO AUMAKUA.

30 Assim, o apelo para ter chuva de mana superior caindo sobre a pessoa (paciente) era um chamado para o uso daquela MANA DO AUMAKUA – para trazer mudanças no material denso do osso ou carne a serem restaurados ao normal e à condição desejada. Se as palavras OKA LA forem variações de OKALA, indicariam uma súplica para limpeza, quer da mana enviada como parte do rito Ha de respiração ou da pessoa (paciente) e talvez do próprio curador.

31 Nota do tradutor: As vogais em havaiano são pronunciadas da mesma forma que no português e o “H” ligeiramente aspirado como no Inglês.

32 TEXTO ORIGINAL: MAX FREEDOM LONG KAHEA Publicado no Boletim 91 – Edição de Outubro, Novembro e Dezembro de 2008 da Associação de Estudos. Agradeço a Therezinha de Melo pela remessa do Boletim 91. Mahalo Aloha. Adaptação e formatação: Consolação Monducci kc Angelóloga, taróloga e pesquisadora da Psicofilosofia Huna Kahuna Belo Horizonte (MG) 29 de janeiro de 2010


Carregar ppt "Material para estudo e pesquisa – use o mouse. Os Kãhuna ensinaram que ao homem tinha sido dada a alegria infindável, como também algumas tristezas,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google