A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Os Lusíadas Os Lusíadas Luís Vaz de Camões. 1. Os Lusíadas Canto de louvor ao povo português Engrandece a bravura dos lusitanos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Os Lusíadas Os Lusíadas Luís Vaz de Camões. 1. Os Lusíadas Canto de louvor ao povo português Engrandece a bravura dos lusitanos."— Transcrição da apresentação:

1 Os Lusíadas Os Lusíadas Luís Vaz de Camões

2 1. Os Lusíadas Canto de louvor ao povo português Engrandece a bravura dos lusitanos

3 1. Os Lusíadas Gênero literário: Epopéia/poesia épica (narrativa poética de fundo histórico. Com elementos mitológicos e heroicos) Divisão: - 10 cantos estrofes com 8 versos (oitava rima: AB AB AB CC) versos decassílabos

4 1. Os Lusíadas Partes: P - Proposição I - Invocação D - Dedicatória N - Narração E - Epílogo

5 1. Os Lusíadas Narração: - Plano terrenal/humano: * Viagem de Vasco da Gama para as Índias * Luta entre os portugueses e os povos orientais da África e da Índia * História de Portugal - Plano divinal/mítico: * Intervenção dos deuses pagãos Baco x Vênus

6 As armas e os barões assinalados Que, da Ocidental praia Lusitana, Por mares nunca dantes navegados, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo reino, que tanto sublimaram; Camões. Os Lusíadas, Canto I.

7 1. Os Lusíadas Canto III - Episódio de Inês de Castro

8 Século XIV D. Afonso IV D. Pedro Constança Inês de Castro: aquela que depois de morta foi rainha Amor: grande tirano

9 Tu, só tu, puro amor, com força crua, Que os corações humanos tanto obriga, Deste causa à molesta morte sua, Como se fora pérfida inimiga. Se dizem, fero amor, que a sede tua Nem com lágrimas tristes se mitiga, É porque queres, áspero e tirano, Tuas aras banhar em sangue humano Camões. Os lusíadas, Canto III.

10 1. Os Lusíadas Canto IV - O velho do Restelo

11 Postura contrária às navegações e à política mercantilista Crítica ao desejo de mando, ambição e fama

12 Ó Glória de mandar, ó vã cobiça Desta vaidade a quem chamamos fama! Ó fraudulento gosto, que se atiça Cuma aura popular, que honra se chama! Que castigo tamanho e que justiça Fazes do peito vão que muito te ama! Que mortes, que perigos, que tormentas, Que crueldades neles exprimentas! Camões. Os Lusíadas, Canto IV.

13 1. Os Lusíadas Canto V - O gigante Adamastor

14 Personificação do Cabo das Tormentas Simboliza os perigos do mar

15 E disse: Ó gente ousada, mais que quantas No mundo cometeram grandes cousas: Tu, que por guerras cruas, tais e tantas, E por trabalhos vãos nunca repousas, Pois os vedados términos quebrantas E navegar meus longos mares ousas, Que eu tanto tempo guardo e tenho, Nunca arados de estranho ou próprio lenho; Camões. Os Lusíadas, Canto V.

16 1. Os Lusíadas Canto IX - X - A ilha dos amores

17 Entregam-se aos prazeres na Ilha dos Amores A ilha era um presente de Vênus, como recompensa pela bravura demonstrada A Máquina do Mundo

18 Sigamos estas Deusas, e vejamos Se fantásticas são, se verdadeiras. Isto dito, velozes mais que gamos, Se lançam a correr pelas ribeiras. Fugindo as Ninfas vão por entre os ramos Mas, mais industriosas que ligeiras, Pouco e pouco sorrindo e gritos dando, Se deixam ir dos galgos alcançando. Camões. Os Lusíadas, Canto IX.

19 Vês aqui a grande Máquina do Mundo, Etérea e elemental, que fabricada Assim foi do Saber, alto e profundo, Que é sem princípio e meta limitada. Quem cerca em derredor este rotundo Globo e sua superfície tão limada, É Deus: mas o que é Deus ninguém entende, Que a tanto engenho humano não se estende Camões. Os Lusíadas, Canto X.

20


Carregar ppt "Os Lusíadas Os Lusíadas Luís Vaz de Camões. 1. Os Lusíadas Canto de louvor ao povo português Engrandece a bravura dos lusitanos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google