A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Formação Estelar Tauã I. de Lucena Rasia. Meio Interestelar Rico em gás, poeira e outros materiais, sendo um local prolífico para o nascimento de novas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Formação Estelar Tauã I. de Lucena Rasia. Meio Interestelar Rico em gás, poeira e outros materiais, sendo um local prolífico para o nascimento de novas."— Transcrição da apresentação:

1 Formação Estelar Tauã I. de Lucena Rasia

2 Meio Interestelar Rico em gás, poeira e outros materiais, sendo um local prolífico para o nascimento de novas estrelas. Temperatura varia conforme a proximidade de uma estrela ou qualquer tipo de fonte de radiação. A média é de ~ 100 K (-173°C). A densidade é extremamente baixa: em média 10 6 átomos por m 3, apenas 1 átomo por cm 3.

3 Meio Interestelar Nebulosa Escura BARNARD 33 (Cabeça de Cavalo) e NGC 2023 (Nebulosa de Órion)

4 Nuvens Moleculares Gigantes A quantidade de gás do meio interestelar diminui continuamente com o tempo pois novas gerações de estrelas se formam a partir do colapso de nuvens moleculares gigantes. É em núcleos de elevada densidade (os "grumos") nestes complexos que se encontram as jovens estrelas em formação, rodeadas de enormes casulos de gás e poeiras que obscurecem por completo a estrela nascente

5 Nuvens Moleculares Gigantes Nuvens Moleculares Sol Raioaprox cmaprox cm Densidade média10 4 / cm³10 24 / cm³ Temperatura média aprox. 10 – 30 K10 7 K Mnuvem > 1Msol Fonte:

6 Nuvens Moleculares Gigantes Foto em cor falsa obtida no telescópio de 3,5m do European Southern Observatory da nuvem molecular Barnard 68 Foto óptica do telescópio de 8,2m

7 Contração e Colapso Gravitacional Aumenta a densidade, enquanto gera colisões e atrito elevando, assim, a temperatura Glóbulos de Bok absorvendo luz no centro da nebulosa de emissão e região de formação estelar NGC 281 | > 0,1 al |

8 Fragmentação - Se o colapso for adiabático a fragmentação não ocorre. - A fragmentação só ocorre se o colapso for aproximadamente isotérmico, isto é, se a nuvem irradiar a energia gravitacional do colapso.

9 Disco Proto-estelar O processo de contração acaba gerando gravidade e atraindo mais matéria num processo irreversível. Deste processo surge também movimento de rotação. A partir daí surge uma forma achatada: Disco Proto-estelar.

10 Disco Proto-estelar

11 Reações Nucleares Quando T ~ °C gera reações nucleares (radiação). A radiação faz com que a contração pare. A proto-estrela torna-se uma estrela da seqüência principal.

12 Fonte: Estrelas com grande massa são mais raras. Estas consomem maior quantidade de átomos nas fusões, portanto duram menos tempo.

13 Alpha piscis austrinus (Fomalhaut): estrela jovem com disco proto-planetário Objeto 51 da Constelação de Ofiuco.

14

15 Fonte:

16 Evolução de uma pré-estrela do tipo solar EstágioTempo aproximado até o próximo estágio (anos) T central (K)T superficial (K) Densidade central (partículas/m 3 ) Diâmetro* (km) Tipo de objeto 12 x Nuvem interestelar 23 x Nuvem , Nuvem/Proto-estrela ,000, Proto-estrela Proto-estrela 63 × ,000, ×10 6 Estrela ,5 × 10 6 Estrela na seqüência principal *diâmetro do Sol=1,4 ×10 6 km, sistema solar=1,5 ×10 10 km. Fonte:


Carregar ppt "Formação Estelar Tauã I. de Lucena Rasia. Meio Interestelar Rico em gás, poeira e outros materiais, sendo um local prolífico para o nascimento de novas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google