A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE E A HUMANIZAÇÃO COMO DESAFIO, O DOENTE, A FAMÍLIA E A EQUIPE Patrícia Villar Moreira Britto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE E A HUMANIZAÇÃO COMO DESAFIO, O DOENTE, A FAMÍLIA E A EQUIPE Patrícia Villar Moreira Britto."— Transcrição da apresentação:

1 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE E A HUMANIZAÇÃO COMO DESAFIO, O DOENTE, A FAMÍLIA E A EQUIPE Patrícia Villar Moreira Britto

2 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE Revolução tecnológica da medicina; Revolução tecnológica da medicina; Sofisticação diagnóstica e das técnicas de tratamento; Sofisticação diagnóstica e das técnicas de tratamento; Incremento da qualidade da saúde e da expectativa de vida; Incremento da qualidade da saúde e da expectativa de vida;

3 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE Para lidar com essa nova dimensão do adoecer, a Psicologia hospitalar vem ganhando força no Brasil; Para lidar com essa nova dimensão do adoecer, a Psicologia hospitalar vem ganhando força no Brasil; 1818 – Hospital Mc lean – Massachusetts ; 1818 – Hospital Mc lean – Massachusetts ; Entre 1925 e 1930 – Brasil - Serviços de Higiene Mental de São Paulo; Entre 1925 e 1930 – Brasil - Serviços de Higiene Mental de São Paulo; Fins da década de 50 e 60 - Hospitais gerais; Fins da década de 50 e 60 - Hospitais gerais;

4 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE Atuação ambulatorial - atendimento clínico clássico; Atuação ambulatorial - atendimento clínico clássico; Psicólogos passaram a atuar em enfermarias e nos diversos setores de um hospital, integrando equipes multidisciplinares; Psicólogos passaram a atuar em enfermarias e nos diversos setores de um hospital, integrando equipes multidisciplinares;

5 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE Possibilidades de atuação do Psicólogo Hospitalar: Possibilidades de atuação do Psicólogo Hospitalar: - Hospitais gerais; - Hospitais especializados; Ex. Aristides Maltez - Hospitais Psiquiátricos; - Hospitais infantis; - Maternidades; - Serviços de Home Care;

6 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE Possibilidades de atuação do Psicólogo Hospitalar: Possibilidades de atuação do Psicólogo Hospitalar: - Enfermarias; - Pediatria; - Pré e pós- cirurgias; - Oncologia; - Hemodiálise; - UCO; - UTI.

7 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE UTI

8 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destina-se a internação de pacientes com instabilidade clínica e com potencial de gravidade. Como ambiente de alta complexidade, é local reservado e único no ambiente Hospitalar, já que se propõe estabelecer monitorização completa e vigilância 24 horas. Como ambiente de alta complexidade, é local reservado e único no ambiente Hospitalar, já que se propõe estabelecer monitorização completa e vigilância 24 horas.

9 PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE As UTIs desde da década de 1930 transformaram o prognóstico, reduzindo os óbitos em até 70%. Hoje todas especialidades utilizam-se das Unidades Intensivas, principalmente para controle de pós-operatório de risco.

10 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DOENTE O ambiente da UTI frequentemente é tido como altamente estressante, tanto para os pacientes e seus familiares como para a equipe de saúde. O paciente está submetido a situações que podem gerar ansiedade tais como: dor, sofrimento, solidão e medo da morte.

11 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DOENTE

12 Esse paciente torna-se impotente, incapaz de efetuar uma ação para alívio de sua dor, sede, fome, movimentos como andar, mover-se na cama, falar e até respirar. Esse paciente torna-se impotente, incapaz de efetuar uma ação para alívio de sua dor, sede, fome, movimentos como andar, mover-se na cama, falar e até respirar.

13 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DOENTE Paciente pode apresentar uma desestruturação emocional com quadros de apatia, aumento de angústia, sofrimento psiquíco, medo intensificado da morte. Paciente pode apresentar uma desestruturação emocional com quadros de apatia, aumento de angústia, sofrimento psiquíco, medo intensificado da morte. Podem surgir transtornos mentais tais como transtornos de ajustamento, depressão, reações agudas ao estresse, delirium (quadros confusionais), agitação psicomotora e episódios psicóticos. Podem surgir transtornos mentais tais como transtornos de ajustamento, depressão, reações agudas ao estresse, delirium (quadros confusionais), agitação psicomotora e episódios psicóticos.

14 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DOENTE Podem apresentar ainda humor ansioso ou depressivo em virtude da ruptura ou afastamento dos vínculos afetivos, medo de perder a capacidade de trabalhar, cancelamento ou suspensão de projetos pessoais, dependência e medo da morte. Podem apresentar ainda humor ansioso ou depressivo em virtude da ruptura ou afastamento dos vínculos afetivos, medo de perder a capacidade de trabalhar, cancelamento ou suspensão de projetos pessoais, dependência e medo da morte.

15 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DOENTE Manutenção de uma comunicação próxima e atenta do psicólogo com o paciente é um fator terapêutico que facilita a expressão dos sentimentos e das emoções dos pacientes ( Ex. horário de visita) Manutenção de uma comunicação próxima e atenta do psicólogo com o paciente é um fator terapêutico que facilita a expressão dos sentimentos e das emoções dos pacientes ( Ex. horário de visita) O psicólogo vai ajudá-lo a buscar recursos internos para enfrentar as dificuldades, criar motivações, incentivar o vínculo com a equipe. O psicólogo vai ajudá-lo a buscar recursos internos para enfrentar as dificuldades, criar motivações, incentivar o vínculo com a equipe.

