A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Oração do Terço. Doutrina Cristã Bastará crer para nos salvarmos? Não basta crer para nos salvarmos, pois Jesus Cristo diz-nos: «Se queres salvar-te guarda.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Oração do Terço. Doutrina Cristã Bastará crer para nos salvarmos? Não basta crer para nos salvarmos, pois Jesus Cristo diz-nos: «Se queres salvar-te guarda."— Transcrição da apresentação:

1 Oração do Terço

2 Doutrina Cristã Bastará crer para nos salvarmos? Não basta crer para nos salvarmos, pois Jesus Cristo diz-nos: «Se queres salvar-te guarda todos os meus Mandamentos». Orem e dialoguem comigo.

3 Ano C- XXIII Domingo do Tempo Comum

4 Se crês em Deus, se acreditas que Ele há-de voltar. Segue o caminho que Jesus nos veio ensinar. Então verás, que a vida se pode tornar melhor. Cantarei, cantarei o que Deus nos veio ensinar. Que a maneira de chegar ao Céu é amar, é amar, é amar, é amar o pobre, o rico e o pecador e tudo o que nesta vida é querido do Senhor!

5 Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Ámen! A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a Comunhão do Espírito Santo estejam convosco. Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo. Irmãos, para celebrar dignamente os Santos Mistérios reconheçamos que somos pecadores (momento de silêncio)

6 Confessemos os nossos pecados: Confesso a Deus Todo-Poderoso e a vós, irmãos, que pequei muitas vezes por pensamentos e palavras, actos e omissões, (batendo no peito) por minha culpa, minha tão grande culpa. E peço à Virgem Maria, aos Anjos e Santos, e a vós, irmãos, que rogueis por mim a Deus, Nosso Senhor. Deus Todo-Poderoso tenha compaixão de nós perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. Ámen!

7 Senhor, tende piedade de nós. Cristo, tende piedade de nós. Senhor, tende piedade de nós.

8 Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens por Ele amados. Senhor Deus, Rei dos céus, Deus Pai todo-poderoso: nós Vos louvamos, nós Vos bendizemos, nós Vos adoramos, nós Vos glorificamos, nós Vos damos graças por Vossa imensa glória.

9 Senhor Jesus Cristo, Filho Unigénito, Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus Pai: Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós; Vós que tirais o pecado do mundo, acolhei a nossa súplica; Vós que estais à direita do Pai, tende piedade de nós. Só Vós sois o Santo;

10 só Vós, o Senhor; só Vós o Altíssimo, Jesus Cristo; com o Espírito Santo, na glória de Deus Pai. Ámen

11 ORAÇÃO COLECTA Senhor nosso Deus, que nos enviastes o Salvador e nos fizestes vossos filhos adotivos, atendei com paternal bondade as nossas súplicas e concedei que, pela nossa fé em Cristo, alcancemos a verdadeira liberdade e a herança eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo. Amem.

12 Sab 9, (gr b) «Quem pode sondar as intenções do Senhor»

13 1ª LEITURA Sab 9, (gr b) Leitura do Livro da Sabedoria Qual o homem que pode conhecer os desígnios de Deus? Quem pode sondar as intenções do Senhor? Os pensamentos dos mortais são mesquinhos e inseguras as nossas reflexões, porque o corpo corruptível deprime a alma e a morada terrestre oprime o espírito que pensa. Mal podemos compreender o que está sobre a terra e com dificuldade encontramos o que

14 1ª LEITURA Sab 9, (gr b) temos ao alcance da mão. Quem poderá então descobrir o que há nos céus? Quem poderá conhecer, Senhor, os vossos desígnios, se Vós não lhe dais a sabedoria e não lhe enviais o vosso espírito santo? Deste modo foi corrigido o procedimento dos que estão na terra, os homens aprenderam as coisas que Vos agradam e pela sabedoria foram salvos. Graças a Deus

15

16 Salmo 89 (90), (R. 1) SENHOR VÓS TENDES SIDO O NOSSO REFÚGIO, ATRAVÉS DAS GERAÇÕES.

17 Flm 9b «Se me consideras teu amigo, recebe-o como a mim próprio.»

18 2ª LEITURA Flm 9b Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo a Filémon Caríssimo: Eu, Paulo, prisioneiro por amor de Cristo Jesus, rogo-te por este meu filho, Onésimo, que eu gerei na prisão. Mando-o de volta para ti, como se fosse o meu próprio coração. Quisera conservá-lo junto de mim, para que me servisse, em teu

19 2ª LEITURA Flm 9b lugar, enquanto estou preso por causa do Evangelho. Mas, sem o teu consentimento, nada quis fazer, para que a tua boa acção não parecesse forçada, mas feita de livre vontade. Talvez ele se tenha afastado de ti durante algum tempo, a fim de o recuperares para sempre, não já como escravo, mas muito melhor do que escravo: como irmão muito querido.

