A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IM250 Prof. Eugênio Rosa Formulação Diferencial das Equações de Transporte.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IM250 Prof. Eugênio Rosa Formulação Diferencial das Equações de Transporte."— Transcrição da apresentação:

1 IM250 Prof. Eugênio Rosa Formulação Diferencial das Equações de Transporte

2 IM250 Prof. Eugênio Rosa Forma Integral das Equações de Transporte O TTR permite escrever as Equações de Transporte a partir do conceito de Volume de Controle: Source Massa10 MovimentoV 1 a Leie 2 a Leis J e f são fontes genéricos associados a SC e ao VC

3 IM250 Prof. Eugênio Rosa Teorema de Gauss O Teorema de Gauss transforma a avaliação de uma integral de superfície em integral de volume. Ele aplica-se a grandezas escalares, vetoriais e tensorias: é o operador nabla, f é o gradiente de um escalar (vetor); xV é o rotacional de um vetor (vetor) e. T é o divergente de um tensor (vetor)

4 IM250 Prof. Eugênio Rosa Aplicação do Teorema de Gauss Aplicando o Teorema de Gauss à Equação de Transporte vamos transformar os termos de superfície em volume: A transformação é válida para V.C. não deformáveis, isto é, seu volume não varia com o tempo.

5 IM250 Prof. Eugênio Rosa Forma Diferencial Como representação Integral acima o tamanho do VC é arbitrário, para a identidade ser válida para qualquer volume é necessário que seu argumento seja nulo!

6 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Diferencial da Massa A equação da Massa é obtida fazendo-se = 1 e J = f = 0, Note que para fluidos incompressíveis, isto é, constante, ela se reduz para:

7 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Diferencial da Q. Movimento A equação da Q. Movimento é obtida fazendo-se =V, J = T e f = g, A Equação da Q. Movimento é vetorial, possui 3 componentes, Todos os termos possuem unidades de Força/Volume (N/m 3 ) O termo VV é um produto diádico, possui natureza tensorial e representa o fluxo de Q. movimento que cruza a S.C.

8 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação da Diferencial da Energia e A equação da Energia é obtida fazendo-se = e, J = -q k + T.V e f = q; O lado esquerdo representa o transporte da energia. O lado direito representa os termos de calor e trabalho (1 a lei) e também um fonte de energia volumétrico

9 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Diferencial da 2 a Lei A 2 a Lei é obtida fazendo-se = s, J = -q k /T e f = q/T, Os primeiro e segundo termos (lado direito) referem-se à produção ou à destruição de s devido a transferência de calor na fronteira e devido a geração de energia internamente ao volume. O último termo refere-se a produção de entropia devido as irreversibilidades do sistema.

10 IM250 Prof. Eugênio Rosa Forma Conservativa e Não-Conservativa A equação de transporte acima está na sua forma Conservativa. Os termos transiente e convectivos podem ser desdobrados : Nota-se que a forma Conservativa mantinha implicitamente a equação da massa. Após a simplificação chega-se a forma Não-Conservativa

11 IM250 Prof. Eugênio Rosa Derivada Substantiva ou Total Em cinemática o termo acima tem um significado especial. Ele coincide com a taxa de variação de uma propriedade seguindo uma partícula, isto é, a partir de um referencial Lagrangeano.

12 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Diferencial da Massa Desmembrando o segundo termo da equação vamos encontrar: Para regime permanente e um fluido incompressível, a sua densidade não varia ao longo de uma linha de corrente, logo D /dt =0 portanto: Veja discussão sobre escoamento estratificado no material do curso

13 IM250 Prof. Eugênio Rosa Função Corrente e Eq. Massa (Lagrange 1781) A função corrente é um conceito matemático, tal que o escalar deve sempre satisfazer a equação da massa. A equação da massa 2D e incompressível, para um sistema cartesiano ou polar, reduz para: A definição da função corrente é:

14 IM250 Prof. Eugênio Rosa As Linhas de e as Linhas de Corrente Para coordenadas cartesianas, Para = constante, d = 0 e Note que a sua definição coincide com a definição de linha de corrente; somente para regime permanente.

