A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Bibliografia : - Normas: NBR 6118 (2003), CEB/FIP (1990) - ACI Committee 209 (1997) – Prediction of Creep, Shrinkage and Temperature Effects in Concrete.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Bibliografia : - Normas: NBR 6118 (2003), CEB/FIP (1990) - ACI Committee 209 (1997) – Prediction of Creep, Shrinkage and Temperature Effects in Concrete."— Transcrição da apresentação:

1 Bibliografia : - Normas: NBR 6118 (2003), CEB/FIP (1990) - ACI Committee 209 (1997) – Prediction of Creep, Shrinkage and Temperature Effects in Concrete Structures - Concreto - Estrutura, Propriedades e Materais - K. Mehta e P. Monteiro - PINI - Propriedades do Concreto - Adam Neville - PINI - Concrete - Sidney Mindess e J. F. Young – Prentice Hall Reologia do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

2 Reologia do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Definição: Reologia é uma parte da física que investiga as propriedades e o comportamento mecânico dos corpos deformáveis que não nem sólidos nem líquidos.

3 Estrutura do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

4 Águas associadas ao C-S-H Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

5 Reologia do Concreto A movimentação de umidade na pasta endurecida de cimento é a responsável pela reologia do concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Deformações

6 Deformações independentes do carregamento: Não tem direção definida e por isso são freqüentemente chamadas de variações volumétricas. Suas causas são: - Variação da temperatura - Inchamento - Retração Deformações no Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

7 Deformações dependentes do carregamento: Tem direção definida e se distinguem em: - Deformação elástica instantânea - Fluência - Deformação elástica retardada Deformações no Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

8 Retração do Concreto Definição: Retração é a redução de volume pela perda de umidade de um elemento de concreto seja no estado fresco seja no estado endurecido. No concreto, essas mudanças volumétricas da pasta são restringidas pela presença do agregado e da armadura, pela forma da peça estrutural e pela existência de outros elementos ligados a ela. Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

9 Retração Plástica do Concreto Definição : A perda de água por evaporação na superfície do concreto ainda em estado plástico é maior que a quantidade de água que sobe à superfície pelo efeito da exsudação. Fator água/cimento Fatores intervenientes: Temperatura e ensolação Umidade relativa do ar Velocidade do vento Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

10 Retração Plástica do Concreto Consequência Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Fissuração Redução da Durabilidade

11 Retração Autógena do Concreto Definição : Remoção da água dos poros capilares pela hidratação do cimento ainda não combinado. Esta retração é relativamente pequena, exceto com relações água/cimento extremamente baixas (a/c 0,20) e, para efeitos práticos não precisa ser diferenciada da retração causada pela secagem do concreto, a não ser em grandes estruturas de concreto massa. Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

12 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Definição : Diminuição do volume da peça de concreto devido à remoção da água da pasta endurecida de cimento, quando o concreto seca em contato com o ar. Portanto, a retração por secagem começa nas camadas superficiais. Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

13 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Características

14 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Fatores Intervenientes: Teor de agregado na mistura Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Modelo de Powers concreto = (1 – g) n pasta g = fração volumétrica do agregado + cimento anidro 1,2 n 1,7

15 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Fatores Intervenientes: Tipo de agregado na mistura Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Módulo de deformação do agregado maior Retração menor

16 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Fatores Intervenientes: Teor de cimento mistura Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

17 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Fatores Intervenientes: Relação água/cimento na mistura Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

18 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Fatores Intervenientes: Umidade relativa do ar Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

19 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Fatores Intervenientes: Umidade relativa do ar Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto 12%

20 Retração Hidráulica ou por Secagem do Concreto Fatores Intervenientes: Geometria da peça Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Espessura fictícia h 0 = 2 x Área Perímetro

21 Retração Hidráulica do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Redução da Durabilidade Fissuração Consequência Tração no concreto

22 Fluência do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

23 Fluência do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

24 Fluência do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

25 Fluência do Concreto Definição: A fluência é o aumento de uma deformação com o tempo sob a ação de cargas ou tensões permanentes. A fluência de peças de concreto, quando submetidas a cargas de longa duração, deve-se à migração das moléculas de água adsorvida existentes na pasta endurecida de cimento. Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

26 Fluência do Concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Características

27 Fluência do Concreto Fatores Intervenientes: Teor de agregado na mistura Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

28 Fluência do Concreto Fatores Intervenientes: Tipo de agregado na mistura Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

29 Fluência do Concreto Fatores Intervenientes: Tipo de cimento na mistura Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

30 Fluência do Concreto Fatores Intervenientes: Relação água/cimento na mistura Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

31 Fluência do Concreto Fatores Intervenientes: Umidade relativa do ar Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

32 Fluência do Concreto Fatores Intervenientes: Geometria da peça Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto Espessura fictícia h 0 = 2 x Área Perímetro

33 Fluência do Concreto Fatores Intervenientes: Idade de carregamento do concreto Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto

34 Fluência do Concreto Consequência Curso de Mestrado em Construção Civil Reologia e Tecnologia do Concreto q total


Carregar ppt "Bibliografia : - Normas: NBR 6118 (2003), CEB/FIP (1990) - ACI Committee 209 (1997) – Prediction of Creep, Shrinkage and Temperature Effects in Concrete."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google