A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Trabalhando em busca da Qualidade. ABI 5000 L WATEROUS 2000 GPM.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Trabalhando em busca da Qualidade. ABI 5000 L WATEROUS 2000 GPM."— Transcrição da apresentação:

1 Trabalhando em busca da Qualidade

2 ABI 5000 L WATEROUS 2000 GPM

3 Regulamentação NFPA 1911– National Fire Protection Association NBR O projeto da viatura tem por base as seguintes normas:

4 Apresentação do Chassi PBT 19 TONS 330 CV Cabine duplicada para 6 passageiros Mercedes Axor 1933

5 Corpo de bomba e Tubulações Apresentação do Implemento Bomba Waterous CMUYCX Capacidade: 2000 GPM a 150 PSI Tanque: Em aço carbono, com capacidade de 5000 L Painel de Comando Transversal Mangotinhao Hannay Heels Canhão Akron Escorva elétrica Tanque de LGE em polipropileno

6 Instruções do Implemento

7 Corpo de Bomba A Bomba utilizada é uma bomba BAC, Centrífuga e Radial.

8 Corpo de Bomba BAC: Bomba impulsionada pelo eixo-cardã, por intermédio de uma caixa de transferência. Isto é: ou o motor impulsiona o eixo da bomba ou desloca a viatura, nunca os dois ao mesmo tempo.

9 Corpo de Bomba Bomba Centrífuga : Seu princípio baseia-se na ação da Força Centrífuga.

10 Corpo de Bomba Radial: Pois o sentido de entrada/saída de água tem uma orientação radial.

11 Componentes da Bomba Voluta Rotor Eixo Sistema de Vedação

12 Zonas de Pressão Zona de Alta pressão Zona de Baixa pressão

13 Bomba multi-estágio Por apresentar uma necessidade de grande amplitude de vazão/pressão, a bomba está equipada com uma Válvula de transferência, que dispõem seus dois rotores ora em série, ora em paralelo.

14 Bombas multi-estágio Válvula Válvula de transferência Rotor de 1º estágio Eixo Pressão de AdmissãoPressão de Descarga OPERAÇÃO EM PARALELO (VOLUME) Rotor de 2º estágio Apresentação

15 Bombas multi-estágio Válvula Válvula de transferência Rotor de 1º estágio Eixo Pressão de AdmissãoPressão de Descarga OPERAÇÃO EM PARALELO (VOLUME) Rotor de 2º estágio A água vem do tanque até chegar aos rotores Onde é impulsionada a uma pressão máxima de 300 PSI (20 Kgf/cm 2 ) Indo até uma das expulsões da viatura PRÓXIMO

16 Bombas multi-estágio Válvula Válvula de transferência Rotor de 1º estágio Eixo Pressão de AdmissãoPressão de Descarga OPERAÇÃO EM SÉRIE (PRESSÃO) Rotor de 2º estágio Média pressão A água vem do tanque até chegar ao primeiro rotor Onde é impulsionada a uma pressão máxima de 300 PSI (20 Kgf/cm 2 ) até o segundo rotor O rotor de segundo estágio aumenta a pressão a até 40 Kgf/cm 2 PRÓXIMO

17 Bombas multi-estágio Somente utilizar a válvula de transferência com a pressão em seu valor mínimo (viatura desacelerada). Atenção!

18 Fenômenos Hidráulicos CAVITAÇÃO Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização da água pela redução da pressão. Na pressão atmosférica a temperatura de vaporização da água é de cerca de 100°C. Contudo, a uma pressão menor, a temperatura de vaporização também se reduz.

19 Fenômenos Hidráulicos CAVITAÇÃO Estas bolhas de vapor que se formaram no escoamento devido à baixa pressão, serão carregadas até região de alta pressão onde ocorre a implosão dessas bolhas. Se a região de colapso das bolhas for próxima a uma superfície sólida, as ondas de choque geradas pelas implosões sucessivas das bolhas provocarão trincas microscópicas no material, que com o tempo irão crescer e provocar o descolamento de material da superfície, originando uma cavidade de erosão localizada.

20 Fenômenos Hidráulicos CAVITAÇÃO Rotor que sofreu cavitação

21 Fenômenos Hidráulicos (RESUMO) Cavitação: Formação de bolhas de vapor na zona de baixa pressão e sua posterior transformação em água na zona de alta pressão, produzindo ondas de choque que danificam o rotor, além de perda de pressão na saída de água. Como evitar: Não operar acima da vazão máxima da bomba.

22 Fenômenos Hidráulicos VÓRTICE Denomina-se de vórtice o movimento em espiral gerado a partir da superfície livre de um líquido quando este escoa por um orifício, quando este orifício encontra-se a uma profundidade inferior a um determinado limite. Como a entrada de água na sucção de um bombeamento assemelha-se a situação descrita caso não sejam tomadas precauções, poderá haver condições favoráveis ao aparecimento do problema. O crescimento contínuo do vórtice pode dar origem a entrada de ar no interior da bomba provocando cavitação no interior da mesma.