15 IM250 Prof. Eugênio Rosa Tubo de Corrente Duas linhas de corrente definem um tubo de corrente, pq não há velocidade normal às linhas por definição! Considere dois tubos espaçados por uma distância x, y, a vazão volumétrica que passa por eles é: x<0 y>0 x y A diferença entre duas linhas de corrente define a vazão no tubo! Deve-se atribuir um valor a uma única linha de corrente, os valores das demais vem da integração. 2 1

16 IM250 Prof. Eugênio Rosa A Função Corrente e a Vorticidade Para escoamentos 2D a vorticidade se reduz a apenas uma componente: Então para um escoamento 2D e irrotacional a função corrente é determinada satisfazendo a equação de Laplace:

17 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Diferencial da Q. Movimento Forma Não-Conservativa Desmembrando os termos de transporte e eliminando a equação da massa encontra-se: A derivada total da velocidade DV/Dt dá a aceleração seguindo uma partícula! Note que a derivada total resgata o conceito da análise de Sistemas pois ele segue uma partícula infinitesimal com identidade fixa!

18 IM250 Prof. Eugênio Rosa 1 a e 2 a Leis Forma Não-Conservativa De maneira similar a equação da massa e Q. de movimento, os termos transiente e convectivos podem ser desmembrados, a equação da massa eliminada e gerando a forma não conservativa da 1 a e 2 a leis:

19 IM250 Prof. Eugênio Rosa Notas Finais da Parte II As equações de transporte, especificamente a Quantidade de Movimento, Energia e 2 a Lei estão expressas em função do campo de tensões T. Não é possível resolvê-las nesta forma porque não se conhece como o campo de tensão se comporta com o campo de velocidades. É necessário estabelecer as equações constitutivas para o fluido onde será modelado como a tensão varia com o campo de velocidades, nosso próximo tópico.

20 IM250 Prof. Eugênio Rosa Parte III Equações Constitutivas

21 IM250 Prof. Eugênio Rosa Introdução Por equação constitutiva entende-se modelos que expressam uma variável em função de outra. Por exemplo, a tensão em função da taxa de deformação do fluido. Estes modelos não são leis físicas mas podem representar sob condições estabelecidas o comportamento físico do fluido. Nesta seção serão desenvolvidas equações constitutivas para a –Tensão T no fluido, –Taxa de Calor por condução no fluido, q k. Das duas equações a mais envolvente é a equação constitutiva para tensão, vamos começar por ela.

22 IM250 Prof. Eugênio Rosa Sobre a Natureza da Tensão T As tensões que agem no fluido podem ser Normais ou Cisalhantes; Além disto, no estado estático (sem movimento relativo) só agem tensões normais enquanto que para fluido em movimento surgem tensões normais e cisalhantes devido ao atrito (deslizamento) entre as camadas de fluido. A tensão T é divida em duas partes, uma devido a pressão P (forças normais) e outra denominada por desvio da tensão, T associada ao movimento relativo das partículas no fluido:

23 IM250 Prof. Eugênio Rosa A Pressão A pressão é um tensor isotrópico, isto é, ela não depende da orientação, seus elementos da diagonal são iguais e fora da diagonal são nulos, por isto o tensor pode ser representado por um único escalar: P y P x P A

24 IM250 Prof. Eugênio Rosa Propriedades do Tensor Desvio das Tensões, T O tensor desvio das tensões existe somente se houver movimento relativo entre as partículas de fluido.movimento relativo Ele possui tensões normais e cisalhantes, Ele é simétrico, isto é, os elementos fora da diagonal são idênticos, T ij = T ji

25 IM250 Prof. Eugênio Rosa Similaridades Sólido - Fluido Uma tensão aplicada a um corpo sólido causa uma deformação, lei de R. Hooke ( ) Fluido se deforma continuamente quando sujeito a uma tensão. Newton propôs, por similaridade, que a tensão é proporcional a taxa de deformação Coeficiente Lamé (N/m 2 ) Deformação viscosidade (N.s/m 2 ) Taxa Deformação

26 IM250 Prof. Eugênio Rosa Viscosidade Dinâmica Viscosidade Dinâmica (Absoluta) Fluidos Newtonianos (água, todos os gases e maioria dos líquidos) são aqueles que apresentam uma relação linear entre a tensão e a taxa de deformação. xy (N/m 2 ) du/dy (1/s) A viscosidade é uma propriedade do fluido e tem natureza escalar.

27 IM250 Prof. Eugênio Rosa Extensão para Escoamentos 3D A lei de Newton pode ser estendida para escoamentos 3D a partir do conhecimento da taxa de deformação

28 IM250 Prof. Eugênio Rosa Tensor Deformação, D ij Em notação indicial, o tensor deformação, D ij, é definido por Em notação vetorial,

29 IM250 Prof. Eugênio Rosa Operação com Tensores Qualquer tensor pode ser decomposto em uma parte simétrica e outra anti-simétrica: Como T é um tensor simétrico ele é proporcional a parte simétrica do tensor Deformação (paralelo a lei de Newton)

30 IM250 Prof. Eugênio Rosa Decomposição do Tensor Deformação 1. A diagonal do tensor simétrico está associada a dilatação linear do elemento 2.Os elementos fora da diagonal do tensor simétrico estão associados a deformação angular 3.Os elementos do tensor anti-simétrico estão associados a rotação do elemento fluido.

