A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

OBRAS DE RESTAURAÇÃO RODOVIÁRIA NA BR-267/MS SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA CAMPO GRANDE/MS 17 de fevereiro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "OBRAS DE RESTAURAÇÃO RODOVIÁRIA NA BR-267/MS SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA CAMPO GRANDE/MS 17 de fevereiro."— Transcrição da apresentação:

1 OBRAS DE RESTAURAÇÃO RODOVIÁRIA NA BR-267/MS SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA CAMPO GRANDE/MS 17 de fevereiro de 2009

2 Sumário Roteiro da sessão de Audiência Pública Roteiro da sessão de Audiência Pública Apresentação dos componentes da mesa Apresentação dos componentes da mesa Objetivos da Audiência Pública Objetivos da Audiência Pública Normas que nortearão a Audiência Pública Normas que nortearão a Audiência Pública O empreendimento O empreendimento A licitação A licitação

3 1- ROTEIRO DA SESSÃO 1) Apresentação dos componentes da Mesa, os objetivos da Audiência Pública e leitura das Normas que regerão a sessão. 2) Assinatura da Lista de Presença. 3) Apresentação do Empreendimento, de informações técnicas e da licitação. 4) Entrega das Fichas de Perguntas para participação nos debates, quando solicitadas. 5) Debates: O tempo determinado para os debates será estipulado pela Mesa, em função do número de participantes. 6) Encerramento da Audiência Pública.

4 2- COMPONENTES DA MESA João de Souza Freitas – Coordenador da Audiência Pública e Membro da Comissão de Avaliação do Projeto - Coordenador de Projetos Rodoviários SR-MS/DNIT Paulo Keniti Inoue – Membro da Comissão de Avaliação do Projeto SR-MS/DNIT Josué Terra Serra – Membro da Comissão de Avaliação do Projeto SR-MS/DNIT Willian Rodrigues Domingos e José Roberto Marques - Empresa CPR - Consultoria e Projetos Rodoferroviários Ltda. Mário Morgan Santos e Vicente Viola Neto - Empresa Contécnica Consultoria Técnica Ltda.

5 3 - OBJETIVOS Esta Audiência Pública, em atendimento ao disposto no artigo 39 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e suas alterações posteriores, objetiva tornar público o início do processo licitatório para a realização das Obras de Restauração na BR-267/MS. Os trabalhos apresentados no decorrer desta sessão visam informar, esclarecer, dirimir dúvidas, obter sugestões, conciliando-as, como forma de mostrar a importância deste empreendimento, evitando, assim, qualquer tipo de desinformação sobre o mesmo.

6 4 - NORMAS 4.1.A Audiência Pública será aberta pelo Coordenador dos trabalhos Todos os presentes poderão manifestar-se dentro das Normas que regem a Audiência O tempo previsto de duração é o necessário para os esclarecimentos do Projeto, com início às 9:00 horas Os questionamentos deverão ser elaborados por escrito, através das Fichas de Perguntas, com a identificação do interessado, estas serão entregues quando solicitadas A leitura dos questionamentos será feita pelo Coordenador dos trabalhos, que indicará o(s) responsável(is) pela(s) resposta(s).

7 4.6.Os questionamentos serão respondidos pela ordem de recebimento. 4.7.O Coordenador dos trabalhos poderá impugnar perguntas não pertinentes ao objeto da Audiência e solicitar maiores esclarecimentos para as respostas. 4.8.As respostas farão parte de um Caderno de Perguntas e Respostas, que será montado e disponibilizado na SR- MS/DNIT e no site. 4 - NORMAS

8 4.9.Os membros da mesa poderão intervir quando necessário Documentos escritos e assinados pertinentes ao empreendi- mento, poderão ser entregues à Mesa ou ao DNIT na Superintendência Regional no Estado do Mato Grosso do Sul (Campo Grande/MS), até 3 (três) dias úteis após o encerramento da Sessão, desde que a intenção de fazê-lo seja expressa publicamente durante a Audiência, para que conste em Ata. Esses documentos deverão ser assim endereçados: Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes – DNI T João de Sousa Freitas Coordenador da Audiência Pública Rua Antônio Maria Coelho, 3099 – Jardim dos Estados Campo Grande (MS) – CEP: NORMAS

9 5 - O EMPREENDIMENTO - OBJETO CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PARA A EXECUÇÃO DE SERVIÇOS INERENTES À RESTAURAÇÃO RODOVIÁRIA NA BR-267/MS, SOB A CIRCUNSCRIÇÃO DO DNIT, VISANDO A RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO ANTIGO, RECUPERAÇÃO DOS ACOSTAMENTOS E A ELIMINAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS, TRAZENDO MAIS SEGURANÇA E CONFORTO PARA OS USUÁRIOS DA RODOVIA E PARA POPULAÇÃO NO ENTORNO DA MESMA.

