A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso de Fundamentos de Reologia Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de MateriaisIntrodução João Batista Rodrigues Neto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso de Fundamentos de Reologia Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de MateriaisIntrodução João Batista Rodrigues Neto."— Transcrição da apresentação:

1 Curso de Fundamentos de Reologia Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de MateriaisIntrodução João Batista Rodrigues Neto

2 Ementa: Conceitos fundamentais da reologia e definição dos parâmetros reológicos. Sólidos de Hooke e fluídos de Newton: comportamento ideal da matéria. Sólidos e fluidos reais: modelos reológicos. Reologia das suspensões de partículas sólidas. Propriedades das dispersões coloidais. Comportamento reológico das suspensões coloidais. Propriedades mecânicas dos materiais de engenharia sob o ponto de vista da reologia. Comportamento reológico dos polímeros. Viscosimetria e reometria.

3 Objetivos: Esclarecer a importância científico-tecnológica da reologia dentro da área do conhecimento da ciência e engenharia de materiais e correlacionar seus conceitos com as propriedades de escoamento da matéria durante os processos de conformação dos materiais de engenharia e com o comportamento mecânico destes materiais. Proporcionar ao público alvo a oportunidade de adquirir e aplicar os conceitos referentes a reologia que auxiliarão no entendimento de diversos fenômenos ligados ao contexto fabril dos processos de transformação dos materiais. Descrever os equipamentos e procedimentos de medida para determinação dos parâmetros reológicos dos fluidos.

4 Bibliografia: - MORENO, R. Reología de suspensiones cerâmicas. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas. Madrid, DINGER, D.R. Rheology for ceramists. Clemson, SC: D.R. Dinger Publishing, MACOSKO, C.W. Rheology: Principles, Measurements, and Applications.New York: Wiley-VCH, OLIVEIRA, I.R.; STUDART, A.; PILEGGI, R.G.; PANDOLFELLI, V.C. Dispersão e empacotamento de partículas: Princípios e aplicações em processamento cerâmico. São Paulo: Fazendo Arte Editorial, REED, J. Principles of Ceramics Processing, 2nd ed. New York: Wiley, 1995.

5 Sumário: Conceitos básicos Evolução histórica Definições Variáveis que afetam a viscosidade - Pressão - Temperatura - Taxa de deformação Comportamento de fluxo Modelos lineares Modelos Não lineares O ponto de fluxo – Tensão de Escoamento Comportamento dependente do tempo INTRODUÇÃO

6 CONCEITOS REOLOGIA CIÊNCIA DO FLUXO. DEFORMAÇÃO DE UM CORPO SUBMETIDO A ESFORÇOS EXTERNOS. REOMETRIA CONSISTE NA DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO DE FLUXO

7 Prof. Bingham, Am. Soc. Rheology, IUPAC Estudo do fluxo e deformação da matéria sob a influência de um esforço mecânico Estudo do fluxo e deformação da matéria sob a influência de um esforço mecânico. Se refere, especialmente, ao comportamento da matéria que não pode ser descrito pelos modelos lineares simples da hidrodinâmica e elasticidade. Alguns desses desvios de comportamento são devidos à presença de partículas coloidais no fluido e consequente influência de suas propriedades de superfície. CONCEITOS REOLOGIA (tudo flui)

8 A Reologia é uma ciência que exerce influência fundamental na determinação dos critérios de controle dos processos das indústrias das várias classes de materiais de engenharia. CONCEITOSMetaisCerâmicasPolímerosCompósitosVidros Conformação dos componentes

9 Metais Metais 1 – Fundição/Injeção de metal líquido. EX: 1 – Fundição/Injeção de metal líquido. CONCEITOS Temperatura de vazamento Aditivos Velocidade de vazamento Temperatura de injeção Pressão de injeção Velocidade de injeção

10 Metais Metais 2 – Injection Molding: Injeção de pó metálico + polimero EX: 2 – Injection Molding: Injeção de pó metálico + polimero CONCEITOS Feedstock Temperatura de injeção Pressão de injeção Velocidade de injeção

11 Cerâmicas Cerâmicas 1 – Prensagem a seco EX: 1 – Prensagem a seco CONCEITOS % Umidade baixo Plasticidade da massa Pressão de prensagem Velocidade de prensagem

12 Cerâmicas Cerâmicas 2 – Colagem de barbotina – Slip casting EX: 2 – Colagem de barbotina – Slip casting CONCEITOS % Umidade elevado Temperatura de vazamento Aditivos Velocidade de secagem

13 Cerâmicas Cerâmicas 3 – Extrusão ou Conformação plástica EX: 3 – Extrusão ou Conformação plástica CONCEITOS % Umidade intermediário Plasticidade da massa Aditivos Pressão de extrusão Velocidade de extrusão

