A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mercado Argentino de Confecções abeceb.com Apresentador: Carlos Perez Bello.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mercado Argentino de Confecções abeceb.com Apresentador: Carlos Perez Bello."— Transcrição da apresentação:

1 Mercado Argentino de Confecções abeceb.com Apresentador: Carlos Perez Bello

2 Índice I.Caracterização da economia argentina II.O setor de vestuário III.Varejistas de vestuário IV.Relações de negócios entre Brasil e Argentina V.Principais oportunidades/segmentos no mercado local de vestuário. VI.Pontos fortes e fracos VII.Dados de interesse

3 Argentina: características gerais Localização geográfica: Situada no extremo sul do Continente Americano. Superficie: Abrange uma extensão territorial de km2, dos quais correspondem ao Continente Americano e à Antártica e ilhas do Atlântico Sul. É o 2º país mais extenso da América Latina depois do Brasil, dado que representa 44% da extensão da referida economia. Organização territorial: A Argentina está dividida em 24 jurisdições, 23 províncias e na Cidade Autônoma de Buenos Aires, que é a sede do governo nacional.

4 Argentina: características gerais Clima diverso: climas que variam de quente no noroeste a frio no sul

5 Argentina: População geral e divisão por regiões Total: habitantes Densidade da população: 12,9 hab/km2 População por sexo: Homens48,80% Mulheres51,20% População por zona: Urbana89,40% Rural10,60% Densidade populacional relativamente baixa População com maioria feminina (51,2%) e urbana (89,4%) Distribuição da população por faixa etária e sexo Fonte: abeceb.com com base na EPH, Ministério da Economia Caracterização da população 50,150,4 49,4 46,846,5 47,6 42,1 39,4 47,7 49,949,6 50,6 53,253,5 52,4 57,9 60,6 52, ou mais Total Mulher Homem

6 Argentina: População geral e divisão por regiões Aglomerado Renda per cápita familiar. Em $ Cidade de Bs. As.912 Grande Córdoba492 Grande Mendoza449 Grande Rosário436 Grande Santa Fé432 Regiões da GBA427 Aglomerados de maior populaç ã o e maior renda per c a pita MAIORES CENTROS DE CONSUMO Fonte: abeceb.com com base na EPH, Ministério da Economia O principal aglomerado é "Regiões dos centros urbanos com 42% da população do país e Capital Federal com 12% (Aglomerado de Buenos Aires), seguido de Grande Córdoba (5,8%) e Grande Rosário (5,2%). Distribuição geográfica da população por aglomerado urbano Centros urbanos; 41,1 Capital Federal; 12,6 Buenos Aires; 53,7 Restante 25 aglomerados; 35,4 Grande Rosário; 5,2 Grande Córdoba; 5,8

7 Evolução do PIB em relação aos preços de 1993 Argentina: evolução econômica Para 2007 e 2008 são esperados novos aumentos na ordem de 7,4% e 6% respectivamente. Fonte: abeceb.com com base no Ministério da Economia

8 Consumo doméstico -14,4 8,2 9,5 8,9 7,5 6,0 5,6 59,158,5 57,8 60,859, (e)2008 (e) Var% inter anual Part% no PBI porcentagem histórica superior a 50% do produto. Var.% do Consumo em relação aos preços de 1993

9 Participação porcentual no Gasto. Total país Argentina: gastos domésticos Vestuário e calçados atingem 8,3% dos gastos domésticos. Fonte: abeceb.com com base na ENGH - INDEC, Ministério da Economia 3,1 6,1 7,2 7,6 8,2 8,3 10,8 15,2 33, Educação Bens e serviços diversos Equipamento e manutenção doméstica Saúde Lazer Vestuário e calçados Propriedades, combustível, água e eletricidade. Transporte e comunicações Alimentos e bebidas

10 Argentina: gastos domésticos Gastos de consumo por região e finalidade. Gasto de consumo Grande Buenos Aires PampasNoroeste Nordes- te CuyoPatagônia Total100 Alimentos e bebidas31,33440,539,133,630,4 Transporte e comunicações16,114,512,713,615,417,3 Propriedades, combustível, água e eletricidade 10,611,19,211,611,112,1 Vestuário e calçados7,28,710,29,39,410,7 Lazer98,16,26,16,89,2 Equipamento e manutenção doméstica 7,37,16,88,377,2 Bens e serviços diversos6,36,15,85,26,25,4 Saúde8,47,964,87,34,8 Educação3,92,52,72,13,12,9 Todas as regiões gastam aproximadamente porcentagens superiores a 7% em vestuário e calçados. Fonte: abeceb.com com base na ENGH - INDEC, Ministério da Economia