10 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTE 01 Rodovia: BR-267/MS Trecho: Divisa SP/MS – Fronteira Brasil/ Paraguai Subtrecho: Div. SP/MS – Entr. BR-163 (A) (Nova Alvorada do Sul) Segmento: Km 0,00 – Km 62,25 Extensão: 62,25 Km

11 Rodovia: BR-267/MS Trecho: Divisa SP/MS – Fronteira Brasil/ Paraguai Subtrecho: Div. SP/MS – Entr. BR-163 (A) (Nova Alvorada do Sul) Segmento: Km 62,25 – Km 124,18 Extensão: 61,93 Km 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTE 02

12 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02

13 CONTÉCNICA CONSULTORIA TÉCNICA LTDA Elaboração de Projeto Executivo de Engenharia para Restauração da Rodovia BR-267/MS, trecho Divisa SP/MS - Fronteira Brasil/Paraguai, Subtrecho Div. SP/MS – Entrº MS-134 (Casa Verde), segmento km 0,0 ao km 124,18 extensão: 124,18 km, lotes 01 e 02. Edital n.º: 0549/ Data da concorrência: 16 de janeiro de 2007 Contrato n.º: UT/ / CC Processo administrativo nº: / Data de assinatura: 19 de novembro de 2007 Data de Publicação no DOU: 22 de novembro de 2007 Empresa Projetista: Contécnica Consultoria Técnica LTDA

14 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02

15

16 Objetivo: Conceber as obras necessárias à recuperação de sua estrutura, de maneira que este possa suportar a repetição das cargas do tráfego, em condições de conforto e segurança para os usuários, por um período estipulado em 10 anos. As soluções para a reabilitação do pavimento da pista de rolamento e acostamentos foram concebidas para sanar o completo estado de deterioração do pavimento existente e eliminar o elevado degrau existente entre a pista e os acostamentos.

17 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 Soluções de Restauração: Lote 1 – Segmento : km0,00 – km 62,25 – Extensão : 62,25 km 9,94 km (15,9%), solução: Fresagem + reposição em CBUQ, mais reforço dimensionado em CBUQ; 30,38 km (48,6%), solução: Fresagem, reciclagem revestimento + base, camada de bloqueio (TSDp), mais reforço dimensionado de CBUQ; 0,82 km (1,3%), solução reconstrução total; e, - 18,56 km (29,7%), solução: Fresagem ou não, massa fina, camada de bloqueio (TSDp), mais reforço dimensionado em CBUQ.

18 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 Soluções de Restauração: Lote 2 – Segmento : Km 62,25 – Km 125,0 – Extensão: 62,75 km 25,3 km (40,4%), solução: Fresagem, reciclagem revestimento + base, camada de bloqueio (TSDp), mais reforço dimensionado em CBUQ; - 37,5 km (59,6%), solução: Fresagem, ou não, massa fina, camada de bloqueio (TSDp), mais reforço dimensionado em CBUQ.

19 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 RECICLAGEM

20 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 RECICLAGEM

21 RECICLAGEM

22 RECICLAGEM

23 SOLUÇÕES PARA AUMENTO DE CAPACIDADE E SEGURANÇA DA VIA Lotes 01 e 02 VMDAT2009 = veículos/dia – 370 BITREM /dia e 05 RODOTREM /dia Classe I-B (pista simples) Região plana/ondulada Largura da Pista de Rolamento: x 3,50 m. Largura dos Acostamentos: x 2,50 m. Locais onde serão implantadas 3º faixas: Largura da Pista de Rolamento: x 3,50 m. Largura para 3º Faixa: x 3,50 m. Largura da Faixa de segurança: x 1,20 m.

24 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 3ª Faixas a serem implantadas – Lote 01 Nº TAPER3º FAIXATAPER3º FAIXA LADO INICIAL FINAL LE LD LE LE LD LE LE

25 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 3ª Faixas a serem implantadas – Lote 02 Nº TAPER3º FAIXATAPER3º FAIXA LADO INICIAL FINAL LE LD LE LD LD LE

26 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 SEÇÕES TIPO DE PISTA RESTAURADA

27 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 SEÇÕES TIPO DE PISTA COM 3ª FAIXA

28 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 PROJETO DE INTERSEÇÕES: Interseção Porto XV – Lote 01 Próximo à estaca 630+0, foi projetada uma rotatória alongada não vazada, que permite o acesso da rodovia às vias laterais esquerda e direita existentes na área urbana de Porto XV de Novembro. Dotada de retornos (giratórios) permitindo o retorno para quem trafega no sentido Casa Verde – Divisa SP/MG (estaca 619) e permitindo retorno para o tráfego sentido Divisa SP/MG – Casa Verde (estacas 642 e ).

