A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mini-Curso A ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? Despistamento radar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mini-Curso A ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? Despistamento radar."— Transcrição da apresentação:

1 Mini-Curso A ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? Despistamento radar

2 Vídeo Institucional do COMGAR

3 Objetivo Expor, de maneira elementar, as doutrinas básicas e os princípios fundamentais envolvidos no Despistamento Radar, de modo a despertar o interesse da platéia por estudos oportunos na área de Guerra Eletrônica.Expor, de maneira elementar, as doutrinas básicas e os princípios fundamentais envolvidos no Despistamento Radar, de modo a despertar o interesse da platéia por estudos oportunos na área de Guerra Eletrônica.

4 Roteiro – Mini-curso A Despistamento Radar Introdução à Guerra Eletrônica (GE) – –Conceito de GE – –Breve Histórico da GE: O que ele nos ensina? – –Taxonomia da GE Introdução às Medidas de Ataque Eletrônico (MAE) – –Conceito das MAE – –Tipos de MAE Despistamento Radar – –Mecânico – –Eletrônico – –A tecnologia STEALTH: mitos e realidades Conclusão

5 Conceito da GE Interesse: EQUIPAMENTOS, SISTEMAS, METODOLOGIAS E TECNOLOGIAS QUE UTILIZAM O ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO PARA USO MILITAR GE = Guerra de Engenharia !?!?

6 Disputa pela exploração do EspectroEletromagnético

7 EQUIPAMENTOSSISTEMASPLATAFORMASARMAMENTOS COMUNICAÇÕESDETECÇÃOGUIAMENTOIDENTIFICAÇÃOOBTERINFORMAÇÕESMAGEPREJUDICAR O OPONENTE MAEPROTEGER-SE DO OPONENTE MPE GUERRA ELETRÔNICA

8 Conceito da GE Define-se Guerra Eletrônica como o conjunto de ações que: a) Utilizam a energia eletromagnética para destruir, neutralizar ou reduzir a capacidade de combate inimiga; b) Buscam tirar proveito do uso do espectro eletromagnético pelo oponente; e c) Visam a assegurar o emprego eficiente das emissões eletromagnéticas próprias.

9 Breve Histórico da GE A GE começou a ser considerada uma arma realmente vital na 2ª Guerra MundialA GE começou a ser considerada uma arma realmente vital na 2ª Guerra Mundial Uso generalizado de rádios: cifras, códigos, doutrina de operação e troca de canais. Busca de segurança em COMUso generalizado de rádios: cifras, códigos, doutrina de operação e troca de canais. Busca de segurança em COM Ataque Eletrônico contra radares antiaéreos alemães e japoneses poupou:Ataque Eletrônico contra radares antiaéreos alemães e japoneses poupou: – 450 bombardeiros americanos – tripulantes Winston Churchill: ferrenho defensor da GE: The Wizard War (A Guerra Mágica)Winston Churchill: ferrenho defensor da GE: The Wizard War (A Guerra Mágica)

10 Breve Histórico da GE Início do conflito: GE conhecida como contramedidas de rádioInício do conflito: GE conhecida como contramedidas de rádio Batalha dos Feixes de EnergiaBatalha dos Feixes de Energia HEADACHE: Bombardeiros alemães da Luftwaffe no período noturnoHEADACHE: Bombardeiros alemães da Luftwaffe no período noturno 1940: primeira interferência por meio de sistemas terrestres (Aspirin)1940: primeira interferência por meio de sistemas terrestres (Aspirin)

11 Vantagem Operacional: Navegação noturna para os bombardeiros ? ? ? ? ? INGLATERRA ALEMANHA 2ª Guerra Mundial

12

13 Headache TRAÇOS

14 Aspirin

15 LEVANTANDO E PROCESSANDO DADOSMAGE ? Taxonomia da GE

16 ! EVITANDO, REDUZINDO, DEGRADANDO O USO DO EEM PELO OPONENTEMAE Taxonomia da GE

17 ! ? GARANTINDO O USO DO EEM PELAS FORÇAS AMIGAS MPE Taxonomia da GE

18 De acordo com os objetivos das ações de GE...

19 Roteiro – Mini-curso A Despistamento Radar Introdução à Guerra Eletrônica (GE) – –Conceito da GE – –Breve Histórico da GE – –Taxonomia da GE Introdução às Medidas de Ataque Eletrônico (MAE) – –Conceito das MAE – –Tipos de MAE Despistamento Radar – –Mecânico – –Eletrônico – –A tecnologia STEALTH: mitos e realidades Conclusão

20 Conceito das MAE As MAE envolvem as ações para impedir ou reduzir o uso efetivo do espectro eletromagnético do inimigo, bem como destruir, neutralizar ou degradar sua capacidade de combate, usando energia eletromagnética ou armamento que empregue a emissão intencional do alvo para o seu guiamento.

