A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

26/1/20141. 2 Os inimigos desencarnados O ódio transpõe o túmulo. O inimigo desencarnado, portanto, é alguém que ofendemos em vidas passadas e hoje nos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "26/1/20141. 2 Os inimigos desencarnados O ódio transpõe o túmulo. O inimigo desencarnado, portanto, é alguém que ofendemos em vidas passadas e hoje nos."— Transcrição da apresentação:

1 26/1/20141

2 2 Os inimigos desencarnados O ódio transpõe o túmulo. O inimigo desencarnado, portanto, é alguém que ofendemos em vidas passadas e hoje nos alcança para o necessário reajuste. No preceito de Jesus "Amai os vossos inimigos", encontramos o caminho para a reconciliação com o adversário.

3 26/1/20143 Muitos motivos tem o espírita para ser indulgente com os seus inimigos. Sabe ele, primeiramente, que a maldade não é um estado permanente dos homens; que ela decorre de uma imperfeiçao temporária e que, assim como a criança se corrige dos seus defeitos, o homem mau reconhecerá um dia os seus erros e se tornará bom. Sabe também que a morte apenas o livra da presença material do seu inimigo, pois que este o pode perseguir com o seu ódio, mesmo depois de haver deixado a Terra.

4 26/1/20144 Não há coração tão perverso que, mesmo a seu mau grado não se mostre sensível ao bom proceder. Mediante o bom procedimento, tira-se, pelo menos, todo o pretexto às represálias, podendo- se até fazer de um inimigo um amigo antes e depois de sua morte. Com um mau proceder, o homem irrita o seu inimigo, que então se constitui instrumento de que a justiça de Deus se serve para punir aquele que não perdoou.

5 26/1/20145 Os inimigos do mundo invisível manifestam sua malevolência pelas obsessões e subjugações. Se não houvessem homens maus na Terra, não haveria espíritos maus ao seu derredor. Se devemos usar benevolência com os inimigos encarnados, do mesmo modo se deve proceder com relação aos que se acham desencarnados. Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap XII

6 26/1/20146 As vantagens da reconciliação A palavra reconciliação significa "estabelecer a paz entre duas pessoas Nosso Mestre Jesus recomendou-nos a "RECONCILIAÇÃO COM OS NOSSOS INIMIGOS". Tão importante à recomendação do Mestre, que o nosso Kardec a estampou, com evidência, no seu livro notável, o Evangelho Segundo o Espiritismo. Assim sendo, só podemos lucrar com a reconciliação. Do ponto de vista material, por certo, aplainamos os nossos caminhos; evitaremos inimizades; exterminaremos morosos processos.

7 26/1/20147 Do ponto de vista espiritual, evitaremos ferrenhas inimizades que, às vezes podem transcender as campas solitárias. Nossos inimigos desencarnados poderão nos levar a sombrios calabouços das obsessões. Por isso mesmo, temos que tomar cuidado. Não devemos perder a oportunidade para a reconciliação. Através da reconciliação, caminharemos mais tranqüilos e mais felizes. A reconciliação é a porta divina que se abre, possibilitando-nos o ingresso na sublime esfera da paz. Deixemos o nosso orgulho de lado, sejamos humildes, procuremos estender as nossas mãos aos nossos desafetos. Se eles nos corresponderem, muito bem, nota dez. Caso recusem a nos estender as mãos, caminharemos assim, com as nossas consciências tranqüilas.

8 26/1/20148 "Quando Jesus recomendou a reconciliação o mais depressa possível com os nossos adversários, não é apenas com o fito de apaziguar discórdias durante a existência atual, mas ainda com o propósito de evitar que se perpetuem em existências futuras". Artigo de Domério de Oliveira

9 26/1/20149 AJUDEMOS O INIMIGO Tão necessário se faz o auxílio espontâneo aos inimigos, na preservação de nossa paz, quão imprescindível se torna a remoção apressada de um foco infeccioso, à nossa porta, a benefício da nossa própria saúde, isto que, alimentar o adversário é manter um núcleo de raios destruidores contra nós. Todos somos distribuidores de cargas eletromagnéticas, geradas em nosso próprio ser. A simpatia é corrente de auxílio que estendemos em nosso favor. A antipatia é força asfixiante que lançamos em prejuízo próprio. Toda energia projetada de nossa alma nos responde invariavelmente na reação de quem nos partilha as experiências.

10 26/1/ Quem arremessa espinhos, improvisa chagas, cujas emanações lhe procuram a atmosfera pessoal. Quem semeia flores, recolhe o perfume da cooperação e da boa vontade... Instalemos, dentro de nós, o legítimo discernimento que reconhece cada criatura em seu lugar e cada acontecimento no minuto que lhe é próprio. Protegidos por semelhante entendimento, não aguardaremos uvas do espinheiro, nem pediremos as graças da colheita ao campo que apenas exibe promessas de sementeira. Quando a treva se desdobra em torno de nossos passos, não vale vociferar contra as sombras ou persegui-las inutilmente. Bastará acender uma luz para que a estrada se descortine novamente à visão.

