A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ACIDENTES NUCLEARES Rosângela de Assis Luciana M. C. Ruggiero Carlos Eduardo P. Cerri Física Atômica e Nuclear II Prof. Dr. Elias Zagatto CENTRO DE ENERGIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ACIDENTES NUCLEARES Rosângela de Assis Luciana M. C. Ruggiero Carlos Eduardo P. Cerri Física Atômica e Nuclear II Prof. Dr. Elias Zagatto CENTRO DE ENERGIA."— Transcrição da apresentação:

1 ACIDENTES NUCLEARES Rosângela de Assis Luciana M. C. Ruggiero Carlos Eduardo P. Cerri Física Atômica e Nuclear II Prof. Dr. Elias Zagatto CENTRO DE ENERGIA NUCLEAR NA AGRICULTURA - USP Novembro

2 1957 Inglaterra - escapa radioatividade da usina de Liverpool 39 pessoas morreram de câncer 1957 União Soviética - explosão libera compostos radioativos numa área de 23 mil km 2 ; pessoas morreram e pessoas foram evacuadas 1969 Suíça - reator experimental contamina com radioatividade a caverna subterrânea 1979 EUA - Usina de Three Mile Island, perda de refrigerante fez parte do núcleo do reator derreter Rússia - maior acidente nuclear da história: Chernobyl 1997 EUA - explosão num depósito da Unidade de Processamento de Plutônio da Reserva Nuclear Hanford, libera radioatividade na atmosfera. Histórico

3 Moderadores (redutor de velocidade) água, água pesada, grafite, berílio, substâncias orgânicas. Combustível nuclear 232 Th, 238 U, 235 U, 233 U, 239 Pu Resfriadores Gases: CO 2, He, ar Líquidos: água, água pesada, metais líq. Material de controle Carbeto de boro, Cádmio, Índio A Usina Nuclear de Chernobyl - 4 unidades funcionando Tipo: RBMK1000 (chamado como boiling-water, graphite-uranium high- power reactor). Só existem na antiga URSS.

4

5 Violações das regras operacionais Falha no sistema de refrigeração da água do reator super- -aquecimento das varetas de urânio em seu interior. Seqüência de eventos aumento da temperatura (3500 o C) separação das moléculas de H e O da água explosão aumentando ainda mais o calor derretimento dos tijolos de grafite entrada de ar explosão da massa de calor liberação de nuvem radioativa na atmosfera Causas do acidente

6 CONSEQÜÊNCIAS Lançamento à atmosfera 3x10 9 GBq (81 MCi) 31 pessoas morreram (1 no dia e 30 em 3 meses) 200 feridas e habitantes evacuados Todo animal tem traços de 90 Sr nos ossos 2.6 milhões de pessoas vivem nas áreas contaminadas Ucrânia: crianças doses de 0,05 a 2,80 Sv na tiróide 9 milhões de pessoas afetadas Contaminação de m 3 de água Preocupações de contaminação de águas freáticas Gastos: UGastos: U$S 350 bilhões ( )

7 MEDIDAS APLICADAS 1. Unidade 4 (reator) sarcófago 2. Resíduos com alta atividade t de Pb 40 t absorvedores de nêutron B 4 C t areia e argila Reator Em estabilidade do sarcófago revisada para anos. Em 10/ fissuras detectadas sit. de resfriamento num dos reatores. Reforço - concha de concreto - $ 2.5 bilhões a $ 300 milhões.

8 3. Resíduos de baixa e média atividade Número de depósitos: 800 Localização: raio de 30-km da Unidade 4 Período de construção: 1986 a 1989 Volume trincheiras: 1 bilhão m 3 Atividade: 1,5 x 10 7 GBq ( Ci)

9 A Lei de Chernobyl Regulamenta direitos e privilégios dos Ucranianos. Anexados à Lei do Estado e Proteção Social de Cidadãos Zona I - exclusão, 30km - evacuação total 6/5/1986. Zona II - restabelecimento obrigatório - mudança pop. Em hab. - fam.c/ crianças. Zona III - restabelecimento voluntário garantido famílias em lista de espera. Zona IV - controle radioecológico reforçado monitoração radiológica e saúde pública A lei de Chernobyl divide a Ucrânia em 4 zonas: Ajuste dos padrões de proteção radiológica para as diferentes regiões com atenção aos diferentes níveis de contaminação. Evolução nos padrões de proteção radiológica USSR 500 rem 1000 rem

10 Situação da energia nucleoelétrica no mundo Distribuição Atual das Usinas Nucleares

11 ELETRONUCLEAR: FURNAS Centrais Elétricas S.A. e NUCLEN Eng ariA 1968 Governo, pela ELETROBRÁS à FURNAS iniciou-seANGRA 1, a reação nuclear em cadeia operação comercial, 1999 recorde de 96% disponibilidade. Potência de 657MW. Gerou Mwh. Edifícios: Reator, Segurança, Combustível, Turbogerador, Auxiliares Norte e Sul, e Administração Acordo Brasil-Alemanha subsidiada da SIEMENS 1976 Oderbrecht iniciou-se a construção Finalizou-se, e em 95 montagem eletromecânica Em janeiro iniciou-se as atividades. Potência de 1309 Mw ELETROBRÁS e MME, Plano de ANGRA Data prevista para entrar em operação. Potência de 1309 Mw. Cópia da ANGRA 2, atualizada. Estudos técnicos para a viabilização econômica. Rio de Janeiro - Angra dos Reis - praia Itaorna - CNAAA. 1/8/1997


Carregar ppt "ACIDENTES NUCLEARES Rosângela de Assis Luciana M. C. Ruggiero Carlos Eduardo P. Cerri Física Atômica e Nuclear II Prof. Dr. Elias Zagatto CENTRO DE ENERGIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google