A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Durante o mês de abril de 2012, Brasília sediou a 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, – evento que reuniu dezenas de escritores do Brasil e do exterior,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Durante o mês de abril de 2012, Brasília sediou a 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, – evento que reuniu dezenas de escritores do Brasil e do exterior,"— Transcrição da apresentação:

1

2 Durante o mês de abril de 2012, Brasília sediou a 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, – evento que reuniu dezenas de escritores do Brasil e do exterior, entre os quais um vencedor de Nobel de Literatura.

3 As emissoras de tevê – com o habitual desprezo com que tratam a literatura, a cultura e o pensamento crítico – ignoraram o evento.

4 Esta apresentação se baseia nas palavras de Leonardo Boff proferidas durante um dos seminários promovidos pela bienal, na esperança de que sejam difundidas ao maior número de consciências e corações.

5 Parte 1 – Crise CRISE (sf.): do latim crisis, derivado do grego krísis; alteração, desequilíbrio repentino, estado de dúvida e incerteza, tensão, conflito.

6 Hoje se fala das muitas crises sob as quais padecemos: crise econômica, energética, social, educacional, moral, ecológica e espiritual.

7 Se olharmos bem, verificaremos que, na verdade, em todas elas se encontra a crise fundamental: a crise do tipo de civilização que criamos a partir dos últimos 400 anos.

8 Nos últimos quatro séculos, O resultado atual é desolador. com a montagem da máquina industrialista a agressão ao meio-ambiente se fez maciça e sistemática, transformando tudo em recursos para a acumulação e benefícios.

9 O resultado atual é desolador.

10

11 O ser humano elaborou uma relação injusta e humilhante com a natureza. A Terra não aguenta mais a máquina de morte ou a voracidade capitalista.

12 O ser humano possui uma dívida de justiça para com a Terra. sua dignidade, sua alteridade, seus direitos. A Terra possui sua subjetividade,

13 Ela existiu há milhões de anos antes que surgisse o ser humano. com seu patrimônio genético, com o seu bem comum, com o seu equilíbrio e com as possibilidades de continuar a evoluir. Ela tem direito a continuar a existir em sua complexidade,

14 Ao lado da chaga da agressão sistemática à Terra, que desestrutura o equilíbrio do planeta, outra chaga que sangra nos tempos presentes é a chaga da pobreza e da miséria.

15 Dentre os paradigmas da modernidade, constata-se que os problemas têm se agravado em nível mundial. Há hoje mais pobreza e mais violência generalizada do que antes, tanto nos países ricos quanto nos países empobrecidos.

16 O capitalismo criou uma cultura do eu sem o nós.

17

18 O meu carro, o meu salário, a minha renda. O meu novo celular, iPad, tevê LCD-3D 40, e minhas tantas outras bugigangas eletrônicas... O roteiro de férias da minha família.

19 Por sua vez, o socialismo criou uma cultura do nós sem o eu.

20 Agora precisamos da síntese que permita a convivência do eu com o nós.

21 Nem individualismo nem coletivismo, mas democracia social e participativa. Precisamos fazer uma autocorreção com referência à concepção do ser humano, à integração do feminino e à aliança com a natureza.

22 Daí podem nascer a nova espiritualidade e o fio que tudo re-liga.

23 Parte 2 – Transcendência TRANSCENDÊNCIA (sf.): do latim trans-ascendere, evoca a ideia de subir além. A propriedade daquilo que está acima de uma dada ordem de realidade, Sublimidade, Grande importância, Que vai além do ordinário, Que transcende os limites da experiência possível.

24 Talvez a melhor definição que se tenha dado ao ser humano seja esta: ele é um nó de relações, voltado para todas as direções.

25 Isso significa que ele é pessoa, quer dizer, um ser aberto a dar e a receber, à participação, à solidariedade e à comunhão. Todos estes termos mostram que os caminhos humanos são de duas mãos. Quanto mais o ser humano se comunica, sai de si, se doa e recebe o dom do outro, mais pessoa ele é.

26 O ser humano possui subjetividade, capacidade de comunicação com sua interioridade e com a subjetividade dos outros...

27 ...é capaz de valores, de compaixão e solidariedade com os mais fracos e de diálogo com a natureza e a divindade. Eis a espiritualidade.

28 O ser humano é um nó de relações, voltado para todas as direções. O ser humano é um nó de relações, voltado para todas as direções.

29 O ser humano é um nó de relações, voltado para todas as direções. Agora precisamos da síntese que permita a convivência do eu com o nós.

30 O processo de crescente globalização que se dá em todas as esferas da vida humana e social carrega consigo as sementes de uma nova civilização da humanidade, – como espécie e como família.

31 As mudanças são tantas que equivalem a uma vasta revolução de dimensões planetárias. a experiência do Sagrado, a economia, a política, a cultura, o regime de trabalho e a ética. Tudo se redefine: a consciência das pessoas, o sentido da vida,

32 As perplexidades atuais derivam do fato de que ninguém pode realisticamente dizer para onde caminha o processo de globalização. Nele há muitos riscos, mas também incomensuráveis oportunidades.

33 A meu ver, não estamos num quadro de tragédia, mas de crise. Toda crise acrisola, purifica e amadurece as pessoas e as sociedades.

34 As dores não são de morte, mas de parto de uma nova fase da trajetória humana.

35 Nunca deixe morrer o sonho de uma humanidade melhor. Leonardo Boff Formatação:

36 Nunca deixe morrer o sonho de uma humanidade melhor. Leonardo Boff


Carregar ppt "Durante o mês de abril de 2012, Brasília sediou a 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, – evento que reuniu dezenas de escritores do Brasil e do exterior,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google