A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROF. ALEXANDRE ROSA DOS SANTOS Engenheiro Agrônomo - UFES Mestrado em Meteorologia Agrícola – UFV Doutorado em Engenharia Agrícola - UFV ESTRUTURA DE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROF. ALEXANDRE ROSA DOS SANTOS Engenheiro Agrônomo - UFES Mestrado em Meteorologia Agrícola – UFV Doutorado em Engenharia Agrícola - UFV ESTRUTURA DE."— Transcrição da apresentação:

1 PROF. ALEXANDRE ROSA DOS SANTOS Engenheiro Agrônomo - UFES Mestrado em Meteorologia Agrícola – UFV Doutorado em Engenharia Agrícola - UFV ESTRUTURA DE PALAVRAS

2 MÁQUINA VIRTUAL X AMOR VIRTUAL X Foi em uma sala de Chat, em que eu conheci aquele MENINO. Foi em sala de Aula, em que o Professor Alexandre me apresentou a máquina virtual. Foi encanto, foi magia, por trás de uma simples telinha. Foi surpresa, foi tecnologia, por trás de uma simples tela da máquina virtual. Que muitos sonhos eu vivi. Que tecnologia eu aprendi. Eu não sei como é seu rosto, só sei seu lindo nome. Eu aprendia a instalar a máquina virtual e instalar o Windows XP Professional SP3. Em meus poemas te digo quantas vezes. Em meus trabalhos poderei utilizar vários Sistemas Operacionais (Windows, Linux, etc). Pronuncio seu nome. O nome do programa freeware que instala máquinas virtuais é VMware Server Console. Suas mensagens eram lindas, que me encheram de alegria. Até chegar o dia, de ouvir sua voz linda e macia. Seu potencial é fantástico, que me enche de segurança. Até na aula passada, não sabia sobre esta fantástica tecnologia. Pelo fio do pequeno telefone. Um lindo amor virtual, que parecia ser real. Pela tela de meu computador. Uma máquina virtual, que parecia ser real. Hoje levarei comigo a lembrança do nosso amor virtual. Que não permaneceu no mundo real. Hoje levarei para casa a máquina virtual. Que como mostrou o Professor Alexandre realmente não permaneceu no mundo real. Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos

3 Você na primeira frase do texto do slide anterior a palavra menino. Por exemplo, quando submetida a segmentação fonológica - /m //e /n / i / n /u / -, apresenta o fonema como menor unidade constitutiva; quando submetida a segmentação silábica – me- ni – no -, apresenta como menor unidade constitutiva a sílaba. Nenhuma dessas unidades é portadora de sentido. Entretanto, outra forma de segmentação da palavra menino – menin-o – possibilita obter unidades portadoras de sentido. A unidade menin- pode aparecer em outras palavras, como menina, meninada, meninice, ameninar, sempre com o sentido decriança. A unidade -o também tem sentido: ela informa que se trata do gênero masculino. As unidades menin-e-o, por serem portadoras de sentido, são morfemas. Morfema é a menor unidade portadora de sentido de uma palavra.

4 O morfema diretamente relacionado com o universo da realidade chama-se radical. O radical informa sobre o sentido básico da palavra. Um determinado radical pode apresentar algumas variações. Observe, por exemplo, o radical vit l vid nas palavras vital, vitalício, vitalidade, vitalizador, revitalizar, vidinha, vidao, vidaço, vidaça. Apesar das diferenças de sentido, essas palavras têm um núcleo significativo comum, que é o radical. Por isso, elas pertencem á mesma família de palavras. O conjunto de palavras que têm um radical comum denomina - se família de palavras ou palavras cognatas. MORFEMAS RELACIONADOS COM O UNIVERSO DA REALIDADE

5 Os morfemas relacionados com o universo da língua são: afixos, vogal temática, desinências. Esses morfemas têm significação mais limitada, porque não estabelecem relação direta com universo da realidade. Atuam no âmbito da própria língua, completando ou modificando o sentido do morfema básico, o radical. MORFEMAS RELACIONADOS COM O UNIVERSO DA LÍNGUA Afixos são morfemas que se juntam ao radical, modificando seu sentido básico. Quando são colocados antes do radical, chama - se prefixos; quando colocados depois do radical, chamam-se sufixos. in= Prefixos dispens= radical ável= Sufixo indispensável

