A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Marília Macroeconomia Aula 1 Balanço Pagamentos Taxa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Marília Macroeconomia Aula 1 Balanço Pagamentos Taxa."— Transcrição da apresentação:

1 CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Marília Macroeconomia Aula 1 Balanço Pagamentos Taxa de Câmbio Regimes Cambiais

2 Tópicos de discussão Estrutura do Balanço de Pagamentos Estrutura do Balanço de Pagamentos Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais Ajustando o Balanço de Pagamentos Ajustando o Balanço de Pagamentos

3 Estrutura do balanço de pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O balanço de pagamentos registra todas as transações entre residentes e não residentes de um país num determinado período de tempo. Definem-se como residentes de um país todas as pessoas, físicas ou jurídicas, que tenham esse país com seu principal centro de interesse. O balanço de pagamentos registra todas as transações entre residentes e não residentes de um país num determinado período de tempo. Definem-se como residentes de um país todas as pessoas, físicas ou jurídicas, que tenham esse país com seu principal centro de interesse.

4 Estrutura do balanço de pagamentos No Brasil, o Balanço de Pagamentos é elaborado pelo Banco Central, com base no registro das transações efetuadas por residentes e não residentes. No Brasil, o Balanço de Pagamentos é elaborado pelo Banco Central, com base no registro das transações efetuadas por residentes e não residentes. Na contabilização desses registros, adotamos a regra das partidas dobradas: Na contabilização desses registros, adotamos a regra das partidas dobradas: Toda transação que cria um direito constitui um créditoToda transação que cria um direito constitui um crédito Toda transação que cria uma obrigação constitui um débito.Toda transação que cria uma obrigação constitui um débito. De modo geral, podemos considerar que toda entrada de divisas corresponde a um crédito e toda saída a um débito. De modo geral, podemos considerar que toda entrada de divisas corresponde a um crédito e toda saída a um débito.

5 Estrutura do balanço de pagamentos Créditos: Créditos: exportações de bens e serviçosexportações de bens e serviços recebimento de doações e indenização de estrangeirosrecebimento de doações e indenização de estrangeiros Recebimento de empréstimos de estrangeirosRecebimento de empréstimos de estrangeiros recebimento de reembolso de capital do estrangeirorecebimento de reembolso de capital do estrangeiro vendas de ativos para estrangeirosvendas de ativos para estrangeiros Recebimentos de fretes, etcRecebimentos de fretes, etc Débitos: Débitos: importações de bens e serviçosimportações de bens e serviços pagamentos de doações e indenizações a estrangeirospagamentos de doações e indenizações a estrangeiros pagamentos de capital emprestados por estrangeirospagamentos de capital emprestados por estrangeiros reembolsos de capital a estrangeirosreembolsos de capital a estrangeiros compras de ativos de estrangeiroscompras de ativos de estrangeiros pagamentos de fretes etc.pagamentos de fretes etc.

6 Estrutura do balanço de pagamentos

7 Balança de Transações Correntes Se essa conta for superavitária, isto significa que o país está recebendo recursos que podem ser utilizados:Se essa conta for superavitária, isto significa que o país está recebendo recursos que podem ser utilizados: (i) no pagamento de compromissos assumidos anteriormente (diminuição do endividamento externo) (i) no pagamento de compromissos assumidos anteriormente (diminuição do endividamento externo) (ii) para investimento do país no exterior (aumento do controle do país sobre empreendimentos no exterior) (ii) para investimento do país no exterior (aumento do controle do país sobre empreendimentos no exterior) (iii) para aumentar as reservas do país. (iii) para aumentar as reservas do país. Se essa conta for deficitária, isto implica a necessidade de:Se essa conta for deficitária, isto implica a necessidade de: (i) contrair empréstimos no exterior (aumentando o endividamento externo); (i) contrair empréstimos no exterior (aumentando o endividamento externo); (ii) contrair investimentos estrangeiros no país (aumentando o controle de estrangeiros sobre empreendimentos no país); (ii) contrair investimentos estrangeiros no país (aumentando o controle de estrangeiros sobre empreendimentos no país); (iii) diminuir as reservas do país. (iii) diminuir as reservas do país.