11 Renda média familiar por nível e porcentagem da renda Argentina: aspectos da cultura e do estilo de vida do país Notas *1 EPH 1T 06 Ajustado *2 FIDE (Fundação de Pesquisas para o Desenvolvimento) ajustado pela inflação *3 Linha de pobreza INDEC Junho 06 O impulso da classe média Fonte: abeceb.com com base na CCR e EPH, Ministério da Economia

12 Argentina: aspectos da cultura e do estilo de vida do país Compras na semana Sem sazonalidade Classe média sofisticada Supermercados segmentados Venda à distância Comidas exóticas

13 Argentina: aspectos da cultura e do estilo de vida do país Setor economicamente influente (classe média) % de menções espontâneas. O que considera importante para ter uma boa apresentação? O vestuário é um dos bens que a classe média considera como importante para ter uma boa apresentação Fonte: abeceb.com com base em informações relevantes Nota: amostragem em um grupo de classe social média. Ano de Viagens (ao Exterior) Internet Eletrodomésticos Perfumes Livros Celular Computadores Automóvel Roupa

14 Argentina: aspectos da cultura e do estilo de vida do país Compra de produtos importados. Ano de 2004 Produtos importados que não compra mais. % de menções espontâneas. Ano de 2004 Grande concorrência de produtos brasileiros com respeito às marcas locais Fonte: abeceb.com com base em informações relevantes Bebidas Calçados Tecnologia Computadores Eletrodomésticos Cosméticos Gêneros alimentícios Roupa Perfumes

15 Setor de vestuário: o mercado, insumos As matérias primas têxteis podem ser classificadas em: fibras naturais de origem vegetal: algodão, linho, juta, cânhamo etc. Fibras naturais de origem animal: lã, seda e outras Fibras manufaturadas regeneradas de polímeros naturais: modal e acetato Fibras manufaturadas regeneradas sintéticas: poliester, elastômeros etc.) O setor industrial produtor de têxteis encontra-se estreitamente relacionado com a indústria do vestuário e caracteriza-se por ter essa cadeia integrada. A disponibilidade dos insumos constitui historicamente um dos pontos fortes principais desse agrupamento setorial Fonte: abeceb.com com base em informações relevantes A produção de fibras de algodão alcançou o nível recorde durante o ano de 2005 com 448 mil toneladas, superando a marca de 1999.

16 Setor de vestuário: o mercado, empresas SetorADISIJPAFIPCIAI Têxtil Vestuário Quantidade de empresas por segmento Têxtil - vestuário. Segundo a fonte Devido à grande segmentação do setor, os dados são heterogêneos segundo a fonte consultada. Nota: ADI Agência de Desenvolvimento de Investimentos, SIJP: Sistema Integrado de Aposentadorias e Pensões, AFIP: Administração Federal de Receitas Públicas, CIAI: Câmara da Indústria Argentina do Vestuário O setor de vestuário caracteriza-se por contar com uma grande quantidade de empresas de tamanho reduzido (microempresas), que representam mais de 70% do total de fábricas O tipo de empresa que gera mais empregos (mão-de-obra intensiva) são as pequenas, empregando quase 40% do total de operários ocupados no setor Grau de ocupação Tipo de empresa Segundo a quantidade de empresas Segundo a quantidade de ocupação em % do total do setor Até 5 funcionáriosMicroempresas74,20%18,60% De 6 a 40 funcionáriosPequenas22,60%38,10% De 41 a 150 funcionários Médias2,72%28,80% Mais de 151 funcionários Grandes0,48%14,50% Estrutura das empresas de vestuário conforme o tamanho Quantidade de locais destinados à venda de vestuário: Fonte: abeceb.com com base em informações relevantes Fonte: abeceb.com com base na CIAI

