A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GRAFOS. Motivação Muitas aplicações em computação necessitam considerar conjunto de conexões entre pares de objetos: –Existe um caminho para ir de um.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GRAFOS. Motivação Muitas aplicações em computação necessitam considerar conjunto de conexões entre pares de objetos: –Existe um caminho para ir de um."— Transcrição da apresentação:

1 GRAFOS

2 Motivação Muitas aplicações em computação necessitam considerar conjunto de conexões entre pares de objetos: –Existe um caminho para ir de um objeto a outro seguindo as conexões? –Qual é a menor distância entre um objeto e outro? –Quantos outros objetos podem ser alcançados a partir de um determinado objeto? Grafos são utilizados para modelar tais problemas São possivelmente as estruturas matemáticas mais utilizadas na ciência

3 Algumas Aplicações Alguns exemplos de problemas práticos que podem ser resolvidos através de uma modelagem em grafos: –Ajudar máquinas de busca a localizar informação relevante na Web. –Descobrir qual é o roteiro mais curto para visitar as principais cidades de uma região turística. –Dentre diversas outras

4 Conceito Básicos – Definição Grafos consistem de dois conjuntos V e E e uma função G, tal que –V(G) é um conjunto finito e não vazio de vértices. Os vértices são objetos simples que podem ter uma chave e outros atributos; –A(G) é um conjunto disjunto de arcos ou arestas G é um conjunto de funções que associam pares de vértices de V(G) –Definição Matemática: G = (V(G), E(G), G )

5 Exemplo: G=(V(G), E(G), G ), onde –V(G) ={1, 2, 3, 4, 5} –E(G)={e 1, e 2, e 3, e 4, e 5, e 6, e 7, e 8 } G : G (e 1 )= (1, 2), G (e 2 )= (1, 4), G (e 3 )= (2, 3), G (e 4 )= (2, 5), G (e 5 )= (3, 4), G (e 6 )= (1, 1),

6 EXEMPLOS DE GRAFOS A C B 1: A 2: C B A 3: A B 4: A 5: C B A 6: C B

7 Conceitos Básicos Quantos arcos teria um grafo com N vértices? Ex.: C B A D B A B A C 1: 2: 3: R.: 1 arco R.: 3 arcos R.: 6 arcos O número de arcos é dado pela fórmula N-1 : Todos os vértices, excluindo ele mesmo /2 : Duas arestas iguais, de ida e volta N (N-1) 2

8 Conceitos Básicos – Tipos de Grafos Grafo Não Direcional: –São grafos onde as arestas E(G) não são ordenadas (direcionadas), ou seja, a ARESTA (V1, V2) é a mesma ARESTA (V2, V1) Grafo Direcional (Dígrafo): –São grafos onde as arestas E(G) são ordenadas (direcionadas), ou seja, a ARESTA (V1, V2) é diferente da ARESTA (V2, V1) Exs.: C B A 1: C B A 2: D E 2 1 3: 3

9 Conceitos Básicos – Grau de um Vértice Grau de um Vértice –Número de arcos que incidem sobre um vértice Em grafos não direcionados, é o número de arcos que incidem sobre o vértice Em grafos direcionados, é o número de arestas que saem dele mais o número de arestas que incidem nele Um vértice é dito isolado quando seu grau é zero. Ex.: Grau(A) = 0 Grau(C) = 1 Grau(B) = 2 Grau(D) = 1 C B A D C B A D F E Grau(A) = 3 Grau(D) = 3 Grau(B) = 4 Grau(E) = 1 Grau(C) = 4 Grau(F) = 1

10 Conceitos Básicos – Caminho e Comprimento Um caminho de um vértice x a um vértice y em um grafo G = (V;E) é uma seqüência de vértices (v 0, v 1, v 2,..., v n ) tal que x = v 0 e y = v n, e (v i-1 ; v i ) ( E, para i = 1, 2,..., n. O comprimento de um caminho é o número de arestas percorridos no caminho. Se existir um caminho c de x a y então y é alcançável a partir de x via c. Um caminho é simples se todos os vértices do caminho são distintos.

