A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LIMNOLOGIA E A PISCICULTURA NO BRASIL Ministério da Pesca e Aquicultura Profa. Dra. Ana Rosa da Rocha Araújo Universidade Federal de Sergipe - UFS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LIMNOLOGIA E A PISCICULTURA NO BRASIL Ministério da Pesca e Aquicultura Profa. Dra. Ana Rosa da Rocha Araújo Universidade Federal de Sergipe - UFS."— Transcrição da apresentação:

1 LIMNOLOGIA E A PISCICULTURA NO BRASIL Ministério da Pesca e Aquicultura Profa. Dra. Ana Rosa da Rocha Araújo Universidade Federal de Sergipe - UFS

2 A água é um recurso natural reciclável e não renovável.

3 QUALIDADE DA ÁGUA PARA PISCICULTURA OBJETIVOS: Propiciar as condições ambientais ideais para o desenvolvimento dos peixes em cultivo Maximizar os lucros Minimizar os impactos ambientais

4 Quais as necessidades dos peixes ? Segurança – ausência de predadores ausência de competidores Alimentação – energia para metabolismo energia para crecimento Bem estar – estado sanitário conforto ambiental QUALIDADE DA ÁGUA PARA PISCICULTURA

5 Conforto ambiental – principais parâmetros Excreção – gás carbônico e amônia Metabolismo - Temperatura e oxigênio QUALIDADE DA ÁGUA PARA PISCICULTURA

6 VIVEIRO - 1

7 VIVEIRO - 2

8 VIVEIRO - 3

9 VIVEIRO - 4

10 pH– Concentração de íons de H + na água 0714Ácido – H + Básico – OH - Fonte Gás carbônico Outros ácidos orgânicos e inorgânicos Água de chuva: pH Letal 4 – 6,5 Aumento do estresse (baixo crescimento) 6,5 – 9,0 Faixa desejável (bom crescimento) 9, > 11Letal Aumento do estresse (baixo crescimento) pH – Potencial de Hidrogenio Ionico

11 pH- Modifica a permeabilidade da membrana celular dificulta as trocas gasosas, absorção e transporte de O 2 Desnatura as proteínas e as enzimas Regulação osmótica perda de íons de cálcio e cloretos Aumento da pressão arterial Redução da taxa de crescimento Efeito do pH sobre os organismos aquáticos pH- Efeito da acidificação das águas sobre os peixes Má formação do esqueleto Alteração na reprodução Ovos e alevinos são afetados pH – variavel quimica

12 pH- Destroe as guelras e membrana celular pH da água > pH do sangue (7,0 – 7,2) Dificulta a excreção da amônia Efeito do aumento do pH - alcalino pH

13 Elevar o pH (ácido para neutro) pH- Correção Reduzir o pH (alcalino para neutro) Aplicação de calcário e cal Está associado a altas taxas de fotossíntese: reduzir fitoplâncton ou macrófitas Aplicação de sulfato de alumínio e gesso agrícola Corrigir a concentração de bases na água – (carbonato e bicarbonato) pH

14 pH-Ciclo diário pH 06:00 12:00 06:00 Tempo 4 9 PRODUTIVIDADE AQUÁTICA

15 O pH da água é influenciado por: Respiração e Fotossíntese Solo (pH, tipo, composição, etc) Calagem Monitoramento semanal pH

16 < 1 mg/lLetal se exposto por poucas horas 1 – 5 mg/lSobrevive mas reproduz mal e reduz o crescimento se exposto continuamente > 5 mg/lPeixe reproduz e cresce bem (40% de saturação) OXIGÊNIO

17 Causas da diminuição de oxigênio Morte súbita do fitoplâncton: Altas taxas de decomposição Céu encoberto com dias sem vento Baixa taxa de fotossíntese Longo período de chuva havendo excesso de fitoplâncton baixa taxa de fotossíntese e aumenta as taxas de respiração Superpopulação no viveiro altas taxas de respiração OXIGÊNIO

18 Adaptado de Boyd, C.E Water quality in ponds for aquaculture. Alabama Agricultural Experimental Station, Auburn University, Auburn, AL. Efeito do sombreamento na concentração de O 2 D em viveiros de aquicultura.

