A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pico, 10 de Junho de 2011 A domesticação das castas portuguesas e a origem do Verdelho e do Terrantêz do Pico Maria Susana Lopes, Duarte Mendonça, Artur.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pico, 10 de Junho de 2011 A domesticação das castas portuguesas e a origem do Verdelho e do Terrantêz do Pico Maria Susana Lopes, Duarte Mendonça, Artur."— Transcrição da apresentação:

1 Pico, 10 de Junho de 2011 A domesticação das castas portuguesas e a origem do Verdelho e do Terrantêz do Pico Maria Susana Lopes, Duarte Mendonça, Artur da Câmara Machado Vitivinicultura Atlântica Construir o Futuro

2 A Vinha Oriunda do Próximo Oriente Progressivamente introduzida da bacia Mediterrânea A origem da vinha cultivada ainda é incerta

3 A Vinha A vinha é uma das culturas mais importantes a nível mundial (+ de 6000 castas) Como se explica esta diversidade?

4 A Vinha Grande diversidade de castas existente em Portugal (> 400) Introdução de diferentes variedades através da bacia Mediterrânea Domesticação de vinhas selvagens Cruzamentos e selecção A origem da castas portuguesas ainda é incerta

5 A Vinha

6 GreeceCroatiaItaly Germany /Austria FranceSpain Croatia0,146 Italy0,1390,104 Germany/ Austria 0,1930,1970,181 France0,4410,2660,3440,073 Spain0,1860,2180,2810,1100,154 Portugal0,2670,1940,2640,1330,1260,062

7 A Vinha O fluxo genético devido à introdução de plantas não foi suficiente para homogenizar geneticamente as castas cultivadas nas diferentes regiões. A domesticação de vinhas selvagens locais e/ou cruzamentos entre estas com castas introduzidas predominaram sobre a adopção das variedades ntroduzidas.

8 Portugal é devido às suas condições edafo-climáticas um país vitícola por excelência A Vinha Nos Açores a produção de vinha assume especial importância nas ilhas Pico, Terceira e Graciosa.

9 ALCÁCER DO SAL N=22 CASTELO BRANCON=13 GUADIANAN=16 MONTEMOR-O-NOVON=6 VALVERDEN=3 P1 P2 VIDEIRAS CULTIVADAS: 94 denominações VIDEIRAS SELVAGENS: 5 populações A Vinha

10 Da Vitis sylvestris à Vitis vinifera Alicante Henri Buschet, Alfrocheiro, Alvarelhão, Alvarinho, Antão Vaz, Arinto (Bucelas), Arinto (Douro), Arinto do Pico (Açores), Arinto da Terceira (Açores), Assario (Dão), Avesso, Azal Branco, Beba, Baga, Benfica, Bical, Boal (Algarve), Boal (Madeira), Boal das Abelhas (Açores), Boal da Graciosa (Açores), Boal Cachudo, Boal Ratinho, Camarate, Castelão Francês, Cayetana, Cercial (Bairrada), Cercial (Douro), Cercial (Pinhel), Crato Branco, Dona Maria, Douradinha do Pico (Açores), Esgana Cão, Fercal, Fernão Pires (Oeste), Fernão Pires (Vinhos Verdes), Fernão Pires do Bêco, Gouveio (Douro), Gouveio Estimado (Douro), Gouveio Real (Douro), Gouveio Roxo (Douro), Itália, Jaen, Jampal, João de Santarém, Loureiro, Lusitano, Malvasia Cândida (Madeira), Malvasia di Candia Aromática, Malvasia di Lipari, Malvasia de Stiges, Malvasia di Candia, Malvasia Rei, Maria Gomes, Merlot, Moscatel de Setúbal, Mulata, Negra Mole, Periquita, Petit Bouschet, Pinheira Branca, Primavera, Rabo de Ovelha, Ramisco, Roupeiro, Rufete, Saborinho, S. Mamede, Sercial (Madeira), Síria, Teinturier, Terrantêz do Pico (Açores), Terrantêz da Terceira (Açores), Tintinha, Tinta Miúda, Tinta Roriz, Tinto Cão, Tinto de Pegões, Touriga Brasileira, Touriga Francesa, Touriga Nacional, Tourigo do Douro, Tourigo Francês, Trajadura, Trincadeira, Trincadeira Preta, Valbom, Verdelho (Dão), Verdelho (Açores), Verdelho (Madeira), Verdelho Roxo (Açores), Verdelho Tinto (Vinhos Verdes), Vinhão, Viosinho, Vital 94 Foram estudas 94 denominações provenientes de diferentes regiões vitícolas

11 Nº AmostrasDenominação 4Arinto da Graciosa 4Arinto da Terceira 2Boal das Abelhas 1Boal da Graciosa 1Diagalves 1Douradinha do Pico 1Ramisco 3Terrantêz do Pico 6Terrantêz da Terceira 5Terrantêz da Graciosa 1Terrantêz da Terra da Graciosa 3Verdelho 1Verdelho roxo 13 destas denominações de castas são dos Açores Da Vitis sylvestris à Vitis vinifera

