A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ensino Médio 3ª Série. Geografia.. A CRISE NA VENEZUELA!

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ensino Médio 3ª Série. Geografia.. A CRISE NA VENEZUELA!"— Transcrição da apresentação:

1 Ensino Médio 3ª Série. Geografia.

2 A CRISE NA VENEZUELA!

3 Presente na vida política da Venezuela há pelo menos 20, o tenente-coronel da reserva Hugo Rafael Chávez Frias atraia o ódio e o amor da população na mesma medida. Seus partidários o enxergavam como o líder que tirou milhões da miséria e reduziu a pobreza de 42% para 9,5%. Hugo Rafael Chávez Frias

4 Os detratores o descrevem como um caudilho populista que vergou ao limite as regras da democracia, eliminando a independência entre os poderes, manobrando programas sociais em troca de votos e perseguindo a imprensa.

5 Chávez apareceu pela primeira vez no cenário político venezuelano ao tentar derrubar o então presidente Carlos Andrés Pérez em um golpe de Estado frustrado, em O militar foi preso e cumpriu pena por 2 anos. Em 1998, decidiu aderir ao processo democrático. Organizou uma campanha centrada no contato próximo da população mais pobre e foi eleito com 56% dos votos.

6 Após assumir o poder, propôs alterar a Constituição em um referendo, do qual saiu vitorioso. Ganhou nova eleição em 2000, com quase 60% dos votos. Em 2002, sofreu uma tentativa de golpe, mas ficou apenas dois dias fora do poder.

7 Dois anos mais tarde, venceria um referendo sobre sua saída da presidência. Com sua reeleição em 2006 e a disparada do preço do petróleo no mercado internacional, aprofundou seu projeto de poder, batizado de socialismo do século 21. Nacionalizou empresas e ampliou os gastos sociais. Na época, a oposição decidiu boicotar as eleições parlamentares, dando controle total do Legislativo aos chavistas. Em 2007, consultou os venezuelanos sobre o fim da limitação para a reeleição e sofreu sua única derrota eleitoral, revertida depois num referendo.

8 Morte de Hugo Chávez A morte do presidente venezuelano, Hugo Chávez, no dia 5 de março de 2013 atingiu com força o sostema de governo na Venezuela, Chávez estava internado em um hospital militar na capital, Caracas. Na véspera, um boletim médico pessimista havia relatado uma piora no seu estado de saúde. Ao fazer o anúncio, o vice Maduro afirmou que mandou as Forças Armadas para as ruas, para garantir a segurança. O clima da população na capital, Caracas, inicialmente era de apreensão e silêncio, à espera dos próximos acontecimentos. Após o anúncio da morte, uma grande confusão tomou as ruas, com filas nos postos de gasolina e temor de desabastecimento.

9 Com a morte de Chávez, a Constituição da Venezuela previa a realização de novas eleições presidenciais no prazo de 30 dias. O chanceler Elías Jaua afirmou que Maduro tomaria o poder e que novas eleições seriam convocadas para dentro de 30 dias. Esperava-se que o Tribunal Supremo de Justiça, principal corte do país, pronuncie-se sobre os próximos passos da sucessão. O vice Maduro, de 50 anos, era apontado como candidato presidencial quase certo do governista PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela). Ele enfrentou Henrique Capriles, oposicionista derrotado por Chávez nas urnas em outubro. Após o anúncio da morte de Chávez, Capriles adotou um tom conciliador e falou em união nacional e solidariedade.

10

11

12

13 Henrique Capriles, rival de Chávez O candidato derrotado Henrique Capriles reafirmou que Nicolás Maduro é um "presidente ilegítimo" enquanto o Conselho Nacional Eleitoral não realizar a recontagem de votos das eleições presidenciais deste domingo na Venezuela.