31 IM250 Prof. Eugênio Rosa O Tensor, S ij O tensor S é a parte simétrica do tensor deformação D. Ele existe devido ao movimento relativo do fluido que causa deformações normais e angulares ao elemento de fluido. são tensores que representam o gradiente de velocidades e seu transposto

32 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Constitutiva para Fluido Newtoniano Para fluidos incompressíveis ( constante) Para fluidos compressíveis Onde I é o tensor identidade

33 IM250 Prof. Eugênio Rosa Porque Tensão e Deformação são Linearmente Dependentes? A relação = du/dy é um modelo! Portanto não há razão alguma que na natureza os fluidos devam seguir este modelo. Entretanto, os gases seguem este modelo; Água, óleos em geral e uma grande maioria de líquidos podem ser bem representados por este modelo; Mas há líquidos que não são representados: tintas, fluidos biológicos, emulsões em geral.

34 IM250 Prof. Eugênio Rosa Fluidos Newtonianos Generalizados Eles descrevem fluidos com comportamento não- linear tensão x deformação mas não reproduzem efeitos de: –tensão normal, –efeitos dependentes do tempo, –ou efeitos elásticos

35 IM250 Prof. Eugênio Rosa Fluidos Newtonianos Generalizados A relação mais geral entre tensão e deformação: n – índice de comportamento do escoamento. k – índice de consistência. n = 1, fluido newtoniano, k = n > 1, fluido dilatante n < 1 fluido pseudo plástico

36 IM250 Prof. Eugênio Rosa Shear thickening fluids of this sort are being researched for bullet resistant body armor [2], useful for their ability to absorb the energy of a high velocity projectile impact but remain soft and flexible while worn. Some shear thickening fluids are also used in all wheel drive systems utilizing a viscous coupling unit for power transmission.Shear thickening fluidsbody armor [2]all wheel driveviscous coupling unit A familiar example of the opposite, a shear thinning fluid, or pseudoplastic fluid, is paint: one wants the paint to flow readily off the brush when it is being applied to the surface being painted, but not to drip excessively.shear thinning fluidpaint There are fluids which have a linear shear stress, shear strain relationship, that requires a finite yield stress before they begin to flow. That is the shear stress, shear strain curve doesn't pass through the origin. These fluids are called Bingham plastics. Several examples are clay suspensions, drilling mud, toothpaste, mayonnaise, chocolate, and mustard. The classic case is ketchup which will not come out of the bottle until you stress it by shaking.Bingham plasticsketchup There are also fluids whose strain rate is a function of time. Fluids that require a gradually increasing shear stress to maintain a constant strain rate are referred to as rheopectic. An opposite case of this, is a fluid that thins out with time and requires a decreasing stress to maintain a constant strain rate (thixotropic).rheopecticthixotropic

37 IM250 Prof. Eugênio Rosa Effects of Rheology on Non-Newtonian Impact At impact, the drop experiences a large shear rate which rapidly decreases as the drop deforms. For non-Newtonian fluids, the effective viscosity of the fluid depends on the shear rate. Therefore one would expect that the effective viscosity of a shear thickening fluid such as cornstarch in water (images in the middle) would behave like a highly viscous fluid at shortly after impact and would gradually spread as a less viscous fluid as time progressed. Sure enough, the cornstarch / water mixture behaves more similar to the highly viscous glycerol (images on the right) than the lower viscosity water (images on the left) at short times. However at later times, one sees that the cornstarch / water fluid spreads out significantly faster than its glycerol counterpart - suggesting a lower effective viscosity. Such experiments provide another method to investigate the rheology of complex fluids.

38 IM250 Prof. Eugênio Rosa Viscosidade Aparente, É uma conveniência matemática para ajustar a forma de modelos lineares. Desmembrando a tensão em um termo linear e outro com potência (n-1): A viscosidade aparente é = k(du/dy)^(n-1). Note que ela não é mais propriedade do fluido mas depende do campo de velocidades. Ela pode variar ponto a ponto dentro do campo do escoamento

39 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Constitutiva para Fluido Newtoniano Generalizado Para fluidos incompressíveis ( constante) onde S é um escalar com dimensão de (1/s) e é definido pelo produto escalar do tensor S e é uma função tipo lei de potência de S, S:S é o produto escalar entre dois tensores, veja definição em Bird, Stewart and Lightfoot

40 IM250 Prof. Eugênio Rosa Campo da Reologia

41 IM250 Prof. Eugênio Rosa Difusão de Calor, Lei de Fourier A condução ou difusão de calor tem natureza vetorial e é dada pela Lei de Fourier: onde k é o coeficiente de condução ou difusão térmica, W/m o C.