29 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 TRAVESSIA DE PORTO XV - Lote 01 Campo Grande Divisa MS-SP Porto XV

30 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 Interseção ao Núcleo Industrial de Bataguassu - Lote 01 implantação de uma rotatória alongada não vazada contendo 04 (quatro) ilhas canalizadoras, com taper de aceleração e desaceleração, acesso ao frigorífico MARFRIG, acesso ao Núcleo Industrial de Bataguassu, acesso à avenida a ser implantada, acesso a Industria de Óleo Vegetal SPERAFICO e assentamento Fazenda Santa Paula.

31 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 Interseção ao Núcleo Industrial de Bataguassu - Lote 01 Campo Grande Divisa MS-SP

32 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 Interseção de Acesso ao Assentamento Montana – Lote 01 Projetado um dispositivo tipogota canalizada com o objetivo de melhor disciplinar o tráfego de entrada e saída da rodovia

33 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 Interseção de Acesso ao Assentamento Aruanda – Lote 01 Localizada próxima à estaca Adotado concepção em gota canalizada.

34 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 Interseção do Acesso II para Anaurilândia - Lote 01 Constitui-se de um acesso à localidade de Anaurilândia, situado nas proximidades da estaca 2707 do eixo projetado, foi prevista uma solução do tipo gota canalizada

35 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 Interseção de acesso para o Assentamento Santa Clara - Lote 02 Concepção em gota canalizada com o objetivo de melhor disciplinar o tráfego de entrada e saída da rodovia

36 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 MEIO AMBIENTE: Elaborados de acordo com a Instrução de Serviço-246 (Elaboração do Componente Ambiental dos Projetos Ambientais de Engenharia) do DNIT. - Diagnóstico Ambiental: Fase em que se procurou caracterizar a região onde está inserido o trecho de restauração da BR-267/MS em todos os seus aspectos ambientais, tais como, hidrografia, clima, ecossistemas existentes, aspectos físicos e sócio-econômicos; - Avaliação de Impactos Ambientais: Fase na qual foram definidos os principais impactos ambientais provenientes das etapas de implantação das obras de restauração e operação da rodovia;

37 5 – O EMPREENDIMENTO – LOTES 01 e 02 MEIO AMBIENTE (Continuação): - Identificação de Passivos Ambientais: Cadastro (através de registro fotográfico e descrição sucinta) de cada área ao longo do trecho que poderia representar danos, riscos ou degradação ambiental na área de influência da rodovia; - Proposição de Medidas Mitigadoras e Preventivas: Indicação de medidas que reduzissem e prevenissem os impactos ambientais identificados anteriormente; - Projetos de Recuperação Ambiental: Propostas de recuperação ambiental tanto para os passivos identificados quanto para as áreas de empréstimos, bota-foras e jazidas a serem exploradas e que são necessárias à implantação da rodovia. Os serviços de recuperação ambiental indicados foram de conformação topográfica dos terrenos explorados, controle de erosões, revegetação através de hidrossemeadura, plantio de mudas e grama (nos canteiros centrais e ilhas das interseções).

38 DNIT REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES - MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA REABILITAÇÃO DO PAVIMENTO DE RODOVIA COM MELHORAMENTOS (RESTAURAÇÃO) Rodovia : BR-267/MS Trecho : Divisa SP/MS – Fronteira Brasil/Paraguai Subtrecho : Divisa SP/MS – Entr° BR-163(A)(Nova Alvorada do Sul) Segmento : km 124,18 – km 248,68 Extensão : 124,50 km Lotes nº : 03 /04 Códigos do PNV : 267BMS0910/267BMS0920/267BMS0930/267BMS0950

39 LOTE 03: Segmento: km 124,18 - km 185,38 Estacas: 38+0,00=PP a ,00 Extensão: ,000 metros LOTE 04: Segmento: km 185,38 - km 248,68 Estacas: ,00 a ,256=PF Extensão: ,256 metros Mapa de Localização

40 1. Objetivos do Projeto Restaurar o Pavimento da Pista de Rolamento e dos Acostamentos – Recuperando as condições estruturais e funcionais do pavimento, para atendimento adequado à solicitação do tráfego durante período de 10 anos (2010 a 2019) Aumentar a Capacidade de Escoamento de Tráfego – Prevendo a execução de 3 as faixas de tráfego e readequando as curvas horizontais para que a rodovia possa permitir velocidades de 100 km/h (veículos de passeio), 90 km/h (ônibus) e 80km/h (veículos comerciais), além de modificação da sinalização. Incrementar as Condições de Segurança – Melhorando as travessias urbanas, as interseções e os pátios dos postos da PRF, e também a sinalização da rodovia.