19 Sintomas de queda de oxigênio Peixes param de se alimentar Mudança na coloração da água verde escuro para marrom Ficam na superfície, quando perturbados afundam, mas logo voltam a superfície. Peixe abrindo e fechando a boca (bebendo) Peixes concentrados próximos à entrada de água Morte dos peixes maiores OXIGÊNIO

20 A concentração de oxigênio na água em sistemas de piscicultura é influenciada por: –Taxa de fotossíntese e respiração; –Taxa de renovação de água; –Concentração de matéria orgânica nos viveiros; –Temperatura e salinidade da água; –Biomassa estocada; fase de desenvolvimento espécie OXIGÊNIO

21 TEMPERATURA - radiação Temperatura – peixes tropicais < 20 o C Causa stress 20 – 24 o C Tolerância o C Apetite máximo 28 – 30 o CTolerância o CCausa stress > 32 o CMortalidade RECOMENDAÇÕES: pesquisar níveis de tolerância

22 Turbidez Tipo: Fitoplâncton: desejável Fonte: Partículas do solo em suspensão: impede a penetração de luz na água e o desenvolvimento do fitoplâncton Excesso de argila em suspensão Erosão das laterais dos viveiros Pela própria atividade dos peixes TEMPERATURA - radiação

23 Radiação dispersa Avaliação da transparência:Disco de Secchi ZE (cm) = profundidade do disco de Secchi x 2,7 ZE (cm) = 40 x 2,7ZE (cm) = 108 cm No viveiro ocorre fotossíntese até a profundidade de 1,08 m Nível da água 40 cm TEMPERATURA - radiação

24 30 cm Medindo a transparência da água Disco de Secchi Monitoramento diário

25 Turbid water Clear water Água fertilizada TRANSPARÊNCIA DA ÁGUA Água transparente Turbidez mineral

26 Sintomas de ocorrência de problemas com a temperatura Perda de apetite: Peixes param de comer de uma hora para outra Perda de equilíbrio Morte aguda Rápida, afetando grande parte da população TEMPERATURA - radiação

27 EspécieTemperatura Ideal (ºC) Pacu25-30 Tambaqui26-28 Carpa comum24-30 Carpa capim24-27 Pintado22-28 Matrinxã28-30 Faixa de temperatura ideais para crescimento de diferentes espécies de peixes. Exerce influência direta sobre o metabolismos dos peixes; Monitoramento diário; Exigência variável de acordo com a espécie e fase de desenvolvimento; TEMPERATURA - radiação

28 Conforto ambiental – principais parâmetros Excreção – gás carbônico e amônia Metabolismo - Temperatura e oxigênio QUALIDADE DA ÁGUA PARA PISCICULTURA

29 Consumo Respiração (vegetais e animais) Decomposição (oxidação da matéria orgânica e de íons metálicos) Variação Diária Profundidade OXIGÊNIO

30 Variação diária Variação coma profundidade Profundidade OD 06:00 Tempo OD 06:00 OXIGÊNIO

31 PeríodoFoto./Resp.CO 2 O2O2 pH DiaDiminuiAumentaAlcalino NoiteRespiraçãoAumentaDiminuiAcidez Fotossíntese RESUMO OXIGÊNIO

32 Conforto ambiental – principais parâmetros Excreção – gás carbônico e amônia Metabolismo - Temperatura e oxigênio QUALIDADE DA ÁGUA PARA PISCICULTURA

33 Concentrações desejáveis: Amônia total=[NH 3 ] + [NH 4 + ] Íon amônio NH ,5 – 2,0 mg/l Amônia NH < 0,1 mg/l Percentual de amônia não ionizada em função da temperatura e pH AMÔNIA

34 Sintomas de toxidade de amônia Peixes nadando erraticamente Correção da amônia Renovação da água Quando capturados, os peixes ficam tremendo mas não conseguem saltar Aeração da água Redução do pH Suspensão da fertilização dos viveiros Suspensão do fornecimento de ração AMÔNIA

35 NH 3 em excesso aumenta a tensão superficial da água

36 PAPEL DO FITOPLÂNCTON 6 CO 2 +H 2 O C 6 H 12 O O 2 Luz Nutrientes (N,P) PERÍODOCO 2 O2O2 AMÔNIAFOSFATO DIAConsomeProduzConsome NOITEProduzConsome-- FITOPLÂNCTON

37 Os compostos nitrogenados na água estão presentes principalmente nas formas de NH 3, NH 4 +, NO 3 - e NO 2 -. Os compostos amoniacais estão presentes em duas formas: NH 3 e NH 4 +. As principais fontes de amônia no cultivo são: Decomposição da matéria orgânica; Fertilização dos viveiros; Excreção nitrogenada dos peixes; Renovação de água. COMPOSTOS NITROGENADOS

38 Frequência de monitoramento Diariamente: temperatura e oxigênio dissolvido. Semanalmente: pH, amônia total, transparência. Mensalmente: alcalinidade e dureza total. Outros parâmetros: Nitrito: índices elevados de arraçoamento e baixos níveis de OD, mesmo com aeração.

39 Equipamentos utilizados para monitoramento oxímetro pHmetro refratômetro kits colorimétricos

40 Água de boa qualidade é essencial para a piscicultura!!!


Carregar ppt "LIMNOLOGIA E A PISCICULTURA NO BRASIL Ministério da Pesca e Aquicultura Profa. Dra. Ana Rosa da Rocha Araújo Universidade Federal de Sergipe - UFS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google