21 Conceito das MAE Sistemas de interesse militar afetados numa MAE:Sistemas de interesse militar afetados numa MAE: –Navegação; –Comunicações (dados, voz, links); –Detecção Passiva (ação MAGE); –Radar de Vigilância, Busca aérea –Radar de Aquisição/Acompanhamento –Radar Diretor de Tiro –Sistemas ópticos (infra-vermelho e visual)

22 Tipos de MAE Que tipos de ações podem ser tomadas sobre aqueles sistemas de interesse? O que é possível fazer, destruí-los ou reduzir sua eficiência?

23

24 Roteiro – Mini-curso A Despistamento Radar Introdução à Guerra Eletrônica (GE) – –Conceito da GE – –Breve Histórico da GE – –Taxonomia da GE Introdução às Medidas de Ataque Eletrônico (MAE) – –Conceito das MAE – –Tipos de MAE Despistamento Radar – –Mecânico – –Eletrônico – –A tecnologia STEALTH: mitos e realidades Conclusão

25 Despistamento Radar Despistamento é a radiação, alteração, absorção ou reflexão de energia eletromagnética com o objetivo de iludir o inimigo na interpretação das informações recebidas por seus sistemas eletrônicos, induzindo-os a cometer erros. Quando o sistema eletrônico de interesse consiste de radares, fala-se em Despistamento RADAR

26 Despistamento Radar Intenção: Geração de alvos falsos por sinais eletromagnéticos intencionais causando confusãoecos radarIntenção: Geração de alvos falsos por sinais eletromagnéticos intencionais causando confusão ecos radar Objetivo: Confundir o operador Radar ou os Sistemas de Acompanhamento automáticoObjetivo: Confundir o operador Radar ou os Sistemas de Acompanhamento automático –Inserção de informações falsas no receptor –Sobrecarga de informações Enfoque humano: problemas do operador RadarEnfoque humano: problemas do operador Radar –Determinar se os sinais da tela são alvos reais São ameaças? –Dificuldade de distinguir alvo qualidade do alvo falso –Saber que está sendo interferido X tempo de reação iniciar MPE

27 Despistamento Radar Radar MonoestáticoRadar Monoestático

28 Despistamento Radar: Célula de Resolução Radar

29 Despistamento Radar: Radar Cross Section (RCS) 1.Formato 2.Aspecto 3.Tamanho 4.Composição do material 5.Freqüência (RADAR)

30

31 Despistamento Radar: Sistemas de Armas típico para Defesa Aérea

32 Cenário: Somos o país Azul (Az). Complicações diplomáticas irreversíveis com o país Vermelho (Ve). O Estado-Maior de Azul determinou incursão no território inimigo e destruição de Aeródromo fronteiriço. Dificuldade: Artilharia Anti-aérea (AAAe) com sistema altamente eficiente de guiagem de armamento. Precisamos de GE! Ponto-fraco Ve: Número bastante limitado de Sistemas DArmas. Missões MAGE e atividades de Inteligência apontam que meu despistador XYZ-30 afeta o Radar de Busca de Ve. Não se tem conhecimento, ainda, de MPE capaz de se defender da nova MAE desenvolvida por Az (despistador). Entretanto, como relatado num memorando da Assessoria de GE, isso não deve perdurar, pois os engenheiros de Ve já estão trabalhando numa MPE para o despistador XYZ-30. Possível solução tática: Gerar ecos falsos no radar inimigo (MAE) a fim de dividir a alocação do limitado número de canhões. Os radares são os sensores disponíveis para anvs fora do alcance visual da AAAe na fronteira. A aeronave utilizada para ataque dispõe de outra MAE: cartuchos de chaff caso necessário. Lançar M.A.R. no Radar de Busca num momento de confusão das defesas de Ve. Tela do Radar de Busca

33 Despistamento Radar: Mecânico Uso de artefatos refletores (DECOYS): refletem de maneira irreal o sinal do radarUso de artefatos refletores (DECOYS): refletem de maneira irreal o sinal do radar Diminuem o número de sistemas de armas designados para alvos verdadeiros!Diminuem o número de sistemas de armas designados para alvos verdadeiros! Inclui tecnologia STEALTH (furtiva): RCS incompatível com dimensões físicasInclui tecnologia STEALTH (furtiva): RCS incompatível com dimensões físicas Inclui os Materiais Absorvedores de Radiação Eletromagnética (MARE)Inclui os Materiais Absorvedores de Radiação Eletromagnética (MARE)

34 Despistamento Radar: Mecânico

35 Conceito CHAFF: Refletores de energia eletromagnética proveniente de radares, comunicações ou outro sistema, os quais podem ser suspensos na atmosfera ou nela lançados com o propósito de confundir ou mascarar, afetando a performance do sistema eletrônico vítima.Conceito CHAFF: Refletores de energia eletromagnética proveniente de radares, comunicações ou outro sistema, os quais podem ser suspensos na atmosfera ou nela lançados com o propósito de confundir ou mascarar, afetando a performance do sistema eletrônico vítima.

