A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas!

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas!"— Transcrição da apresentação:

1 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas!

2 Sabemos que o início do século XX foi sinônimo de quebra dos paradigmas da tradição e do conceito de arte como imitação do real. O resgate da memória Em O resgate da memória, Salvador Dali percorre o inconsciente e subconsciente descritos por Freud; O motociclista Mario Dal Monte, nessa figura veloz, demonstra os efeitos da rapidez e da técnica na vida do homem mecanizado, em O motociclista.

3 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! As vanguardas européias, com seus vários ismos, revolucionaram a estética com seus traços futuristas, cubistas, surrealistas, conforme se pode perceber em Os ciclistasMulher com gatoRosto de Mae West ou esboço para apartamento surrealistaOs ciclistas, de Fortunato Depero; Mulher com gato de Fernand Léger; Rosto de Mae West ou esboço para apartamento surrealista, de Salvador Dali...

4 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas!...Ou ainda com as tintas expressionistas de Edvard Munch em O grito; de Emil Nolde, em Máscaras vivas. Vários intelectuais brasileiros trouxeram para o país a inovação vanguardista européia, para atualizar as artes nacionais ao novo tempo que encantava e ao mesmo tempo amedrontava o homem. O movimento de 22 aglutinou no Teatro Municipal de São Paulo, o que Ítalo Moriconi classificou como nossa vanguarda tupiniquim.

5 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! MODERNISMO Na literatura portuguesa, brilha Fernando Pessoa, seus heterônimos em um estilo novo e polêmico: o MODERNISMO.Autopsicografia O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração. O lusitano Pessoa, nesse ícone da criação poética, discute a diferença entre ficção e realidade, o próprio conceito de criação literária e impacto no leitor.

6 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! Tarsila do Amaral com Abapuru, Os operários; Anita Malfatti, em Manteau rouge; Cândido Portinari, com Os retirantes expõe engajamento social; QUANTA VARIEDADE! Di Cavalcanti e a brasilidade de QUE BRASILIDADE! Carnaval e Roda de samba. QUANTA INOVAÇÃO!

7 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! Se são muitos os Brasis, são os nacionalistas: PRIMITIVISTAS E ANTROPOFÁGICOS! ou UFANISTAS! Aqui está a grande dúvida: Tupy or not tupy, that is the question! (Oswald de Andrade)

8 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! Antropofagia só, não. Ornitofagia também. A Antropofagia venceu. Não há restaurante que se preze que não faça figurar em seu menu a saborosa carne humana. O Matadouro da Academia de Letras está deserto. Os acadêmicos foram quase todos devorados. E, para não haver falta de comida, arranjemos um sucedâneo à carne humana Que seja, por exemplo, a ornitofagia. E a comida, que vinha pulando, virá voando. Vamos comer esse Sabiá que canta nas palmeiras... Vamos comer as pombas do pombal... Vamos comer Albatroz, Albatroz, águia do oceano... E viva a ornitofagia. Sabiá, pomba, juriti, albatroz, e tudo mais, só para comida. Para voar há o aeroplano... E para rei do oceano, chega Lindenberg, até o dia em que seja devorado também. (João do Presente) O Brasil do poema é o primitivista, o deglutidor de outras culturas, o demolidor do passado, o Brasil da modernidade. Por que cultuar os pássaros da literatura se o aeroplano pode substituí-los até o dia em que seja devorado também? Nacionalismo crítico

9 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! Sinal no céu E uma cruz misteriosa de estrelas Abriu no céu os seus braços de luz Como uma enorme profecia: Eu sou a cruz do firmamento! O cruzeiro do amor universal!(...) Sinal da cruz, descrucificador Porque signo de mais, de soma e aliança. Eu sou a cruz dialética do amor. Um abraço de estrelas a quem chega À procura de uma ilha No mapa-múndi da desesperança. Porque eu sou o caminho, ainda obscuro, Por onde, finalmente, desfilará a humanidade do futuro. (Cassiano Ricardo) O artista, neste poema, exalta a grandiosidade de uma nação que tem indicação divina da exuberância e do destino dela no mundo: aqui está a raça do futuro, a esperança. A constelação em formato de cruz, signo de sofrimento e martírio de Jesus, transforma-se, no Brasil, em índice de solidariedade, amor e integração entre os povos. NACIONALISMO UFANISTA (Verde-Amarelo / Anta)

