A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

André P. Gerber, Daniel Herschlag, Patrick O. Brown. PLos Biology Março 2004 vol2 (3) 342-354 Extensive Association of Functionally and Cytotopically Related.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "André P. Gerber, Daniel Herschlag, Patrick O. Brown. PLos Biology Março 2004 vol2 (3) 342-354 Extensive Association of Functionally and Cytotopically Related."— Transcrição da apresentação:

1 André P. Gerber, Daniel Herschlag, Patrick O. Brown. PLos Biology Março 2004 vol2 (3) Extensive Association of Functionally and Cytotopically Related mRNAs with Puf Family RNA-Binding Proteins in Yeast

2 Dinâmica celular : síntese e localização das macromoléculas síntese e localização das macromoléculas Fatores de transcrição : regulam o início da transcrição ao se ligar a seqüências de DNA próximas aos genes que serão regulados regulam o início da transcrição ao se ligar a seqüências de DNA próximas aos genes que serão regulados E a regulação Pós-transcricional?

3 Quem são as proteinas Puf? Estrutura do mRNA Estrutura do mRNA os mRNA são controlados por elementos regulatórios associados às suas regiões 5 UTR e 3 UTR. os mRNA são controlados por elementos regulatórios associados às suas regiões 5 UTR e 3 UTR. Proteínas ligadoras de RNA (RBP) podem identificar sequencias específicas no mRNA. Proteínas ligadoras de RNA (RBP) podem identificar sequencias específicas no mRNA. As proteínas Puf pertecem ao grupo de proteínas ligadoras de mRNA. As proteínas Puf pertecem ao grupo de proteínas ligadoras de mRNA.

4 Proteínas Puf Histórico: Histórico: Pumilio Drosophila melanogaster Pumilio Drosophila melanogaster FBF Caernorhabiditis elegans FBF Caernorhabiditis elegans Ligação ao mRNA: Ligação ao mRNA: As pPuf ou Pum- HD se ligam ao mRNA através de um domínio clássico de ligação ao RNA (RBP) e por repetições do domínio Puf (Pumilio- fem3- binding- Factor). As pPuf ou Pum- HD se ligam ao mRNA através de um domínio clássico de ligação ao RNA (RBP) e por repetições do domínio Puf (Pumilio- fem3- binding- Factor).

5 Estrutura da molécula pPuf: Estrutura da molécula pPuf: domínio RBP (RNA binding protein). domínio RBP (RNA binding protein). domínio Puf ou Pum-HD: domínio Puf ou Pum-HD: 8 repetições Puf (3 α-hélices) 8 repetições Puf (3 α-hélices) molécula curvada molécula curvada toda molécula interage com mRNa toda molécula interage com mRNa mólecula bastante conservada em eucariotos mólecula bastante conservada em eucariotos múltiplas famílias em uma mesma espécie múltiplas famílias em uma mesma espécie

6 Estrutura de um domínio Puf ou Pum-HD

7 pPuf em leveduras Saccharomyces cerevisae: muitas proteínas Puf citoplasmáticas. muitas proteínas Puf citoplasmáticas. 5 famílias pPUF: pPuf1 a pPuf5. 5 famílias pPUF: pPuf1 a pPuf5. implicação nos processos de regulação pós- transcricional de expressão de diversos genes. implicação nos processos de regulação pós- transcricional de expressão de diversos genes. a pPuf atua nas regiões não traduzidas (UTR) do mRNA 5 e 3. a pPuf atua nas regiões não traduzidas (UTR) do mRNA 5 e 3.

8 Domínios estruturais das pPuf de levedura

9 Objetivo: Identificar os específicos mRNA que interagem com as pPuf do S. cerevisae e as características destas interações. Identificar os específicos mRNA que interagem com as pPuf do S. cerevisae e as características destas interações.Experimentos: Isolar os mRNA ligados às pPUf específicas, pelo método TAP-Tag. Isolar os mRNA ligados às pPUf específicas, pelo método TAP-Tag. DNA microarrays das sequencias purificadas. DNA microarrays das sequencias purificadas. Analisar a interação mRNA-protéina PuF utilizando o sistema de TRI-Hibrido. Analisar a interação mRNA-protéina PuF utilizando o sistema de TRI-Hibrido.