8 Balança de Transações Correntes O saldo do Balanço de Transações Correntes é chamado poupança Poupança Externa.O saldo do Balanço de Transações Correntes é chamado poupança Poupança Externa. Quando há déficit nas transações correntes, há Poupança Externa Positiva. Significa que, em termos reais (não financeiros), estamos absorvendo recursos reais do resto do mundo, que permitem o financiamento do consumo e do investimento do país. A contrapartida financeira desse fluxo real é o aumento do endividamento do país.Quando há déficit nas transações correntes, há Poupança Externa Positiva. Significa que, em termos reais (não financeiros), estamos absorvendo recursos reais do resto do mundo, que permitem o financiamento do consumo e do investimento do país. A contrapartida financeira desse fluxo real é o aumento do endividamento do país. Quando ocorre superávit no Balanço de Transações Correntes, há Poupança Externa Negativa, no sentido de que estamos transferindo bens e serviços para o resto do mundo.Quando ocorre superávit no Balanço de Transações Correntes, há Poupança Externa Negativa, no sentido de que estamos transferindo bens e serviços para o resto do mundo.

9 Balança Comercial Inclui as exportações (X) e as importações (M)Inclui as exportações (X) e as importações (M) X < M DÉFICIT X < M DÉFICIT X > M SUPERÁVIT X > M SUPERÁVIT Para determinar o valor das exportações podemos considerar preços FOB ou preços CIFPara determinar o valor das exportações podemos considerar preços FOB ou preços CIF

10 Balança Comercial FOB - Free on Bord - despesas incluídas no valor das mercadorias são as incorridas até o embarque da mercadoriaFOB - Free on Bord - despesas incluídas no valor das mercadorias são as incorridas até o embarque da mercadoria CIF - Cost, Insurance, and Freight - que são incluídas no valor das mercadorias, além do custo, o frete e o seguro do seu transporte até o destino.CIF - Cost, Insurance, and Freight - que são incluídas no valor das mercadorias, além do custo, o frete e o seguro do seu transporte até o destino.

11 Balança Comercial FOB - Free on Bord / CIF - Cost, Insurance, and Freight FOB - Free on Bord / CIF - Cost, Insurance, and Freight Exemplo: Exportação de 70 geladeiras para Cingapura, via Porto de Santos Exemplo: Exportação de 70 geladeiras para Cingapura, via Porto de Santos Preço FOB/Santos: US$ ,50Preço FOB/Santos: US$ ,50 Custo de frete: US$ 80/metro cúbico + taxa de combustível de 9,8% + taxa de utilização do porto de 7,0% Custo de frete: US$ 80/metro cúbico + taxa de combustível de 9,8% + taxa de utilização do porto de 7,0% Volume das 70 geladeiras: 70 metros cúbicos Volume das 70 geladeiras: 70 metros cúbicos Custo do frete: US$ 6.680,00 Custo do frete: US$ 6.680,00 Seguro: coeficiente de 1,0495 sobre o valor (soma) do custo e frete, aumentado em 10% Seguro: coeficiente de 1,0495 sobre o valor (soma) do custo e frete, aumentado em 10% Custo do seguro: US$ 194,83 Custo do seguro: US$ 194,83 Preço CIF/Cingapura: US$ ,33Preço CIF/Cingapura: US$ ,33

12 Balança Comercial Para o cálculo da Balança Comercial, utilizamos as exportações a preços FOB, já que as despesas com seguros e fretes estão incluídas na Balança de ServiçosPara o cálculo da Balança Comercial, utilizamos as exportações a preços FOB, já que as despesas com seguros e fretes estão incluídas na Balança de Serviços Os principais fatores que determinam o Balança Comercial são:Os principais fatores que determinam o Saldo da Balança Comercial são: O nível de renda da economia O nível de renda da economia O nível de renda do resto do mundo O nível de renda do resto do mundo A taxa de câmbio A taxa de câmbio Os termos de troca Os termos de troca

13 Balança de Serviços Representa as negociações internacionais dos chamados bens invisíveis ou intangíveis, e os rendimentos de investimentos.Representa as negociações internacionais dos chamados bens invisíveis ou intangíveis, e os rendimentos de investimentos. Possui as seguintes subcontas: Possui as seguintes subcontas: Transportes e seguros Transportes e seguros Viagens internacionais Viagens internacionais Rendas de capital (juros da dívida externa; remessa de lucros) Rendas de capital (juros da dívida externa; remessa de lucros) Diversos (royalties, patentes, assistência técnica, comissões, aluguel de equipamentos, filmes, etc.) Diversos (royalties, patentes, assistência técnica, comissões, aluguel de equipamentos, filmes, etc.) Transferências unilaterais (ou donativos) Transferências unilaterais (ou donativos)

