A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos. 2 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Quais as consequências da aplicação das principais metodologias.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos. 2 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Quais as consequências da aplicação das principais metodologias."— Transcrição da apresentação:

1 1 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos

2 2 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Quais as consequências da aplicação das principais metodologias para a estimativa de duração de um projeto, no processo de modelagem de um cronograma?

3 3 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Salvador Dali, tela: A persistência da memória O que é o tempo? Se ninguém me perguntar, eu sei; se o quiser explicar a quem me fizer a pergunta, já não sei. Santo Agostinho ( ) O QUE É O TEMPO?

4 4 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Definições GERENCIAMENTO DO TEMPO: Inclui os processos necessários para gerenciar o término pontual do projeto. PROJETO: Deriva do latim proiectu (lançado), que é o particípio passado de projicere, que resulta da união de pro que significa algo que procede a uma ação e o verbo iacere que significa: levar, arremessar, lançar. Portanto, projeto pode ser entendido como a intenção de lançar algo. GERENCIAMENTO DE PROJETOS: É uma disciplina, uma área da ciência técnica, em que se aplicam objetivamente conhecimentos, habilidades e ferramentas, voltadas ao projeto. GESTÃO: É operacionalizar a gerência, colocando em prática o gerenciamento na busca de resultados.

5 5 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Tempo: Relevância & Status Fonte: PMI-Brasil (2010) Fonte: Economist Intelligence Unit Survey (2009) Fonte: Google (21 ago 2010)

6 6 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Estimativas do Tempo - Fundamentos CPM (Critical Path Method) DETERMINÍSTICO Método DETERMINÍSTICO Foco: Tempo do Projeto A estimativa de duração do projeto é resultado da dependência entre as atividades do caminho crítico e a duração de cada atividade é definida por especialistas. Origem: USA, Du Pont – Construção e Manutenção de Fábricas (1957) PERT (Program Evaluation and Review Technique) PROBALISTÍCO Método PROBALISTÍCO Foco: Tempo da Atividade A estimativa de duração do projeto é o resultado das atividades e a duração de cada atividade é a média ponderada de visões: otimista, realista e pessimista. Origem: USA, Marinha – Projeto do submarino POLARIS (1958)

7 7 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos PERT A duração é ESTIMADA, em um ponto calculado desta curva Fórmula: [O + (4*MP) + P] / 6 CPM A duração é DETERMINADA, em um ponto arbitrado desta curva Fórmula: Opinião de especialista Estimativas do Tempo - Fundamentos

8 8 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Como Trabalhamos? A maior parte dos cronogramas resulta do sincretismo destes métodos E são designados por: PERT/CPM Pois, ao construí-lo: O seu cronograma está atrasado? 1) Efetuamos o relacionamento entre as atividades 2) Efetuamos o cálculo da estimativa de tempo para cada atividade (PERT) QUAL ELEMENTO NÃO FOI CONSIDERADO? 3) Identificamos o CAMINHO CRÍTICO (CPM)

9 9 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Alguns Motivos dos Atrasos... Na elaboração do cronograma, foram considerados: A lei de Parkinson ou da expansibilidade? Murphy? As multitarefas? O estabelecimentos de links lógicos? Análise de riscos? Diagrama de tempo & caminho? O plano de suprimento? A disponibilidade de caixa? As restrições dos componentes? Os recursos necessários? A manutenção do ciclo de PDCA? A síndrome do estudante? As condições ambientais? Lições aprendidas e históricos?

10 10 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Por que Considerar Recursos? PORTFÓLIO Conjunto de PROJETOS PROJETO Conjunto de PROCESSOS PROCESSO Conjunto de RECURSOS RECURSO ELEMENTO FUNDAMENTAL

11 11 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos DURAÇÃO No País das Maravilhas... (PERT/CPM) DESCONSIDERA A LIMITAÇÂO DE RECURSOS O CRONOGRAMA:

12 12 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos HISTOGRAMA 4 Caminho Crítico no Mundo Real... Restrições REQUISITOS DE SMS: DISPONIBILIDADE DE 2 TÉCNICOS DE SEGURANÇA NECESSIDADE DE 4 TÉCNICOS DE SEGURANÇA RESTRIÇÃO: CONTRATUAL

13 13 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos HISTOGRAMA RESTRIÇÃO: CONTRATUAL Caminho Crítico no Mundo Real... Restrições

14 14 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Caminho Crítico CORRENTE CRÍTICA RESTRIÇÃO Submetendo-se à Realidade

15 15 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Determinamos e quantificamos os RECURSOS, com o emprego da ferramenta: 5W2H Como Considerar os Recursos?

