A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Até o momento... Imagens de satélites: –Obtenção de variáveis do sistema Terra- atmosfera –Climatologias: Análise da TSM NDVI –Entrada de modelos numéricos:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Até o momento... Imagens de satélites: –Obtenção de variáveis do sistema Terra- atmosfera –Climatologias: Análise da TSM NDVI –Entrada de modelos numéricos:"— Transcrição da apresentação:

1 Até o momento... Imagens de satélites: –Obtenção de variáveis do sistema Terra- atmosfera –Climatologias: Análise da TSM NDVI –Entrada de modelos numéricos: Perfil vertical de temperatura da atmosfera

2 Nesta aula Imagens serão utilizadas para auxiliar a previsão de curto prazo Curso de sinótica é dedicado a um aprofundamento maior em aplicar imagens de satélite para previsão de tempo

3 ForTraCC Meteorologia por Satélite 2012

4 Sistemas Convectivos (SC) responsáveis pela maior parte da precipitação nos trópicos e em várias regiões de latitudes médias durante a estação quente favorecerem o aparecimento de áreas de forte cisalhamento vertical do vento que separa regiões de updrafts e downdrafts tempestades

5 ForTraCC Forecasting and Tracking the Evolution of Cloud Clusters Algoritmo para efetuar rastreamento de SC e previsão de seu deslocamento futuro (previsão de curto prazo, neste caso, até duas horas)

6 ForTraCC utiliza Medições efetuadas pelo satélite GOES no canal do infravermelho (10,8µm) Imagens a cada 30 minutos com resolução espacial de 4km x 4km Imagens não podem ter falhas

7

8

9

10 Características Células convectivas (CC): –Organizadas em escalas de tempo e espaço –Tamanhos variam de centenas de metros a grandes aglomerados com milhares de quilômetros de extensão –Ciclos de vida da ordem de dias –Diferentes tipos de nuvens

11 Identificando um SC Convecção profunda pode atingir a alta troposfera, com alturas acima dos 9-10km Baixos valores de temperatura de brilho –Diferentes autores => diferentes limiares –Vila et al. (2008) adotaram dois limiares de 250K - 235K (limiar quente) e de 235K - 210K (limiar frio) Tamanho mínimo de agrupamento de nuvens

12 O método baseia-se na similaridade das características morfológicas (reconhecimento de padrões) e na área de superposição entre os SC em imagens sucessivas

13 Limiares de temperatura T B < 235 K: SC T B < 210 K: Células convectivas imersas no SC T B < 250 K: Detecção precoce dos SC

14 Estágios do ciclo de vida de um SCM Formação ConvectivaTransição Cirrus Maturação Dissipação Fragmentos da dissipação

15 O método Rastreamento de SC: sistemas com tamanho em pixels superior a um valor mínimo N para o limiar de 235K Detecção precoce: sistemas com tamanho no limiar quente superior a N, mas topos frios (limiar frio) com tamanho inferior a N. Vila et al. (2008) : N = 150 pixels em imagens de 4km x 4km de resolução

16 Parâmetros Morfológicos: –Tamanho do SC (número de pixels e área em km 2 ) –Raio efetivo: R = área/π (raio de um círculo cuja área seja igual à área do SC) – Número de CC –Tamanho das cinco maiores CC encontradas no SC – Fração convectiva –Inclinação e excentricidade do SC –Eixo de inércia

17 Pixels vazios SC CC

18 Parâmetros Radiativos: – Temperaturas média e mínima do SC – Temperatura média das cinco maiores CC de localização: – Coordenadas do centro de gravidade – Coordenadas do centro de gravidade das cinco maiores CC – Data e hora (UTC).

19 Excentricidade Razão entre o eixo menor e o eixo maior do SC

20

21 Rastreamento Análise de imagens obtidas em diferentes horários t 0, t 1, t 2,..., t i,... Considerando t i+1 > t i, um SC detectado em t i+1, será considerado o mesmo que o detectado em t i,nas mesmas coordenadas geográficas, se houver pelo menos 15% de sobreposição das áreas desses SC em imagens consecutivas

22 Classificação Sistema novo ou de Geração Espontânea (N): SC detectado em t i não foi detectado em t i-1, ou não cumpriu critério mínimo de sobreposição de área

23 t0t0

24 t1t1 Sistema novo

25 Classificação Continuidade (C): SC detectado em t i e em t i-1, e cumpriu critério mínimo de sobreposição de área

26 t0t0

27 t1t1

28 Classificação Separado (Split S): Em t i cumpre o critério de superposição mas em t i+1, há a presença de dois ou mais SC. O processo é considerado como sistema que se separou. Neste caso, o maior sistema em t i+1 é o considerado para analisar a continuidade do sistema da imagem t i

29 t0t0

30 t1t1

31 Classificação Fusão (Merge M): Em t i há dois SC mas em t i+1, há a presença de apenas um SC. O processo é considerado fusão

32 t0t0

33 t1t1

34 Taxa de expansão T e Utilizada para analisar o crescimento ou decaimento de um SC em termos de área média Ā num determinado intervalo de tempo Unidade: s -1 Variação da área de um SC entre duas imagens consecutivas Intervalo de tempo entre as duas imagens

35 Área do SC A(t) = α.exp(at 2 + bt +c)

36

37

38 grausKm/shoraskm /s Valores positivos Valores negativos

39 Referências FORTRACC – PREVISÃO A CURTO PRAZO E EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS CONVECTIVOS - FORTRACC V1.1 – GUIA DO USUÁRIO (Macedo, Vila e Machado) Vila et al. Forecast and Tracking the Evolution of Cloud Clusters (ForTraCC) Using Satellite Infrared Imagery: Methodology and Validation. Weather and Forecasting, 23, , 2008


Carregar ppt "Até o momento... Imagens de satélites: –Obtenção de variáveis do sistema Terra- atmosfera –Climatologias: Análise da TSM NDVI –Entrada de modelos numéricos:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google