17 Setor de vestuário: o mercado, produção e emprego Índice de volume físico. Base 1997=100. Fabricação de produtos têxteis e vestuário Índice de operários empregados. Base 1997=100. Fabricação de produtos têxteis e vestuário Tanto o segmento têxtil como o de vestuário melhoraram a posição em relação aos níveis de fabricação e emprego apresentados em 2001 e espera-se que continuem em expansão acompanhando o crescimento da economia. Fonte: abeceb.com com base no Centro de Estudos para a Produção CEP

18 Setor de vestuário: o mercado, uso da capacidade Utilização da capacidade instalada. Em % Em 2006 o setor deixa uma margem pequena de capacidade ociosa, devido a isso uma expansão da demanda no futuro impulsionaria novos investimentos ou novas importações Vendas em milhares de pesos no setor têxtil e de vestuário. Ano de 2005 Durante 2005 o faturamento ultrapassou 4 bilhões de pesos no setor do vestuário, enquanto no segmento têxtil foi mais que o dobro. Fonte: abeceb.com com base no INDEC Fonte: abeceb.com com base na AFIP jan-02 mar-02 mai-02 jul-02 set-02nov-02 jan-03 mar-03 mai-03 jul-03 set-03nov-03 jan-04 mar-04 mai-04 jul-04 set-04 nov-04 jan-05 mar-05 mai-05 jul-05 set-05nov-05 jan-06 mar-06 mai-06 jul-06 set-06nov-06 Nível geral Setor têxtil Prom UCI Textil Prom UCI NG VestuárioTêxtil

19 Setor de vestuário: circuito de logística e mecanismos de entrega Reposições semanais Entregas planificadas de temporadaFeiras de moda e showrooms Representantes de vendas no interior do país Circuito de logística e mecanismos de entrega Circuito de logística, etapas: A, B, C, D Cabides Saco polietileno preto Saco polietileno transparente Saco polietileno transparente p/ cabide Faixa de tela A D Estoque BC passado a ferro lavagem montado e costura peça montada moldes riscadocorte empilhado

20 Setor de vestuário: estratégias Estilo, qualidade e diferenciação do produto constituem uma vantagem competitiva Posicionamento da marca nos pontos de venda dos principais centros de compras, shoppings e vias principais (Avenida Santa Fe, Peatonal Florida, Avenida Cabildo). Adaptação rápida às preferências do mercado e pressão sobre os produtores de peças de vestuário em relação a prazos de pagamento, entregas e compromissos de produção. Gerais

21 A introdução de TIC (Tecnologias de Informação e Comunicações) permite reduzir os tempos de produção e melhorar a posição competitiva das empresas É importante desenvolver capacidades associativas entre os produtores para entrar e obter acesso ao mercado e permanecer até consolidar as suas posições De onde se possa operar as necessidades de desing, a definição dos pedidos e o acompanhamento dos ciclos de planificação de entregas, despachos de mercadorias para as praças, nacionalização e alfândega, faturamento e cobrança Específicas TIC Redes organizativa s Plataformas comerciais Setor de vestuário: estratégias

22 Setor de vestuário: estratégias de marcas locais, estudo de caso A dura competição das importações durante a década de 1990 permitiu à indústria de roupas femininas usar o conhecimento local para se transformar no melhor segmento de mercado, alcançando diferenciação e gerando oportunidades de exportação. Exemplo em estudo: Moda feminina- segmentação do mercado das marcas locais Setor exportador ALTO Maria Vazquez Graciela Naum Jazmin Chobar Ona Saenz Ayres Ossira Paula Cahen D'AnversAwada Caro Cuore Las Pepas Trosman Churba Kosiuko Clara Ibarguren AkiabaraTucciChocolate Zoel PREÇO Daniel CassiniSystem BasicClaudia LarretaKill Jennifer ComplotJohn L. CookPortsaid StoneTizaTed Bodin OrixEF/Sail Yagmour*SweetMateriaYagmour*Comma BAIXO CASUALHIPFORMAL *Vendendo dois segmentos com a mesma marca ESTILO