20 2ª LEITURA Flm 9b É isto que ele é para mim e muito mais para ti, não só pela natureza, mas também aos olhos do Senhor. Se me consideras teu amigo, recebe-o como a mim próprio. Graças a Deus

21 AclamaçãoALELUIA…. Fazei brilhar sobre mim, Senhor, a luz do vosso rosto e ensinai-me os vossos mandamentos.

22 Lc 14,

23 EVANGELHO Lc 14, O Senhor esteja convosco, Ele está no meio de Nós. Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. Lucas Gloria a Vós, Senhor!

24 EVANGELHO Lc 14, Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas Naquele tempo, seguia Jesus uma grande multidão. Jesus voltou-Se e disse-lhes: «Se alguém vem ter comigo, e não Me preferir ao pai, à mãe, à esposa, aos filhos, aos irmãos, às irmãs e até à própria vida, não pode ser meu discípulo. Quem não toma a sua cruz para Me seguir, não pode ser meu discípulo. Quem de vós, desejando

25 EVANGELHO Lc 14, construir uma torre, não se senta primeiro a calcular a despesa, para ver se tem com que terminá-la? Não suceda que, depois de assentar os alicerces, se mostre incapaz de a concluir e todos os que olharem comecem a fazer troça, dizendo: Esse homem começou a edificar, mas não foi capaz de concluir. E qual é o rei que parte para a guerra contra outro rei e não se senta primeiro a considerar se é capaz de

26 EVANGELHO Lc 14, se opor, com dez mil soldados, àquele que vem contra ele com vinte mil? Aliás, enquanto o outro ainda está longe, manda- lhe uma delegação a pedir as condições de paz. Assim, quem de entre vós não renunciar a todos os seus bens, não pode ser meu discípulo». Palavra da salvação. Gloria a Vós Senhor.

27

28 Ser discípulo de Jesus exige renunciar a duas coisas: os bens do mundo e os do coração. Ele põe quatro condições aos verdadeiros discípulos. A primeira: se alguém vem ter comigo, e não me preferir ao pai, à mãe, à esposa, aos filhos aos irmãos às irmãs e até à própria vida, não pode ser meu discípulo No oriente, se alguém deitar fora a relação com a família e a sociedade, perde o sustento, a segurança, e a identidade. A segunda, Carregar a sua cruz, foi uma realidade na igreja antiga e alguns fieis morreram na cruz. Hoje em dia significa seja uma enfermidade crónica, seja dor física, seja o sofrimento diário, seja a perda do trabalho ou de um ente querido. A terceira condição foi explicada pelas parábolas do construtor da torre e do rei a defender o seu reino Jesus chama a nossa atenção para calcular quanto vamos sofrer para O seguir. Na primeira parábola o construtor não acabou o edifício pela falta de dinheiro. A segunda parábola fala-nos do rei que planeia a estratégia contra um oponente agressivo. Seguir a Cristo, não é decisão de um momento. O compromisso exige decisões diárias para fazer face aos sofrimentos. A quarta condição para seguir Jesus não é só desprender-se dos bens materiais, mas nalgumas vezes, da vida própria. Hoje em dia também há bispos, sacerdotes, missionários e fieis que sofrem a morte de uma forma brutal. O pedido de renúncia total dos bens não é dirigido apenas a alguns, mas a todos os que vêm ter com Jesus. Há uma diferença entre seguir e participar. O rei convidou o povo das praças e ruas para participar no banquete com uma só condição: comer, beber e divertir-se no festim que foi preparado. O convite para o banquete deve levar a seguir Cristo. A recepção do baptismo ou a participação na missa de domingo não nos torna discípulos. Todos aceitam o conceito de seguir e tomar a cruz. Mas na prática, quando aparece o sofrimento e a prova a nossa fé abana, e tentamos evitá-los e fugir. Vamos iniciar a catequese. Muitas crianças escolham o jogo, a TV, a natação e deixam a catequese. Os pais e padrinhos no baptismo deles prometeram a Deus ensiná-los a professar a fé. È triste dizer que muitos não cumprem a promessa. As crianças não gostam destas coisas porque os pais nunca deram o exemplo da fé. Alguns pais deixam os filhos na catequese e nunca participam na missa. Um dia estas crianças vão testemunhar contra vós. Durante as férias muitos deixaram a igreja, a santa missa, a oração. Quando aprece uma cruz, perdemos a nossa fé e a nossa esperança. Quando não valorizamos (o)a moral e os sacramentos a vida torna-se difícil.