36 Despistamento Radar: Características do CHAFF –MAE barata: comparada ao preço da plataforma protegida –Largamente utilizada: historicamente bem sucedida –Não é seletiva: aparece também no meu radar! –Não é controlável: uma vez lançada... –Velocidade de queda depende Altura do lançamentoAltura do lançamento Velocidade do ventoVelocidade do vento TIPO DE CHAFF ( Densidade e Aerodinâmica)TIPO DE CHAFF ( Densidade e Aerodinâmica)

37 Dipolos funcionam como diminutas antenas (observar polarização)Dipolos funcionam como diminutas antenas (observar polarização) Utiliza-se o comprimento que estabeleça ressonânciaUtiliza-se o comprimento que estabeleça ressonância Dipolo = 0,475Dipolo = 0,475 Despistamento Radar: Características do CHAFF

38 Velocidade de quedaVelocidade de queda –Média de 200 a 400 Ft/min ObjetivoObjetivo - Formar uma nuvem de RCS similar ao objeto que se deseja ocultar ou simular Despistamento Radar: Características do CHAFF

39 Folhas de alumínio Nylon e prata Fibra de vidro e alumínio Polyester e cobre Carbono, grafite, outros... Despistamento Radar: Materiais empregados

40 Folhas de AlumínioFolhas de Alumínio 4X1 ( 100 x 25 m ) ( Helicopter motion ) 4X1 ( 100 x 25 m ) ( Helicopter motion ) Rotação horizontal - polarização idem Rotação horizontal - polarização idem 2X1 ( 50 x 25 mSpiral motion ) 2X1 ( 50 x 25 mSpiral motion ) Queda rápida - espiral ( 15º a 60 º ) - múltipla polarização - uso navalQueda rápida - espiral ( 15º a 60 º ) - múltipla polarização - uso naval 8X1/2 ( 200 x 12 m ) e outros 8X1/2 ( 200 x 12 m ) e outros Despistamento Radar: Materiais empregados

41 TIPOS DE QUEDA Despistamento Radar: Materiais empregados

42 Nylon revestido de prataNylon revestido de prata Revestimento de 0,5 a 1,0 m de prataRevestimento de 0,5 a 1,0 m de prata Queda horizontal – polarização horizontalQueda horizontal – polarização horizontal Elevado preço e dificuldade de obter diâmetros menores que 90 m (poucos dipolos)Elevado preço e dificuldade de obter diâmetros menores que 90 m (poucos dipolos) Menos sujeito a formação de ninhosMenos sujeito a formação de ninhos Robustez - resistente a grandes esforçosRobustez - resistente a grandes esforços Despistamento Radar: Materiais empregados

43 Fibra de Vidro revestida de alumínioFibra de Vidro revestida de alumínio Tipo de chaff mais empregadoTipo de chaff mais empregado Menor velocidade de quedaMenor velocidade de queda Pequeno diâmetro, mais dipoloPequeno diâmetro, mais dipolo Queda horizontal e movimentos espirais (alguma polarização vertical)Queda horizontal e movimentos espirais (alguma polarização vertical) BaratoBarato MAE DESCARTÁVEIS SISTEMAS MECÂNICOS - CHAFF

44 FIBRA DE VIDRO / ALUMÍNIO MAE DESCARTÁVEIS SISTEMAS MECÂNICOS - CHAFF

45 Tipos de OperaçãoTipos de Operação 1.CORREDORES / NUVENS ( Blanket ) 2.CONFUSÃO - DESPISTAMENTO 3.AUTODEFESA ( Break lock ) LEVAR EM CONSIDERAÇÃO O TIPO DE CARTUCHO Despistamento Radar: Utilização CHAFF

46

47

48 1. Operação CORREDORES ( Lançam. contínuo ) Grandes plataformas (grandes quantidades de chaff) magazines com até 25 kgGrandes plataformas (grandes quantidades de chaff) magazines com até 25 kg Corte automático - inteligênciaCorte automático - inteligência Proteção de grande número de aeronavesProteção de grande número de aeronaves Alerta as defesas do inimigoAlerta as defesas do inimigo Espalhamento pelo ventoEspalhamento pelo vento Pode ser usado p/ despistamento (ataque por outro setor)Pode ser usado p/ despistamento (ataque por outro setor) Despistamento Radar: Utilização CHAFF

49 CORREDOR DE CHAFF

50 1. Operação CORREDORES (Lanç. INTERMITENTE) –Mesmas considerações anteriores –Uma nuvem de chaff em cada CRR (1/2 LP + Feixes horiz e vertical ) –Para lançamento contínuo ou intermitente, o sistema deve ser capaz de cortar Chaff em diferentes tamanhos –Radar inimigo possui MTI ?? Retorno forte de Chaff - AGC ON - alvos fracos tendem a desaparecer Retorno forte de Chaff - AGC ON - alvos fracos tendem a desaparecer Despistamento Radar: Utilização CHAFF