23 Setor de vestuário: estratégias, outros casos Levi Strauss que passou de filial de empresa estrangeira para capital nacional, recebeu um forte impacto da crise econômica e terminou nas mãos da licenciada do Uruguai. Wrangler, trabalhada durante anos por uma franquia local, que chegou a ter uma importante operação fabril e cadeia de distribuição própria, voltou às mãos do grupo internacional que hoje a conduz Grupo Benetton, nas mãos de um produtor local, impôs grandes exigências aos seus franqueados no estabelecimento do ponto e no design das lojas, em um momento em que o mercado não dava oportunidade de recuperação do investimento nos prazos previstos Mango, uma marca internacional com forte presença na Espanha, realizou grandes investimentos nos negócios de varejo, mas os seus gostos e estilos não se adaptaram às preferências locais Casos sem êxito Levi Strauss Casos de sucesso Zara, um exemplo de sucesso que se repete em outros países, com um estilo europeu moderno e clássico ao mesmo tempo, consolidou a sua posição no mercado argentino. Lacoste, propriedade da empresa Vesubio, que permanece vigente e muito bem posicionada tanto na sua cadeia de locais exclusivos como em locais de multimarcas Lacoste

24 Setor de vestuário: estratégias, outros casos Na atualidade estão aparecendo etiquetas de moda de luxo aproveitando o auge do consumo nobre na Argentina, provocado em parte pela recuperação econômica e muito influenciado pelo turismo estrangeiro. Armani Exchange A I X criada pelo estilista italiano Giorgio Armani já está no Shopping Paseo Alcorta, Valentino com um local na avenida Alvear, Tiffany com um espaço exclusivo nas Galerias Pacífico, Salvatore Ferragamo com seu local no Palácio Duhau, sobre a avenida Alvear, Ermenegildo Zegna, a italiana Gianfranco Ferré entre outros, somam-se aos já estabelecidos Hermés, Louis Vuitton, Ralph Lauren, Nina Ricci, Emporio Armani, Armani Casa y Escada, entre outros Consumo nobre Armani Ermenegildo Zegna

25 Setor de vestuário: principais países comercializadores Evolução do intercâmbio comercial de vestuário. Em milhões de U$S. Fonte: abeceb.com com base no INDEC O setor do vestuário mostrou-se historicamente um intercâmbio negativo para a Argentina

26 Setor de vestuário: principais países comercializadores Fonte: abeceb.com com base no INDEC Evolução do intercâmbio comercial de vestuário. Em milhões de U$S. Ano de 2006 A origem principal das importações foi o Brasil, com 39,3% do total, seguido pela China com 12%. Exportações Importações Paraguai; 4,1 México; 4,1 Estados Unidos; 4,2 Brasil ; 10 Espanha ; 10,1 Uruguai; 21,2 Chile; 24,6 RM; 21,9 Territórios do Reino Unido ; 2,2 Myanmar (Ex Birmânia); 4,1 Índia; 4,8 Paraguai; 7,5 Uruguai; 7,8 China; 12 Brasil ; 39,3 RM; 22,2

27 Setor de vestuário: principais peças comercializadas, exportações Exportações em U$S milhões. Destino Brasil ,7 11,8 23,5 Calções e cuecas de malha, de algodão, para homens os meninos Calças compridas, curtas, macacão e shorts excl. de malha, de algodão, para homens ou meninos camisetas com e sem mangas de ponto, de algodão

28 Setor de vestuário: principais peças comercializadas, importações Importações em U$S milhões. Principais origens por peça 2006 BrasilChina 22,9 7,5 7,0 6,6 5,3 4,8 4,4 18,9 10,6 camisetas com e sem mangas de malha, de algodão Camisas excl. de malha, de algodão, para homens e meninos Camisetas com e sem mangas de malha, de matéria têxtil excl. algodão Calças compridas, curtas, macacão e shorts excl. de malha, de algodão, para homens ou meninos Camisas de malha, de algodão, para homens ou meninos Camisetas, calcinhas, roupão e similares excl. de malha, de algodão, para mulheres ou meninas Peças de vestir excl. de malha,confecção com produtos de feltro ou tecidos sem tecer Artigos têxteis confeccionados ncp Calças compridas, curtas, macacão, e shorts excl. de malha, de fibras sintéticas, para homens ou meninos Artigos de algodão cru ncp Camisas e blusas de malha, de algodão, para mulheres ou meninas 24,5 12,2 10,1 9,4 8,6 12,9 12,2 Suéteres, pulôveres, coletes e similares de malha, fibras sintéticas ou fibras artificiais Calças compridas, curtas, macacão e shorts excl. de malha, de fibras sintéticas,p/ homens ou meninos Capas com capuz, jaquetas e similares, de fibras sintéticas ou artificiais, para homens ou meninos Casacos compridos, capas de chuva, jaquetões e similares, de fibras sintéticas ou artificiais, para mulheres ou meninas Suéteres, pulôveres, coletes e similares de malha, de algodão Artigos têxteis confeccionados ncp Casacos compridos, capas de chuva, jaquetões e similares, de fibras sintéticas ou artificiais, para homens ou meninos Capas com capuz, jaquetas e similares excl. de malha, de fibras sintéticas ou artificiais, p/ mulheres ou meninas