29 A segunda, Carregar a sua cruz, foi uma realidade na igreja antiga e alguns fieis morreram na cruz. Hoje em dia significa seja uma enfermidade crónica, seja dor física, seja o sofrimento diário, seja a perda do trabalho ou de um ente querido. A terceira condição foi explicada pelas parábolas do construtor da torre e do rei a defender o seu reino Jesus chama a nossa atenção para calcular quanto vamos sofrer para O seguir. Na primeira parábola o construtor não acabou o edifício pela falta de dinheiro. A segunda parábola fala-nos do rei que planeia a estratégia contra um oponente agressivo. Seguir a Cristo, não é decisão de um momento. O compromisso exige decisões diárias para fazer face aos sofrimentos. A quarta condição para seguir Jesus não é só desprender-se dos bens materiais, mas nalgumas vezes, da vida própria. Hoje em dia também há bispos, sacerdotes, missionários e fieis que sofrem a morte de uma forma brutal. O pedido de renúncia total dos bens não é dirigido apenas a alguns, mas a todos os que vêm ter com Jesus. Há uma diferença entre seguir e participar. O rei convidou o povo das praças e ruas para participar no banquete com uma só condição: comer, beber e divertir-se no festim que foi preparado. O convite para o banquete deve levar a seguir Cristo. A recepção do baptismo ou a participação na missa de domingo não nos torna discípulos. Todos aceitam o conceito de seguir e tomar a cruz. Mas na prática, quando aparece o sofrimento e a prova a nossa fé abana, e tentamos evitá-los e fugir. Vamos iniciar a catequese. Muitas crianças escolham o jogo, a TV, a natação e deixam a catequese. Os pais e padrinhos no baptismo deles prometeram a Deus ensiná-los a professar a fé. È triste dizer que muitos não cumprem a promessa. As crianças não gostam destas coisas porque os pais nunca deram o exemplo da fé. Alguns pais deixam os filhos na catequese e nunca participam na missa. Um dia estas crianças vão testemunhar contra vós. Durante as férias muitos deixaram a igreja, a santa missa, a oração. Quando aprece uma cruz, perdemos a nossa fé e a nossa esperança. Quando não valorizamos (o)a moral e os sacramentos a vida torna-se difícil.

30 vamos sofrer para O seguir. Na primeira parábola o construtor não acabou o edifício pela falta de dinheiro. A segunda parábola fala-nos do rei que planeia a estratégia contra um oponente agressivo. Seguir a Cristo, não é decisão de um momento. O compromisso exige decisões diárias para fazer face aos sofrimentos. A quarta condição para seguir Jesus não é só desprender-se dos bens materiais, mas nalgumas vezes, da vida própria. Hoje em dia também há bispos, sacerdotes, missionários e fieis que sofrem a morte de uma forma brutal. O pedido de renúncia total dos bens não é dirigido apenas a alguns, mas a todos os que vêm ter com Jesus. Há uma diferença entre seguir e participar. O rei convidou o povo das praças e ruas para participar no banquete com uma só condição: comer, beber e divertir-se no festim que foi preparado. O convite para o banquete deve levar a seguir Cristo. A recepção do baptismo ou a participação na missa de domingo não nos torna discípulos. Todos aceitam o conceito de seguir e tomar a cruz. Mas na prática, quando aparece o sofrimento e a prova a nossa fé abana, e tentamos evitá-los e fugir. Vamos iniciar a catequese. Muitas crianças escolham o jogo, a TV, a natação e deixam a catequese. Os pais e padrinhos no baptismo deles prometeram a Deus ensiná-los a professar a fé. È triste dizer que muitos não cumprem a promessa. As crianças não gostam destas coisas porque os pais nunca deram o exemplo da fé. Alguns pais deixam os filhos na catequese e nunca participam na missa. Um dia estas crianças vão testemunhar contra vós. Durante as férias muitos deixaram a igreja, a santa missa, a oração. Quando aprece uma cruz, perdemos a nossa fé e a nossa esperança. Quando não valorizamos (o)a moral e os sacramentos a vida torna-se difícil.

