A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Marcos Túlio de Melo Presidente do Confea Belo Horizonte, 20 de maio de 2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Marcos Túlio de Melo Presidente do Confea Belo Horizonte, 20 de maio de 2011."— Transcrição da apresentação:

1 Marcos Túlio de Melo Presidente do Confea Belo Horizonte, 20 de maio de 2011

2 Para empregos que ainda não existem... Para usar tecnologias que ainda não foram inventadas... Para solucionar problemas que ainda nem sabemos que são problemas... Richard Riley (2011) (Secretário de Educação – Governo Clinton)

3 Formação de Engenheiros nos BRIC Análise comparativa (I) CHINA – 400 mil ÍNDIA – 250 mil RÚSSIA – 120 mil BRASIL – 39 mil (2009) 47 mil (2010)

4 Número de Engenheiros por habitante Análise comparativa (II) BRASIL – forma 1 Engenheiro para cada 6 mil habitantes EUA – forma 1 Engenheiro para cada 3 mil habitantes COREIA DO SUL – Forma 1 Engenheiro para cada 625 habitantes

5 Resultado Radar nº 12 - IPEA Alguns tipos de escassez de mão de obra qualificada: Quantitativo Qualidade Áreas específicas Regional Experiências Oferta (projeção) inferior à demanda prevista com o reaquecimento econômico Oferta suficiente, mas de formação inadequada para as funções demandadas Oferta insuficiente apenas em áreas de formação específica (ex: Eng. Naval e de Telecom.) Crescimento econômico (e demanda por profissionais) em novas regiões Relativa escassez de profissionais de maior experiência Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de Obra e Crescimento Fevereiro de 2011

6 Caminhos de ajustes - IPEA CURTO PRAZOLONGO PRAZO Aumento de salários - Inibe demanda - Atrai engenheiros em outras ocupações Mobilidade Especial Retenção de profissionais em vias de se aposentar e retorno dos já aposentados - Reduz o problema de falta de experiência Capacitação e treinamento Flexibilização de vistos de trabalho Ampliar oferta via sistema educacional - Número de vagas - Atração e retenção de alunos Garantir qualidade na formação - Aprimorar formação nas áreas em que engenheiros concorrem com outros profissionais Garantir formação básica com qualidade, permitindo a expansão do número de jovens aptos para o mundo do trabalho e para o ensino superior Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de Obra e Crescimento Fevereiro de 2011

7 Projeção para o crescimento econômico Obtenção das tendências de crescimento do valor agregado setorial, entre 2000 e 2010 Extrapolação dessas tendências para o período Assume-se que os setores que mais cresceram entre 2000 e 2010 continuarão a fazê-lo no período seguinte Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de Obra e Crescimento Fevereiro de 2011

8 Projeção para o crescimento econômico Crescimento médio entre foi de aproximadamente 3,5% ao ano Projeções para : Cenário médio: crescimento de 4% ao ano Cenário mais otimista: taxa média de 6% ao ano Cenário mais pessimista: crescimento de 2,5% ao ano Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de Obra e Crescimento Fevereiro de 2011

9 Crescimento anual do valor agregado setorial – diferentes cenários de crescimento econômico Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de Obra e Crescimento - Fevereiro de 2011 Petróleo e gás3,7%5,8%3,8%2,3% Extrativa mineral0,9%3,0%1,0%-0,4% Adm. públ., saúde e educação4,2%6,5%4,5%3,0% Construção residencial10,6%13,2%11,1%9,5% Demais2,6%4,6%2,6%1,1% Serviços de informação, interm. fin. e serv. prest. empresas 3,2%5,4%3,4%1,9% Indústria de transformação8,7%12,2%10,1%8,5% Infraestrutura5,0%7,0%5,0%3,4% Total3,5%6,0%4,0%2,5% 2000 – % ao ano 4% ao ano 2,5% ao ano