16 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DOENTE Com pacientes que não podem se comunicar verbalmente, o psicólogo busca alternativas de comunicação através da leitura labial, sinalizações e uso da escrita ou de figuras, incentivando a capacidade de expressão do paciente. Com pacientes que não podem se comunicar verbalmente, o psicólogo busca alternativas de comunicação através da leitura labial, sinalizações e uso da escrita ou de figuras, incentivando a capacidade de expressão do paciente.

17 PSICOLOGIA INTENSIVA: A FAMÍLIA A família como um sistema, onde cada membro exerce uma função - dinâmica própria. A família como um sistema, onde cada membro exerce uma função - dinâmica própria. Quando um dos seus membros é internado desencadeia-se um desequilíbrio. Quando um dos seus membros é internado desencadeia-se um desequilíbrio.

18 PSICOLOGIA INTENSIVA: A FAMÍLIA Outros fatores que geram ansiedade na família são: Outros fatores que geram ansiedade na família são: - Vulnerabilidade do paciente; - Mudanças repentinas no estado geral; - Falta de informação; - Excesso de informação; - Informação desencontrada; - Lidar com a troca constante de médicos; - Acesso restrito à UTI.

19 PSICOLOGIA INTENSIVA: A FAMÍLIA Famílias - escuta seletiva - estresse extremo, escutam apenas aquilo que é menos difícil de assimilar do ponto de vista emocional. Famílias - escuta seletiva - estresse extremo, escutam apenas aquilo que é menos difícil de assimilar do ponto de vista emocional. Ficam assim, incapacitadas de ouvir, aceitar e interpretar a verdade em determinado momento. Ficam assim, incapacitadas de ouvir, aceitar e interpretar a verdade em determinado momento.

20 PSICOLOGIA INTENSIVA: A FAMÍLIA O psicólogo precisa portanto, planejar e executar intervenções que irão refletir no bem-estar dos familiares. O psicólogo precisa portanto, planejar e executar intervenções que irão refletir no bem-estar dos familiares. É comum o surgimento de fantasias e a contaminação do cenário por vivências experimentadas por outras famílias. É comum o surgimento de fantasias e a contaminação do cenário por vivências experimentadas por outras famílias. Ex: conta do hospital Ex: conta do hospital

21 PSICOLOGIA INTENSIVA: A FAMÍLIA O psicólogo deve identificar aquele membro que mostra ter mais estrutura de personalidade e recursos internos mais preservados. Cria-se uma aliança pois esta pessoa será um elo facilitador da relação equipe-família. Cria-se uma aliança pois esta pessoa será um elo facilitador da relação equipe-família.

22 PSICOLOGIA INTENSIVA: A FAMÍLIA Atendimento na sala de espera promovem acolhimento e alívio da angústia. Atendimento na sala de espera promovem acolhimento e alívio da angústia. Trabalho de Psicoprofilaxia. Trabalho de Psicoprofilaxia.

23 PSICOLOGIA INTENSIVA: A EQUIPE A equipe vivencia situações estressantes como: A equipe vivencia situações estressantes como: - Solicitações constantes dos pacientes e familiares; - Intensa jornada de trabalho; - Contato com a dor e com o processo de morte; - Alerta, pressões e tomadas de decisão.

24 PSICOLOGIA INTENSIVA: A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Esse tipo de trabalho permite e fortalece a troca de informações e a construção de uma unidade. Esse tipo de trabalho permite e fortalece a troca de informações e a construção de uma unidade. Cria-se perspectiva única de trabalho que favorece o paciente e seu tratamento. Cria-se perspectiva única de trabalho que favorece o paciente e seu tratamento.

25 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DESAFIO DA HUMANIZAÇÃO Humanizar refere-se a: 1.Tornar humano; dar condição humana a; humanar. 2. Tornar benévolo, afável, tratável; humanar. 3. Fazer adquirir hábitos sociais polidos; civilizar. Dicionário eletrônico Aurélio

26 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DESAFIO DA HUMANIZAÇÃO Fatores essenciais para que uma UTI adote uma postura humanizada: Ambiente físico; Aspectos sensoriais; Necessidades do paciente; Necessidades da família; Necessidades da equipe.

27 PSICOLOGIA INTENSIVA: O DESAFIO DA HUMANIZAÇÃO

28 PSICOLOGIA INTENSIVA

29 É uma área na qual lidamos com o confronto do sofrimento físico com o sofrimento psíquico É uma área na qual lidamos com o confronto do sofrimento físico com o sofrimento psíquico Patrícia Ruschel

30 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANGERAMI-CAMOM, W.A. (org.) Psicologia Hospitalar: Teoria e prática. São paulo: Pioneira, 1994 DICIONÁRIO Aurélio Eletrônico. Século XXI. Versão 3.0. Lexikon Informática, nov LUCCHESI, F., MACEDO, P.C.M., DE MARCO, M. A. Saúde Mental na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. SBPH v.11 nº1, RJ, Jun 2008 SILVA, R.R. Psicologia e unidade de terapia intensiva. Revista Salus-Guarapuava, PR, jan/jun, 2007


Carregar ppt "PSICOLOGIA INTENSIVA: O NASCER DE UMA ESPECIALIDADE E A HUMANIZAÇÃO COMO DESAFIO, O DOENTE, A FAMÍLIA E A EQUIPE Patrícia Villar Moreira Britto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google