51 PONTOS DE CHAFF

52 MAE DESCARTÁVEIS SISTEMAS MECÂNICOS - CHAFF cartuchos de chaff usados para corredores e alvos falsos

53 CARTUCHOS DE CHAFF USADOS PARA CORREDORES E ALVOS FALSOS MAE DESCARTÁVEIS SISTEMAS MECÂNICOS - CHAFF

54 CARTUCHOS DE CHAFF USADOS PARA CORREDORES E ALVOS FALSOS

55 2. Operação DESPISTAMENTO –Plataformas pequenas/médias (pouco espaço ) –Pequenas quantidades / salvas controladas –Gerar alvos falsos - bom para navios, ruim para aeronaves (grande diferencial de velocidade) –Variedade de dipolos no mesmo cartucho ! Despistamento Radar: Utilização CHAFF

56 3. Operação AUTODEFESA (Break Lock) Contra Radares DT - Fase final de LockContra Radares DT - Fase final de Lock Necessidade de formação imediata da RCS (Radares DT modernos possuem memória de RCS)Necessidade de formação imediata da RCS (Radares DT modernos possuem memória de RCS) Necessidade de afastamento imediato da plataforma - Dispositivo pirotécnico (Anv, navio)Necessidade de afastamento imediato da plataforma - Dispositivo pirotécnico (Anv, navio) Dispositivo gerador de turbulência (quando não há explosivo)Dispositivo gerador de turbulência (quando não há explosivo) Despistamento Radar: Utilização CHAFF

57 3. Operação AUTODEFESA (Break Lock) Combinação chaff x manobrasCombinação chaff x manobras Seduzir, quebrar o lock, ou ganhar tempoSeduzir, quebrar o lock, ou ganhar tempo Inteligência – BIM para MAE, determinando o nº de salvos, e intervalo entre salvos, deve levar em conta RCS da anv, manobras, etc...Inteligência – BIM para MAE, determinando o nº de salvos, e intervalo entre salvos, deve levar em conta RCS da anv, manobras, etc... Nuvem deve ser formada dentro da CRR - Vida útil do chaff é mínimaNuvem deve ser formada dentro da CRR - Vida útil do chaff é mínima Despistamento Radar: Utilização CHAFF

58 Efetivo contra sistemas DT antigos, de duas maneirasEfetivo contra sistemas DT antigos, de duas maneiras Seqüência de lançamentosSeqüência de lançamentos Explora limitações mecânicas da antenaExplora limitações mecânicas da antena Chaff lançado dentro da CRR seduz o lock, até o afastamento do alvo Chaff lançado dentro da CRR seduz o lock, até o afastamento do alvo Chaff lançado na CRR seduz e, ao ser descartada, força a antena a ultrapassar seus limites de giro Chaff lançado na CRR seduz e, ao ser descartada, força a antena a ultrapassar seus limites de giro Despistamento Radar: Utilização CHAFF

59 CHAFF X DT Seqüência de Lançamentos

60 CÉLULA DE RESOLUÇÃO RADAR CHAFF EFETIVO : NUVEM FORMA-SE DENTRO DA CÉLULA DE RESOLUÇÃO RADAR CHAFF INEFICAZ : NUVEM FORMA-SE FORA DA CÉLULA DE RESOLUÇÃO RADAR. NÃO É VISTA PELO RADAR

61

62 CHAFF X DT EXPLORANDO OS MECANISMOS DA ANTENA

63

64

65

66

67

68 Contra radares DT modernos (ou seekers) Contra radares DT modernos (ou seekers) –MPE: rejeição do Chaff - Histórico do alvo - prevê posição futura Então, como escapar ??Então, como escapar ?? –Manobras Evasivas X Chaff Despistamento Radar: Utilização CHAFF

69 Despistamento Radar: Lançamento de CHAFF

70

71

72 Despistamento Radar: analogia CHAFF X FLARE

73 CHAFF X RADARES DT

74 Despistamento Mecânico DecoysDecoys O ADM QUAIL, protegendo o bombardeiro B-52, é cem vezes menor do que a aeronave, entretanto possui a mesma RCS.

75 Despistamento Mecânico DECOY

76 Despistamento Mecânico Decoys RebocadosDecoys Rebocados

77 Despistamento Mecânico Refletores (Simulação de RCS)Refletores (Simulação de RCS)

78 Despistamento Eletrônico Ofensivo:Ofensivo: –Contra radares de busca para aumentar a capacidade de sobrevivência de uma esquadrilha incursora Defensivo:Defensivo: –Contra radares DT ou mísseis para quebrar o acompanhamento do alvo designado (break lock)

79 Despistamento Eletrônico Radar de Busca: sobrecarregar o operadorRadar de Busca: sobrecarregar o operador Radar DT: quebrar o acompanhamentoRadar DT: quebrar o acompanhamento –Distância, Velocidade ou ângulo –Impedir solução de tiro Qualidade do despistamento X bloqueioQualidade do despistamento X bloqueio –Boa: Simular incursão (apenas o suficiente) –Duvidosa: Saturar o display com ecosSaturar o display com ecos Confundir o operadorConfundir o operador Diminuir chance de identificação do alvo verdadeiroDiminuir chance de identificação do alvo verdadeiro