14 Movimento (Balança) de Capitais Agrupa as contas que representam modificações nos direitos e obrigações de residentes no país para com não residentes. Agrupa as contas que representam modificações nos direitos e obrigações de residentes no país para com não residentes. Esta conta inclui: Esta conta inclui: Investimentos (diretos ou de carteira)Investimentos (diretos ou de carteira) ReinvestimentosReinvestimentos Empréstimos e Financiamentos a longo (> 10 anos) e médio prazo (> 5 anos)Empréstimos e Financiamentos a longo (> 10 anos) e médio prazo (> 5 anos) Empréstimos de Curto Prazo ( < 1 ano);Empréstimos de Curto Prazo ( < 1 ano); Amortizações (pagamentos do principal);Amortizações (pagamentos do principal); Capitais a curto prazo (capitais especulativos, de alta volatibilidade).Capitais a curto prazo (capitais especulativos, de alta volatibilidade).

15 Erros e Omissões Surgem em função de equívocos existentes no registro de operações do país com o exterior.Surgem em função de equívocos existentes no registro de operações do país com o exterior. Inúmeras contas são registradas com valores estimados, o que impede a equivalência perfeita entre os créditos e os débitos.Inúmeras contas são registradas com valores estimados, o que impede a equivalência perfeita entre os créditos e os débitos.

16 Transações Compensatórias (Financiamento Oficial Compensatório) Balança de Transações Correntes + Movimentos de Capitais + Erros e Omissões = Resultado do Balanço de PagamentosBalança de Transações Correntes + Movimentos de Capitais + Erros e Omissões = Resultado do Balanço de Pagamentos Transações Compensatórias = Resultado do Balanço de PagamentosTransações Compensatórias = Resultado do Balanço de Pagamentos Os principais itens dessa rubrica são:Os principais itens dessa rubrica são: Variação de reservas Variação de reservas Operações de Regularização (FMI) Operações de Regularização (FMI) Atrasados Comerciais Atrasados Comerciais

17 Balança Comercial Balança de Serviços Transferências unilaterais Saldo do balanço em transações correntes Movimento de Capitais Erros e Omissões Saldo total do balanço de pagamentos Variações nas Reservas Estrutura do Balanço de Pagamentos BALANÇO DE PAGAMENTOS

18 Balanço de Pagamentos/2009 US$ milhões Balança comercial (FOB) Exportações Importações Serviços e rendas Receitas Despesas Transferências unilaterais correntes (líquido) Transações correntes Conta capital e financeira Investimento direto (líquido) Investimentos em carteira Outros investimentos Superavit (+) ou Déficit (-) no BP Reservas Internacionais de Liquidez em 31/12/2009 US$ milhões

19

20

21 Taxa de câmbio Taxa de câmbio, no Brasil, é o preço em moeda nacional de uma unidade de moeda estrangeira Taxa de câmbio, no Brasil, é o preço em moeda nacional de uma unidade de moeda estrangeira Exemplo: R$ 1,65/US$ 1Exemplo: R$ 1,65/US$ 1 Um elevação da taxa de câmbio significa desvalorização.Um elevação da taxa de câmbio significa desvalorização. Uma redução da taxa de câmbio significa valorização.Uma redução da taxa de câmbio significa valorização.

22 Taxa de câmbio Uma desvalorização cambial tende a desestimular as importações e estimular as exportações, pois, no mercado interno, encarece os bens importados e aumenta a renda dos exportadores e, no mercado externo, barateia os bens que o país exporta. Uma desvalorização cambial tende a desestimular as importações e estimular as exportações, pois, no mercado interno, encarece os bens importados e aumenta a renda dos exportadores e, no mercado externo, barateia os bens que o país exporta. Uma valorização cambial tem o efeito inverso Uma valorização cambial tem o efeito inverso