29 Setor de vestuário: temporada de compra Datas-chave de vendas: 1 = Dia dos namorados, 2 = Início das aulas, 3 = Dia dos pais, 4 = Férias de inverno – Turismo, 5 = Dia das crianças, 6 = Natal, 7 = Dia da Primavera (mulheres), 8 = Zonas de veraneio / praia. Nota: As temporadas de inverno já não são tão pronunciadas, meia-estação o ano todo, mudança climática, turismo. BAAM: Buenos Aires Alta Moda - Primavera Verão 11 a 19/09/2006 BAF: Fashion Week Buenos Aires - Outono Inverno 23/02 a 3/03/2007 Temporada de compra Atividades Primavera - Verão Vendas8176 Liquidação de verão81 Planificação da coleção de verão Colocação dos pedidos de compra Processo de fabricação Primeiras entregas ao varejo Reforço das entregas Expectativa do Natal Outono - Inverno Vendas234 Liquidação de inverno5 Planificação da coleção de inverno Colocação dos pedidos de compra Processo de fabricação Primeiras entregas ao varejo Reforço das entregas Jan.Fev.Mar.Abr.Mai.Jun.Jul.Ago.Set.Out.Nov.Dez. AM Baf

30 Setor de vestuário: informalidade, estilo e turismo Informalidade Estilo Turismo La Salada, é uma das maiores feiras ilegais da América Latina, identificada recentemente pela União Européia (UE) como um emblema mundial do comércio e da produção de mercadoria falsificada Essa feira movimenta U$S 9 milhões por semana e emprega pessoas para atender as mais de que vêm de todo o país cada vez que a feira inicia suas atividades Mais de 100 oficinas de costura clandestinas, que empregariam mais de 1000 pessoas "em condições de servidão" e em violação das leis de migração e de trabalho em domicílio o estilo do vestuário está em desenvolvimento constante devido às mudanças das características econômicas com o fim da conversibilidade, a reativação da indústria devido à substituição de importações e ao fato de se haver nivelado os custos de produção com os de outros países, hoje também é possível a exportação As propostas das marcas são variadas e se adaptam a cada tipo de consumidor: Jazmín Chebar, Benito Fernández, Rapsodia, Clara Ibarguren, Chocolate, Caro Cuore, La Martina, Vero Ivaldi, Ay not dead etc. Atraídos pelos baixos preços em dólares, pela criatividade dos estilos e pela qualidade dos produtos, as compras de produtos nacionais feitas por esses mesmos turistas estão crescendo sensivelmente: 52% durante o ano de 2006 Os visitantes gastam uma média de 400 pesos cada vez que fazem uma compra no país. Os itens preferidos: couro, roupas, calçados e artesanato.

31 Setor de vestuário: Varejistas, estrutura de mercado Múltiplas marcas Outlets Lojas de departamento

32 Setor de vestuário: Varejistas, estrutura de mercado Cadeias de franquias Fabricantes c/ cadeia própria de varejo Estilo de autor Palermo viejo

33 Setor de vestuário: Varejistas, estrutura de mercado Hipermercados Lojas do interior Vendas por catálogo Independentes Vendas pela Internet Jumbo Avon

34 Setor de vestuário: Varejistas, estrutura de mercado Mercado ao qual se destinam as peças. Em % O segmento de senhoras, tanto formal como informal, concentra a maior porcentagem (30%) dos destinos das roupas. Depois vem o segmento masculino, com 21% entre roupa formal e informal Destaca-se o setor de jeans com 18% Fonte: abeceb.com com base no CIAI e ADI Vestuário para meninos; 10% Formal para senhoras; 11% Informal para homens; 13% Informal para senhoras; 19% Esportivo; 6% Formal para homens; 8% Íntima; 15% Jeans(*); 18%

