A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA CORREGEDORIA DESERÇÃO 01. CONCEITO Ausência não autorizada do serviço militar, por parte de um oficial ou de um soldado com.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "POLÍCIA MILITAR DA BAHIA CORREGEDORIA DESERÇÃO 01. CONCEITO Ausência não autorizada do serviço militar, por parte de um oficial ou de um soldado com."— Transcrição da apresentação:

1

2 POLÍCIA MILITAR DA BAHIA CORREGEDORIA DESERÇÃO

3 01. CONCEITO Ausência não autorizada do serviço militar, por parte de um oficial ou de um soldado com a intenção de não mais voltar (direito norte-americano)

4 2. DEFINIÇÃO LEGAL Art Ausentar-se o militar, sem licença, da Unidade em que serve, ou do lugar em que deve permanecer, por mais de oito dias: Pena – detenção de seis meses a dois anos; se oficial, a pena é agravada.

5 É a chamada deserção propriamente dita. Como a lei não estipula o quantum do agravamento, aplica-se o disposto no art. 73 do CPM, agravando-a de um quinto a um terço.

6 Art. 188 – Na mesma pena incorre o militar que: I- não se apresenta no lugar designado, dentro de oito dias, findo o prazo de trânsito ou férias; II – deixa de se apresentar à autoridade competente, dentro do prazo de oito dias, contados daquele que termina ou é cassada a licença ou agregação ou em que é declarado o estado de sítio ou de guerra;

7 III – tendo cumprido a pena, deixa de se apresentar, dentro do prazo de oito dias; IV – consegue exclusão do serviço ativo ou situação de inatividade, criando ou simulando incapacidade.

8 DESERÇÃO ESPECIAL ART. 190 – Deixar o militar de apresentar-se no momento da partida do navio ou aeronave, de que é tripulante, ou da partida ou deslocamento da unidade ou força em que serve:

9 Pena – Detenção até três meses, se após a partida ou deslocamento, se apresentar, dentro em vinte e quatro horas, à autoridade militar do lugar, ou, na falta desta, à autoridade policial, para ser comunicada a apresentação ao comando militar da região, distrito ou zona.

10 DESERÇÃO POR EVASÃO OU FUGA Art. 192 – Evadir-se o militar do poder da escolta, ou de recinto de detenção ou de prisão, ou fugir em seguida à prática de crime para evitar prisão, permanecendo ausente por mais de oito dias. Pena – Detenção, de seis meses a dois anos.

11 03. MOMENTO CONSUMATIVO É quando se completam os oito dias de ausência, consoante o art. 187 do Código Penal Militar.

12 04. AUSÊNCIA Antes da consumação do crime de deserção, o militar é considerado ausente por oito dias. Caso retorne ao serviço nesse período de ausência, não há falar-se em crime, mas em mera transgressão disciplinar, devendo nessa esfera o fato ser tratado.

13 05. PRAZO DE GRAÇA É o lapso de tempo de oito dias que a lei concede ao ausente, oportunizando-lhe o arrependimento e a conseqüente apresentação, não vindo, assim, a consumar o crime de deserção.

14 A contagem dos dias de ausência, à luz do art. 451 do CPPM, iniciar-se-á à zero hora do dia seguinte àquele em que for verificada a falta injustificada do militar. (grifo nosso). Ex. se a falta injustificada ocorreu dia 10, inicia-se a contagem do prazo `zero hora do dia 11 e consumar-se-á a deserção a partir da zero hora do dia 19.

15 06. PARTE DE AUSÊNCIA Deverá ser elaborada pelo chefe imediato do ausente e serve para: a) dar conhecimento do fato ao escalão superior; b) registrar o início da contagem do prazo de graça; c) provocar a elaboração do inventário de bens deixados ou extraviados pelo ausente;

16 07. DESPACHO DO COMANDANTE Na parte de ausência, o comandante irá exarar um despacho, mandando inventariar o material permanente da Fazenda Estadual, deixado ou extraviado pelo ausente, com a assistência de duas testemunhas idôneas e mandando publicar em BIO a parte de ausência e o próprio despacho. É de praxe incluir-se no inventário os bens particulares deixados pelo ausente.