6 MORFEMAS RELACIONADOS COM O UNIVERSO DA LÍNGUA Desinências são morfemas que se colocam após os radicais. Desinências nominais informam sobre o gênero e o número dos nomes. Desinências verbais informam sobre o modo, o tempo, o número e a pessoa dos verbos. juntá= oração sse= modo e tempo (imperfeito do subjuntivo) mos= pessoa numero (1 a pessoa do plural). juntássemos meninas menin= oração a = gênero (feminino) s = numero (plural)

7 MORFEMAS RELACIONADOS COM O UNIVERSO DA LÍNGUA Desinências são morfemas que se colocam após os radicais. Desinências nominais informam sobre o gênero e o número dos nomes. Desinências verbais informam sobre o modo, o tempo, o número e a pessoa dos verbos. juntá= oração sse= modo e tempo (imperfeito do subjuntivo) mos= pessoa número (1 a pessoa do plural). juntássemos meninas menin= oração a = gênero (feminino) s = numero (plural) OBSERVAÇÃO Não só a desinência é portadora de informações. A ausência de desinência também informa: pensasse (desinência número – pessoal zero: 1 a ou 3 a pessoa do singular); menino (desinência de número zero: singular).

8 DESINÊNCIAS VERBAIS Modos temporaisNúmeros pessoais -vá: inp. do indic. (amava) -ia: inp. do indic. (partia) -ra: mais – que – perf. do indic (amará) -sse: imp. do subj. (amasse) -ria: fut. pret. do indic. (amaria) -ra/-re: fut. pres. do indic. (amará / amaremos) -r: fut. do subj. (quiser) -a: pres. do subj. (peça) -e: pres. do subj. (ame) -u: pret. perf. do indic. (amou) 1 a pes. sing.: desinência zero ou –o (amo, pres. indic.) ou – i (pret. perf.). 2 a pes.. sing.: -s (amas) 3 a pes. sing.: -Ø (ama Ø) 1 a pes. plural.: -mos (amamos) 2 a pes. plural.: -is / -des (amais / amardes) 3 a pes. plural.: -m (amam) OBSERVAÇÃO 1)As desinências – ste e stes acumulam as funções número pessoal e modo temporal no pretérito do indicativo: quiseste, quisestes. 2) As chamadas formas nominais do verbo, o infinitivo, o gerúndio e o particípio, são marcadas respectivamente pelas desinências verbo-nominais –r, -ndo e –do (a): sentir, chegando, destacado.

9 VOGAL TEMÁTICA É a vogal que sucede o radical de verbos ou nomes. Em verbos, indica a conjugação a que eles pertencem. -a, que indica a 1ª conjugação: junt a mos -e, que indica a 2ª conjugação: bat e ndo -i, que indica a 3ª conjugação: sent i a São vogais temáticas de verbos: OBSERVAÇÃO O verbo pôr e seus compostos pertencem a 2ª conjugação. Note, por exemplo, que na forma verbal pus e mos a vogal temática é e. Em nomes, a vogal temática determina a formação de substantivos e adjetivos. São vogais temáticas de nomes: -a: ajunt a mento -e: peix e -o: espant o OBSERVAÇÃO São atemáticas palavras oxítonas terminadas em a, e, i, o, u, como alvará, candomblé, avó, tupi, urubu, e palavras terminadas em consoantes, como feliz, mulher, flor, que recuperam sua vogal temática no plural: felizes, mulheres, flores.

10 TEMA É o radical somado à vogal temática. junt a mos tema radical vogal temátical VOGAIS E CONSOANTES DE LIGAÇÃO Há elementos que aparecem no interior dos vocábulos apenas para facilitar a pronuncia ou ligar morfemas: são as vogais e consoantes de ligação. Elas não constituem morfemas, porque não são portadoras de informações nem modificam o radical. Existe vogal de ligação em: gas ô metro, cafe i cultura. Há consoante de ligação em: mama d eira, cha l eira.

11 FIM! PROFESSOR! SERÁ QUE VOCÊ PODE NOS ENSINAR A INSTALAR UMA MÁQUINA VIRTUAL E O WINDOWS XP ? Professor! GRADUANDO AMIGO! Com toda certeza. Então vamos iniciar a prática. CLIQUE AQUI PARA BAIXAR APOSTILA PRÁTICA


Carregar ppt "PROF. ALEXANDRE ROSA DOS SANTOS Engenheiro Agrônomo - UFES Mestrado em Meteorologia Agrícola – UFV Doutorado em Engenharia Agrícola - UFV ESTRUTURA DE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google