10 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! Tendências da 1a.fase (1.922 a 1.930) DEMOLIÇÃO DO CONSERVADORISMO Corrente primitivista = Pau-Brasil e Antropofagia A língua sem arcaísmos, sem erudição. Natural e neológica... (Oswald de Andrade) Estou farto do lirismo bem-comportado... (Manuel Bandeira) No jornal anda todo o presente. (Oswald de Andrade) Só me interessa o que não é meu...Contra os importadores da consciência enlatada. (Oswald de Andrade) Minha terra tem macieiras da Califórnia onde cantam gaturamos de Veneza. (...) (Nossas flores são mais bonitas nossas frutas mais gostosas mas custam cem mil réis a dúzia. (...) Ai quem me dera chupar uma carambola de verdade e ouvir um sabiá com certidão de idade! (Murilo Mendes) M. Mendes exalta o Brasil, intertextualiza com Gonçalves Dias, mas possui postura crítica quanto ao retrato de seu país: Observe os três últimos versos da 1a.estrofe e o dístico final do poema. Há, então, na devoração antropófaga, uma seleção como nos processos da intertextualidade. (Leyla Perrone-Moisés – analista literária)

11 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! Corrente nacionalista = Verde-Amarelo e Anta...transformar numa prodigiosa força a bondade do brasileiro e o seu sentimento de humanidade. (Manifesto do Verde-Amarelismo) (O céu negro quebrou a lua atrás do morro.) 'Druma ioiozinho que a cuca já i vem; papai foi na roça mamãi foi tamém.' (Cassiano Ricardo) Itapira é sempre aquela moça jovial e faceira que se veste à maneira de princesa, trescalando a cravo, alvejando nas rendas de nuvens brancas dum céu azul, azul como devera ter sido o olhar de Eva, se é que nossa primeira mãe foi loura... (Menotti Del Picchia, em poema feito para a cidade de Itapira - SP) O que move o poeta ufanista são os motivos brasileiros, folclóricos, com conotação anti-européia e idealização da terra natal. Veja, no último texto como Menotti del Picchia exalta uma terra sem defeitos ou problemas. Atente para os tons nacionalistas com que ele pinta a cidade de Itapira.

12 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! Corrente universalista / espiritualista Reaproveitamento da escola simbolista, com a ênfase na sugestão e na musicalidade poética. Os temas são abrangentes, isto é, universais. Autores desse grupo rejeitam o que classificam como balbúrdia e primitivismo(...) buscam a realidade integral(humana e transcendente), e a demonstração de que a poesia brasileira é uma realidade viva no mundo. Herança Herança Eu vim de infinitos caminhos, e os meus sonhos choveram lúcido pranto pelo chão. Quando é que frutifica, nos caminhos infinitos, essa vida, que era tão viva, tão fecunda, porque vinha de um coração? E os que vierem depois, pelos caminhos infinitos, do pranto que caiu dos meus olhos passados, que experiência, ou consolo, ou prêmio alcançarão? (Cecília Meireles) Uma atmosfera de irrealidade e sentimentalismo representada pelas palavras, infinitos, sonhos, é bem ao gosto pelo mistério dos simbolistas do século XIX, C. Meireles, entretanto, escreve o poema no que se pode classificar como prosa poética, o que é uma inovação.

13 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! Tudo quanto se pôde observar até aqui conduz-nos à certeza de que a diversidade artística dos modernistas de primeira hora desaguava no Brasil, com seus contrastes e qualidades. O contraste não era apenas do Brasil, mas também dos integrantes do movimento mais revolucionário que o país já experimentara. Depois do impacto provocado pelo evento, os intelectuais que o tinham promovido começam a se reorganizar em grupos com visões políticas e sociais contrastantes e, até mesmo, contrárias. E vivemos uns oito anos, até perto de 1930, na maior orgia intelectual que a história artística do país registra. Ver com olhos livres pressupõe uma abertura para assumir tudo o que somos, como se fôssemos uma criança que estivesse vendo o país pela primeira vez.

14 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! E a ficção na primeira fase? Está com Mário de Andrade e o nosso herói sem nenhum caráter, que sempre repete: - Ai! que preguiça!... Depois de perder o amuleto(muiraquitã), o herói perde seu reino na floresta para o vilão Venceslau Pietro Pietra, o colonizador.... o passarinho uirapuru pousou no joelho dele. Macunaíma fez um gesto de caceteação e enxotou o passarinho uirapuru. Nem bem minuto passado escutou de novo a bulha e o passarinho pousou na barriga dele. (...) Então o passarinho uirapuru agarrou cantando com doçura e o herói entendeu tudo o que ele cantava. E era que Macunaíma estava desinfeliz porque perdera a muiraquitã na praia do rio quando subia no bacupari.(...)...o mariscador que apanhara a tartaruga tinha vendido a pedra verde pra um regatão peruano se chamando Venceslau Pietro Pietra. O dono do talismã enriquecera e parava fazendeiro e baludo lá em São Paulo, a cidade macota lambida pelo igarapé Tietê... Mário de Andrade aproveita, e bem, o vocabulário indígena, as lendas brasileiras, a poesia da cultura brasileira, a fauna do Brasil, a fala coloquial do país. A tribo se acabara, a família virara sombras, a maloca ruíra minada pelas saúvas e Macunaíma subira pro céu, porém ficara o aruaí daqueles tempos em que o herói fora o grande Macunaíma imperador. E só o papagaio no silêncio do Uraricoera preservava do esquecimento os casos e a fala desaparecida. Tudo ele contou pro homem e depois abriu asa rumo de Lisboa.