42 IM250 Prof. Eugênio Rosa Difusão de Massa, Lei de Fick O fluxo de massa por difusão de uma espécie química em outra é proporcional ao gradiente de concentração mássica da espécie : onde m é o vetor fluxo de massa (kg/(s.m 2 ); é a densidade da mistura; D j é o coef. Difusão de massa, (m 2 /s); e w j é a fração mássica ou concentração do componente j, w j = m j /M.

43 IM250 Prof. Eugênio Rosa Notas Finais As equações constitutivas para tensão, calor e massa permitem que as equações de transporte de Q. Movimento e Energia sejam escritas em termos das variáveis básicas: Velocidades, Pressão e Temperatura. Na Parte IV desta aula vamos retornar às Equações de Transporte para fazermos esta substituição e chegarmos a sua forma final!

44 IM250 Prof. Eugênio Rosa Retorno às Equações Diferencias de Transporte

45 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Diferencial da Massa Note que para fluidos incompressíveis, isto é, constante, ela se reduz para:

46 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Navier Stokes Substituindo a Eq. constitutiva da Tensão para fluido Newtoniano vamos chegar às Equações de Navier-Stokes (NS): onde A Eq. acima é válida para escoamentos compressíveis, com viscosidade variável (regime laminar ou turbulento?) Filmes: (1), (2) e (3).(1), (2) (3). A Eq. Transporte de Q. Movimento é:

47 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Navier Stokes Compressível vamos chegar às Equações de Navier-Stokes (NS) para um fluido compressível com constante: Para constante e considerando a identidade:

48 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Navier Stokes Incompressível Para e constantes temos que,.V =0, logo: Esta é a forma mais popular das Equações de Navier Stokes: fluido incompressível e com viscosidade constante.

49 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Transporte de e A equação de transporte da Energia e, na sua forma não-conservativa é: Neste estágio é conveniente substituir T = - P + T e expandir os termos: T: V é o produto escalar entre o tensor desvio da tensão e o tensor deformação do fluido, seu resultado é um escalar. Veja definições no material impresso do curso

50 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Transporte de e Para se chegar a forma final da Equação da Energia é necessário definir: 1.As formas de energia que e representa; 2.A difusão do calor, q k 3.O tensor das tensões no fluido e seus produtos Estas tarefas serão feitas na seqüência.

51 IM250 Prof. Eugênio Rosa Modos de Energia e Vamos considerar três modos de energia: interna, cinética e potencial: onde û é a energia interna, g a aceleração da gravidade e r o vetor posição A derivada total em termos das parcelas de e fica sendo:

52 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Transporte da Energia Cinética, K Multiplicando-se ambos os lados da Eq. NS por V vamos encontrar: A energia cinética K é: E sua equação de transporte é:

53 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Transporte da Energia Interna, û Subtraindo a Equação da Energia Cinética da Equação de e vamos ter:

54 IM250 Prof. Eugênio Rosa A Função Dissipação, O trabalho realizado pelas tensões para deformar o fluido converte energia mecânica do escoamento em energia térmica. O nome dissipação sugere que em mecânica dissipada em térmica, portanto é um termo que introduz irreversibilidades no escoamento. Para um fluido Newtoniano ela é definida: ou em notação indicial: é a função dissipação, sempre positiva para atender 2 a lei. a função dissipação para coordenadas cartesianas, veja mais detalhes na brochura Forma Dif. Eq. Transporte.

55 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Transporte da Energia Interna, û Substituindo as equações constitutivas para o tensor desvio da tensão e da condução vamos ter: Dû/Dt é o transporte de energia interna; k T é fluxo calor líquido por condução na S.C.; -P.V é trabalho de compressão, fluidos compr.; é a função dissipação, converte trabalho de deformação em energia interna (veja próx slide); q representa geração volumétrica de energia dentro do volume (reação química, radiação outras fontes)

56 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Transporte da Entalpia, h O termo do trabalho de pressão pode ser re-escrito em função da equação da massa: Substituindo a definição: h = û+P/ na equação de û, chega-se a forma não-conservativa da Equação de Transporte da Entalpia: ou a sua forma conservativa: veja mais detalhes na brochura Forma Dif. Eq. Transporte.