23 Taxa de Câmbio Exemplo 1: Exemplo 1: Taxa de Câmbio (nominal) em 20/05/2004 = R$ 3,20/dólarTaxa de Câmbio (nominal) em 20/05/2004 = R$ 3,20/dólar Preço em Reais de um par de sapatos produzido no Brasil = R$ 50Preço em Reais de um par de sapatos produzido no Brasil = R$ 50 Preço em Dólares de um par de sapatos = R$ 50/3,20 = US$ 15,6Preço em Dólares de um par de sapatos = R$ 50/3,20 = US$ 15,6 Taxa de Câmbio (nominal) em 05/06/2010 = R$ 1,84/dólarTaxa de Câmbio (nominal) em 05/06/2010 = R$ 1,84/dólar Preço em Dólares do par de sapatos = R$ 50/1,84 = U$ 27,2Preço em Dólares do par de sapatos = R$ 50/1,84 = U$ 27,2 % do preço do par de sapatos em dólares% do preço do par de sapatos em dólares 27,2 – 15,6 x 100 = + 74,2% 27,2 – 15,6 x 100 = + 74,2% 15,6 15,6 Conclusão: o exportador brasileiro perde competitividade no exterior e as exportações de sapatos diminuemConclusão: o exportador brasileiro perde competitividade no exterior e as exportações de sapatos diminuem

24 Taxa de Câmbio Exemplo 2: Exemplo 2: Taxa de Câmbio (nominal) em 20/05/2004 = R$ 3,2/dólarTaxa de Câmbio (nominal) em 20/05/2004 = R$ 3,2/dólar Preço em Dólares de uma calça de brim feita na China = US$ 10Preço em Dólares de uma calça de brim feita na China = US$ 10 Preço em Reais da calça chinesa no Brasil = US$ 10 x 3,2 = R$ 32,00Preço em Reais da calça chinesa no Brasil = US$ 10 x 3,2 = R$ 32,00 Taxa de Câmbio (nominal) em 05/06/2010 = R$ 1,84/dólarTaxa de Câmbio (nominal) em 05/06/2010 = R$ 1,84/dólar Preço em Dólares da calça chinesa no Brasil = US$ 10 x 1,84= R$ 18,40Preço em Dólares da calça chinesa no Brasil = US$ 10 x 1,84= R$ 18,40 % do preço da calça em Reais% do preço da calça em Reais 18,4 – 32,0 x 100 = - 42,5% 18,4 – 32,0 x 100 = - 42,5% 32,0 32,0 Conclusão: o produto importado fica mais barato, estimulando as importações.Conclusão: o produto importado fica mais barato, estimulando as importações.

25 Taxa de Câmbio Taxa de câmbio nominal = relação entre quantidade de moedas Taxa de câmbio nominal = relação entre quantidade de moedas Exemplo: R$ 1,84/US$ 1Exemplo: R$ 1,84/US$ 1 Taxa de câmbio real = relação de preços entre o produto nacional e o produto estrangeiro. Reflete a competitividade da produção doméstica em relação à externa. Taxa de câmbio real = relação de preços entre o produto nacional e o produto estrangeiro. Reflete a competitividade da produção doméstica em relação à externa. Taxa de câmbio efetiva = ponderação de diversas taxas reais de câmbio de acordo com a importância dos parceiros comerciais. Taxa de câmbio efetiva = ponderação de diversas taxas reais de câmbio de acordo com a importância dos parceiros comerciais.

26 Taxa de Câmbio A taxa de câmbio real é influenciada tanto pela variação nos preços (inflação) dentro e fora do país, quanto pela variação da taxa de câmbio nominal (valorização ou desvalorização do câmbio)

27 Taxa de Câmbio Real Exemplo 1 (Variação de Preços, ou seja, inflação): Exemplo 1 (Variação de Preços, ou seja, inflação): Taxa de Câmbio (nominal) em 21/05/2006 = R$ 1,64/dólarTaxa de Câmbio (nominal) em 21/05/2006 = R$ 1,64/dólar Taxa de Câmbio (nominal) em 21/05/2010 = R$ 1,84/dólarTaxa de Câmbio (nominal) em 21/05/2010 = R$ 1,84/dólar Preço em Reais de um automóvel no Brasil em 21/05/2006 = R$ Preço em Reais de um automóvel no Brasil em 21/05/2006 = R$ Preço em Dólares do mesmo automóvel nos EUA = US$ Preço em Dólares do mesmo automóvel nos EUA = US$ Preço em Dólares de um automóvel no Brasil em 21/05/2006Preço em Dólares de um automóvel no Brasil em 21/05/2006 R$ /1,64 = US$ R$ /1,64 = US$ Taxa de Câmbio Real do automóvel = / = 0,99Taxa de Câmbio Real do automóvel = / = 0,99 O carro brasileiro era 1% mais barato que o americano O carro brasileiro era 1% mais barato que o americano Preço em Dólares do automóvel brasileiro em 21/05/2010 = R$ Preço em Dólares do automóvel brasileiro em 21/05/2010 = R$ R$ /1,84 = US$ R$ /1,84 = US$ Taxa de Câmbio Real do automóvel = / = 1,06Taxa de Câmbio Real do automóvel = / = 1,06 O carro brasileiro é, agora, 6% caro que o americano O carro brasileiro é, agora, 6% caro que o americano