11 Conceitos Básicos – Caminho e Comprimento C B A D 1.Caminho: (C B D) 2.Comprimento: 2 3.D é alcançável a partir de C 4.A não é alcançável a partir de nenhum vértice 1.O caminho mostrado é simples C B A D F E 1.Caminho: (A D C B) 2.Comprimento: 3 3.B é alcançável a partir de A, mas E não. 1.O caminho mostrado é simples 2.Já o caminho (A B A B) não é

12 Conceitos Básicos – Ciclos Em um grafo não direcionado: –Um caminho (v 0, v 1,..., v n ) forma um ciclo se v 0 = v n e o caminho contém pelo menos três arestas. Em um grafo direcionado: –Um caminho (v 0, v 1,..., v n ) forma um ciclo se v 0 = v n e o caminho contém pelo menos uma aresta. O ciclo é simples também se os vértices v 1, v 2,..., v n são distintos. Grafos sem ciclos são chamados acíclicos, e cíclicos, caso contrário O self-loop é um ciclo de tamanho 1. Dois caminhos (v 0, v 1,..., v n ) e (v 0, v 1,..., v n) formam o mesmo ciclo se existir um inteiro j tal que vi= v(i+j) mod n para i = 0, 1,..., n - 1

13 Conceitos Básicos – Ciclos 1.Ciclo: (B C D) 2.Os caminhos (B C D), (C D B) e (D B C) formam o mesmo ciclo C B A D F E Ciclo: (A D C B A) Self-loop: (C C) Os caminhos (A D B A), (D B A D) e (B A D B) formam o mesmo ciclo C B A D

14 Conceitos Básicos - Árvores Um grafo acíclico conectado uma árvore pode se tornar uma árvore genérica

15 Conceitos Básicos – Grafos Planares São grafos em que as arestas não se interceptam entre si, ou seja, as arestas interceptam apenas os seus vértices Grafo Não Planar: Representação Planar do Grafo:

16 Conceitos Básicos – Componentes Conectados Um grafo não direcionado é conectado se cada par de vértices está conectado por um caminho. Os componentes conectados são as porções conectadas de um grafo. Um grafo não direcionado é conectado se ele tem exatamente um componente conectado. C B A D 1.O grafo não é conectado, pois não é possível alcançar A a partir dos vértices B, C ou D 1.O grafo {C D B} é um componente conectado do grafo Inserindo-se o arco (A B), o Grafo passa a ser conectado

17 Conceitos Básicos – Componentes Fortemente Conectados Um grafo direcionado é dito fortemente conectado se cada dois vértices quaisquer são alcançáveis a partir de um outro. Os componentes fortemente conectados de um grafo direcionado são conjuntos de vértices sob a relação são mutuamente alcançáveis. Um grafo direcionado fortemente conectado tem exatamente um componente fortemente conectado. 1.{A B C D são os componentes fortemente conectados 2.{E F}não são, pois F não é alcançável a partir de E C B A D F E O que fazer para deixar o grafo fortemente conectado?

18 Conceitos Básicos – SubGrafos Um grafo G = (V;A) é um subgrafo de G = (V;A) se V V e A A Dado um conjunto V V, o subgrafo induzido por V é o grafo G = (V;A), onde A = {(u; v) A | u; v V} C B A D F E B A F E C D B A D 1: 2: 3: 4:

19 Conceitos Básicos – Grafos Isomorfos G = (V;A) e G = (V;A) são isomorfos se: –V(G)=V(G); –E(G)=E(G); G = G Ex.:

20 Conceitos Básicos – Pontos de Articulação São vértices que, se forem removidos do grafo, produzem pelo menos dois componentes conectados. Ex.:

21 Conceitos Básicos – Grafos Bi-Conectados São grafos que não possuem nenhum ponto de articulação. Exs.:

22 Conceitos Básicos – Grafos Ponderados Grafo Ponderado: grafos com pesos associados a seus arcos Ex.: C B A D E

23 Outras Definições Grafos Finitos: um grafo é finito se V(G) e E(G) são finitos Grafos com apenas um vértice são ditos triviais. Um grafo é simples se não possuir loops e arestas múltiplas. Um grafo é completo se todos os vértices são adjacentes entre si.