11 26/1/ Assim, pois, evitemos o cultivo do espinheiral magnético na infeliz manutenção de adversários que podemos relegar ao esquecimento, quando, de imediato não lhes possamos confiar o cântaro delicado do nosso amor. Usemos o silêncio, a desculpa e a compreensão, como exemplo vivo do nosso próprio esforço na edificação do bem e o tempo se incumbirá de tudo transformar, em auxílio de nossa felicidade, dentro dos imperativos inevitáveis da constante renovação. Emmanuel Do Livro: Escrínio de Luz Psicografia: Francisco Cândido Xavier Editora: O CLARIM

12 26/1/ RELACIONAMENTO: ENCARNADOS / DESENCARNADOS Pelo que nos informam os Espíritos, o relacionamento entre os encarnados e desencarnados durante o sono é maior do que imaginamos. Muita coisa acontece nesses encontros noturnos, em que matamos as saudades dos entes queridos que vivem na outra dimensão da vida, sejam eles parentes ou amigos, desta ou de outras jornadas terrenas, embora não os conheçamos na condição física em que se apresentam, porque se mostram com vestimentas físicas utilizadas em outras reencarnações, com as quais tivemos um bom convívio, mas das quais nosso cérebro não possui registro, daí estranharmos que ao nos acordar não os reconheçamos. Mas também encontramos pessoas que nos causam antipatia e até repulsa, porque ainda não aprendemos a perdoar e tentar uma reconciliação.

13 26/1/ André Luis nos fala da alegria e tristeza que sentimos ao acordar, devido a esses encontros durante o sono, ocasiões em que prometemos cumprir determinados compromissos, seguir certas diretrizes ou executar determinadas tarefas. Os Espíritos nos afirmam que influenciamos e somos influenciados, muito mais do que supomos. Nesses reencontros entre os encarnados e desencarnados, seja aqui mesmo na crosta ou nos planos espirituais, tudo pode acontecer, seja com amigos ou inimigos. Grande parte da população espiritual vive aqui conosco, preocupada com os nossos problemas ou procurando nos prejudicar, seja por vingança ou inveja. E quando cai o manto negro da noite e os encarnados, pelo sono, entram em contanto com os seus amigos ou inimigos, as coisas mais incríveis podem acontecer: pessoas amadas que se reencontram; amigos que se confraternizam; acordos que se estabelecem; compromissos que se assumem; paixões desvairadas que explodem; inimigos que brigam entre si; etc.

14 26/1/ Dizem os Espíritos que muitos missionários concordam em aceitar determinadas missões, porque contam com esses encontros noturnos, não só para receber orientações, mas também encorajamento. Pelo sono eles visitam os seus amigos e mentores espirituais, com os quais adquirem forças e estímulo para prosseguir em sua tarefa do bem. Esta é mais uma forma com que Deus, na sua infinita sabedoria e amor, assiste os seus filhos em sua caminhada em busca da perfeição.

15 26/1/ Perguntas e Respostas 1 - Como devemos agir para evitar que malquerenças e inimizades perdurem depois da morte? Observando o preceito de Jesus, de amar os nossos inimigos, procedendo para com eles com a mesma retidão que gostaríamos fosse usada conosco. "Não há coração tão perverso que (...) não se mostre sensível ao bom proceder." Mediante o bom procedimento pode-se fazer de um inimigo um amigo, antes e depois de sua desencarnação.

16 26/1/ Que conseqüências nos traz alimentar o ódio contra outra pessoa? O ódio que nutrimos pelo inimigo provoca neste um sentimento de igual intensidade contra nós, constituindo-se em instrumento de que Deus se utiliza para esclarecer aquele que não perdoou. Devemos nos reconciliar o mais cedo possível com o nosso adversário, para que as discórdias não se perpetuem em existências futuras. 3 - Como libertar-se da ação nociva dos inimigos desencarnados? Pela reforma íntima, à luz do Evangelho de Jesus, e através da prática do perdão e da caridade, em sua mais ampla acepção. O Evangelho é abençoada escola de regeneração para todas as nossas faltas. Essas atitudes, além de impedi-los de praticar o mal contra nós, os reconduzem ao caminho do bem.

17 26/1/ Os inimigos desencarnados nas Sociedades "As sociedades, pequenas ou grandes e todas as reuniões, seja qual for a sua importância, têm ainda de lutar contra outra dificuldade. Os fatores de perturbação não se encontram somente entre os seus membros, mas também no mundo invisível. Assim como há Espíritos protetores para as instituições, as cidades e os povos, os Espíritos malfeitores também se ligam aos grupos e aos indivíduos. Ligam-se primeiro aos mais fracos, aos mais acessíveis, procurando transformá-los em seus instrumentos, e pouco a pouco vão envolvendo a todos, porque sua alegria maligna é tanto maior quanto maior o número dos que tenham subjugado.

18 26/1/ Todas as vezes, pois, que num grupo uma pessoa tenha caído na armadilha é necessário dizer que se tem um inimigo no campo, um lobo no redil e que se deve ter cautela porque o mais provável é que aumente as suas tentativas. Se não se desencorajar esse elemento por uma resistência enérgica, a obsessão se torna um mal contagioso que se manifestará entre os médiuns pela perturbação da mediunidade e entre os demais pela hostilidade recíproca, a perversão do senso moral e a destruição da harmonia.

19 26/1/ Como o mais poderoso antídoto desse veneno é a caridade, é ela que eles procuram abafar. Não se deve, pois, esperar que o mal se torne incurável para lhe aplicar o remédio. Nem mesmo se deve esperar os primeiros sintomas, pois é sobretudo necessário preveni-lo. Para isso, há dois meios eficazes: a prece feita de coração e o estudo atento dos menores sintomas que revelem a presença de Espíritos mistificadores. (O Livro dos Médiuns, - item 340).

20 26/1/ Bibliografia Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo Estudo da Sala Virtual Evangelho Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap XII Artigo As vantagens da reconciliação - Domério de Oliveira Mensagem de Emmanuel Do Livro: Escrínio de Luz Psicografia: Francisco Cândido Xavier Editora: O CLARIM O Livro dos Médiuns, - item 340.

21 26/1/201421


Carregar ppt "26/1/20141. 2 Os inimigos desencarnados O ódio transpõe o túmulo. O inimigo desencarnado, portanto, é alguém que ofendemos em vidas passadas e hoje nos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google