23 Vórtice: Formação de um redemoinho quando o nível do tanque está muito baixo, permitindo a entrada de ar na bomba. Como evitar: Não operar com o nível do tanque baixo, em altas vazões. Fenômenos Hidráulicos (RESUMO)

24 Fenômenos Hidráulicos GOLPE DE ARÍETE Por golpe de aríete se denominam as variações de pressão decorrentes de variações da vazão, causadas por alguma perturbação, voluntária ou involuntária, que se imponha ao fluxo de líquidos em condutos, tais como operações de abertura ou fechamento de válvulas, falhas mecânicas de dispositivos de proteção e controle. Durante o fenômeno do Golpe de Aríete, a pressão poderá atingir níveis indesejáveis, que poderão causar sérios danos.

25 Golpe de Aríete: Reação de uma coluna dágua em movimento, contrária ao fechamento abrupto de uma válvula, provocando aumento abrupto da pressão. Como evitar: Fechar e abrir válvulas lentamente (+ 3 seg.) e utilizar a válvula de alívio. Fenômenos Hidráulicos (RESUMO)

26 Fenômenos Hidráulicos SUPERAQUECIMENTO Se o corpo de bomba operar, nem que seja por alguns minutos, com suas saídas completamente fechadas, haverá um aquecimento da água, podendo provocar queimaduras graves ao abrir-se uma expedição. O aquecimento também pode danificar as gaxetas e outras partes da bomba. Por isso, quando não combatendo, sempre trabalhe em RECIRCULAÇÃO.

27 Superaquecimento: Aquecimento de uma quantidade de água que fique aprisionada no corpo de bomba, quando todas as saídas encontram-se fechadas com a bomba trabalhando. Como evitar: Quando não estiver em combate, deixar a bomba em RECIRCULAÇÃO, isto é, tanque-bomba e bomba-tanque abertas. Fenômenos Hidráulicos (RESUMO)

28 Sistema de vedação No caso do ABI-5000L CARBE, o sistema de vedação é feito por Gaxetas. Gaxetas As gaxetas foram projetadas para gotejar durante operação para resfriar e lubrificá-la. O gotejamento normal é entre 10 e 120 pingos por minuto operando com 150 PSI ( 10 Bar). Qualquer valor diferente destes exige ajuste imediato.

29 Sistema de Transmissão

30 Sistema de Transmissão DEFINIÇÃO O sistema de transmissão é o sistema que, através de uma caixa de transferência, possibilita a movimentação ora do diferencial, ora do eixo da bomba dágua.

31 Sistema de Transmissão FUNCIONAMENTO O sistema de transmissão funciona através do movimento de uma corrente que gira em altíssimas velocidades, devendo para tanto sofrer uma correta lubrificação. Sua lubrificação deve seguir as especificações e prazos previstos no manual da viatura. Seu acionamento é pneumático e realizado por uma alavanca no interior da cabine.

32 Sistema de Transmissão Temperatura máxima: 121ºC Verificação do nível do óleo: diário Inspeção de Vazamentos: após cada utilização Troca do lubrificante: 6 meses ou 100 horas de uso Limpeza do Bujão magnético: a cada troca de óleo

33 Sistema de Escorva

34 A Escorva é o sistema responsável pela retirada do ar do Corpo de Bomba e suas tubulações, tendo em vista que a Bomba Centrífuga não impele gases. É responsável pela formação de uma coluna dágua durante a sucção de um manancial que esteja abaixo do nível da Bomba.

35 Sistema de Escorva Bomba volumétrica de palhetas. Realizar teste diário para lubrificação. Funcionamento por no máximo 30 segundos.

36 Sistema de Escorva Palhetas Entrada do lubrificante Eixo

37 Lubrifil Responsável por admitir o ar pressurizado do chassi: Filtrando mecanicamente Desumidificando Lubrificando Regulando a pressão de trabalho

38 Válvula de Alívio Responsável por proteger o sistema contra sobre-pressões: Deve ser regulado a cada variação de pressão. Deve-se limpar o filtro e orifício da vareta a cada utilização.

39 Sistema Gerador de Espuma Tanque interno de polipropileno aditivado com volume de 250 L de LGE: Deve ser acionado e regulado de acordo com a vazão. Após o uso deve-se expedir água limpa por 30 segundos por todas as expedições da viatura para limpar o sistema.

40 Sistema Gerador de Espuma Nunca funcionar a espuma com a Válvula Bomba/Tanque aberta. Atenção!

41 Sequência de Operação

42 Operação do ABI Ao sair da Unidade e antes de se deslocar para um evento, abrir Bomba- Tanque, Tanque-Bomba, Geral Elétrica e Geral Pneumática.

43 Operação do ABI Com a viatura estacionada, já no evento, acionar a embreagem e pedal do freio. Aguardar 3 segundos e então engrenar a última marcha (mais leve e veloz). Soltar os pedais de embreagem e freio lentamente. Habilitar o acelerador externo.

44 Operação do ABI Abrir a expedição desejada. Fechar o retorno Bomba-Tanque. Acelerar até atingir a pressão desejada. Regular a válvula de alívio Para desfazer, executar o procedimento inverso.

45 Trabalhando em busca da Qualidade


Carregar ppt "Trabalhando em busca da Qualidade. ABI 5000 L WATEROUS 2000 GPM."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google