24 Grafos - Representações Existem muitas formas de se representar grafos, porém vamos ver 3 tipos: –Matriz de Adjacências –Lista de Adjacências

25 Matriz de Adjacências Seja G = (V, A) um grafo com N vértices, a matriz de adjacência A de G é um arranjo bidimensional NXN, com as seguintes propriedades: 1.A[i, j] = 1, se existe um arco do vértice i ao vértice j (ou incide em j, no caso de grafos direcionados) 2.A[, j] = 0, caso contrário 3.Em casos de grafos ponderados (com pesos associados às arestas), o valor a ser inserido refere-se ao peso da aresta;

26 Matriz de Adjacências - Exemplo C B A D 0100D 1011C 0101B 0110A DCBA C B A D 0000D 1010C 0001B 0100A DCBA

27 0500D 5034C 0302B 0420A DCBA 0000D 5030C 0002B 0400A DCBA C B A D C B A D

28 Matriz de Adjacências – Características 1.Vantagens: Fácil visualização para vértices adjacentes –Muito útil para algoritmos em que necessitamos saber com rapidez se existe uma aresta ligando dois vértices Fácil cálculo do grau do nó. –A soma dos números de uma linha retorna o grau do vértice, em grafos não direcionados –Em grafos direcionados A soma dos números de uma linha retorna o grau de saída A soma dos números de uma coluna retorna o grau de entrada 1.Desvantagens: Requer muito espaço de armazenamento –Deve ser mais utilizada para grafos densos

29 Lista de Adjacências Na Lista de Adjacências, as linhas da matriz são representadas por listas ligadas –Cada vértice corresponde a uma linha –Vértices que contém ligações diretas têm um nó associado na linha Um vetor V i é usado como cabeçalho para estas listas, onde i é um determinado vértice

30 Lista de Adjacências - Exemplo C B A D C B A D D C B A B C A C A B C D D C B A C A B D

31 Listas de Adjacências - Características Mais utilizada para grafos esparsos, pois também exige muito espaço para armazenamento Verificação de grau: –Não Direcionais: quantidade de nós em uma linha –Direcionais: A quantidade de nós de uma linha representa o grau de saída. Como saber o grau de entrada de cada nó? Deve-se pesquisar em todos os vértices do grafo, excluindo ele, se existe alguma referência para o nó em questão!!!

32 Implementações

33 Operações Básicas Iniciar_Grafo (Var G: Grafo): Inicializa um novo grafo GrafoVazio (G: Grafo): Verifica se o grafo está vazio InserirVertice (Var G: Grafo; x:TipoItem, Var flag: boolean): insere o novo vértice (ou nó) x dentro do grafo G Inserir_Aresta (G: Grafo; x_orig, x_dest: TipoItem; Var flag: boolean): insere uma aresta (ou arco) que sai do nó x_orig ao nó x_dest Dentre outros, por exemplo, a busca, que será vista na próxima aula.

34 Matriz de Adjacência CONST max=20; {Quantidade de vértices no grafo} TYPE TipoItem = Record Chave: long; {Mais Outras Declarações Desejadas} END; TYPE TipoVertice = RECORD Item: TipoItem; {Dado associado ao vértice} Visitado: Boolean; {Indica se o vértice já foi visitado} END; TYPE Grafo = RECORD Vertice: ARRAY[1..max] OF TipoVertice; Arestas: ARRAY[1..max, 1..max] OF Boolean; VAR G: Grafo;

35 Matriz de Adjacência – Iniciar Grafo Procedure Iniciar_Grafo (Var G: Grafo) Var i, j: integer; Begin For i :=1 to max do Begin {Denominar os vértices do grafo} G.Vertice[i].Item := ; G.Vertice[i].Visitado := false; End; For i :=1 to max do {Arestas para cada vértice do grafo} For i :=1 to max do G.Mat[i, j] := false End;