28 Taxa de Câmbio Real Exemplo 2 (Variação na taxa de câmbio): Exemplo 2 (Variação na taxa de câmbio): Taxa de Câmbio (nominal) em 20/05/2004 = R$ 3,20/dólarTaxa de Câmbio (nominal) em 20/05/2004 = R$ 3,20/dólar Taxa de Câmbio (nominal) em 21/05/2010 = R$1,87/dólarTaxa de Câmbio (nominal) em 21/05/2010 = R$1,87/dólar Preço em Reais de um automóvel no Brasil = R$ Preço em Reais de um automóvel no Brasil = R$ Preço em Dólares do mesmo automóvel nos EUA = US$ Preço em Dólares do mesmo automóvel nos EUA = US$ Preço em Dólares do automóvel brasileiro em 20/05/2004Preço em Dólares do automóvel brasileiro em 20/05/2004 R$ /3,212 = US$ R$ /3,212 = US$ Taxa de Câmbio Real do automóvel = / = 0,97Taxa de Câmbio Real do automóvel = / = 0,97 O carro brasileiro era 3% mais barato que o americano O carro brasileiro era 3% mais barato que o americano Preço em Dólares do automóvel brasileiro em 20/05/2010Preço em Dólares do automóvel brasileiro em 20/05/2010 R$ /1,87 = US$ R$ /1,87 = US$ Taxa de Câmbio Real do automóvel = / = 1,67Taxa de Câmbio Real do automóvel = / = 1,67 O carro brasileiro é, agora, 90% caro que o americano O carro brasileiro é, agora, 90% caro que o americano

29 Taxa de Câmbio Real E = eP*/P E = eP*/P E = taxa real de câmbioE = taxa real de câmbio e = taxa de câmbio nominale = taxa de câmbio nominal P* = índice de preços do país estrangeiroP* = índice de preços do país estrangeiro P = índice de preços no mercado nacionalP = índice de preços no mercado nacional

30 Taxa de Câmbio Real A inflação interna tende a encarecer os produtos de exportação e tornar mais baratos os produtos importados A inflação interna tende a encarecer os produtos de exportação e tornar mais baratos os produtos importados A inflação externa tende a encarecer os produtos que importamos e estimular nossas exportações A inflação externa tende a encarecer os produtos que importamos e estimular nossas exportações

31 Taxa de Câmbio Real * O sinal negativo reflete a convenção de que no Brasil a taxa de cambio é o preço da moeda estrangeira em moeda nacional. Por isso, a desvalorização da moeda nacional aparece como subida de preço e a valorização da moeda nacional como queda de preço

32 Taxa de Câmbio Real A taxa de câmbio nominal deve ser corrigida ao longo do tempo pelo diferencial entre a inflação doméstica e internacional, de modo a manter a taxa de câmbio real constante A taxa de câmbio nominal deve ser corrigida ao longo do tempo pelo diferencial entre a inflação doméstica e internacional, de modo a manter a taxa de câmbio real constante (1+ E) = (1 + )/(1 + *) (1+ E) = (1 + )/(1 + *) E = variação da taxa de câmbio no período E = variação da taxa de câmbio no período = inflação doméstica = inflação doméstica *= inflação externa *= inflação externa