80 Despistamento Eletrônico Despistamento contra Radares DTDespistamento contra Radares DT 1. despistamento em distância (r) 2. despistamento em ângulo ( ) 3. despistamento em velocidade

81 Simulação FLASHSimulação FLASH Repetidores:Repetidores: –Retransmitem os pulsos com pequeno retardo –Mais simples: mesmo azimute e mais afastados do Radar –Sucessivos retardos alvos múltiplos –Correta potência e LP parecerão alvos legítimos –Potência X lóbulos laterais (13 dB) Despistamento Eletrônico: Radares de Busca

82 Repetidores

83 Simulação FLASHSimulação FLASH Transpondores:Transpondores: –Melhor controle do retardo distância menores (conhecer FRP do radar vítima) –Pulso poderá ser transmitido em qualquer tempo futuro –Memória Digital de RF Conversor A/D armazenar dados D/AConversor A/D armazenar dados D/A + Potência de ganho inversa: alvo em qualquer azimute e distância (velocidade) Despistamento Eletrônico: Radares de Busca

84 Transpondores

85

86

87

88

89

90

91

92

93

94

95

96

97

98

99

100

101

102

103

104

105

106

107

108

109

110

111

112

113

114

115

116

117

118 Lóbuloslaterais

119 Despistamento em distância:Despistamento em distância: –RGPO (Range Gate Pull Off) –Gate de acompanhamento: Gate dupla sobre o alvo escolhidoGate dupla sobre o alvo escolhido Energia do sinal igualmente divididaEnergia do sinal igualmente dividida Desbalanceamento produz sinal de erro para reposicionar a gateDesbalanceamento produz sinal de erro para reposicionar a gate Despistamento Radar: Radares DT

120 d

121 d retorno do alvo

122 gate anterior d retorno do alvo

123 gate anteriorgate posterior d retorno do alvo

124 d potência recebida

125 d potência recebida

126 AGC d potência recebida

127 AGC d potência recebida

128 AGC d potência recebida

129 AGC d potência recebida

130 AGC d potência recebida

131 AGC d potência recebida

132 AGC d potência recebida

133 d potência recebida AGC

134 d potência recebida AGC

135 d potência recebida AGC

136 d potência recebida AGC

137 d potência recebida AGC

138 d potência recebida AGC

139 d potência recebida AGC

140 d potência recebida AGC

141 d potência recebida AGC

142 d potência recebida AGC

143 d potência recebida

144 AGC d potência recebida

145 AGC d potência recebida

146 AGC d potência recebida

147 AGC d potência recebida

148 AGC d potência recebida

149 d potência recebida AGC

150 d potência recebida AGC

151 d potência recebida AGC

152 d potência recebida AGC

153 d potência recebida AGC

154 d potência recebida AGC

155 d potência recebida AGC

156 d potência recebida AGC

157 d potência recebida AGC

158 Despistamento DT em Distância Canal de guarda Variação de distância irrealCanal de guarda Variação de distância irreal Gate afastada algumas milhasGate afastada algumas milhas Opções ao final do RGPO:Opções ao final do RGPO: –Desligar interferidor: nova aquisição –Manter sinal despistador numa distância segura –Lançamento de Chaff para sedução do radar

159 Despistamento DT em Distância RGPI (Range Gate Pull In)RGPI (Range Gate Pull In) Uso de DRFMUso de DRFM pulso do repetidor tem retardo suficiente para cair no tempo de escuta do pulso seguinte do radarpulso do repetidor tem retardo suficiente para cair no tempo de escuta do pulso seguinte do radar Alvo falso fica mais próximo do RadarAlvo falso fica mais próximo do Radar

160 Despistamento DT em Velocidade VGPO (Velocity Gate Pull Off)VGPO (Velocity Gate Pull Off) –Acompanhamento: medindo a variação Doppler nas Gates Doppler - 02 filtros –Roubar Gate retransmitir o sinal Radar com modulação Doppler falsa –Se o VGPO for desligado: Gerar alvo Doppler de esperaGerar alvo Doppler de espera Só o Chaff não é efetivo: desaceleração muito rápidaSó o Chaff não é efetivo: desaceleração muito rápida Chaff iluminado por despistador com sinal DopplerChaff iluminado por despistador com sinal Doppler

161 Despistamento DT em Velocidade

162 –A razão de variação angular é muito importante para o cálculo do ponto de mira: O mais importante!O mais importante! –Ganho inverso (Inverse Square Wave Jamming) –varredura cônica Sinal falso fora do eixo da varreduraSinal falso fora do eixo da varredura –Chaveamento de lóbulos Despistamento DT em Ângulo