10 Crescimento anual do emprego para engenheiros – diferentes cenários de crescimento econômico Petróleo e gás17,6%19,3%15,9%13,3% Extrativa mineral10,3%12,1%10,1%8,7% Adm. públ., saúde e educação11,0%16,0%10,3%6,2% Construção residencial8,4%13,4%8,7%5,3% Demais7,9%11,3%7,7%5,1% Serviços de informação, interm. fin. e serv. prest. empresas 6,3%9,4%6,7%4,6% Indústria de transformação8,4%13,5%7,5%3,2% Infraestrutura3,1%4,8%3,0%1,7% Total8,1%13,0%8,4%5,1% 2000 – % ao ano 4% ao ano 2,5% ao ano Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de Obra e Crescimento - Fevereiro de 2011

11 Engenheiros e afins com maiores aumentos dos salários – entre 2004 e 2009 Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de Obra e Crescimento - Fevereiro de 2011 Família ocupacionalNúmero médio de empregos Crescimento do emprego entre (% a.a.) Crescimento do salário real entre (% a.a.) Prof. da Biotecnologia ,524,4 Prof. da Metrologia79127,212,8 Geólogos e Geofísicos 29843,110,9 Gerentes de obras na construção ,75,7 Eng. de Minas e afins ,84,6 Eng. Agrimensores e Cartógrafos 9309,34,1 Eng. Químicos ,44,0 Eng. Mecânicos ,03,8 Eng. Civis e afins ,13,8

12 Engenheiros e afins com maiores aumentos dos salários – entre 2004 e 2009 Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de obras e Crescimento - Fevereiro de 2011 Família ocupacionalNúmero médio de empregos Crescimento do emprego entre (% a.a.) Crescimento do salário real entre (% a.a.) Eng. Agrossilvipecuários ,03,7 Eng. Mecatrônicos42724,93,5 Analistas de sistemas computacionais ,93,5 Eng. Metalurgistas e de Materiais ,63,4 Arquitetos ,62,7

13 Conclusões do IPEA – Radar nº 12 Radar nº 12 IPEA – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior Edição especial Mão de Obra e Crescimento - Fevereiro de 2011 Crescimento econômico no ritmo parece ser sustentável, dado o atual ritmo de formação de profissionais Ainda assim, setores mais aquecidos podem enfrentar problemas Empresas provavelmente enfrentarão mais custos de treinamento e retenção Possível déficit de experiência e qualidade Um crescimento acima do cenário de 4% a.a. pode impor desafios

14 Quais os desafios no Brasil? Em julho , o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI) divulgou o estudo "A Formação de Engenheiros no Brasil: Desafio ao Crescimento e à Inovação". O documento reúne dados nacionais e internacionais sobre formação no ensino superior e formação nas engenharias, além de chamar a atenção para a ausência de planejamento governamental quando se trata da formação de recursos humanos. O estudo também traz um alerta sobre as consequências da diminuição da participação relativa da formação de engenheiros para o desenvolvimento do Brasil.

15 Alguns números... Taxa de escolaridade superior para jovens de 20 a 24 anos Países selecionados Ano – 2007 Fonte: Organiza ç ão para a Coopera ç ão e Desenvolvimento Econômico (OCDE), 2010.

16 Consequências... A situação brasileira é bastante desfavorável quando comparada à de outros países, mostra o estudo do IEDI. A taxa de escolaridade superior entre jovens de 20 a 24 anos, no ano de 2007, é a mais baixa entre países selecionados, o que diminui a capacidade do Brasil de concorrer com outros países emergentes. Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE): 14 milhões de estudantes no ensino superior indiano ( ), 20 milhões na China (2008), 5,2 milhões no Brasil (2007).

17 Perfil dos Egressos na Educação Superior no Brasil: 2000 a 2008 Fonte: MEC, INEP, Censo da Educa ç ão Superior.

18 Outras consequências... Um índice baixo de estudantes chegam ao ensino superior; A concentração das matrículas está em áreas como Educação, Ciências Sociais, Direito, Economia e Administração; Em 2007, do total de alunos egressos em cursos superiores no Brasil, apenas 5,1% estavam nas Engenharias; Outros países (Engenharia): 6,1%, nos EUA; 14,2% no México; na Espanha, 14,5%; no Japão, 19,4%; na Coreia do Sul, 25%; e na China, 35,6%.