35 Setor de vestuário: Varejistas, estrutura de mercado Segmentos de demanda. Ano de 2006 O segmento de trajes informais ou em volume concentra mais de 59% da demanda. Fonte: abeceb.com com base no CIAI e ADI (1) Trabalhadores não incluídos nos itens anteriores e que não exigem vestimentas especiais. (2) Quantidade de trabalhadores projetados até 2006 na indústria alimentícia, trabalhadores do setor de saúde, laboratórios etc. (3) População entre 3 e 12 anos do período de 2006 inscrita em estabelecimentos escolares particulares e do Estado. (4) Trabalhadores rurais, da construção, da indústria exceto os incluídos em (2), das oficinas mecânicas etc. (5) Calculado sobre a quantidade de turistas que entraram no país no ano de 2005, segundo o INDEC. (7) Uniformes para empresas, gastronômicas, uniformes de forças de segurança etc. (6) Executivos de empresas médias e grandes, funcionários públicos de nível gerencial, em empresas hoteleiras, vendedores de automóveis e máquinas, empregados de imobiliárias, consultoras etc. Segundo a atividade realizada Proporção de pessoas por segmento Segmentos de peças informais e/ou em volume (1)51% Guarda-pós (2) e uniformes escolares (3)24% Roupa de trabalho e trajes de segurança (4)10% Turistas de países latino-americanos e do resto do mundo (5) 8% Trajes de alto conteúdo formal (6)3% Turistas dos EUA, Canadá e Europa (5)3% Uniformes para atividades específicas (5)2%

36 Setor de vestuário: Varejistas, preços Índice de preços saídos da fábrica vs. preços ao consumidor IPIM Índice de Preços Internos por Atacado (Saídos da Fábrica) IPC Índice de Preços ao Consumidor NG Nível Geral Os preços finais que o consumidor paga pela aquisição de peças de vestir está relacionado com o preço de atacado da fábrica. Por sua vez, esse preço está estreitamente relacionado ao dos insumos utilizados para a confecção que se manejam com preços de commodities e aumentaram após a desvalorização. IPIM tecidosIPIM peçasIPC roupa 13%45%60,2% Var% 2006/2002 Peças - preços ao consumidor2006/2002 ROUPA60,2 Roupa externa para homens49,5 Roupa externa para mulheres76,2 Roupa externa para crianças e bebês 55,6 As peças femininas são os que mostraram maior aumento de preços após a recuperação econômica IPIM NGIPIM TECIDOSIPIM PEÇASIPC NGIPC VESTUÁRIO

37 Setor de vestuário: Varejistas, preços Preços médios em U$S. Vestuário masculino Marcas nobres: Polo Ralph Lauren, Etiqueta Negra, Tommy Hilfiger, Lacoste, Grupo A: Tannery, Bowen, Legacy, Cardon, John L. Cook, Levi´s, New Man, UFONYC, La Martina Grupo B: Kevingston, Rever Pass, Dufour, Fiorucci, Wrangler, Mistral, Narrow, Soho, Solido, Lojas: Falabella / C&A Supermercados : Carrefour / Jumbo PeçasNobreSegmento ASegmento BLojasSupermercados Camisa 100% algodão com bolsos93,351,535,723,018,3 Jeans111,554,238,828,018,3 Camiseta Piquê M/Comprida71,739,217,819,8 Calças tipo dockers, algodão83,348,336,732,5 Camisa Oxford 100% algodão33,339,233,320,0 Blusa 100% algodão com Logo e/ou estampa75,044,036,520,015,8 Agasalho 100% algodão M/C c/ estampa41,725,016,313,35,8

38 Setor de vestuário: Varejistas, vestuário relacionado ao painel de preços Suéter Jeans Camiseta Piquê M/Curta Camiseta 100% algodão M/C c/ estampa

39 Setor de vestuário: Varejistas, vestuário relacionado ao painel de preços Camisa Oxford 100% algodão Calças tipo dockers, algodão