163 Varredura Cônica

164

165

166

167

168

169

170

171

172

173

174

175

176

177

178

179

180

181

182

183

184

185

186

187

188

189

190

191

192

193

194

195

196

197

198

199

200

201

202

203

204

205

206

207

208

209

210

211

212

213

214

215

216

217

218

219

220

221

222

223

224

225

226

227

228

229

230

231

232

233

234

235

236

237

238

239

240

241

242

243

244

245

246

247

248

249

250

251

252

253

254

255

256

257

258

259

260

261

262

263

264

265

266

267

268

269

270

271

272

273

274

275

276

277

278

279

280

281

282

283

284

285

286

287

288

289

290

291

292

293

294

295

296

297

298

299

300

301

302

303

304

305

306

307

308

309

310

311

312

313

314

315

316

317

318

319

320

321

322

323

324

325

326

327

328 retorno do alvo sinal de despistamento resultante

329

330

331

332

333

334

335

336

337

338

339

340

341

342

343

344

345

346

347

348

349

350

351

352

353

354

355

356

357

358

359

360

361

362

363

364

365

366

367

368

369

370

371

372

373

374

375

376

377 Despistamento Radar: Monopulso MonopulsoMonopulso

378 Despistamento Skirt (Eletrônico)Despistamento Skirt (Eletrônico) Despistamento Imagem (Eletrônico)Despistamento Imagem (Eletrônico) Polarização Cruzada (Eletrônico)Polarização Cruzada (Eletrônico) Despistamento em formação (Eletrônico)Despistamento em formação (Eletrônico) Despistamento Alternado em formação (Eletrônico)Despistamento Alternado em formação (Eletrônico) Despistamento cruzado em fase (Cross-eye) (Eletrônico)Despistamento cruzado em fase (Cross-eye) (Eletrônico) Reflexões no solo (Eletrônico)Reflexões no solo (Eletrônico) Despistamento por decoys (Mecânico)Despistamento por decoys (Mecânico) Despistamento Radar: Monopulso

379 Deficiências na cônica monopulsoDeficiências na cônica monopulso Medida de erro 4 feixes simultâneos num pulso (azimute e elevação)Medida de erro 4 feixes simultâneos num pulso (azimute e elevação) 01 pulso para extrair posição01 pulso para extrair posição 2 tipos:2 tipos: –Comparação de amplitude –Comparação de fase Despistamento Radar: Monopulso

380 Associados a radares DT e guiamento míssilAssociados a radares DT e guiamento míssil Dificuldades de contrapor soluções muitas vezes sem comprovaçãoDificuldades de contrapor soluções muitas vezes sem comprovação Duas formas de interferir (Despistamento Eletrônico):Duas formas de interferir (Despistamento Eletrônico): –Deficiências de projeto –Skirt –Despistamento imagem –Polarização cruzada –Concepções do sistema –Despistamento em Formação –Alternado em formação –Despistamento cruzado em fase - Cross-eye –Reflexão do solo Despistamento Radar: Monopulso

381 DESPISTAMENTO DE POLARIZAÇÃO CRUZADA Ponto fraco antena Antenas geralmente, baixa aceitação de polarização diferente Antenas monopulso entrada do alimentador tem maior aceitação a sinais com polarização cruzada potência maior sobrepujar sinal praticamente ortogonal com a antena

382 DESPISTAMENTO DE POLARIZAÇÃO CRUZADA Como criar um sinal com a polarização cruzada? Deve-se ter 2 canais repetidores com antenas orientadas ortogonalmente, isto é, cada uma com polarização linear, mas 90° defasadas

383 DESPISTAMENTO DE POLARIZAÇÃO CRUZADA 20 a 40 dB

384 DESPISTAMENTO DE POLARIZAÇÃO CRUZADA

385 DESPISTAMENTO EM FORMAÇÃO Aeronaves com RCS semelhanteAeronaves com RCS semelhante Despistadores idênticosDespistadores idênticos Sendo abrangidos ambos pelo feixe da antenaSendo abrangidos ambos pelo feixe da antena Objetivo Fazer o míssil passar pelo meio dos dois aviões!!!Objetivo Fazer o míssil passar pelo meio dos dois aviões!!!

386 RADAR ACOMPANHANDO ALVO DESPISTAMENTO EM FORMAÇÃO

387 ALVO DOIS LIGA DESPISTADOR, RADAR PASSA A ACOMPANHÁ-LO 1 2

388 AMBOS LIGAM O DESPISTADOR, RADAR PASSA A APONTAR PARA POSIÇÃO ENTRE OS DOIS 1 2

389 DESPISTAMENTO EM FORMAÇÃO Riscos da Manobra:Riscos da Manobra: –Desbalanceamento de potência: Antena aponta para maior potênciaAntena aponta para maior potência –Raio de letalidade da espoleta de proximidade: Detonar entre as aeronavesDetonar entre as aeronaves

