A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Televisão: Modelos, história e casos de deturpação da verdade (Júlio Bernardes, João Brant e Rodrigo Ratier) Rodrigo Ratier Curso de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Televisão: Modelos, história e casos de deturpação da verdade (Júlio Bernardes, João Brant e Rodrigo Ratier) Rodrigo Ratier Curso de."— Transcrição da apresentação:

1 Televisão: Modelos, história e casos de deturpação da verdade (Júlio Bernardes, João Brant e Rodrigo Ratier) Rodrigo Ratier Curso de Difusão Cultural

2 Modelos de Televisão I – MODELO CONCORRENCIAL CONCEITO: Várias emissoras particulares disputam a audiência FINANCIAMENTO: Publicidade ONDE VIGORA: Estados Unidos, BRASIL VANTAGENS: -Virtual ausência de monopólio -Liberdade de escolha do público -Sem interferência governamental DESVANTAGENS: -Ditadura da audiência e má qualidade dos programas -Espaço reduzido para a comunicação democrática -No Brasil, favorecimento político nas concessões de canais

3 Modelos de Televisão II – MODELO ESTATAL CONCEITO: Emissoras estatais são autorizadas a operar FINANCIAMENTO: Governo ONDE VIGORA: Alemanha, França, Itália, Europa Oriental VANTAGENS: -Não há pressão por audiência -Governo pode exigir programas de qualidade DESVANTAGENS: -Interferência do governo (fim da objetividade) -Programas desinteressantes, desconectados da realidade EXEMPLO NO BRASIL: TV Cultura

4 Modelos de Televisão III – MODELO PÚBLICO CONCEITO: Emisoras públicas são autorizadas a operar FINANCIAMENTO: Sociedade (mensalidades, taxas) ONDE VIGORA: Inglaterra (BBC) VANTAGENS: -Não há pressão por audiência -Gestão democrática (Conselho representantes sociedade) -Sociedade opina mais sobre rumos da programação DESVANTAGENS: -É preciso pagar para assistir TV

5 3 aspectos sobre a mídia brasileira 1.TVs são concessões públicas 2.Prevalece a mídia comercial 3.Há concentração de propriedade, portanto concentração de poder

6 Uma ciranda midiática Se a mídia é um negócio, o objetivo é o lucro Se o objetivo é o lucro, e recebe-se o sinal da TV de graça, então é preciso buscar anunciantes Se os anunciantes condicionam o anúncio ao número de espectadores, então é preciso buscar audiência a todo custo. Portanto, a TV vende o seu público aos anunciantes

7 A ditadura da audiência Ter a audiência como único parâmetro NÃO é um pressuposto, mas sim uma conseqüência de um modelo comercial e desregulamentado. NÃO deveria ser objetivo ter 100% das pessoas vendo televisão o tempo todo. Mas se a TV atrai é também porque a rua expulsa. Quem disse que é isso que o povo quer ver?

8 História da Televisão no Brasil TV TUPI Inauguração: 18/09/1950 Fundador: Assis Chateaubriand Primeira emissora de TV no Brasil - Transmissões em preto-e-branco - Programas ao vivo - Emissoras locais 1952: Surge a TV Paulista

9 Flagrantes da Inauguração Mas onde está o povo?

10 Eis o povo! Número de televisores no Brasil

11 História da Televisão no Brasil TV RECORD Inauguração: 27/09/1953 Fundador: Paulo Machado de Carvalho Auge de audiência na década de 60 Base da programação: Humor, musicais, programas de auditório Desorganização administrativa: Guerra de contratações, atraso de salários, dívidas

12 História da Televisão no Brasil TV GLOBO Inauguração: 26/04/1965 Fundador: Roberto Marinho 1962 – Acordo com grupo Time-Life (EUA) Compra de equipamentos e assistência técnica Código Brasileiro de Comunicações (1962) Na época, era proibida participação de estrangeiros em veículos de comunicação no Brasil

13 Tudo a ver – Golpe militar de 31 de março Dominío político pela integração nacional Censura 1965 – Criação da Embratel Redes nacionais de telefonia e televisão 1966 – CPI do Time-Life 1967 – Decreto-lei 236 Limitação da propriedade de emissoras a 5 canais, somente para pessoas físicas Jornal Nacional Primeiro noticíario em Rede para todo o país (1969)

14 Quem se lembra? TV Excelsior Inauguração: 09/07/1960 Fundador: Mario W. Simonsen 1960/ Programação nacionalista Shows, musicais, teleteatros Grade de programação fixa Telenovela diária, vídeo-tape, tentativa de formação de rede 1964/ Problemas políticos com governo militar Dificuldades financeiras Mudança de proprietário (Otávio Frias de Oliveira - Folha) 1970 – Concessão cassada pelo governo