10 Método TAP-Tag (Tandem affinity purification)

11 Método TAP-tag acoplado ao DNA microarray

12 Definindo mRNA-alvos das pPuf

13 Alterações nos genes PUFs Alterações nos genes PUFs Saccharomyces cerevisiae PUF4 e PUF5: diminuição da longevidade PUF4 e PUF5: diminuição da longevidade PUF1: supressor de mutação em microtúbulos PUF1: supressor de mutação em microtúbulos PUF2 null: aumento de resistência a cicloheximida e paramomicina PUF2 null: aumento de resistência a cicloheximida e paramomicina Todos PUFs ausentes= células viáveis Todos PUFs ausentes= células viáveis

14 pPuf1 e pPuf2 18 % dos genes codificam proteínas associadas à membrana em S. cerevisae. 18 % dos genes codificam proteínas associadas à membrana em S. cerevisae. A maior parte dos pPuf 1 e 2 associam- se a mRNAs para proteínas associadas à membrana. A maior parte dos pPuf 1 e 2 associam- se a mRNAs para proteínas associadas à membrana. Proteínas associadas à membrana: funções de transporte transmembrana e transporte vesicular de proteínas. Proteínas associadas à membrana: funções de transporte transmembrana e transporte vesicular de proteínas.

15 pPuf3 Está associado à produtos gênicos mitocondrias. Está associado à produtos gênicos mitocondrias. 80% biossíntese de proteínas que apresenta função estruturais em ribossomos. 80% biossíntese de proteínas que apresenta função estruturais em ribossomos. Entre as 22 pPuf associadas a mRNAs transcritos de mitocondrias ; 17 estão envolvidos na respiração e 12 na translocação mitocondrial. Entre as 22 pPuf associadas a mRNAs transcritos de mitocondrias ; 17 estão envolvidos na respiração e 12 na translocação mitocondrial.

16 pPuf4 Associa-se ao mRNA envolvidos na síntese, processamento e maturação dos ribossomos. Associa-se ao mRNA envolvidos na síntese, processamento e maturação dos ribossomos. pPuf5 Liga-se a frações de mRNA que codificam proteínas que participam da modificação covalente de histonas. Liga-se a frações de mRNA que codificam proteínas que participam da modificação covalente de histonas. Liga-se a frações que codificam proteínas envolvidas na regulação da mitose. Liga-se a frações que codificam proteínas envolvidas na regulação da mitose.

17 Descrição das interações das pPuf com os mRNAs de levedura

18 Localização das pPuf nas células de levedura

19 Motivos consenso detectados na 3UTR do mRNA pelas pPuf

20 Número de motivos consenso encontrados no genoma e em pPuf-alvos

21 Sistema TRI-híbrido para análise de força de interação

22 Motivos comuns detectados na 3UTR do mRNA pelas pPuf

23 Conclusões A ligação das RBPs (pPuf) a mRNA permite maior flexibilidade regulatória que o operon. A ligação das RBPs (pPuf) a mRNA permite maior flexibilidade regulatória que o operon. As RBPs demonstraram a possibilidade de se regular especificamente a localização, tradução, estabilidade e a sobrevivência do mRNA. As RBPs demonstraram a possibilidade de se regular especificamente a localização, tradução, estabilidade e a sobrevivência do mRNA. Muitos dos mRNAs que se ligam a RBPs codificam proteínas que são ativas em locais celulares específicos, que formam complexos e participam de vias celulares. Muitos dos mRNAs que se ligam a RBPs codificam proteínas que são ativas em locais celulares específicos, que formam complexos e participam de vias celulares.

24


Carregar ppt "André P. Gerber, Daniel Herschlag, Patrick O. Brown. PLos Biology Março 2004 vol2 (3) 342-354 Extensive Association of Functionally and Cytotopically Related."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google