14 Herdeiro de Chávez, Maduro é eleito na Venezuela; rival não reconhece O presidente interino da Venezuela, Nicolás Maduro, "herdeiro político" do chavismo, foi eleito neste domingo (14) presidente do país até 2019, em votação realizada 40 dias após a morte do líder Hugo Chávez. Mas seu rival, o oposicionista Henrique Capriles, não reconheceu a vitória do chavista e pediu uma recontagem total dos votos. Maduro teve 50,66% dos votos, contra 49,07% de Capriles, segundo Tibisay Lucena, chefe do Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela. Em números absolutos, foram votos contra

15

16

17 Maduro diz que Obama é 'chefe dos diabos' após crítica à crise na Venezuela "Estamos defendendo as instituições, a paz, a democracia, o povo da Venezuela (...) podemos nos sentar com qualquer um, até com o chefe maior dos diabos: Obama", declarou Maduro em um ato público. A oposição venezuelana impugnou os resultados das eleições junto ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), alegando "subornos, violência e fraudes" em todo o processo que deu a vitória a Maduro sobre o opositor Henrique Capriles por cerca de 240 mil votos.

18

19 Crise na Venezuela Depois das mortes e violências levadas a cabo pela oposição venezuelana, a ameaça de ficar isolada continentalmente ficou explícita com a decisão dos países da Unasul de apoiar o resultado das eleições presidenciais, bem como a investigação das denúncias eleitorais e dos fatos violentos ocorridos nos últimos dias. O governo da Venezuela busca a ajuda de empresas privadas para solucionar o problema da falta de alimentos no mercado.

20

21 Prateleiras nos supermercados estão vazias. Falta arroz, farinha de trigo, óleo, café, açúcar. O governo, que detém 40% da produção, acusa os empresários de sabotagem. O alvo é maior empresa do setor. O presidente Nicolás Maduro afirmou que a Polar Alimentos está escondendo seus produtos para desestabilizar o governo.

22

23 O presidente da Polar, Lorenzo Mendoza, disse que está com 100% da capacidade de produção. Ele se reuniu com Maduro para discutir medidas de combate ao desabastecimento. Enquanto a situação não se normaliza, o ministro do Comércio anunciou a importação de 50 milhões de rolos de papel higiênico. Além do desabastecimento, a Venezuela sofre com uma inflação que ronda os 30% ao ano. Segundo analistas, a saída é buscar o diálogo com as empresas que há anos enfrentam o congelamento de preços e o controle cambial. É exatamente isso que o ministro das Finanças buscou com empresários, depois de reconhecer que as metas de inflação e crescimento da economia dificilmente serão cumpridas.

24

25 O ministro das Finanças, Nelson Merentes, reconheceu que será "difícil" cumprir a meta de inflação para este ano, entre 14% e 16% para Em 2012, ela ficou em 27,6%. o governo da Venezuela anunciou ontem a importação de 50 milhões de rolos de papel higiênico para "saturar" o mercado - e combater o que o ministro do Comércio, Alejandro Fleming, qualificou de "campanha midiática" de que há escassez do produto.

26

27 Maduro manda Exército às ruas para combater criminalidade em Caracas Ao menos 3 mil soldados e policiais começaram a ocupar diversos setores na região de Caracas, especialmente no estado de Miranda, governado pelo líder opositor Henrique Capriles, como parte do plano para reduzir a criminalidade na Venezuela. "Hoje estamos aqui porque decidimos lutar, com toda a nossa alma, para construir uma pátria segura", disse o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ao se dirigir a militares, policiais e guardas municipais no lançamento do plano Pátria Segura 2013, no complexo militar de Fuerte Tiuna, oeste de Caracas.

28

29 A operação começou pelos municípios de Sucre e Baruta, na grande Caracas, ambos dirigidos por prefeitos opositores e no estado de Miranda, governado por Capriles, que impugnou a vitória de Maduro nas eleições de 14 de abril passado no Tribunal Supremo de Justiça. Maduro, herdeiro político de Hugo Chávez, destacou que a operação seguirá nas próximas semanas "por todo o espaço e o território da pátria" para proteger o povo.

30


Carregar ppt "Ensino Médio 3ª Série. Geografia.. A CRISE NA VENEZUELA!"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google