14 Polímeros Polímeros 1 – Extrusão ou Conformação plástica (idem as anterior) EX: 1 – Extrusão ou Conformação plástica (idem as anterior) 2 – Aplicação de revestimentos via líquida - Tintas 2 – Aplicação de revestimentos via líquida - Tintas CONCEITOS % Solvente Aditivos Velocidade de secagem/cura Velocidade de aplicação

15 Compósitos Compósitos 1 – Metal duro = prensagem a seco EX: 1 – Metal duro = prensagem a seco 2 – Fiberglass = laminado 2 – Fiberglass = laminado CONCEITOS % Solvente Aditivos Velocidade de secagem/cura Velocidade de aplicação

16 Materiais vítreos Materiais vítreos 1 – Vidros cerâmicos EX: 1 – Vidros cerâmicos CONCEITOS Temperatura de vazamento Aditivos Velocidade de laminação Composição do vidro

17 Materiais vítreos Materiais vítreos 2 – Vidros metálicos e poliméricos EX: 2 – Vidros metálicos e poliméricos CONCEITOS Temperatura de vazamento Aditivos Velocidade de resfriamento

18 CONCEITOS Os matérias de engenharia apresentam propriedades reológicas (características de deformação) que são função direta das condições aos quais os mesmos são solicitados. Um material responde de maneira distinta à cada tipo de solicitação a qual é submetido.

19 EVOLUÇÃO HISTÓRICA R. Hooke(1678),True Theory of Elasticity A potencia de uma mola é proporcional a tensão aplicada. Ao se duplicar a tensão(σ)se duplica a deformação () Consideradas leis universais durante 2 séculos Sólidos Líquidos I. Newton (1687),Philosophiae Naturalis Principia Mathematica A resistência derivada da falta de deslizamento das partes de um líquido é proporcional a velocidade com a qual as mesmas separam-se entre si. Ao se duplicar a tensão se duplica o gradiente de velocidade () Nasce o termo Viscosidade (η).

20 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Navier-Stokes (s.XIX), Teoria tridimensional para descrever líquidos newtonianos. W. Weber (1835),Experimentos com fios de seda Uma carga longitudinal produzia uma extensão imediata, seguida de uma posterior distensão com o tempo. Ao eliminar-se a carga tomava lugar uma contração imediata, seguida de uma contração gradual até alcançar-se o comprimento inicial. Elementos associados a resposta de um líquido

21 EVOLUÇÃO HISTÓRICA J.C. Maxwell (1867), Modelo matemático para descrever fluidos com propriedades elásticas. Elementos associados a resposta de um sólido Nasce o conceito da VISCOELASTICIDADE SÓLIDOS ELASTOVISCOSOS (Weber) FLUIDOS VISCOESLÁSTICOS (Maxwell)

22 EVOLUÇÃO HISTÓRICA MODELOS LINEARES Proporcionalidade direta entre a carga aplicada e a deformação ou a taxa de deformação produzida.FLUXO Hooke Comportamento elástico(Sólidos) Newton Comportamento viscoso(Líquidos)VISCOELASTICIDADE Weber Sólidos com resposta associada a líquidos Maxwell Líquidos com resposta associada a sólidos

23 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Inícios s.XX, Importância da não-linearidade Aparecem modelos que assumem que propriedades como o módulo de rigidez ou a viscosidade podem variar com o esforço aplicado. A viscosidade depende do gradiente de velocidade Fluidificantes: diminui ao aumentar-se a taxa de Fluidificantes: diminui ao aumentar-se a taxa de Espessantes, aumenta ao aumentar-se Espessantes, aumenta ao aumentar-se A viscosidade depende do tempoTixotropia Bingham (1922),Fluxo plástico, ponto de fluxo. Bingham (1922),Fluxo plástico, ponto de fluxo. Modelo linear Herschel-Bulkley (1926), Casson (1956). Herschel-Bulkley (1926), Casson (1956). Modelos não lineares..

24 EVOLUÇÃO HISTÓRICA SÓLIDO OU LÍQUIDO? Os materiais reais podem apresentar comportamento elástico, comportamento viscoso ou una combinação de ambos. Depende do esforço aplicado e de sua duração M. Reiner (1945), Número de Deborah, De Tudo flui, basta que se espere o tempo suficiente. Sólido elástico:De Líquido viscoso: 0De = tempo característico do material T = tempo característico do processo de deformação De= /T

25 EVOLUÇÃO HISTÓRICA

26 Sisko (1958), Cross (1965), Carreau (1972), Modelos que descrevem a curva de fluxo geral Modelos que necessitam 4 parâmetros (viscosidade para taxa de deformação 0 e taxa de deformação ). Descrevem a forma geral da curva de fluxo em um amplo intervalo de velocidades de deformação.