15 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! 2a. fase: (1.930 A 1.945) – CONSTRUÇÃO IDEOLÓGICA... E o clamor ia engrossando Num retumbar formidando Pelas cidades além... -Que foi? as gentes falavam, E eles pálidos bradavam: - São os do Norte que vêm! (Manuel Bandeira) A segunda fase do Modernismo é marcada pela visão neo-naturalista, que tinha olhos para a influência do ambiente no comportamento do brasileiro de Graciliano Ramos e de Érico Veríssimo. Bibiana olhou para ele furtivamente. E no rápido instante em que seus olhos se encontraram Rodrigo viu, sentiu que a moça o amava. Essa potranquinha está laçada – concluiu. – Já botei nela a minha marca. Meteu na boca um naco de carne gorda, triturou-o nos dentes fortes e pensou ainda: Minha marca não sai mais. Nunca mais. (Um certo capitão Rodrigo)

16 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! 3a. fase: (1.945 a 1.958) – REFINAMENTO ESTÉTICO Catar feijão se limita com escrever: joga-se os grãos na água do alguidar e as palavras na folha de papel; e depois, joga-se fora o que boiar. Certo, toda palavra boiará no papel, Água congelada, por chumbo seu verbo... Certo não, quando ao catar palavras: A pedra dá à frase seu grão mais vivo... João Cabral de Melo Neto dessacraliza o fazer poético ao equiparar o ato de catar feijão ao de escrever: aquilo que é aproveitado no alguidar (os grãos) pode não ser o que será de valor para o verso (a pedra). Guimarães Rosa e Clarice Lispector encantam o mundo com o regionalismo, ponte para a universalidade, e o mergulho no mundo feminino da ficção, repectivamente. O que mais penso, testo e explico: todo-o-mundo é louco. O senhor, eu, nós, as pessoas todas. Por isso é que se carece principalmente de religião: para se desindoideceer, desdoidar... (Grande sertão: veredas)

17 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! 3a. fase: (1.945 a 1.958) – REFINAMENTO ESTÉTICO Quanto tempo? Eu ia diariamente à sua casa, sem faltar um dia sequer. E eu, que não era dada a olheiras, sentia as olheiras se cavando sob os meus olhos espantados. Até que um dia, quando eu estava à porta de sua casa, ouvindo humilde e silenciosa a sua recusa, apareceu sua mãe. Ela devia estar estranhando a aparição muda e diária daquela menina à porta de sua casa. Pediu explicações a nós duas. Voltou-se para a filha e com enorme surpresa exclamou: mas este livro nunca saiu daqui de casa e você nem quis ler! Peguei o livro. Saí andando bem devagar. Sei que segurava o livro grosso com as duas mãos, comprimindo-o contra o peito. Meu peito estava quente, meu coração pensativo. Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, Horas depois abri-o, li algumas linhas maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela casa... Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante. O narrador em 1a.pessoa consegue contar liricamente o fascínio da protagonista pela literatura. O livro é tão sedutor que a menina tem com ele ligação física, a ponto de considerá-lo seu amante.

18 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS (1.958 em diante) Era um homem bem vestido Foi beber no botequim Bebeu muito, bebeu tanto Que saiu de lá assim. As casas passavam em volta Numa procissão sem fim As coisas todas rodando CONCRETISMOCONCRETISMO Poeminhas Cinéticos Millôr Fernandes

19 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS (1.958 em diante) Poema brasileiro No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem antes de completar 8 anos de idade antes de completar 8 anos de idade antes de completar 8 anos de idade antes de completar 8 anos de idade antes de completar 8 anos de idade (Ferreira Gullar) POESIA PRÁXIS (ENGAJADA)

