A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Prof. Jorge Marques Aula 19 e 20 Ar Comprimido Fonte Consultada MACINTYRE, A. J. Instalações Hidráulicas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Prof. Jorge Marques Aula 19 e 20 Ar Comprimido Fonte Consultada MACINTYRE, A. J. Instalações Hidráulicas."— Transcrição da apresentação:

1 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Prof. Jorge Marques Aula 19 e 20 Ar Comprimido Fonte Consultada MACINTYRE, A. J. Instalações Hidráulicas

2 Ar Comprimido Forma de energia de enorme utilidade e inúmeras aplicações: – Inflagem de câmeras de ar (pneus, balões) – Transporte pneumático – Resfriamentos em muitos processos industriais – Comando pneumático a distância – Jateamento de areia – Forças motriz e operatriz – Etc.

3 Instalação de Ar comprimido

4 Instalação de Ar Comprimido Nas instalações tipicamente industriais, o ar é comprimido por um compressor e, depois, armazenado em um reservatório. Antes de chegar ao reservatório, ou mesmo durante a compressão, o ar é resfriado por meio de serpentinas de água ou ar ou aletas. Durante o resfriamento há condensação e o condensado deve ser drenado No reservatório a condensação continua a ocorrer.

5 Compressores Os compressores têm a função de admitir ar atmosférico e comprimi-lo à pressão de trabalho e alimentar o reservatório de ar comprimido. Tipos de compressores: – Alternativos de pistão – Rotativos de parafuso – Rotativos de palhetas – Rotativos de engrenagens – Turbocompressores

6 Compressores Compressor de pistão simples

7 Compressores Compressores rotativos

8 Purgadores A retirada do condensado das linhas pode ser feita manualmente pela abertura de válvulas num poço de condensado ou serem expulsos automaticamente. Nas médias e grandes instalações o condensado é retirado automaticamente por purgadores

9 Escolha do compressor Fatores técnicos e econômicos determinam a escolha do compressor: Fatores técnicos: – Vazão requerida (DLP) – Eficiência ou consumo específico de energia – Emissão de ruídos – Ausência (ou não) de óleo no ar comprimido – Segurança de operação

10 Escolha do compressor Fatores econômicos: – Custo de operação: consumo específico, segurança de operação, custo de manutenção, custo de resfriamento. – Custo de aquisição e instalação: custo do equipamento e seus acessórios, área requerida, instalações elétricas e de resfriamento necessárias.

11 Consumo específico Corresponde à potência requerida (CV) por unidade de vazão (m³/min). Quanto menor o consumo específico, melhor. Como ilustra o gráfico a seguir, os compressores rotativos são mais adequados às baixas vazões, os de parafuso às médias e ou turbocompressores às vazões elevadas.

12 Consumo específico

13 Vazão Os fabricantes fornecem a vazão em termos de Descarga Livre Padrão (DLP), que corresponde à vazão volumétrica do ar em condições normais de pressão, temperatura e umidade relativa, tipicamente 101,3kPa, 15°C e 36% de umidade relativa. Da equação dos gases perfeitos, considerando a temperatura constante, tem-se:

14 Vazão Q 2 = vazão efetiva após a compressão; vazão de trabalho. P 1 = Pressão atmosférica (1 ATM = 101,3kPa). P 2 = Pressão absoluta de trabalho. Q 2 = vazão nominal (DLP). Q 2 é parâmetro para dimensionamento de reservatório e tubulações de distribuição. P 1 / P 2 é denominada relação de compressão Nota: A pressão de trabalho é geralmente fornecida em valores relativos, mas os cálculos devem ser feitos em pressão absoluta. Deve-se acrescentar ao valor fornecido a pressão atmosférica, antes de realizar os cálculos.

15 Exercício Determine a vazão de trabalho de um compressor que admite ar a 5 m³/min e o comprime a 100 psi de pressão relativa. 1 psi 0,07 kg/cm² 7 kPa.

16 Linha de ar comprimido Consumo é a base para o dimensionamento da linha. Deve-se considerar o fator de utilização. – Exemplo: Uma seção de montagem utiliza 20 aparafusadeiras pneumáticas que consumem 0,45 m³/min (dlp). Num ciclo de montagem, uma aparafusadeira é acionada em 20% do tempo. Ou seja, o fator de utilização = 0,2. Então, o consumo da seção é de 20 aparaf. x 0,45 m³/min x 0,2 = 1,8 m³/min.

17 Linha de ar comprimido No dimensionamento deve-se levar em consideração as perdas de carga, que é fortemente influenciada pela velocidade. – Exemplos:v = 8 m/s perda = 1,5% v = 15 m/s perda = 6% v = 30 m/s perda = 24% O dimensionamento das linhas requerem estudo mais aprofundado do projeto, que fogem ao escopo desta disciplina.

18 Considerações gerais Filtragem: Na admissão do ar atmosférico é importante a instalação de filtros, a fim de evitar desgastes nos equipamentos por partículas sólidas e mal funcionamento dos equipamentos. Em linhas extensas deve-se instalar purgadores ao longo da linha. A pressão deve ser monitorada frequentemente, Válvulas de segurança devem ter seu funcionamento testado periodicamente.

19 Considerações gerais Em muitas aplicações é requerida uma pressão inferior à pressão da rede. Válvulas reguladoras de pressão devem ser instaladas para este fim. Nas máquinas rotativas, uma lubrificação é requerida. A instalação de um LUB-RE-FIL no ramal de alimentação da máquina filtra e adiciona lubrificante ao ar, lubrificando continuamente a máquina, além de manter a regulagem da pressão requerida.

20 Considerações gerais Um lub-re-fil (foto) fornece continuamente lubrificantes à maquina operatriz e garante ar filtrado e sob pressão controlada


Carregar ppt "ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Prof. Jorge Marques Aula 19 e 20 Ar Comprimido Fonte Consultada MACINTYRE, A. J. Instalações Hidráulicas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google