A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

República Federativa do República Federativa do BRASIL BRASIL BRASIL – Perspectivas do Setor Lácteo na economia Aneli Dacás Franzmann Diretora do DEORN.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "República Federativa do República Federativa do BRASIL BRASIL BRASIL – Perspectivas do Setor Lácteo na economia Aneli Dacás Franzmann Diretora do DEORN."— Transcrição da apresentação:

1 República Federativa do República Federativa do BRASIL BRASIL BRASIL – Perspectivas do Setor Lácteo na economia Aneli Dacás Franzmann Diretora do DEORN SDP/MDIC

2 Desempenho do Agronegócio 2004 US$ 39 bilhões de exportações (43%) US$ 39 bilhões de exportações (43%) 34% do Produto Interno Bruto (PIB) 34% do Produto Interno Bruto (PIB) Emprega 1/3 da população ativa Emprega 1/3 da população ativa Saldo da balança comercial de US$ 34 bilhões Saldo da balança comercial de US$ 34 bilhões set 2004 a ago 2005: exportação de US$ 41,6 bilhões, saldo de US$ 36,6 bilhões set 2004 a ago 2005: exportação de US$ 41,6 bilhões, saldo de US$ 36,6 bilhões

3 Produção de leite no Brasil Produção em 2004: 23,5 bilhões de litros Produção em 2004: 23,5 bilhões de litros Média de crescimento: 5% Média de crescimento: 5% Produção mais que dobrou entre 1980 e 2004 Produção mais que dobrou entre 1980 e 2004

4 Balança Comercial do Agronegócio Leite Fonte: Sistema Alice Elaboração: CNA/Decon Saldo Exportações Importações

5 Importação de lácteos Quantidade (mil ton) Valor (milhões US$) ,7119, , (até julho) 47,385,3

6 Exportação de lácteos Quantidade (mil ton) Valor (milhões US$) ,341, ,880, (até julho) 32,345,8

7 Principais Importadores de Lácteos do Brasil Fonte: Sistema Alice Elaboração: CNA/Decon Abertura de mercados

8 Exportação de leite

9

10

11 Mercados que mais cresceram com relação a 2004 até julho de 2005 em termos percentuais

12 Exportação de leite Mercados relevantes que mais declinaram com relação a 2004 até julho de 2005 em termos absolutos Os percentuais equivalem à fração da exportação total de 2004 em comparação com as exportações até julho de 2005

13 Paises dinâmicos Alemanha (0,3%) Alemanha (0,3%) Austria (0,3%) Austria (0,3%) Chile (3,8%) Chile (3,8%) EUA (1,1%) EUA (1,1%) Reino Unido (0,1%) Reino Unido (0,1%) Russia (0,1%) Russia (0,1%) Suiça (0,1) Suiça (0,1)

14 Paises Est á veis com grandes importações Holanda Holanda França França Belgica Belgica Itália Itália Importações: mais de 2 bilhoes de US$ Importações: mais de 2 bilhoes de US$

15 Uso da Terra no Brasil TERRITÓRIO NACIONAL: 8,51 MILHÕES DE KM² Em milhões de hectares FLORESTA AMAZÔNICA PASTAGENS ÁREAS DE PROTEÇÃO CULTURAS ANUAIS CULTURAS PERMANENTES CIDADES, LAGOS, RODOVIAS E PÂNTANOS FLORESTAS CULTIVADAS ÁREAS FÉRTEIS E VIRGENS DA FRONTEIRA AGRÍCOLA 90 TOTAL 851 OUTROS USOS Fonte: MAPA

16 Condições naturais adequadas: Condições naturais adequadas: Solo, clima, temperatura, tempo de insolação, recursos hídricos, intensidade pluviométrica, etc Solo, clima, temperatura, tempo de insolação, recursos hídricos, intensidade pluviométrica, etc

17 MDIC (Ações) 1. Reduzir a vulnerabilidade externa da economia brasileira mediante a expansão das exportações e a substituição competitiva de importações 2.Melhorar a competitividade de Cadeias Produtivas mediante o adensamento dessas cadeias e agregação de valor ao produto final

18 MDIC 3. Modificar o conteúdo tecnológico da estrutura produtiva, ampliando sua capacidade de inovação de forma a melhor atender ao mercado interno e aumentar o dinamismo das exportações

19 MDIC 4. Incluir as PMEs em cadeias produtivas nacionais e regionais, bem como em arranjos produtivos locais, contribuindo para a inclusão social, a geração de empregos e a redução das disparidades regionais