40 Setor de vestuário: Varejistas, preços Preços médios em U$S. Vestuário feminino PeçasSegmento ASegmento BLojasSupermercados Camisa Clássica50,025,023,317,5 Camisa moda58,333,328,321,3 Camiseta algodão30,016,714,210,6 Suéter liso algodão61,728,321,716,3 Jeans denim clássico73,340,034,225,6 Calças moda95,836,728,321,3 Vestido clássico algodão100,030,0 22,5 Trench175,083,3 62,5 Saia45,033,331,723,8 Grupo A : Akiabara, Ayres, Rapsodia, Wanama, Chocolate, Paula Cahen D´Anvers, Vitamina, UMA Grupo B: Chatelet, Yagmour, PortSaid, Daniel Cassin, Kill Lojas : Falabella / C&A Supermercados : Carrefour / Jumbo Preços médios em U$S. Vestuário crianças Grupo A : Cheeky, Mimo & Co., Paula Cahen DÁnvers; Grupo B: Advanced, Gimos, Grisino, Conilglio, Creciendo, Voss; Lojas : Falabella / C&A; Supermercados : Carrefour / Jumbo Coleção outono-inverno 2007 Segmento ASegmento BLojasSupermercados Camiseta 100% algodão M/C c/ estampa 11,511,39,28,3 Jeans denim24,022,316,714,7 Vestido algodão para meninas jeans 22,221,515,013,0 Agasalho esportivo de plush / Agasalho esportivo com capuz com zíper 23,820,013,312,2

41 Setor de vestuário: Varejistas, vestuário relacionado ao painel de preços Camiseta algodãoJeans Camisa clássica Vestido clássico algodão Calças moda

42 Setor de vestuário: Varejistas, vestuário relacionado ao painel de preços Agasalho esportivo de plush Agasalho esportivo com capuz Vestido algodão para meninas jeans

43 Setor de vestuário: Relações de negócios entre Brasil e Argentina Dos consumidores de vestuário Embora o vestuário brasileiro não se apresente como uma referência de moda no imaginário do consumidor argentino, existe uma boa valorização das peças de "algodão brasileiro," particularmente camisetas, produto das compras de turistas argentinos nos seus períodos de férias nas praias brasileiras, ou então como recordação dos produtos que se importaram de forma massiva na década de Dos fabricantes de insumos (segmento têxtil) Dos fabricantes de vestuário Dos vendedores de vestuário Imagem em relação à introdução de peças brasileiras na Argentina Durante o período de 2002 a 2004 a imagem dos fabricantes de têxteis em relação aos insumos brasileiros foi negativa, dado ao forte crescimento da importação de tecidos, fios e denim provenientes do referido país. Isso terminou em acordos comerciais para os três insumos, mantendo-se na atualidade somente acordos sobre o último item (denim). A partir de 2004 essa percepção negativa tem se diluído. No que se refere ao vestuário, não tem havido reclamações do setor pela importação de produtos finais (peças) brasileiros A percepção poderá ser negativa ou positiva dependendo da concorrência das peças importadas com as fabricadas localmente

44 Setor de vestuário: Principais oportunidades/segmentos no mercado local Marcas Expectativas Adequações das peças O desenvolvimento de marcas próprias baseadas no estilo e na imagem, como barreira de entrada em um negócio altamente competitivo, permitiu às empresas argentinas colocar-se em uma posição de liderança dentro do mercado de vestuário O Brasil, por ser um mercado próximo, com aspectos culturais semelhantes e com uma indústria de grande capacidade, pode ser um sócio estratégico natural frente a outras alternativas de negócios provenientes dos mercados asiáticos As expectativas dos consumidores baseiam-se em uma cultura de compra enfocada em uma boa relação entre qualidade e preço, em um bom serviço e atenção ao cliente e em produtos diferenciados em moda e design. No que se refere ao setor de varejo e empresas de marcas, a busca permanente de novidades e boas propostas de novos materiais constituem o determinante para diferenciar as suas coleções. A penetração no mercado argentino exige um trabalho cuidadoso em adequar as coleções aos gostos e às preferências do consumidor, sendo este um dos principais pontos a ser considerado, já que historicamente as coleções desenvolvidas para o mercado brasileiro não tiveram aceitação no mercado local

45 Setor de vestuário: dados de interesse, mecanismos de entrega Super/Grandes lojas importação direta, compras com antecipação, capacidade logística, distribuição Cadeias de marcas / franquias importação direta, menor capacidade logística Lojas de múltiplas marcas importação direta baixa ou inexistente, comprar contra estoques, compras planificadas e na temporada Distribuidores grandes atacadistas com capacidade e logística, costumam comprar oportunidades TENDÊNCIA GERAL Cada vez mais as empresas fornecedoras de peças acabadas acompanham a tendência do just in time. Ninguém quer ficar com o custo financeiro de estoques superdimensionados ou imobilizados