33 Taxa de Câmbio Real Exemplo: Taxa de Câmbio (nominal) em 02/01/2004 = R$ 2,88Taxa de Câmbio (nominal) em 02/01/2004 = R$ 2,88 Taxa de Inflação no Brasil e nos Estados UnidosTaxa de Inflação no Brasil e nos Estados Unidos Taxa de Inflação nos EUA 2004/2009 = 1,023 x 1,025 x 1,032 x 1,025 x 1,029 x 1,038 = 1,18 = 18% Taxa de Inflação nos EUA 2004/2009 = 1,023 x 1,025 x 1,032 x 1,025 x 1,029 x 1,038 = 1,18 = 18% Taxa de Inflação nos Brasil 2004/2009 = 1,147 x 1,076 x 1,069 x 1,03 x 1,036 x = 1,49 = 49% Taxa de Inflação nos Brasil 2004/2009 = 1,147 x 1,076 x 1,069 x 1,03 x 1,036 x = 1,49 = 49% AnoEUABrasil 20042,3%14,7% 20052,5%7,6% 20063,2%6,9% 20072,5%3,0% 20082,9%3,6% 20093,8%5,7%

34 Taxa de Câmbio Real Exemplo: Taxa de Câmbio (nominal) em 02/01/2004 = R$ 2,88Taxa de Câmbio (nominal) em 02/01/2004 = R$ 2,88 Inflação nos Estados Unidos 2004/2009 = 18%Inflação nos Estados Unidos 2004/2009 = 18% Inflação no Brasil em 2004/2009= 49%Inflação no Brasil em 2004/2009= 49% (1+ E) = (1 + )/(1 + *)(1+ E) = (1 + )/(1 + *) E = variação da taxa de câmbio no período E = variação da taxa de câmbio no período = inflação doméstica = inflação doméstica *= inflação externa *= inflação externa ( 1 + E ) = (1 + 0,49)/(1+0,18) = 1,26( 1 + E ) = (1 + 0,49)/(1+0,18) = 1,26 E = 0,26 ou 26% E = 0,26 ou 26% Taxa de Câmbio (nominal) em 02/01/2010 para manter a paridade com 02/01/2004: R$ 2,88 x 1,26= R$ 3,62Taxa de Câmbio (nominal) em 02/01/2010 para manter a paridade com 02/01/2004: R$ 2,88 x 1,26= R$ 3,62 Taxa de Câmbio (nominal) em 02/01/2010 = R$ 1,73Taxa de Câmbio (nominal) em 02/01/2010 = R$ 1,73

35 Paridade do Poder de Compra (Purchase Power Parity – PPP) e a Lei do Preço Único De acordo com a Lei do Preço Único, na ausência de custos de transporte, mercadorias exatamente iguais deveriam ter o mesmo preço em qualquer parte do mundo. De acordo com a Lei do Preço Único, na ausência de custos de transporte, mercadorias exatamente iguais deveriam ter o mesmo preço em qualquer parte do mundo. Como o preço de muitas mercadorias e de serviços não comercializáveis (non tradebles) tendem a ser mais baixos em economias pobres, um dólar compra muito mais coisas, por exemplo, na China, do que nos Estados Unidos. Como o preço de muitas mercadorias e de serviços não comercializáveis (non tradebles) tendem a ser mais baixos em economias pobres, um dólar compra muito mais coisas, por exemplo, na China, do que nos Estados Unidos. Assim, a conversão do PIB de um país pobre em dólares a taxas de câmbio de mercado subestima a verdadeira dimensão de sua economia em termos de produto real (quantidade de mercadorias produzidas x preço). Assim, a conversão do PIB de um país pobre em dólares a taxas de câmbio de mercado subestima a verdadeira dimensão de sua economia em termos de produto real (quantidade de mercadorias produzidas x preço). Se o PIB chinês for convertido em dólares usando taxas de câmbio de mercado, o resultado seria US$ 2,7 trilhões, em 2006, apenas 20% dos US$ 13,2 trilhões do PIB americano e o quarto maior do mundo. Se o PIB chinês for convertido em dólares usando taxas de câmbio de mercado, o resultado seria US$ 2,7 trilhões, em 2006, apenas 20% dos US$ 13,2 trilhões do PIB americano e o quarto maior do mundo. Aos preços vigentes nos Estados Unidos, entretanto o PIB chinês seria muito maior (quantidade de mercadorias produzidas na China x preço dessas mesmas mercadorias nos EUA) Aos preços vigentes nos Estados Unidos, entretanto o PIB chinês seria muito maior (quantidade de mercadorias produzidas na China x preço dessas mesmas mercadorias nos EUA)