390 DESPISTAMENTO ALTERNADO EM FORMAÇÃO Ponto fraco retardo do servo da antenaPonto fraco retardo do servo da antena Semelhante à anterior lig/desl alternadamenteSemelhante à anterior lig/desl alternadamente Sincronização é crucial data link/ precisãoSincronização é crucial data link/ precisão –Servo da antena freqüência típica de 1 a 3 Hz Não pode ser feito manualmente!!!!Não pode ser feito manualmente!!!! Objetivo antena ultrapassar o alvo por amplitudes progressivamente maiores até a perda do acompanhamentoObjetivo antena ultrapassar o alvo por amplitudes progressivamente maiores até a perda do acompanhamento

391

392

393

394

395

396

397

398

399

400

401

402

403

404

405

406

407

408

409

410

411

412 ALVO 1 LIGA O DESPISTADOR 1 2 DESPISTAMENTO ALTERNADO EM FORMAÇÃO

413 ANTENA GIRA PARA ALVO 1, PORÉM MOMENTANEAMENTE O ULTRAPASSA. ALVO 1 DESLIGA DESPISTADOR E ALVO 2 LIGA DESPISTADOR 1 2

414 AGORA ANTENA GIRA PARA ALVO 2, PORÉM MOMENTANEAMENTE O ULTRAPASSA COM UMA DISTÂNCIA UM POUCO MAIOR. ALVO 2 DESLIGA DESPISTADOR E ALVO 1 LIGA DESPISTADOR 2 1

415 2 1 A ULTRAPASSAGEM SE TORNA PROGRESSIVAMENTE MAIOR ATÉ QUE O RADAR PERDE O ACOMPANHAMENTO

416 DESPISTAMENTO CRUZADO EM FASECROSS-EYE Contra monopulso por comparação de faseContra monopulso por comparação de fase 02 pares de antenas o mais longe possível02 pares de antenas o mais longe possível Sinais são retransmitidos, sendo 1 com inversão de fase em 180°Sinais são retransmitidos, sendo 1 com inversão de fase em 180° Objetivo causar distorção na frente de onda e o radar enxergar alvo com pequeno erro de direcionamentoObjetivo causar distorção na frente de onda e o radar enxergar alvo com pequeno erro de direcionamento

417 DESPISTAMENTO CRUZADO EM FASECROSS-EYE

418 L D = L / 2 x G Aeronave verdadeira Aeronave falsa

419 MÍSSIL ACOMPANHANDO ALVO

420 ALVO LIGA DESPISTADOR APONTANDO O SINAL PARA O SOLO

421 SE O SINAL REFLETIDO NO SOLO FOR MAIOR, O MÍSSIL PASSARÁ A ACOMPANHA-LO

422 ATINGINDO O SOLO

423

424 A Tecnologia STEALTH: mitos e realidades O objetivo da tecnologia STEALTH é tornar qualquer objeto ou sistema de armas mais difícil de ser detectado, por meio de alterações de suas características físicas ou pelo emprego de materiais absorvedores. Por qual motivo é considerada uma MAE? Outras medidas furtivas: – –Sonora = redução do som emitido – –Equipamentos eletrônicos ativos = desligá-los – –Visual = gerar neblina artificial

425 A Tecnologia STEALTH: Conceito mais apurado de RCS V PULSO RADAR REFLETOR PLANO V Placa 10 X 10 cm – 0,01 m² 90º - RCS 1m² (100X) (Para 8,4GHz) ECO PULSO RADAR ECO PULSO RADAR ECO A área da seção reta de uma esfera que reflete a mesma quantidade de energia de retorno de um dado alvo é o valor de sua Seção Reta Radar.

426 A Tecnologia STEALTH: RCS de uma placa plana Uma superfície elementar: Placa plana

427 A Tecnologia STEALTH: Equação RADAR

428 A Tecnologia STEALTH: Mecanismos básicos de reflexão REFLEXÃO ESPECULAR ONDA DE CONTORNO MÚLTIPLAS REFLEXÕES CAVIDADES DIFRAÇÃO BORDA DIFRAÇÃO PONTA ONDAS DE SUPERFÍCIE

429 A Tecnologia STEALTH: Cálculos preliminares com a Eq. RADAR Redução de RCS de 5 para 0,5 m 2 – –redução de 90% da RCS – –redução de 44% do alcance Redução de RCS de 5 para 0,05 m 2 – –redução de 99% de RCS – –redução de 68% do alcance Redução de RCS de 5 para 0,0005 m 2 – –redução de 99,99% de RCS – –redução de 90% do alcance

430 Aeródromo Inimigo

431 INVISÍVEL??? Aeródromo Inimigo

432 Retro-refletores: superfícies a 90º – –Empenagem vertical com a horizontal – –Junção da asa com a fuselagem – –Etc Formato do alvo (projeto) Desempenho aerodinâmico Materiais absorvedores A Tecnologia STEALTH: Problemas de implementação

433 A Tecnologia STEALTH : Materiais Absorvedores de Radiação Eletromagnética (MARE) Absorção: transferência de energia para o material. Absorção: transferência de energia para o material. Cancelamento: múltiplas reflexões no material. Cancelamento: múltiplas reflexões no material. Tintas, espumas, tecidos, não-tecidos (feltros) e híbridos.

