A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

M ORFOLOGIA E A NATOMIA – R AIZ, C AULE E F OLHA Professor Felipe Amaral Março- 2013 Colégio Ari de Sá Disciplina Biologia II.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "M ORFOLOGIA E A NATOMIA – R AIZ, C AULE E F OLHA Professor Felipe Amaral Março- 2013 Colégio Ari de Sá Disciplina Biologia II."— Transcrição da apresentação:

1 M ORFOLOGIA E A NATOMIA – R AIZ, C AULE E F OLHA Professor Felipe Amaral Março Colégio Ari de Sá Disciplina Biologia II

2 M ORFOLOGIA VEGETAL A morfologia vegetal (Organografia) estuda a forma externa dos órgãos vegetais superiores. As angiospermas são plantas mais evoluídas e complexas da Terra. Têm raízes, caules e folhas, órgãos da vida vegetativa. Na época da reprodução produzem flores, frutos e sementes.

3 R AÍZES

4 Absorver e conduzir água e minerais dissolvidos; Acumular nutrientes e fixar a planta ao solo; Diferencia-se do caule por sua estrutura, pelo modo como se forma e pela falta de apêndices, como gemas (meristemas externos) e folhas. F UNÇÕES

5 R AIZ : O RIGEM A raiz originada diretamente da radícula embrionária chama-se raiz primária. raiz que se origina a partir de células parenquimáticas do caule ou da folha é denominada adventícia.

6 P ARTES DA R AIZ

7 Classificadas de acordo com o ambiente em que vivem e com as funções que desempenham: Raízes terrestres; Raízes aéreas; Raízes aquáticas. C LASSIFICAÇÃO DAS RAÍZES

8 Raiz axial ou pivotante: apresenta um eixo principal que penetra no solo e emite raízes laterais secundárias. É típica de dicotiledôneas (feijão) e gimnospermas (pinheiros); Raiz fasciculada: sem eixo principal; todas crescem igualmente. É típica das monocotiledôneas (milho, capim). T IPO DE RAIZ

9 R AÍZES TERRESTRES Axiais ou Pivotante Fasciculadas ou Cabeleira:

10 T UBEROSAS : A RMAZENAM SUBSTÂNCIAS NUTRITIVAS.

11 R AÍZES A ÉREAS OU ADVENTÍCIAS PODEM SURGIR EM QUALQUER PARTE DO SISTEMA CAULICULAR DA PLANTA OU MESMO DAS FOLHAS ( BEGÔNIAS ), SERVINDO ÀS MAIS DIVERSAS FINALIDADES.

12 S UPORTES OU ESCORA : P ARTEM DO CAULE E ATINGEM O SOLO, E SUA PRINCIPAL FUNÇÃO É AUMENTAR A FIXAÇÃO DO VEGETAL.

13 T ABULARES : SÃO ACHATADAS, E ENCONTRADAS EM FLORESTAS DENSAS, SENDO RESPONSÁVEIS PELA FIXAÇÃO, PODENDO TAMBÉM SEREM RESPIRATÓRIAS.

14 E STRANGULANTES : R AIZ QUE SE ENROLA NAS ÁRVORES QUE LHE SERVE DE SUPORTE PROVOCANDO POSTERIORMENTE O ESTRANGULAMENTO DELAS. S ÃO EXEMPLOS OS CIPÓS - MATA - PAU ( F ICUS SP.).

15 S UGADORAS OU H AUSTÓRIOS : P RESENTES EM HEMIPARASITAS E HOLOPARASITAS, PERFURAM O CAULE DO HOSPEDEIRO EM BUSCA SE NUTRIR. C RESCEM ATÉ O SISTEMA VASCULAR DA PLANTA HOSPEDEIRA DA QUAL RETIRA OS NUTRIENTES ( SEIVA ). E X : CIPÓ - CHUMBO E ERVA DE PASSARINHO.

16 E XEMPLO DE H AUSTÓRIO : ERVA DE PASSARINHO

17 Respiratórias ou Pneumatóforos: ramificações com geotropismo negativo que buscam oxigênio cujo teor reduziu-se num solo alagado. É o caso das raízes secundárias da Rizophora mangle.

18 Cinturas: raiz com tecidos especializados em absorver e reter água diretamente do ar atmosférico, característica fundamental para as epífitas, plantas inquilinas que vivem sobre outras plantas, geralmente em busca de um ótimo em luminosidade. Ocorre nas raízes das orquídeas.

19 G RAMPIFORMES : SEMELHANTES A PEQUENOS GRAMPOS PARA A FIXAÇÃO DE PLANTAS TREPADEIRAS. E X : H ERA.

20 R AÍZES AQUÁTICAS : A PRESENTAM PARÊNQUIMA AERÍFERO BEM DESENVOLVIDO. N ÃO APRESENTAM COIFA. E X : RAÍZES DO AGUAPÉ E VITÓRIA - RÉGIA.

21 A NATOMIA DA RAIZ a raiz pode ser dividida em três regiões: 1 –epiderme 2- casca ou córtex 3 - cilindro central ou cilindro vascular.

22

23

24

25

26 Caules

27 C AULE O caule suporta as folhas, flores, frutos e através dele circulam as seivas. Na sua organização apresenta nós, entrenós e gomos laterais, estes podem desenvolver-se originando ramos com folhas e flores. ORIGEM: caulículo do embrião da semente

28 F UNÇÃO DO C AULE Produção e suporte; Condução; Armazenamento; Propagação; Crescimento; Realização de fotossíntese.

29 R EGIÕES DO C AULE Divisão: Nós: região de onde parte uma folha Internós : região compreendida entre dois nós consecutivos. Gemas: (apicais ou laterais): meristema primário protegido por pequenas folhas modificadas (escamas ou catáfilos).