20 MDIC SECEX (Secretaria de Comércio Exterior) SECEX (Secretaria de Comércio Exterior) STI (Secretaria de Tecnologia Industrial) STI (Secretaria de Tecnologia Industrial) SDP (Secretaria de Desenvolvimento da Produção) SDP (Secretaria de Desenvolvimento da Produção) SCS ( Secretaria de Comércio e Serviços) SCS ( Secretaria de Comércio e Serviços)

21 MDIC: Vinculadas BNDES BNDES INMETRO INMETRO INPI INPI SUFRAMA SUFRAMA APEX APEX

22 Algumas Ferramentas: 1. Fórum Setorial de Franquias 1. Fórum Setorial de Franquias 2. FONSEIC-Fórum de Secretários 2. FONSEIC-Fórum de Secretários 3. Redes de distribuição no mercado internacional - varejo (Miami, Alemanha, Japão) 3. Redes de distribuição no mercado internacional - varejo (Miami, Alemanha, Japão) 4. ABDI: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial 4. ABDI: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial

23 5. RENAI – Rede Nacional de Investimento 5. RENAI – Rede Nacional de Investimento 6. Ex-tarifário 6. Ex-tarifário 7. Vitrine do exportador 7. Vitrine do exportador 8. Tele- centro 8. Tele- centro 9. Rede Agente 9. Rede Agente 10. CAMEX 10. CAMEX 11. ENCOMEX 11. ENCOMEX

24 República Federativa do República Federativa do BRASIL BRASIL Diretrizes de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) (março de 2004)

25 PITCE -Linhas de Ação para a Implementação I. Inovação e Desenvolvimento Tecnológico II. Inserção Externa III. Modernização Industrial IV. Aumento de Capacidade e Escala Produtiva

26 Política da SDP/DEORN contempla: Fóruns de competitividade Fóruns de competitividade Cadeias Produtivas Cadeias Produtivas Setores (franquias) Setores (franquias) Arranjos Produtivos Arranjos Produtivos Agropolos Agropolos

27 Dinâmica dos Fóruns Fóruns de Competitividade Diagnóstico Consensualizado Plano de Ações e Metas Compromissos Aumento da competitividade das cadeias produtivas Macrobjetivos de desenvolvimento do país Governo Empresários Trabalhadores Congresso Nacional Congresso Nacional

28 Arranjos Produtivos Locais A atuação em APLs busca aproveitar a proximidade das empresas e a facilidade de cooperação entre elas e instituições tecnológicas e financeiras, para a difusão de técnicas de produção e de gestão e ampliação dos negócios A atuação em APLs busca aproveitar a proximidade das empresas e a facilidade de cooperação entre elas e instituições tecnológicas e financeiras, para a difusão de técnicas de produção e de gestão e ampliação dos negócios

29 Agropólos DEORN/SDP tem também como objetivo participar como parceiro na implementação de projetos do agronegócio relacionados ao desenvolvimento da produção para pequenas e médias empresas que visem agregação de valor, inclusão social, geração de emprego e renda DEORN/SDP tem também como objetivo participar como parceiro na implementação de projetos do agronegócio relacionados ao desenvolvimento da produção para pequenas e médias empresas que visem agregação de valor, inclusão social, geração de emprego e renda

30 Concluindo: Com as oportunidades apresentadas pelo Brasil com relação a: Concluindo: Com as oportunidades apresentadas pelo Brasil com relação a: Dimensão do setor Dimensão do setor Sustentabilidade econômica, social e ambiental Sustentabilidade econômica, social e ambiental Política governamental para o setor Política governamental para o setor Atividade já estabelecida Atividade já estabelecida Capacidade de expansão Capacidade de expansão

31 O Brasil no presente e no futuro Observa-se efetivamente que o Brasil tem as melhores condições de ser o grande fornecedor mundial não só de leite como do agronegócio. Observa-se efetivamente que o Brasil tem as melhores condições de ser o grande fornecedor mundial não só de leite como do agronegócio.

32 O Brasil no presente e no futuro Norman Borlang: Prêmio Nobel da Paz Estou impressionado com o que estou vendo. O Brasil tem tudo para ser tão importante para a agricultura no século 21 como os EUA foram no 20 Estou impressionado com o que estou vendo. O Brasil tem tudo para ser tão importante para a agricultura no século 21 como os EUA foram no 20

33 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO Aneli Dacás Franzmann Departamento das Industrias Intensivas em Mão- de-Obra e Recursos Naturais (61)


Carregar ppt "República Federativa do República Federativa do BRASIL BRASIL BRASIL – Perspectivas do Setor Lácteo na economia Aneli Dacás Franzmann Diretora do DEORN."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google