27 EVOLUÇÃO HISTÓRICA A. Einstein (1906), Suspensiones diluidas de partículas esféricas Predição da viscosidade em função da fração volumétrica de sólidos. Suspensões Newtonianas diluídas. Esferas rígidas. Krieger-Dougherty (1959), Quemada (1982), De Kruif(1982), etc. Suspensões Newtonianas concentradas. Esferas rígidas. Barnes (1981), Farris (1968). Suspensiones Newtonianas concentradas. Partículas não esféricas; Polidispersão. Krieger (1972) Suspensões Não-Newtonianas concentradas. (después de 1985) Suspensões de esferas macias.

28 EVOLUÇÃO HISTÓRICA

29 Deformação de um corpo elástico: DEFINIÇÕES EXTENSIONALCISALHAMENTOCOMPRESSÃO L0L0 L L0L0 L hh L h

30 Esforço aplicado - Tensão DEFINIÇÕES Os componentes da esforço aplicado podem ser representados mediante um tensor Tensor de esforços (fluxo de cisalhamento estacionário) Equações constitutivas: relacionam esforço e deformação

31 Deformação em um sólido DEFINIÇÕES

32 Deformação em um líquido DEFINIÇÕES

33 Funções Viscosimétricas DEFINIÇÕES

34 Viscosidade Aparente DEFINIÇÕES

35 Viscosidade DEFINIÇÕES

36 Sólido Rígido – Hooke Líquido Viscoso - Newton Sólido Rígido – Hooke Líquido Viscoso - Newton caso real A Reologia descreve o comportamento da matéria (caso real) dentro do intervalo que apresenta o líquido de Newton e o sólido de Hooke como seus extremos. DEFINIÇÕES tg = G (Pa) (Pa) (-)(-) tg = tg = (Pa) (Pa) (1/s) (1/s)

37 DEFINIÇÕES Baixa capacidade de deformação Material Frágil Fluido Sólido Baixa velocidade de deformação Alta velocidade de deformação Material Dúctil Alta capacidade de deformação Plástico Rígido

38 DEFINIÇÕES Caso Real G e cte Sofrem alterações em função de, P, T, e t.

39 Efeito da pressão sobre a viscosidade: Efeito da pressão sobre a viscosidade: Em geral a viscosidade aumenta com o aumento da pressão. Ex: Óleo VARIÁVEIS e P

40 Efeito da temperatura sobre a viscosidade: Efeito da temperatura sobre a viscosidade: Em geral a viscosidade diminui ao aumentar-se a temperatura. VARIÁVEIS e -k/T

41 Ex: Gelificação térmica (Gelcasting)– transição sol/gel por aquecimento, resfriamento. VARIÁVEIS

42 Efeito da taxa de deformação sobre a viscosidade: Efeito da taxa de deformação sobre a viscosidade: Em qualquer fluido Não-Newtoniano a viscosidade é função e portanto, depende da taxa de deformação aplicada. VARIÁVEIS

43 VARIÁVEIS Curvas de Fluxo Curvas de Viscosidade Curvas de Fluxo Curvas de Viscosidade (Pa) (Pa) (Pa.s) (Pa.s) (1/s) (1/s) Não-Newtoniano Newtoniano Não-Newtoniano Newtoniano

44 COMPORTAMENTO DE FLUXO Modelos de Comportamento Reológico Modelos de Comportamento Reológico

45 MODELOS LINEARES

46 MODELOS NÃO LINEARES

47

48

49

50

51

52 TENSÃO DE ESCOAMENTO

53

54 Controle de Taxa de Deformação – Control Rate

55 TENSÃO DE ESCOAMENTO Controle de Taxa de Tensão – Control Stress È possível medir a deformação adimensional

56 TENSÃO DE ESCOAMENTO

57 DEPENDÊNCIA DO TEMPO Líquidos Tixotrópicos - Sofrem diminuição de viscosidade ao longo do tempo em que se aplica uma taxa de formação constante. - Quando se aplica uma taxa de formação constante em um líquido tixotrópico, uma estrutura interna é progressivamente destruída, ao longo do tempo. Líquidos Reopéxicos - Sofrem aumento de viscosidade ao longo do tempo em que se aplica uma taxa de formação constante. - Apresentam um comportamento completamente contrário ao de um líquido tixotrópico.

58 DEPENDÊNCIA DO TEMPO Na verdade a dependência do tempo de um líquido pode ser tratada como um fenômeno cíclico Tempo Destruição da estrutura interna Construção da estrutura interna

59 DEPENDÊNCIA DO TEMPO

60

61 Exemplo: Processo Sol-Gel

62 DEPENDÊNCIA DO TEMPO Exemplo: Destruição de estruturas por cisalhamento.

63 DEPENDÊNCIA DO TEMPO Exemplo: Efeito de aglomerantes (ligantes) na reologia.


Carregar ppt "Curso de Fundamentos de Reologia Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de MateriaisIntrodução João Batista Rodrigues Neto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google