20 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS (1.958 em diante) Nas décadas de 60/ 70 em diante, a literatura brasileira foi produzida sob o impacto de acontecimentos políticos difíceis, sob o (des) encantamento com a globalização. Os artistas, poetas e ficcionistas, olharam novamente para o país com cuidado e interesse. O que havia restado do movimento de 1922? Como estava o primeiro habitante da terra, na 2a. metade do século XX? Como o militarismo interferiu no cotidiano do país? Darcy Ribeiro, brilhantemente, abordou todos esses temas quando escreveu MAÍRA, em 1.976, uma tentativa de não deixar-se perder a origem do indígena brasileiro, uma narrativa corajosa de denunciar a exploração religiosa e estrangeira no país: A tribo mairum, depois de ver a morte de seu chefe maior, o tuxaua Anacã, vê-se sem comandante. Isaías, o sucessor natural, estava em Roma prestes a se tornar sacerdote. A narrativa segue com descrições do provável chefe novo sobre a terra de sua época de criança e a que ele via depois de anos afastado do Brasil e do convívio com os seus. Quem era ele? Em que ele se transformara? Como conciliar a visão de mundo indígena com a católica? Darcy Ribeiro é, ao mesmo tempo, narrador e autor: deixa que o homem Darcy fale junto com o que resgata a história do índio brasileiro. Cada povo, a senhora sabe, cada povo pensa dentro do quadro de seu idioma... No fim da tarde, à luz da roda vermelha do Sol crescida no horizonte, Remui, o aroe, vem sepultar o tuxaua Anacã. Todos estão aqui, mas só os homens da família oposta e complementar às onças, só os carcarás, se ocupam de levantar o cadáver e pousá-lo no fundo da cova. História serve para contar, para não esquecer, para não acabar. Eu mesmo ainda tenho muitas que contar, para não esquecer, para não acabar. os padres da Missão discutem a validade de catequizarem os índios e, finalmente, Jaguar é feito o novo tuxaua. Meu Deus Filho: Maíra-Coraci, Sol luminoso./ Micura, Teu irmão fétido: gambá sarigüê/ Mosaingar, homem-mulher, ventre de Deus/ Deus Pai, Deus Filho, Arcanjo Decaído/ Maria Santíssima, Açucena do Senhor/ Maíra-Manon, Maíra-Coraci, Micura/ Mosaingar parida dos gêmeos de Deus/ Meu Deus de tantas caras, eu que creio como descreio, peço a cada um e a todos: rezo e peço humildemente.

21 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS (1.958 em diante) No fim da tarde, à luz da roda vermelha do Sol crescida no horizonte, Remui, o aroe, vem sepultar o tuxaua Anacã. Todos estão aqui, mas só os homens da família oposta e complementar às onças, só os carcarás, se ocupam de levantar o cadáver e pousá-lo no fundo da cova. - A cena faz parte da descrição dos rituais indígenas e serve para explicar a organização da tribo, dividida entre o grupo dos felinos e o das aves. Cada povo, a senhora sabe, cada povo pensa dentro do quadro de seu idioma... – reflete Isaías, antes batizado como Avá, com a norte-americana que queria que ele traduzisse para o idioma mairum a Bíblia.. História serve para contar, para não esquecer, para não acabar. Eu mesmo ainda tenho muitas que contar, para não esquecer, para não acabar. - O narrador-autor se intromete na trama e declara seus objetivos ao criar o mundo mairum. os padres da Missão discutem a validade de catequizarem os índios e, finalmente, Jaguar é feito o novo tuxaua. - Um narrador em 3a.pessoa do discurso denuncia como a catequese é nociva. Meu Deus Filho: Maíra-Coraci, Sol luminoso./ Micura, Teu irmão fétido: gambá sarigüê/ Mosaingar, homem-mulher, ventre de Deus/ Deus Pai, Deus Filho, Arcanjo Decaído/ Maria Santíssima, Açucena do Senhor/ Maíra-Manon, Maíra- Coraci, Micura/ Mosaingar parida dos gêmeos de Deus/ Meu Deus de tantas caras, eu que creio como descreio, peço a cada um e a todos: rezo e peço humildemente. Em uma das cenas mais tocantes, o índio aculturado, Avá/ Isaías confunde os valores e crenças pois já não acredita nos seus iguais, mas não se tornara um branco católico: A angústia o consome.

22 Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas! 1a.fase1a.fase Mário de Andrade Oswald de Andrade Cassiano Ricardo Menotti del Picchia Raul Bopp Cecília Meireles Murilo Mendes Augusto Frederico Schimidt 2a.fase2a.fase Manuel Bandeira Jorge de Lima Carlos Drummond de Andrade Vinícius de Morais Mário Quintana 3a.fase3a.fase João Cabral de Melo Neto Lêdo Ivo Thiago de Melo Carlos Drummond de Andrade Ferreira Gullar Manuel Bandeira ContemporaneidadeContemporaneidade Décio Pignatari Haroldo e Augusto de Campos Caetano Veloso Wally Salomão Chacal Paulo Leminski José Paulo Paes Cacaso


Carregar ppt "Abaixo os puristas! Literatura – Aula 2 Abaixo os puristas!"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google