16 16 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Mão-de-obraMáquinaMedição Método Meio-ambienteMaterial A T I V I D A D E / P R O C E S S O Entrada Saída Representamos a relação entre PROCESSOS & RECURSOS, com o uso do: DIAGRAMA DE ISHIKAWA (6 M) Como Considerar os Recursos?

17 17 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos QUAL É A META DA EMPRESA? Satisfazer o Cliente Fabricar conforme a especificação do produto Superar a expectativa do Cliente Sobreviver Obter maior participação no mercado Satisfazer todos as partes interessadas Desenvolver soluções inovadores e que agreguem valor aos acionistas Teoria das Restrições (TOC) ?

18 18 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos QUAL É A META DA EMPRESA? A meta é ganhar dinheiro, tanto hoje como no futuro Goldratt Teoria das Restrições (TOC)

19 19 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Considerações sobre o Tempo O TEMPO É MUITO CARO Teofrasto LEMBRE-SE QUE TEMPO É DINHEIRO Benjamin Franklin O tempo é algo infinito que se acaba a cada instante

20 20 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos PORTFÓLIO Conjunto de PROJETOS PROJETO Conjunto de PROCESSOS PROCESSO Conjunto de RECURSOS RECURSO ELEMENTO FUNDAMENTAL Qual deve ser o Foco?

21 21 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos RESTRIÇÃO FÍSICA: MATERIAL, MÁQUINA MÃO- DE-OBRA e MEIO-AMBIENTE AÇO, BETONEIRA, ENGENHEIRO, CHUVAS, etc... RESTRIÇÃO POLÍTICA: MÉTODO e MEDIÇÃO LEIS, NORMAS, CONTRATOS, CULTURA, PROJETO, etc... NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS... RESTRIÇÃO É QUALQUER COISA QUE LIMITA QUALQUER COISA Teoria das Restrições (TOC)

22 22 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos A RESTRIÇÃO (gargalo) limita a capacidade de realização do processo Todo sistema é restrito! Impossibilitando um desempenho superior Teoria das Restrições (TOC)

23 23 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos DIAGRAMA DE ISHIKAWA (6 M) Cronogramas & Restrições Mão-de-obraMáquinaMedição Método Meio-ambienteMaterial A T I V I D A D E / P R O C E S S O Entrada Saída

24 24 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos MATRIZ 5W2H Cronogramas & Restrições

25 25 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Considerando o RECURSO estamos focando o componente elementar do projeto, temos assim a chamada ATOMIZAÇÃO O que nos habilita a efetuar correções: Com maior precisão Menor esforço Maior rapidez Dividir para Conquistar O nosso erro (a única certeza) tende a ser pequeno

26 26 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos O TEMPO no cronograma é determinado por: RECURSOS (Resource Critical Path) DIAGRAMA DE REDE (Task Critical Path) Cronogramas baseados em Restrições

27 27 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos 27 / 69 Linha do Tempo Mão-de-obraMétodoMaterialMediçãoMáquinaMeio-ambiente PROCESSOS SEM VARIAÇÃO E COM EFICÁCIA RENDIMENTO DOS RECURSOS Cenário do Planejamento

28 28 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos 28 / 69 Mão-de-obraMétodoMaterialMediçãoMáquinaMeio-ambiente RENDIMENTO DOS RECURSOS Cenário da Realização Linha do Tempo ? PROCESSOS COM VARIAÇÃO E SEM EFICÁCIA

29 29 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Nosso Dilema... Vamos acertar? Trabalhamos com expectativas... 6 SIGMA é igual a 99,999% de acerto (3,4 falhas por milhão) ?

30 30 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos 90 % ? Nosso Dilema...

31 31 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Probabilidade % 90% x 90% = 81% 73% x 90% = 66% 66% x 90% = 59% 81% x 90% = 73% 90% x 100% = 90%

32 32 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Probabilidade % 90% x 90% = 81% 73% x 90% = 66% 66% x 90% = 59% 81% x 90% = 73% 90% x 100% = 90%

33 33 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Probabilidade % 90% x 90% = 81% 73% x 90% = 66% 66% x 90% = 59% 81% x 90% = 73% 90% x 100% = 90%

34 34 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Probabilidade % 90% x 90% = 81% 73% x 90% = 66% 66% x 90% = 59% 81% x 90% = 73% 90% x 100% = 90%

35 35 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Probabilidade % 90% x 90% = 81% 73% x 90% = 66% 66% x 90% = 59% 81% x 90% = 73% 90% x 100% = 90% ?