57 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Transporte da Entalpia Total, h 0 A entalpia específica e a entalpia total de um fluido compressível são definidas por: Somando à equação da entalpia a energia cinética:

58 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação Transporte da Entalpia Total, h 0 Em geral a entalpia total é empregada para escoamentos compressíveis onde o termo de trabalho das forças de campo é desprezível, neste caso: Para tornar sua representação mais compacta é freqüente agrupar os termos viscosos num único operador:

59 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Transporte da Temperatura A partir da Equação de transporte da Entalpia e da relação termodinâmica para uma substância pura: onde é o coef expansão volumétrica, Pode-se mostrar que a forma não-conservativa da Equação de Transporte para Temperatura é: e a sua forma conservativa: veja mais detalhes na brochura Forma Dif. Eq. Transporte.

60 IM250 Prof. Eugênio Rosa Equação de Transporte da Entropia A equação de transporte de S é: o termo de produção, Os, é determinado a partir da relação termodinâmica para uma substância pura: substituindo as eqs. para h e s na relação acima vamos encontrar: As irreversibilidades estão associadas a uma troca térmica com diferença de temperatura ou ao trabalho viscoso realizado pelo fluido veja mais detalhes na brochura Forma Dif. Eq. Transporte.

61 IM250 Prof. Eugênio Rosa Notas Finais Estas são as formas finais de algumas das equações de transporte. Há diversas outras que não foram abordadas neste aula, entre elas: transporte de um escalar, e transporte de vorticidade. As duas últimas estão na brochura anexa para referência. O desafio da próxima aula será simplificar algumas equações e procurar expressá-las numa única Equação Geral de Transporte.

62 IM250 Prof. Eugênio Rosa Forma Geral das Equações de Transporte O método dos volumes finitos parte da forma conservativa das Eq. Transporte. Considere uma variável escalar genérica: onde é o coeficiente difusivo definido por: O fonte S tem natureza diversa: i) representam as condições de contorno do fenômeno; ii) modelam a ação de forças ou energia de novos mecanismos físicos ou ; iii) representam todos os outros termos da eq. particular que se quer representar e que não são representados pelo lado esquerdo da equação!

63 IM250 Prof. Eugênio Rosa Notação Indicial Eq. Geral de Transporte onde j pode variar de 1 a 3 representando cada uma das direções ortogonais. é uma variável escalar genérica e A Eq. de Transporte em Notação vetorial também pode ser representada em notação indicial pelos operadores

64 IM250 Prof. Eugênio Rosa Notação Indicial Eq. Geral de Transporte onde j pode variar de 1 a 3 representando cada uma das direções ortogonais. é uma variável escalar genérica e A Eq. de Transporte em Notação vetorial também pode ser representada em notação indicial pelos operadores

65 IM250 Prof. Eugênio Rosa Eq. Geral Escalar e Termos Fontes h T h0h0 wmwm k PrS

66 IM250 Prof. Eugênio Rosa Tabela Equações de Transporte Obtenha no link abaixo uma tabela extraída do Bird, Stewart and Lightfoot que descreve as componentes das equações de transporte nos sistemas de coordenadas cartesiano, cilindrico-polar e esférico. TABELAS EQUAÇÕES DE TRANSPORTE

67 IM250 Prof. Eugênio Rosa Referências [1] White, F.M.; "Viscous Fluid Flow", McGraw Hill (1974) [2] Moore, F.K.; "Theory of Laminar Flows", Princeton Un. Press (1964) [3] Rosenhead, L.; "Laminar Boundary Layers", Oxford (1963) [4] Warsi, Z.U.A., "Fluid Dynamics: Theoretical and Computational Approaches", CRC (1993) [5] Panton, R. Incompressible Flow, John Wiley (1984) [6] Tennekes, H. and Lumley, J.L., A First Course in Turbulence, MIT Press, 1972, [7] Reynolds W.C. and Perkins, H.C., Engineering Thermodynamics, Mc Graw Hill, (1977) [8] Hinze, J.O., Turbulence, McGraw Hill, (1959) [9] Townsend, A.A., The Strucuture of Turbulent Shear Flow, Cambridge Un. Press, 2nd ed., (1976). [10] Wilcox, D.C., Turbulence Modeling for CFD, 2nd ed., DCW Industries, (1998). [11] Astarita, G. and Marrucci, G., Principles of Non-Newtonian Fluid Mechanics, McGraw Hill(1974)

68 IM250 Prof. Eugênio Rosa FIM


Carregar ppt "IM250 Prof. Eugênio Rosa Formulação Diferencial das Equações de Transporte."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google