31 mas nalgumas vezes, da vida própria. Hoje em dia também há bispos, sacerdotes, missionários e fieis que sofrem a morte de uma forma brutal. O pedido de renúncia total dos bens não é dirigido apenas a alguns, mas a todos os que vêm ter com Jesus. Há uma diferença entre seguir e participar. O rei convidou o povo das praças e ruas para participar no banquete com uma só condição: comer, beber e divertir-se no festim que foi preparado. O convite para o banquete deve levar a seguir Cristo. A recepção do baptismo ou a participação na missa de domingo não nos torna discípulos. Todos aceitam o conceito de seguir e tomar a cruz. Mas na prática, quando aparece o sofrimento e a prova a nossa fé abana, e tentamos evitá-los e fugir. Vamos iniciar a catequese. Muitas crianças escolham o jogo, a TV, a natação e deixam a catequese. Os pais e padrinhos no baptismo deles prometeram a Deus ensiná-los a professar a fé. È triste dizer que muitos não cumprem a promessa. As crianças não gostam destas coisas porque os pais nunca deram o exemplo da fé. Alguns pais deixam os filhos na catequese e nunca participam na missa. Um dia estas crianças vão testemunhar contra vós. Durante as férias muitos deixaram a igreja, a santa missa, a oração. Quando aprece uma cruz, perdemos a nossa fé e a nossa esperança. Quando não valorizamos (o)a moral e os sacramentos a vida torna-se difícil.

32 beber e divertir-se no festim que foi preparado. O convite para o banquete deve levar a seguir Cristo. A receção do batismo ou a participação na missa de domingo não nos torna discípulos. Todos aceitam o conceito de seguir e tomar a cruz. Mas na prática, quando aparece o sofrimento e a prova a nossa fé abana, e tentamos evitá-los e fugir. Vamos iniciar a catequese. Muitas crianças escolhem o jogo, a TV, a natação e deixam a catequese. Os pais e padrinhos no baptismo deles prometeram a Deus ensiná-los a professar a fé. È triste dizer que muitos não cumprem a promessa. As crianças não gostam destas coisas porque os pais nunca deram o exemplo da fé. Alguns pais deixam os filhos na catequese e nunca participam na missa. Um dia estas crianças vão testemunhar contra vós. Durante as férias muitos deixaram a igreja, a santa missa, a oração. Quando aprece uma cruz, perdemos a nossa fé e a nossa esperança. Quando não valorizamos (o)a moral e os sacramentos a vida torna-se difícil.

33 natação e deixam a catequese. Os pais e padrinhos no batismo deles prometeram a Deus ensiná-los a professar a fé. É triste dizer que muitos não cumprem a promessa. As crianças não gostam destas coisas porque os pais nunca deram o exemplo da fé. Alguns pais deixam os filhos na catequese e nunca participam na missa. Um dia estas crianças vão testemunhar contra vós.

34 Durante as férias muitos deixaram a igreja, a santa missa, a oração. Quando aprece uma cruz, perdemos a nossa fé e a nossa esperança. Quando não valorizamos (o)a moral e os sacramentos a vida torna-se difícil. Assim Seja.

35

36

37 Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra De todas as coisas visíveis e invisíveis. Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigénito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro; Gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Por Ele todas as coisas foram feitas. E por nós, homens, e para nossa salvação

38 desceu dos céus (Faz-se inclinação) E encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria. e Se fez homem. Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras; e subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai.

39 De novo há-de vir em sua glória, para julgar os vivos e os mortos; e o seu reino não terá fim. Creio no Espírito Santo. Senhor que dá a vida, e procede do Pai e do Filho; e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado: Ele que falou pelos Profetas.

40 Creio na Igreja una, santa, católica e apostólica. Professo um só batismo Para remissão dos pecados. E espero a ressurreição dos mortos, e vida do mundo que há-de vir. Ámen.

41

42 I rmãos e irmãs: Como não conhecemos os planos do Senhor, mas acreditamos que Ele nos escuta, façamos subir até Ele a nossa oração universal, pedindo, confiadamente: Ouvi, Senhor, a nossa súplica. Pela santa Igreja católica e por todos os seus filhos, pelos que procuram a Cristo noutras comunidades e por todos os homens sinceros que ainda O não conhecem, oremos, irmãos, Ouvi, Senhor, a nossa súplica.