41 2.Condições Principais da Rodovia Volume de Tráfego –Previstos no ano de abertura (2010): veículos, sendo 60,5 % veículos comerciais. Estado de Conservação Atual do Pavimento –O pavimento da pista em quase toda a extensão grau elevado de deterioração (alto trincamento, elevada irregularidade, freqüente abatimento nas trilhas de roda), por ter já superado por larga margem sua vida útil. –No lote 04 algumas extensões apresentam pavimento com condições um pouco melhores. –Nos dois lotes (03 e 04) muitos segmentos estão requerendo atualmente serviços de conservação pesados por apresentarem tendência a formação de panelas.

42 2.Condições Principais da Rodovia Estado de Conservação Atual do Pavimento –No lote 03 existe degrau elevado entre a pista e acostamentos. Estes muitas vezes estão parcialmente tomados por grama e detritos. –No lote 04 a situação predominante é melhor (grandes extensões possuem acostamentos nivelados com a pista e revestidos por CBUQ). Obras de Drenagem e Interseções –A rodovia é dotada em todo o trecho de meio-fios e correspondentes dispositivos de saída que necessitam limpeza e poucos reparos. –Apenas 03 interseções são pavimentadas (uma com a MS-134 em Nova Casa Verde, outra com MS-145 e a última com a rodovia BR-163). –Seis outras interseções secundárias existentes não são pavimentadas. –Os pátios dos postos da PRF necessitam melhoramentos no pavimento.

43 3. Principais Trabalhos Previstos no Projeto Executivo Restauração da Pista de Rolamento Discriminação dos Serviços Lote 03Lote 04 Ext. (m)(%)Ext. (m)(%) Posto da PRF400,00,6460,00,7 Travessia Urbana1.200,02,01.400,02,2 Interseções1.360,02,21.280,02,0 Reconstrução de Curvas Horizontais1.380,02,33.380,05,3 Soluções na Pista de Rolamento: Fresagem + Reforço de CBUQ0, ,014,6 Camada Bloqueio (TSDp) + Reforço de CBUQ3.640,05,90,0 Fresagem + Camada Bloqueio (TSDp) + Reforço CBUQ6.340,010, ,018,0 Reciclagem do Revest. Atual p/ Pista + Reforço de CBUQ1.320,02,10,0 Reciclagem Revest. Atual p/ Acost + Reforço de CBUQ20.980,034, ,057,2 Recicl. Revest. Atual p/ Pista e Acost.+ Reforço de CBUQ24.680,040,20,0 Extensão Total do Lote61.300,0100, ,0100,0

44 3. Principais Trabalhos Previstos no Projeto Executivo Recuperação dos Acostamentos Discriminação dos Serviços Lote 03Lote 04 Ext.(m)Vol. (m³)Ext.(m)Vol. (m³) Preenchimento Acostamentos (70%Seixos / 30% Arenito)33.680, ,20,0 Preenchimento Acostamentos (70%Fresado / 30% Arenito)10.120,03.116,81.060,0278,9 Revestimento Acostamentos PMF Reciclado99.940, , , ,9

45 3. Principais Trabalhos Previstos no Projeto Executivo Execução de Pavimentos Novos Estrutura dos Pavimentos Novos Locais de Utilização Lote 03Lote 04 Sub-base Estabilizada sem Mistura (Arenito):15,0cm3ª Faixas Base Estabilizada com Mistura (70%Seixos): 15,0cmTravessias Urbanas / Interseções / PRF Revestimento em CBUQ :11,0 cm.Reconstrução Curvas Horizontais

46 3. Principais Trabalhos Previstos no Projeto Executivo Obras de Drenagem Discriminação dos Serviços Locais de Utilização Lote 03Lote 04 Bueiros Tubulares Metálicos s/ Interrupção TráfegoSim Meio-fios, Descidas e Sarjetas de ConcretoSim Galerias, Bocas de Lobo, Poços de VisitaSim

47 3. Principais Trabalhos Previstos no Projeto Executivo Obras de Drenagem Discriminação dos Serviços Locais de Utilização Lote 03Lote 04 Bueiros Tubulares Metálicos s/ Interrupção TráfegoSim Meio-fios, Descidas e Sarjetas de ConcretoSim Galerias, Bocas de Lobo, Poços de VisitaSim