19 Mais consequências... De acordo com o IEDI, 5,6% dos egressos na educação superior no Brasil no ano 2000 estavam nas áreas das Engenharias. Já 26,6% dos estudantes estavam nas Ciências Sociais e em Direito naquele ano, e 13,2% nos cursos de Economia e Administração. No ano de 2008, eram 5,1% do total os egressos nas Engenharias; Ciências Sociais e Direito registravam 27,3%; e 13,7% estavam em Economia e Administração.

20 MERCADO - Investimentos PAC-2 / O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) foi dividido em seis eixos: Cidade Melhor – investimento previsto de R$ 57,1 bilhões ( ): saneamento, prevenção em áreas de risco, mobilidade urbana e pavimentação; Comunidade Cidadã – investimento previsto de R$ 23 bilhões ( ): Unidades de Pronto-Atendimento - UPA e Unidades Básicas de Saúde, creches e pré- escolas, quadras esportivas nas escolas, praças do PAC e postos de polícia comunitária; Minha Casa, Minha Vida – investimento previsto de R$ 278,2 bilhões ( ): financiamento pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE), urbanização de assentamentos precários; Fonte: Casa Civil

21 Água e Luz Para Todos – investimento previsto de R$ 30,6 bilhões ( ): luz, água em áreas urbanas e recursos hídricos; Transportes – investimento previsto de R$ 104,5 bilhões ( ): rodovias, ferrovias, portos, hidrovias, aeroportos, equipamentos para estradas vicinais; Energia – investimento previsto de R$ 465,5 bilhões ( ): geração e transmissão de energia elétrica, petróleo e gás natural, indústria naval, combustíveis renováveis, eficiência energética, pesquisa mineral. Fonte: Casa Civil MERCADO - Investimentos PAC-2 /

22 MERCADO - Investimentos Petrobras O Plano de Negócios da Petrobras prevê investimentos na ordem de R$ 250 bilhões, sendo: Exploração e Produção – R$ 153,6 bilhões; Abastecimento e Refino Transporte e Comercialização R$ 79 bilhões; Petroquímica

23 Há um apagão tecnológico no país? Em nível mundial, Christian Piguet – engenheiro, professor do EPFL (École Polytechnique Fédèrale de Lausanne), confirma no estudo Estamos caminhando para um mundo sem engenheiros: Constata-se que a profissão de engenheiro é cada vez menos atrativa nos países de PIB forte, com exceção da China e da Índia. Há cada vez menos rapazes atraídos por esta profissão e, o que é ainda mais grave, muito menos moças que escolhem a profissão de engenheiro. (...) O fato de não haver muitas mulheres engenheiras significa pouca diversidade, que é a grande chave para a inovação.

24 Ações do Sistema Confea/Crea Realização do Censo Profissional em parceria com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC): Lançamento – 1º de junho de 2011 Resultado – 11 de dezembro de 2011 Pesquisas em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) iNova Engenharia – propostas para a modernização da educação em Engenharia no Brasil – 2006 Mapeamento dos postos de trabalho na indústria – a ser realizada em 2011 (proposta em construção)

25 Quantos somos? profissionais nas Engenharias Região GrupoModalidade Total Centro-Oeste ENGENHARIA AGRIMENSURA CIVIL ELETRICISTA GEOLOGIA E MINAS MECÂNICA E METALÚRGICA QUÍMICA 621 ENGENHARIA Total

26 Quantos somos? Região GrupoModalidade Total Nordeste ENGENHARIA AGRIMENSURA CIVIL ELETRICISTA GEOLOGIA E MINAS MECÂNICA E METALÚRGICA QUÍMICA ENGENHARIA Total