43 Pelos presbíteros ao serviço do povo cristão, pelos fieis que desejam imitar Jesus em pobreza e castidade e pelos que tomam a sua cruz e O sigam oremos, irmãos, Ouvi, Senhor, a nossa súplica. Pelos homens preocupados com a justiça, pelos que se consagram à investigação da verdade e pelos que têm de fazer escolhas decisivas oremos, irmãos, Ouvi, Senhor, a nossa súplica.

44 Pelos que vivem sobrecarregados de trabalho, pelos que procuram um amigo que os acolha e pelos casais cristãos em dificuldade, oremos, irmãos, Ouvi, Senhor, a nossa súplica. Pelos que, entre nós, estão mais tristes, por nós próprios e pelas nossas famílias e pelos que mais precisam da nossa oração, oremos, irmãos, Ouvi, Senhor, a nossa súplica. (Outras intenções: factos relevantes da vida paroquial; defuntos das nossas famílias...).

45 Senhor, nosso Deus e nosso Pai, para quem se dirigem os nossos passos, ajudai-nos a olhar para o vosso Filho, que, levando a sua Cruz, nos abriu já o caminho da Vida, Ele que é Deus convosco na unidade do Espirito Santo. Ámen.

46

47 Tu que nas margens do lago Não escolhes nem sábios nem ricos, Queres somente que eu te siga Senhor, tu fixaste os meus olhos, E quiseste meu nome chamar Eu deixei o meu barco na praia E contigo, encontrei outro mar Tu sabes bem o que eu tenho Em meu barco: nem ouro, nem armas, Somente as redes e meu trabalho.

48 Orai, Irmãos para que o meu e vosso sacrifício seja aceite por Deus Pai todo-poderoso. Todos: receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para honra e glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja

49 (Todos de pé) ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS Senhor nosso Deus, fonte da verdadeira devoção e da paz, fazei que esta oblação Vos glorifique dignamente e que a nossa participação nos sagrados mistérios reforce os laços da nossa unidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo. Amen.

50 Prefácio V. O Senhor esteja convosco. R. Ele está no meio de nós. V. Corações ao alto. R. O nosso coração está em Deus. V. Dêmos graças ao Senhor nosso Deus. R. É nosso dever, é nossa salvação.

51 Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente, é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação dar-Vos graças, sempre e em toda a parte. Para manifestar o esplendor da vossa glória, viestes em auxílio da fragilidade humana com o poder da vossa divindade: da nossa condição mortal tirastes o remédio para vencer a morte e da nossa ruína abristes o caminho da salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

52 Por Ele, com multidão dos Anjos, que adoram a vossa majestade e se alegram eternamente na vossa presença, proclamamos a vossa glória, cantando numa só voz.

53

54 Sac. Vós, Senhor, sois verdadeiramente santo, sois a fonte de toda a santidade. Reunidos na vossa presença, em comunhão com toda a igreja, ao celebrarmos o dia santíssimo em que o Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho Unigénito, colocou à direita da vossa glória a nossa frágil natureza humana unida á sua divindade, humildemente vos suplicamos: Santificai estes dons, derramando sobre eles o Vosso Espírito, de modo a que se convertam para nós, no Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

55 (Todos ajoelham) Na hora em que Ele se entregava, para voluntariamente sofrer a morte, tomou o pão e, dando graças, partiu-o e deu-o aos seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo que será entregue por vós.

56 De igual modo, no fim da Ceia, tomou o cálice e, dando graças, deu-o aos seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu Sangue o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de mim.

57 Mistério da Fé! Anunciamos, Senhor, a vossa morte, proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus!

58 Sac. Celebrando agora, Senhor, o memorial da morte e ressurreição de vosso Filho nós Vos oferecemos o pão da vida e o cálice da salvação e Vos damos graças porque nos admitistes à vossa presença para Vos servir nestes santos mistérios. Humildemente Vos suplicamos que, participando no Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos, pelo Espírito Santo, num só corpo.