48 4. Resumo dos Principais Quantitativos de Serviços Discriminação dos ServiçosUnidade Quantidades Lote 03Lote 04 Volume Total de Escavação na Terraplenagemm³46.823, ,0 Volume Total de Aterros na Terraplenagemm³36.018, ,0 Extensão de Bueiros Metálicos s/ Interrupção do Tráfegom328,0105,0 Extensão de Galerias e Bueiros Tubulares de Concretom785,01.159,0 Sarjetas, Meio-fios, Descidas de Águam34.369, ,0 Sub-base Estabilizada (100% Arenito)m³17.136, ,0 Base Estabilizada (70% Seixos / 30% Arenito)m³25.323,06.701,0 Base Estabilizada (70% Material Fresado / 30% Arenito)m³5.602, ,0 Pré-Misturado a Frio Reciclado na Pista para Acostamentosm³13.059, ,0 Pré-Misturado a Frio Reciclado na Pista para a Pistam³19.936,0175,0 Revestimento em CBUQt , ,0 Fresagemm³740,07.741,0 Tratamento Superficial Duplo com Polímerom²83.517, ,0 Remendos Profundosm³9.250,09.620,0 Pintura de Faixas Horizontais de Sinalizaçãom²29.931, ,0 Placas de Sinalização Verticalm²373,0403,0 Hidrossemeaduram²94.029, ,0

49 5. Orçamento dos Serviços de Restauração Lote 03 DiscriminaçãoValor (R$)% I - CANTEIRO DE OBRAS I.a Mobilização ,680,12% I.b Instalação de Canteiros ,480,87% I.c Manutenção de Canteiros ,900,21% SUBTOTAL I ,061,21% II - SERVIÇOS II.a Terraplenagem ,760,82% II.b Pavimentação ,1749,27% II.c Drenagem ,118,82% II.d Sinalização ,851,52% II.e Obras Complementares7.063,740,02% II.f Componente Ambiental ,930,28% SUBTOTAL II ,5660,71% III - MATERIAIS BETUMINOSOS III.a Aquisição de Materiais Betuminosos ,3730,40% III.b Transporte de Materiais Betuminosos ,087,68% SUBTOTAL III ,4538,08% TOTAL DOS PREÇOS (I+II+III) ,07100,00% Data base de referência: Julho/2008

50 5. Orçamento dos Serviços de Restauração Lote 04 DiscriminaçãoValor (R$)% I - CANTEIRO DE OBRAS I.a Mobilização ,190,09% I.b Instalação de Canteiros ,291,02% I.c Manutenção de Canteiros ,900,25% SUBTOTAL I ,381,37% II - SERVIÇOS II.a Terraplenagem ,321,53% II.b Pavimentação ,5745,27% II.c Drenagem ,467,45% II.d Sinalização ,922,17% II.e Obras Complementares2.601,960,01% II.f Componente Ambiental ,040,49% SUBTOTAL II ,2756,91% III - MATERIAIS BETUMINOSOS III.a Aquisição de Materiais Betuminosos ,2132,23% III.b Transporte de Materiais Betuminosos ,219,48% SUBTOTAL III ,4241,71% TOTAL DOS PREÇOS (I+II+III) ,07100,00% Data base de referência: Julho/2008

51 6. Travessias Urbanas Lote 03 – Casa Verde

52

53

54 6. Travessias Urbanas Lote 04 – Nova Alvorada do Sul

55

56

57

58 7. Interseções Lote 03 – Entr. MS-141 (p/ Angélica)

59

60 7. Interseções Lote 04 – Entr. MS-375 (p/ Ribas do Rio Pardo) – Zuzu

61

62 7. Localização das Fontes de Materiais Lote 03

63 7. Localização das Fontes de Materiais Lote 04

64 6 – A LICITAÇÃO A licitação será regida pela Lei de 21 de junho de 1993 e suas modificações posteriores Modalidade: Concorrência Pública Execução Indireta no regime: empreitada por preço unitário Tipo de licitação: a de menor preço Serão licitados 04 (quatro) Lotes Fonte de Recursos: as despesas decorrentes dos serviços a serem contratados correrão a conta do Programa G.0054 – Manutenção de Trechos Rodoviários na BR-267/MS, a cargo do DNIT e no Plano Plurianual de Investimento, constando ainda do Plano de Aceleração do Crescimento - PAC


Carregar ppt "OBRAS DE RESTAURAÇÃO RODOVIÁRIA NA BR-267/MS SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA CAMPO GRANDE/MS 17 de fevereiro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google