46 Setor de vestuário: datos de interesse, acesso ao mercado Em linhas gerais, deveria considerar-se a existência de: Restrições alfandegárias Tarifas alfandegárias, taxas e impostos: * Tarifas alfandegárias de importação (sistema alfandegário, tipo de tarifa alfandegária, tipos de destinações de importação, proibições de importação, preferências de importação). * Taxas. Impostos (IVA) Restrições alfandegárias Documentação geralmente exigida e tempo de despacho Outros documentos exigidos na Alfândega: Certificado de origem, certificado de correspondência Proibições/permissões de importação: Restrições à importação por questões técnicas (registro, homologação, qualidade etc.), requisitos ambientais, licenças de importação, requisitos de rotulagem e embalagem) Informações complementares: Condições de transporte, feiras, exposições, páginas da web de interesse. Algumas considerações particulares do setor de vestuário: É necessário apresentar Certificado de origem Fatura da empresa brasileira com legitimação do Consulado Argentino no Brasil Não existem cotas de importação Pagamento de impostos: Em geral se aplicam 3% de lucros, 21% de IVA e IVA adicional inscrito segundo Resolução 3431/91A dos 10%.

47 Setor de vestuário: dados de interesse, feiras Feira / ExposiçãoDataLocal Cemca 59 - Exposição da Moda e Manufaturas de Couro 7 a 20 de fevereiro Costa Salguero, Buenos Aires Confemaq 2º - Salão de máquinas para confecção 21 a 23 de maio Centro Costa Salguero, Buenos Aires Salón de la Moda Argentina Mulher e Homem Urbanos, denim e informal Primavera - Verão 2006 Julho A confirmar Centro Costa Salguero, Buenos Aires Expo D X T ª Exposição Internacional do Mercado Esportivo 5 a 7 de agosto Centro Costa Salguero, Buenos Aires Buenos Aires Fashion Week Moda Verão 2007 Agosto A confirmar Predio Ferial de la Rural, Buenos Aires Pro Textil ª Convenção Anual da Agro-indústria Têxtil, de Vestuário e Design Argentino 23 de agosto Predio Ferial de la Rural, Buenos Aires Emitex Salão Internacional de Fornecedores para a Indústria da Confecção 8 a 10 de novembro Centro Costa Salguero, Buenos Aires Simatex Salão Internacional de Máquinas para a Indústria Têxtil 8 a 10 de novembro Centro Costa Salguero, Buenos Aires

48 Setor de vestuário: dados de interesse, lojas Loja para homens. Segmento A Loja para homens. Segmento B Loja para crianças. Segmento A

49 Setor de vestuário: dados de interesse, lojas Loja para senhoras. Segmento A Loja para senhoras. Segmento B

50 Setor de vestuário OPORTUNIDADESPONTOS FORTES Ciclo econômico favorável, aumento sustentado do consumo interno, crescimento entre 2007/08 Melhor tecnologia, investimentos e operações da cadeia de valor têxtil e do vestuário Necessidades de importação para abastecer a demanda interna Reconhecimento de qualidade intrínseca em peças de algodão Nichos de mercado para produtos de nível médio com estilo e qualidade Boa imagem empresária industrial A valorização do tipo de câmbio poderia afetar a competitividade da produção argentina. Empresas do setor têxtil e outras indústrias já instaladas na Argentina Proximidade aos mercados AMEAÇASDEBILIDADES Liberalização do comércio mundial e concorrência de países com baixo custo de mão-de-obra (China, Ásia) Mercado muito concentrado na moda e no design com perfil diferente das preferências do mercado brasileiro Práticas desleais (marcas ilegais, evasão, mão- de-obra informal, contrabando etc.) dificultam garantir um desenvolvimento dos negócios a longo prazo Exigência de serviços por parte dos clientes que nem sempre cobrem a adequação custo/benefício Relação Institucional entre os setores dos dois países, Políticas do MERCOSUR A valorização da moeda em relação ao dólar afeta a competitividade frente a países asiáticos Oportunidades e pontos fortes para a introdução de vestuário brasileiro na Argentina

51

52


Carregar ppt "Mercado Argentino de Confecções abeceb.com Apresentador: Carlos Perez Bello."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google