36 Com o objetivo de corrigir essa distorção foi desenvolvido o conceito de Paridade de Poder de Compra. Com o objetivo de corrigir essa distorção foi desenvolvido o conceito de Paridade de Poder de Compra. Por meio desse conceito procura-se medir o tamanho real de cada economia eliminando-se as distorções produzidas pelas diferenças de preços. Por meio desse conceito procura-se medir o tamanho real de cada economia eliminando-se as distorções produzidas pelas diferenças de preços. Numa escala PPP, portanto, o Banco Mundial classifica a China como a segunda maior economia do mundo, com um PIB de US$ 10 trilhões. Numa escala PPP, portanto, o Banco Mundial classifica a China como a segunda maior economia do mundo, com um PIB de US$ 10 trilhões. Paridade do Poder de Compra (Purchase Power Parity – PPP) e a Lei do Preço Único

37 Há vários modos de se calcular a Paridade de Poder de Compra entre duas moedas: Há vários modos de se calcular a Paridade de Poder de Compra entre duas moedas: O Índice Big Mac, compilado, pela revista The Economist é uma medida aproximada do PPP.O Índice Big Mac, compilado, pela revista The Economist é uma medida aproximada do PPP. Assim, se um Big Mac, que é rigorosamente igual em qualquer lugar do mundo, custa U$ 4 dólares nos Estados Unidos e o seu preço em yuans na China, convertido em dólares americanos, corresponde a U$ 1 dólar, isso quer dizer que o poder de compra de um dólar na China é 4 vezes maior que nos Estados Unidos.Assim, se um Big Mac, que é rigorosamente igual em qualquer lugar do mundo, custa U$ 4 dólares nos Estados Unidos e o seu preço em yuans na China, convertido em dólares americanos, corresponde a U$ 1 dólar, isso quer dizer que o poder de compra de um dólar na China é 4 vezes maior que nos Estados Unidos. Isso quer dizer que um PIB de dólares correntes na China de US$ 2,5 bilhões equivale na realidade, em termos de mercadorias efetivamente produzidas, a US$ 10 bilhões.Isso quer dizer que um PIB de dólares correntes na China de US$ 2,5 bilhões equivale na realidade, em termos de mercadorias efetivamente produzidas, a US$ 10 bilhões.

38 Paridade do Poder de Compra (Purchase Power Parity – PPP) e a Lei do Preço Único Estimativas mais sofisticadas são produzidas pelo Programa de Comparação Internacional do Banco Mundial. Estimativas mais sofisticadas são produzidas pelo Programa de Comparação Internacional do Banco Mundial. São coletados preços de mais de 800 produtos e serviços em países do mundo inteiro e por meio deles se estabelece um escala PPP.São coletados preços de mais de 800 produtos e serviços em países do mundo inteiro e por meio deles se estabelece um escala PPP.

39 Paridade do Poder de Compra (Purchase Power Parity – PPP) e a Lei do Preço Único As comparações entre países baseadas no dólar PPP, entretanto, não é isenta de críticas, por diversos motivos: As comparações entre países baseadas no dólar PPP, entretanto, não é isenta de críticas, por diversos motivos: O comércio internacional é feito com base em dólares correntes, de modo que, na medida em que as economia se abrem ao comércio, a tendência é valer a Lei do Preço Unico.O comércio internacional é feito com base em dólares correntes, de modo que, na medida em que as economia se abrem ao comércio, a tendência é valer a Lei do Preço Unico. Além disso, o conceito de Dólar PPP desconsidera:Além disso, o conceito de Dólar PPP desconsidera: Custos de transação Custos de transação Diferenças nas cestas de consumo Diferenças nas cestas de consumo

40 ÍNDICE BIG MAC PAÍS EM MOEDA LOCAL EM DÓLARES PPP* IMPLICITO DODÓLAR TAXA DE CÂMBIO(02/06/2007) SUB( SOBRE) VALORIZAÇÃO EM RELAÇÃO AO DÓLAR Estados Unidos US$ 3,41 3,41 Argentina Peso 8,25 2,672,423,09-22 Austrália A$ 3,45 2,951,011,17-14 Brasil R$ 6,90 3,612,021,91+6 China Yuan 11,0 1,453,237,60-58 Japão ¥ 280 2,2982, México Peso 29,00 2,698,5010,8-21 Rússia Rublos 52,00 2,0315,225,6-41 * Preço local dividido pelo preço nos Estados Unidos Fonte: The Economist July 5th 2007 Paridade do Poder de Compra (Purchase Power Parity – PPP) e a Lei do Preço Único