17 08. INVENTÁRIO Destina-se a arrecadar os bens da Fazenda deixados ou extraviados e bens particulares deixados pelo ausente.

18 09. PARTE DE DESERÇÃO Documento elaborado pelo comandante da subunidade da praça ausente, ou autoridade correspondente, por meio do qual encaminhará o termo de inventário e participará ao comandante, chefe ou diretor que a praça está ausente por mais de oito dias.

19 10. DESPACHO DO COMANDANTE Recebida a parte de ausência, o comandante proferirá um despacho designando alguém (pode ser uma praça, especial ou graduada) para lavrar o termo de deserção.

20 11. TERMO DE DESERÇÃO No termo de deserção, que será subscrito pelo comandante e por duas testemunhas idôneas, de preferência oficiais, será formalizada a instrução provisória do processo de deserção devendo ser mencionadas todas as circunstâncias de fato, de forma a fornecer os elementos necessários á propositura da ação penal.

21 Uma vez publicado o termo de deserção, estará configurado o delito, que, no entendimento do Dr. ELÁDIO ESTRELA PACHECO, é instantâneo de efeito permanente, razão porque sujeita, a partir daí, o desertor à prisão.

22 12.DESPACHO NO TERMO DE DESERÇÃO Concluído o termo de deserção, o comandante despachará mandando que: a) Sejam publicados o termo de deserção e o próprio despacho; b) sejam juntados os assentamentos do desertor;

23 c) seja oficiado ao Comandante Geral encaminhando o termo de deserção e solicitando a exclusão (se praça não estável) ou a agregação (se oficial ou praça estável); d) seja arquivada cópia autenticada dos auto.

24 13. PRESCRIÇÃO DA DESERÇÃO Art. 132 – no crime de deserção, embora decorrido o prazo de prescrição, esta só extingue a punibilidade quando o desertor atinge a idade de quarenta e cinco anos; e, se oficial, a de sessenta. (grifo nosso).

25 Este artigo, na lição de JORGE ALBERTO ROMERO e de JORGE CÉSAR DE ASSIS, somente tem aplicação ao desertor que, sem se ter apresentado ou haver sido capturado, atinge a idade de 45 anos e, se oficial, 60.

26 Apresentando-se ou sendo capturado o desertor, retorna ele por reinclusão em virtude de inspeção de saúde, ou reversão, ao serviço da Corporação, perdendo a qualidade de desertor, qualidade exigida pelo art. 132 do COM. Este artigo não tem, assim, aplicação à prescrição que, a partir da cessação da permanência de crime de deserção, começa a fluir, se, daí em diante, ocorre a prescrição, esta extingue a punibilidade ainda que o militar processado ou condenado não tenha atingido 45 e, se oficial, a de 60.

27 Apresentando-se, o agente, ou sendo capturado, passa à condição de réu em delito de deserção, sendo-lhe aplicada a regra geral prevista no art. 125, VII, do COM. Assim decidiu o STM – AP PR-DJU,09/01/95, P.24 e Ap PR-DJU, 29/11/94, P

28 14. NOTÍCIA DE REINCLUSÃO OU REVERSÃO. DENÚNCIA. Havendo reinclusão ou reversão ao serviço, o comandante da Unidade providenciará, com urgência, sob pena de responsabilidade, a remessa à Auditoria de cópia do ato de reinclusão ou ato de reversão.

29 Ao receber a cópia do ato de reinclusão ou de reversão, o juiz auditor dará vista ao Ministério Publico Militar para que represente pelo arquivamento, solicite diligências ou ofereça denúncia, que, recebida pelo juiz auditor, dará início à ação penal. Como o prazo prescricional do delito de deserção é de apenas dois anos, contados do dia em que cessou a permanência do crime (com a apresentação ou a captura) é necessária a urgência no encaminhamento do referido ato pelo comandante.

30


Carregar ppt "POLÍCIA MILITAR DA BAHIA CORREGEDORIA DESERÇÃO 01. CONCEITO Ausência não autorizada do serviço militar, por parte de um oficial ou de um soldado com."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google