30 A NATOMIA DO C AULE Gema Apical Gema Lateral

31 G EMA AXILAR ( LATERAL )

32 F IGURA 1. M ICROFOTOGRAFIA E DIAGRAMA DO ÁPICE CAULINAR DE C OLEUS SP. E RESPECTIVOS MERISTEMAS

33 T IPOS DE RAMIFICAÇÕES : Sistema Monopodial: ramos laterais no eixo principal Sistema simpodial: sem eixo principal. Ramos com crescimento limitado

34 T ECIDOS DO CAULE

35

36 E STRUTURA DO C AULE

37

38 C AULE AÉREO TIPO TRONCO

39 Caule tipo estipe Caule tipo Colmo

40 C AULE : HASTE ( ERVAS )

41 C AULE : RASTEJANTE

42 C AULE : ESTOLHO

43 Caule tipo volúvel Caule Sarmentoso C AULES AÉREOS TREPADORES

44 C AULES S UBTERRÂNEOS Bulbo Rizomas

45 C AULE : B ULBO ESCAMOSO......FOLHAS SUBTERRÂNEAS RAÍZES FASCICULADAS L Í R I O

46 C AULE : B ULBO SÓLIDO PALMA

47 C AULE : T UBÉRCULO

48 Caules Aquáticos Exemplo: Caule de Elódea

49 C AULE : TREPADOR OU VOLÚVEL

50 C AULE : E SCANDESCENTE OU S ARMENTOSO

51 ... GERALMENTE LIGNIFICADO D U R O ESPÉCIES DE CERRADO BOORREIRA SP. CAULE XILOPÓDIO

52 M ODIFICAÇÕES CAULINARES : C LADÓDIO

53 M ODIFICAÇÕES C AULINARES : E SPINHOS

54 M ODIFICAÇÕES C AULINARES : G AVINHAS Gavinha

55 Acúleo é uma projeção na superfície da planta, sobretudo no caule, semelhante a um espinho. É uma espécie de pelo enrijecido formado por lignina ou pelo acumulo de substancias inorgânicas impregnadas junto à parede celular, e não tem qualquer conexão com o sistema vascular do caule (ao contrário dos espinhos), Em botânica, um espinho é um órgão axial ou apendicular, duro e pontiagudo, tais como os encontrados nas laranjeiras, resultantes da modificação de um ramo, folha, estípula ou raiz, constituído por tecido lignificado e vascular, e que se arrancado destrói o tecido subjacente.

56

57 F OLHA

58 F UNÇÃO Geralmente verde; Função de fotossíntese e transpiração; Armazenam água e nutrientes; Podem ter estruturas de defesa;

59 Origem Meristema primário; Crescimento Até determinado tamanho; Duração Podem ser perenes ou decíduas;

60 P ARTES DA F OLHA Limbo- É a porção laminar; Pecíolo- É uma haste que liga limbo ao caule; Bainha- Projeção do pecíolo. Estípula- Pequena estruturas na base do pecíolo;

61 C LASSIFICAÇÃO Folha Simples – Limbo inteiro e pecíolo sem ramificações; Nas nervuras tem os tecidos de condução e tecidos de sustentação;

62 F OLHA C OMPOSTA Limbo dividido em partes menores, os folíolos. Pecíolo ramificado.

63 V ARIAÇÕES Heterofilia- Algumas folhas são diferentes das outras;

64 A NISOFILIA Possuem folhas diferentes no mesmo ramo;

65

66 F OLHAS M ODIFICADAS Espinhos- Folhas que diminuem o limbo para evitar a perda de água; Geralmente duros;

67 G AVINHAS São pequenas folhas que servem para fixar o vegetal;

68 B RÁCTEAS Folhas destinadas a proteção as flores e auxilia na atração dos polinizadores;

69

70 E SPATAS São folhas que protegem a inflorescência;

71 E SCAMAS E C ATÁFILOS Folhas geralmente subterrâneas que armazenam substância nutritiva;

72 A NATOMIA DAS F OLHAS Mesófilo Assimétrico Característico de dicotiledôneas; Estômatos na parte inferior;

73 Destaques Passei Corporativismo e cultura petista Início das aulas pode atrasar Termina hoje prazo para retirar ficha de isenção do vestibular da Unicamp Universidade para formar empresário só sai em 2005 Alunos pedem para ser reprovados Sem verba, USP e Unicamp freiam expansão Decreto reduz repasse, dizem grevistas Corporativismo e cultura petista Início das aulas pode atrasar Termina hoje prazo para retirar ficha de isenção do vestibular da Unicamp Universidade para formar empresário só sai em 2005 Alunos pedem para ser reprovados Sem verba, USP e Unicamp freiam expansão Decreto reduz repasse, dizem grevistas Links Interessant es Um corte transversal na folha: 1- Cutícula - reduz a transpiração; 2- Epiderme Superior - proteção; 3- Parênquima Paliçádico - fotossíntese; 4- Tecido de Condução de Seiva - Floema e Xilema; 5- Parênquima Lacunoso - fotossíntese - favorece a circulação de gases; 6- Célula Anexa - armazena água; 7- Estômatos - trocas gasosas ; 8- Ostíolo - abertura estomática por onde entra e sai gases; 9- Câmara Subestomática - armazenamento de gases; 10- Mesófilo Foliar -é o espaço compreendido entre as duas epidermes da folha, onde se localiza o parênquima clorofiliano;

74 Aluno Angelus no vestibular AHHH eu acredito


Carregar ppt "M ORFOLOGIA E A NATOMIA – R AIZ, C AULE E F OLHA Professor Felipe Amaral Março- 2013 Colégio Ari de Sá Disciplina Biologia II."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google