12 Metodologia Utilizada Extracção e quantificação do ADN Ampliação de loci contendo microssatélites ( ) Medição do comprimento dos alelos por sequenciador automático de ADN Estabelecimento de uma base de dados de perfis alélicos Análise dos dados Determinação da diversidade genética Identificação de Sinonímias e Homonímias Determinação de distancia genética entre castas Identificação de parentais Caracterização Molecular de Videira

13 Identificação exacta das castas Definição de sinonímias e origens Filogenia das castas Caracterização da biodiversidade Mapeamento genético Selecção assistida por marcadores Caracterização Molecular de Videira Contributo indispensável para a gestão, valorização e melhoramento do património Vitícola Nacional

14 AmostrasGenótipos ALCÁCER DO SAL CASTELO BRANCO GUADIANA MONTEMOR-O-NOVO 6 6 VALVERDE 3 2 Total VIDEIRAS CULTIVADAS: 94 denominações = 70 genótipos VIDEIRAS SELVAGENS: Caracterização Molecular de Vitis sylvestris

15 Grupo de castas com o nome Gouveio: Resultados Loci Gouveio (Dão) Gouveio Roxo Verdelho (Dão) Gouveio EstimadoGouveio Real VVS2 149:155133:149139:149 VVMD5 222:234222:230222:236 VVMD6 204:204204:206197:204 VVMD7 236:240240:246236:240 ssrVrZAG21 198:212198:198202:204 ssrVrZAG47 162:166158:166 ssrVrZAG62 184:186186:202 ssrVrZAG64 136:160134:136134:138 ssrVrZAG67 121:127121:121121:147 ssrVrZAG79 248:248244:248 ssrVrZAG83 188: :194 Caracterização Molecular de Vitis vinifera

16 Castas do encepamento do Arquipélago dos Açores Loci Douradinha do Pico Arinto da Terceira Verdelho Terrantêz do Pico Terrantêz da Terceira VVS2139:149129: :149141:149 VVMD5224:234218: :234218:222 VVMD6187:204197: :204 VVMD7236:240236:236236:254236:236236:254 ssrVrZAG21212:212202: :202 ssrVrZAG47166:172158: :166156:166 ssrVrZAG62184:190192: :194186:192 ssrVrZAG64136:138156: :156136:160 ssrVrZAG67121:157127: :135121:127 ssrVrZAG79248:254244: :248 ssrVrZAG83190:194188: :200190:194 Caracterização Molecular de Vitis vinifera Resultados

17 Grupo de castas com o nome Verdelho: Resultados Loci Verdelho (Dão) Gouveio (Dão) Gouveio Roxo Verdelho (Açores/Madeira) Verdelho Roxo Verdelho Tinto (Vinhos Verdes) VVS2149:155129:149129:139 VVMD5222:234218:228224:232 VVMD6204:204197:197204:206 VVMD7236:240236:254236:246 ssrVrZAG21198:212202:204198:200 ssrVrZAG47162:166158:166 ssrVrZAG62184:186192:194186:198 ssrVrZAG64136:160156:160132:138 ssrVrZAG67121:127127:135145:149 ssrVrZAG79248:248244:248248:256 ssrVrZAG83188:190188:194194:200 Caracterização Molecular de Vitis vinifera

18 O Verdelho Gouveio

19 Vitis sylvestris v Vitis sativa PopulationASCBGUAMONCULTIVADAS AS0.000 CB GUA MON CULTIVADAS Diferenciação génica entre populações

20 ANTÃO VAZRABO DE OVELHA X CAYETANA CASTELÃO FRANCÊS ALICANTE HENRI BOUSHCET X LUSITANO Melhoramento de castas portuguesas

21 TRINCADEIRA PRETA ? X X SÍRIAMALVASIA FINA BOAL RATINHO X SERCIAL CERCIAL (BAIRRADA) Domesticação das castas portuguesas

22 ? V. sylvestris GUADIANA X X SÍRIAMALVASIA FINA BOAL RATINHO X SERCIAL CERCIAL (BAIRRADA) Domesticação das castas portuguesas

23 A Vinha

24 Origem do Verdelho e do Terrantêz do Pico Verdelho Terrantêz do Pico Arinto da Terceira

25 Agradecimentos Doutor Eiras Dias - Estação Vitivinícola Nacional Direcção Regional da Ciência e Tecnologia, Açores Fundação para a Ciência e a Tecnologia

26 Obrigado pela Atenção!

27 Origem do Verdelho e do Terrantêz do Pico


Carregar ppt "Pico, 10 de Junho de 2011 A domesticação das castas portuguesas e a origem do Verdelho e do Terrantêz do Pico Maria Susana Lopes, Duarte Mendonça, Artur."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google