27 Quantos somos? Região GrupoModalidade Total Norte ENGENHARIA AGRIMENSURA CIVIL ELETRICISTA GEOLOGIA E MINAS MECÂNICA E METALÚRGICA QUÍMICA 466 ENGENHARIA Total

28 Quantos somos? Região GrupoModalidade Total Sudeste ENGENHARIA AGRIMENSURA CIVIL ELETRICISTA GEOLOGIA E MINAS MECÂNICA E METALÚRGICA QUÍMICA ENGENHARIA Total

29 Quantos somos? Região GrupoModalidade Total Sul ENGENHARIA AGRIMENSURA CIVIL ELETRICISTA GEOLOGIA E MINAS MECÂNICA E METALÚRGICA QUÍMICA ENGENHARIA Total

30 Quantos somos? Região Grupo TítuloTotal Centro Oeste ENGENHARIA Agrimensor 1 Engenheiro Agrimensor 239 Engenheiro de Produção 159 Engenheiro de Produção - Mecânica 22 Engenheiro de Produção - Química 2 Engenheiro de Produção - Agroindústria 40 Engenheiro de Produção - Civil 4 Engenheiro de Produção - Eletricista 1 Tecnólogo em Agrimensura 55 ENGENHARIA Total 523 Centro Oeste Total 523

31 Região Grupo TítuloTotal Nordeste ENGENHARIA Agrimensor 4 Engenheiro Agrimensor 843 Engenheiro de Produção 694 Engenheiro de Produção - Materiais 2 Engenheiro de Produção - Mecânica 740 Engenheiro de Produção - Química 65 Engenheiro de Produção - Agroindústria 2 Engenheiro de Produção - Civil 170 Engenheiro de Produção - Eletricista 2 Tecnólogo em Agrimensura 2 Tecnólogo em Processo de Produção e Usinagem 7 ENGENHARIA Total Nordeste Total 2.531

32 Região Grupo TítuloTotal Norte ENGENHARIA Engenheiro Agrimensor 30 Engenheiro de Produção 423 Engenheiro de Produção - Mecânica 16 Engenheiro de Produção - Metalurgia 1 Engenheiro de Produção - Agroindústria 1 Engenheiro de Produção - Civil 1 Engenheiro de Produção - Eletricista 66 Tecnólogo em Processo de Produção e Usinagem 1 ENGENHARIA Total 539 Norte Total 539 Quantos somos?

33 Região Grupo TítuloTotal SudesteENGENHARIA Agrimensor 43 Engenheiro Agrimensor Engenheiro de Produção Engenheiro de Produção - Materiais 212 Engenheiro de Produção - Mecânica Engenheiro de Produção - Metalurgia 46 Engenheiro de Produção - Química 250 Engenheiro de Produção - Têxtil 48 Engenheiro de Produção - Agroindústria 70

34 Quantos somos? Região Grupo TítuloTotal Sudeste ENGENHARIA Engenheiro de Produção - Civil 704 Engenheiro de Produção - Eletricista 458 Tecnólogo em Agrimensura 12 Tecnólogo em Processo de Produção e Usinagem 503 ENGENHARIA Total Sudeste Total

35 Região Grupo TítuloTotal Sul ENGENHARIA Engenheiro Agrimensor 420 Engenheiro de Produção 784 Engenheiro de Produção - Materiais 2 Engenheiro de Produção - Mecânica 640 Engenheiro de Produção - Química 2 Engenheiro de Produção - Têxtil 1 Engenheiro de Produção - Agroindústria 111 Engenheiro de Produção - Civil 13 Engenheiro de Produção - Eletricista 26 Tecnólogo em Processo de Produção e Usinagem 1 Tecnólogo em Produção de Calçados 4 ENGENHARIA Total Sul Total 2.014

36 Outros dados

37

38

39

40 Muito obrigado! Marcos Túlio de Melo


Carregar ppt "Marcos Túlio de Melo Presidente do Confea Belo Horizonte, 20 de maio de 2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google