36 36 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Gerenciamento do Tempo CONFLITOS EXPECTATIVAS UTÓPICAS DIFICULDADES DE COMUNICAÇÃO CRONOGRAMAS DETERMINÍSTICOS:

37 37 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Cronogramas probabilísticos são mais adequados, pois estabelecem uma faixa de controle (flutuação) e nos preparam para lidar com as incertezas da realidade Estratégia O primeiro passo para a melhoria em estimativas de duração é o reconhecimento de sua volatilidade diante do mundo real

38 38 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos META REGIÃO DE EXTRAPOLAÇÃO DA META RESERVARESERVA 28/08 = 44% $$$$$$$ 07/09 = 70% $$$ MAIOR SEGURANÇA X MENOR LUCRO MENOR SEGURANÇA X MAIOR LUCRO A questão é saber qual a probabilidade de obter o sucesso Índice de Probabilidade de Sucesso Resultado com base no índice de confiança DESEJADO

39 39 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos O que é o Caminho Crítico? Deve-se considerar os recursos para estabelecer o caminho crítico? Existem duas posições: O caminho crítico, deve se limitar ao sequenciamento das atividades O caminho crítico deve ser estabelecido pela associação entre o sequenciamento das atividades e a disponibilidade dos recursos das atividades Caminho Crítico por Recursos – CCR (Resource Critical Path Method – RCP) É formado pela dependência entre as atividades, e determina a duração de um projeto

40 40 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos O CRONOGRAMA... Metodologias & Recursos IGNORA A RESTRIÇÃO DE RECURSOS: MCC PERT CONSIDERA A RESTRIÇÃO DE RECURSOS: MCCC SDPM

41 41 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Cronograma: Metodologia & Tempo

42 42 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos CONTRATANTE PATROCINADOR GOVERNO EQUIPE DO PROJETO CONTRATADAS PrevistoRealizado Datas Valores Eventos Custos MUNDO REAL EMPREENDIMENTO Sistema de Informações em Gerenciamento de Projetos SIGP EFICÁCIA Linha do Tempo Papel das Ferramentas Computacionais

43 43 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos As tarefas e/ou atividades de um projeto são: PROCESSOS Um Processo existe ao longo da LINHA DO TEMPO Um Processo é caracterizado por: Entrada, Transformação e Saída Um Processo consome : RECURSOS Recursos podem ser: Reutilizáveis (mão-de-obra e equipamentos) Consumíveis (materiais) Gerenciamento de Projetos

44 44 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos 44 O cronograma resultante se transforma em AUTORIZAÇÃO DE TRABALHO e a sua medição permite ajustes no modelo, de forma a obter mecanismo para decisões seguras Controle do Cronograma O cronograma é continuamente medido e revisado em relação da EFICÁCIA Previsto X Realizado O cronograma é continuamente medido e revisado em relação da EFICÁCIA Previsto X Realizado

45 45 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Melhoria Contínua & Kaizen P CD A

46 46 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Quais as consequências da aplicação das principais metodologias para a estimativa de duração de um projeto, no processo de modelagem de um cronograma? Conclusão Constata-se que em função das características e premissas constituintes das metodologias, as mesmas, quando aplicadas causam impactos diversos, especialmente quanto à expectativa de duração do projeto, que sofre grande variação. A partir da definição do papel dos recursos, as diferenças quanto à estimativa de duração do projeto sofrem pouca variação.

47 47 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Referências JEFFERSON GUIMARÃES PMI - PMBOK TEMPO É LUCRO – Edward J Fern A META – Eliyahu M Goldratt CORRENTE CRÍTICA – Eliyahu M Goldratt Mundo Project Management Revista MundoPM GESTÃO DO TEMPO: um estudo comparativo entre as principais metodologias empregadas no desenvolvimento de cronogramas para o gerenciamento de projetos – Jefferson Guimarães E-Plan (Yahoo)

48 48 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos OBRIGADO! Eng JEFFERSON GUIMARÃES, SpP, MBA, PMP Engenheiro Civil e Técnico em Mecânica


Carregar ppt "1 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos. 2 / 48 Planejando & Controlando Empreendimentos Quais as consequências da aplicação das principais metodologias."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google