41 Programa de comparações internacioais (2005) - Banco Mundial PaísPIB per capitaPIB (em bilhões)PPP Taxa de Câmbio Dólar PPP Dólar Corrente Dólar PPPDólar CorrenteUS$ = 1 Brasil ,2882,51,362,43 China ,22.243,83,458,19 Rússia ,5764,427,2165,72 Índia ,0778,714,6744,10 EUA ,1 11 Fonte: 2005 International Comparison Program - Banco Mundial - Fevereiro /2008

42 Regimes Cambiais A determinação da taxa de câmbio (preço da moeda estrangeira expresso em moeda nacional) é influenciada por dois fatores: A determinação da taxa de câmbio (preço da moeda estrangeira expresso em moeda nacional) é influenciada por dois fatores: Oferta e demanda de divisas (forças de mercado)Oferta e demanda de divisas (forças de mercado) Decisões administrativas do governoDecisões administrativas do governo Da combinação desses fatores, resultam três regimes cambiais: Da combinação desses fatores, resultam três regimes cambiais: Câmbio flutuanteCâmbio flutuante Câmbio fixoCâmbio fixo Regime mistoRegime misto

43 Câmbio Fixo No regime de câmbio fixo a taxa é determinada pelo governo, que se compromete a comprar e vendar divisas, por meio do Banco Central, a um determinado preço fixado pelo governo. No regime de câmbio fixo a taxa é determinada pelo governo, que se compromete a comprar e vendar divisas, por meio do Banco Central, a um determinado preço fixado pelo governo.

44 Câmbio Flexível ou Flutuante No regime de câmbio flexível, a taxa de câmbio é determinada pelo mercado, de modo a equilibrar a oferta e a demanda de divisas No regime de câmbio flexível, a taxa de câmbio é determinada pelo mercado, de modo a equilibrar a oferta e a demanda de divisas

45 Regime Misto ou Flutuação suja Regime misto ( que pode ser ou não de bandas cambiais) a taxa de câmbio varia dentro de determinados limites estabalecidos pela política econômica do país. Regime misto ( que pode ser ou não de bandas cambiais) a taxa de câmbio varia dentro de determinados limites estabalecidos pela política econômica do país. É também chamado de regime de flutuação suja (dirty floating). É também chamado de regime de flutuação suja (dirty floating).

46 O crescimento das exportações e seus determinantes Volume de importações: depende da renda nominal e taxa de câmbio real Volume de importações: depende da renda nominal e taxa de câmbio real Volume de exportações: depende da renda do resto do mundo e da taxa de câmbio real Volume de exportações: depende da renda do resto do mundo e da taxa de câmbio real

47 5/4/2014 Luís Antonio Paulino 47 Fonte: Folha de S. Paulo, 10/02/2007

48 5/4/2014 Luís Antonio Paulino 48 Fonte: O Estado de S. Paulo, 16/05/2007

49 Movimento de capitais Em um mundo com mobilidade de capital tenderia a valer a seguinte condição de arbitragem: Em um mundo com mobilidade de capital tenderia a valer a seguinte condição de arbitragem: r = r* + expectativa de desvalorização do câmbio nominal + custos de transação + risco país.r = r* + expectativa de desvalorização do câmbio nominal + custos de transação + risco país. r = taxa de juros internar = taxa de juros interna r* = taxa de juros internacionalr* = taxa de juros internacional

50 Ajustando o Balanço de Pagamentos Instrumentos para ajuste do Balanço de Pagamentos Instrumentos para ajuste do Balanço de Pagamentos Desvalorização cambialDesvalorização cambial Elevação das tarifas de importaçãoElevação das tarifas de importação Estabelecimento de cotas de importaçãoEstabelecimento de cotas de importação Concessão de subsídios às exportaçõesConcessão de subsídios às exportações Controle de capitaisControle de capitais Redução do nível de atividade econômica (recessão)Redução do nível de atividade econômica (recessão) Elevação da taxa interna de jurosElevação da taxa interna de juros


Carregar ppt "CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Marília Macroeconomia Aula 1 Balanço Pagamentos Taxa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google