59 Lembrai-Vos, Senhor, da vossa Igreja, dispersa por toda a terra, e tornai-a perfeita na caridade em comunhão com o Papa Francisco, e o nosso Patriarca D. Manuel Clemente, os bispos auxiliares e todos aqueles que estão ao serviço do vosso povo. Lembrai-Vos também dos nossos irmãos que adormeceram na esperança da ressurreição, e de todos aqueles que na vossa misericórdia partiram deste mundo:

60 admiti-os na luz da vossa presença. Tende misericórdia de nós, Senhor, e dai- nos a graça de participar na vida eterna, com a Virgem Maria, Mãe de Deus, São José seu esposo, os bem-aventurados Apóstolos e todos os Santos que desde o princípio do mundo viveram na vossa amizade, para cantarmos os vossos louvores, por Jesus Cristo, vosso Filho.

61 Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a Vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória agora e para sempre… Ámen.

62

63 Pai Nosso, que estais nos céus, santificado seja o Vosso nome. Venha a nós o Vosso Reino. Seja feita a Vossa vontade, assim na Terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje. Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

64 Sac. Livrai-nos de todo o mal, Senhor, e dai ao mundo a paz em nossos dias, para que, ajudados pela vossa misericórdia, sejamos sempre livres do pecado e de toda a perturbação, enquanto esperamos a vinda gloriosa de Jesus Cristo nosso Salvador. Vosso é o reino e o poder e a glória para sempre.

65 Sac. Senhor Jesus Cristo, que dissestes aos vossos Apóstolos. Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz: não olheis aos nossos pecados mas à Fé da vossa Igreja e dai-lhe a união e a paz, segundo a Vossa vontade. Vós que sois Deus com o Pai na unidade do Espírito Santo. Amem. A paz do Senhor esteja sempre convosco. O amor de Cristo nos uniu. Sac. Saudai-vos na paz de Cristo.

66

67 CORDEIRO DE DEUS, QUE TIRAIS O PECADO DO MUNDO. TENDE PIEDADE DE NÓS, CORDEIRO DE DEUS, QUE TIRAIS O PECADO DO MUNDO. TENDE PIEDADE DE NÓS, CORDEIRO DE DEUS, QUE TIRAIS O PECADO DO MUNDO. DAI-NOS A PAZ,

68 Sac. Felizes os convidados para a Ceia do Senhor. Eis o Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo. Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e serei salvo

69

70 Se o grão de trigo não morrer na terra é impossível que nasça fruto. Aquele que dá a sua vida aos outros terá sempre o Senhor. Felizes seremos nós na pobreza se em nossas mãos houver amor de Deus, se nos abrirmos à esperança, se trabalharmos por fazer o bem. Felizes seremos nós na humildade se como crianças soubermos viver: a terra será a nossa herança, a nossa herança.

71 Se o grão de trigo não morrer na terra é impossível que nasça fruto. Aquele que dá a sua vida aos outros terá sempre o Senhor. Felizes seremos se partilharmos, Se o nosso tempo for para os irmãos, Para quem vive em grande tristeza, E para quem caminha em solidão. Felizes seremos se dermos amor Se houver sinceridade em nossas mãos Poderemos sempre olhar e ver a Deus, e ver a Deus.

72 Por ti, Mulher, Mãe, Catequista, Amiga, Por tudo quanto foste, Por tudo quanto nos ensinas-te, Ficou a tua Herança em nossos corações, os ensinamentos, o Amor a Deus, a Oração, Ficou a Saudade….

73 Oração depois da comunhão Senhor, que nos alimentais e fortaleceis à mesa da palavra e do pão da vida, fazei que recebamos de tal modo estes dons do vosso Filho que mereçamos participar da sua vida imortal. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

74

75 Sac. O Senhor esteja convosco. Ele está no meio de nós. Sac. Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Ámen. Sac. Ide em paz e o Senhor vos acompanhe. Graças a Deus.

76 Caminharei, caminharei Pela tua estrada senhor. Dá-me a tua mão,quero ficar Para sempre junto de ti. Senti-me só, só e cansado do mundo. Quando perdi o amor, Tantas pessoas vi, então, Junto a mim, ouvi cantar assim.

77

78 Ficha técnica : Eucaristia Celebrada por : Fr. Jacob Puthiyaparampil Animada por : Grupo de Jovens Seguindo teus Passos Realização : A. Alberto Sousa Imagens recolhidas : Via Google Projeção disponível : www. mcccastanheira. blogspot. pt www. mcccastanheira


Carregar ppt "Oração do Terço. Doutrina Cristã Bastará crer para nos salvarmos? Não basta crer para nos salvarmos, pois Jesus Cristo diz-nos: «Se queres salvar-te guarda."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google