36 Matriz de Adjacência – Verificar Grafo Vazio Function Grafo_Vazio (G: Grafo): Boolean; Var i: integer; Begin Grafo_Vazio := true; i := 1; While i <=max and Grafo_Vazio do if G.Vertice[i].Item <> then Grafo_Vazio := False; End;

37 Matriz de Adjacência – Inserir Vértice Procedure Inserir_Vertice (Var G: Grafo; x: TipoItem, Var flag: boolean); Var i: integer; Begin i := 1; while (i do i := i+1; if i > n then flag := false else begin flag := true; G.Vertice[i].item := x; G.Vertice[i].visitado := false; end; End;

38 Matriz de Adjacência – Inserir Aresta Procedure Inserir_Aresta (Var G: Grafo; x_orig, x_dest: TipoItem, var flag: boolean); Var linha, coluna: integer; paux: ponteiro; achou := false; Begin {Ao entrar nesse algoritmo, deve-se garantir que existe o ponteiro de origem} linha := 1; achou := false; while (linha<=max and not achou) do {Achar a posição do item de destino} if G.Vertice[linha].item = x_dest then achou := true; coluna := 1; achou := false; while (j<=max and not achou) do {Achar a posição do item de origem} if G.Vertice[coluna].item = x_orig then achou := true; if linha>max or coluna >max then {Não achou a posição de origem ou destino} flag := false else begin {Inserir a aresta} flag := true; G.Aresta[linha, coluna] := true; end; End;

39 Lista de Adjacência CONST max=20; {Quantidade de vértices no grafo} TYPE ponteiro=^No; TYPE TipoItem = Record Chave: long; {Outras Declarações Desejadas} END; TYPE Vertices = RECORD Item: TipoItem; {Dado associado ao vértice} Visitado: Boolean; {Indica se o vértice já foi visitado} Prox: Ponteiro; {Aponta para o próximo vértice, caso haja} END; TYPE Grafo = ARRAY[1..max] OF Vertices; Var G: Grafo;

40 Lista de Adjacência – Iniciar Grafo Procedure Iniciar_Grafo (Var G: Grafo) Var i: integer; Begin For i :=1 to max do Begin G[i].Item := ; G[i].Visitado := false; G[i].Prox := nil; End;

41 Lista de Adjacência – Verificar Grafo Vazio Function Grafo_Vazio (G: Grafo): Boolean; Var i: integer; Begin Grafo_Vazio := true; i := 1; While i <=max and Grafo_Vazio do if G[i].Item <> then Grafo_Vazio := False; End;

42 Lista de Adjacência – Inserir Vértice Procedure Inserir_Vertice (Var G: Grafo; x: TipoItem, Var flag: boolean); Var i: integer; Begin i := 1; while (i do i := i+1; if i > n then flag := false else begin flag := true; G[i].item := x; G[i].visitado := false; G[i].prox := nil; end; End;

43 Lista de Adjacência – Inserir Aresta Procedure Inserir_Aresta (Var G: Grafo; x_orig, x_dest: TipoItem, var flag: boolean); Var i: integer; paux: ponteiro; achou := false; Begin {Ao entrar nesse algoritmo, deve-se garantir que existe o ponteiro de origem} i := 1; achou := false; while (i<=max and not achou) do {Achar a posição do item de destino} if G[i].item = xdest then achou := true; if i>max then {Não achou a posição de destino} flag := false else begin {Inserir a aresta} flag := true; new (paux); paux^.Item := x_orig; paux^.visitado := G[i].visitado; paux^prox := G[i].prox; G[i].prox := paux; end; End;

44 FIM


Carregar ppt "GRAFOS. Motivação Muitas aplicações em computação necessitam considerar conjunto de conexões entre pares de objetos: –Existe um caminho para ir de um."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google