434 VALORES DE SEÇÃO RETA RADAR Banda X (F-22) Banda X (F-22) = 1,5 m

435 VALORES DE SEÇÃO RETA RADAR Banda X (B-2) Banda X (B-2) = 34 m 2

436 O PROBLEMA DA DETECÇÃO RADAR F-117 F-117 B-2 B-2 B-52 B-52 Radares entre 3, GHz é detectado a 18 km m altitude - 12 km 300 m altitude - 6 km Vôo costa leste oeste EUA 300 m altitude Não foi detectado

437 Stealth Tecnologia CaminhãoBoeing-747 B-52B-1F-117

438 Stealth SR-71 Blackbird 3500 km/h ft km²/hora Plataformas

439 Stealth B-2 Spirit Reduzidas assinaturas: Infravermelha Acústica Eletromagnética Visual Radar Plataformas

440 Stealth F-22 Raptor Plataformas

441 Stealth RAH-66 Comanche Plataformas

442 Stealth F-117A Nighthawk

443 11/03/ h21 Primeiro avião "invisível" do mundo será aposentado pela Força Aérea dos EUA Da Redação Força Aérea dos EUA O F-117, usado na Operação Tempestade do Deserto, no Iraque, em 1991 VEJA FOTOS O primeiro avião "invisível" do mundo, o F-117 Nighthawk ("Falcão Noturno"), será aposentado pela Força Aérea norte-americana após 27 anos de uso. O último vôo da aeronave está marcado para o dia 21 de abril, de Holloman, no Novo México, para Palmdale, na Califórnia, onde militares farão uma cerimônia de despedida. No dia seguinte, o avião fará sua última viagem para Tonopah, em Nevada, local em que fez sua primeira decolagem. A Força Aérea decidiu abrir mão do F-117 devido ao alto custo de manutenção. Com a medida, poderá investir recursos em aviões mais modernos que também contam com a tecnologia "stealth", que dificulta o rastreamento por radares inimigos. É o caso do F-22 Raptor e do F-35 Lightning, capazes de realizar manobras bem mais ousadas e voar a altitudes menores. O primeiro avião "invisível" foi idealizado pelos projetistas no fim dos anos 70. Seu formato pontudo e irregular, além do revestimento especial, ajudam a defletir as ondas de radar. Os EUA chegaram a fabricar 59 aeronaves com esse modelo, a maioria já em desuso. O F-117 foi utilizado pelos militares norte-americanos para invadir o Panamá, em 1989, e foi crucial para o país na Operação Tempestade do Deserto, no Iraque, em Foi o único avião a atingir alvos no centro de Bagdá devido a sua precisão cirúrgica, segundo a Força Aérea dos EUA. Posteriormente, em 1999, o avião mostrou que não era invencível e foi derrubado pelas forças sérvias em Belgrado.

444 Stealth Geometria Externa F-117A

445

446 A tecnologia STEALTH é invencível?

447 Roteiro – Mini-curso A Despistamento Radar Introdução à Guerra Eletrônica (GE) – –Conceito da GE – –Breve Histórico da GE – –Taxonomia da GE – –GE na FAB: Centro de Estudos e Avaliação da Guerra Aérea (CEAGAR) – –Importância da GE nos dias de hoje Introdução às Medidas de Ataque Eletrônico (MAE) – –Conceito das MAE – –Tipos de MAE Despistamento Radar – –Mecânico – –Eletrônico – –A tecnologia STEALTH: mitos e realidades Conclusão

448 Conclusão: Lições a serem aprendidas Verificar se o curso é mini mesmoVerificar se o curso é mini mesmo Todo investimento em tecnologia é poucoTodo investimento em tecnologia é pouco Inteligência é uma atividade a ser realizada em tempo de pazInteligência é uma atividade a ser realizada em tempo de paz A Doutrina é fator determinante para o sucessoA Doutrina é fator determinante para o sucesso Treine na paz como fará na guerraTreine na paz como fará na guerra Não há bons resultados baseados somente em bons equipamentos: formação de RHNão há bons resultados baseados somente em bons equipamentos: formação de RH

449 Conclusão: Bibliografia Apostila do Curso Operacional de Guerra Eletrônica – CEAGAR;Apostila do Curso Operacional de Guerra Eletrônica – CEAGAR; Introduction to Electronic Defense Systems – Filippo Neri; FIGURAS DOS SLIDES 27, 31 e 32 RETIRADAS E MODIFICADAS DESTE LIVRO.Introduction to Electronic Defense Systems – Filippo Neri; FIGURAS DOS SLIDES 27, 31 e 32 RETIRADAS E MODIFICADAS DESTE LIVRO. Electronic Warfare in the Information Age – Scheleher.Electronic Warfare in the Information Age – Scheleher.


Carregar ppt "Mini-Curso A ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? Despistamento radar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google