15 Alguém viu? TV Bandeirantes Inauguração: 13/05/1967 Fundador: João Saad 1969 – Instalações arrasadas por incêndio, Fato comum na televisão nos anos 60 Anos 70 - Apesar da formação de rede, forte traço paulista Jornalismo, esportes e filmes

16 Televisão no Brasil nos Anos 70 Domínio da Rede Globo Audiência, verbas publicitárias, padrão de qualidade 31/3/1972 – Implantação da TV a cores Sistema PAL-M, altos custos dos equipamentos 1980 – Falência e cassação da Rede Tupi Concorrência para novos canais O Bem-Amado Primeira novela a cores (1973)

17 Silvio Santos vem aí...

18 A semana do presidente Sistema Brasileiro de Televisão Inauguração: 18/08/1981 Fundador: Silvio Santos Programa na TV Paulista Suporte ao Baú da Felicidade TV Paulista adquirida pela TV Globo Silvio desenvolve estrutura de produção independente Compra de 50% da TV Record Concessão do canal 11 (TVS Rio), saída da TV Globo Concessão de canais do SBT Elemento mais confiável a militares que Abril e Jornal do Brasil

19 TV Manchete Inauguração: 05/06/1983 Fundador: Adolpho Bloch concessão para Bloch, editor de revistas, confiável ao governo 1983/ Grandes investimentos, pesadas dívidas Novela Pantanal abala hegemonia da Globo Venda para Hamilton Lucas de Oliveira, dono da IBF Suspeitas de envolvimento com esquema Collor-PC e Orestes Quércia Retomada da emissora pelo grupo Bloch Venda para Estevam Hernandez ( Igreja Renascer), anulada Venda para Amilcare Dallevo Junior Empresário do setor de telemarketing (Disque 900) Dívidas trabalhistas da Manchete não pagas Aconteceu, virou Manchete

20 TV no Brasil nos anos 80 e Silvio Santos vende a Record por US$ 45 milhões para Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus Record recupera audiência com programação popular e clonagem da Globo Deputado José Carlos Martinez lança a Rede OM em Curitiba Apoio financeiro do esquema Collor-PC Em 1993, muda de nome para Central Nacional de Televisão (CNT) 1999 – Rede TV! entra no ar

21 Crise na televisão!

22 Razões da Crise / Altos investimentos em dólar Equipamentos, estúdios, direitos de transmissão, tv por assinatura, internet Desvalorização do Real Aumento das dívidas, principalmente em dólar - Baixo crescimento da TV por assinatura Projetada para 6 milhões de assinantes (NET), atende 3 milhões Grupos de mídia devem RS 10 bilhões Dívida da Globopar chega a R$ 5,6 bilhões

23 O que fazer? Mudanças na legislação Emenda constitucional permite capital estrangeiro e pessoas jurídicas em empresas de comunicação, até o limite de 30% Mudança cria chance para negociar emissoras 2003/2004 – Empréstimo do BNDES Pedido das empresas: R$ 5 bilhões Proposta do Banco: R$ 4 bilhões R$ 2 bi para dívidas (500 milhões por empresa) R$ 1,2 bi para investimentos

24 Mas eles também querem... A chegada ao Brasil do modelo de televisão digital fez os presidentes da Record, SBT e Rede TV! se posicionarem a favor dos empréstimos para a compra de equipamentos visando a modernização do setor (Folha Universal, 11/04/2004)...para fazer TV Digital - Aumento do número de canais - Mais interatividade do público - Investimento caro - Compra de equipamentos de transmissão - Adaptadores para televisores comuns

25 A crise é geral...

26 Outras fontes de recursos... A Rede Record está conseguindo se manter, vendendo espaços para sua Igreja Universal e cobrindo os prejuízos operacionais. O SBT está conseguindo se manter vendendo espaços para a Tele Sena e para o Baú da Felicidade (Silvio Santos, carta publicada em Contigo, 22/04/2004) Dívidas das principais Empresas de comunicação Globo(Net) - R$ 5,1 bilhões Abril(TVA) - R$ 926 milhões Band (IG) – R$ 300 milhões SBT - R$ 113 milhões Rede TV! - R$ 90 milhões Record – NÃO DIVULGA

27 Deturpação da informação Muito Além do Cidadão Kane Produzido pelo Channel Four (Inglaterra) em 1992 Proibido no Brasil, recolhido das locadoras História secreta da TV Globo e Roberto Marinho CASOS DE DETURPAÇÃO I - Greve dos metalúrgicos no ABC (1980) II - Eleições para o governo do Rio (1982) III - Campanha das Diretas-Já (1984) IV - Debate entre Collor e Lula (1989)


Carregar ppt "Televisão: Modelos, história e casos de deturpação da verdade (Júlio Bernardes, João Brant e Rodrigo Ratier) Rodrigo Ratier Curso de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google