A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O regime da aquisição da nacionalidade em Portugal e França João Antunes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O regime da aquisição da nacionalidade em Portugal e França João Antunes."— Transcrição da apresentação:

1 O regime da aquisição da nacionalidade em Portugal e França João Antunes

2 Índice Noções introdutórias Portugal Regime de aquisição da nacionalidade Regime de perda de nacionalidade Análise de um acórdão sobre ligação efectiva à comunidade nacional França Regime de aquisição da nacionalidade Regime de perda da nacionalidade Realidade actual Conclusão – comparação das principais diferenças

3 Noções introdutórias Imigração Voluntário Forçado Emigração Estrangeiro Ius soli Ius sanguinis Nacionalidade

4 Principal legislação CRP Lei da Nacionalidade – Lei Orgânica nº37/81 de 3 de Outubro Até 2006 Inversão da tendência Depois de 2006 Outras convenções internacionais: DUDH

5 Portugal Como é que um estrangeiro pode adquiri a nacionalidade portuguesa? Aquisição originária – por virtude do nascimento : Ius soli, ius sanguinis Aquisição derivada – após o nascimento: naturalização; por virtude dos laços familiares

6 Aquisição originária – Art.1º Filhos de pai ou mãe portuguesa nascidos em Portugal; Nascidos no estrangeiro se o progenitor luso aí se encontrar ao serviço do Estado português; Nascidos no estrangeiro mas declararem que querem ser portugueses aos 18 anos; Nascidos no território português, indivíduos de pais estrangeiros, desde que um dos progenitores tenha nascido e adquirido residência em Portugal; Filhos de pais estrangeiros (que residam em Portugal à 5 anos), desde que o desejem; Nascidos em Portugal, mas sem outra nacionalidade.

7 Aquisição derivada – Art.6º Princípio da nacionalidade efectiva – Ac. Nottebhom: um Estado não pode exigir que as regras que ele definiu (…) devam ser reconhecidas por outro Estado, a menos que tenha agido em conformidade com o propósito geral de harmonizar o vínculo jurídico da nacionalidade com a conexão genuína do indivíduo ao Estado. TIJ: vínculo jurídico que tem por base um facto social de pertença, uma conexão genuína de vivência, de interesses e de sentimentos, em conjunto com a existência de direitos e deveres recíprocos.

8 Requisitos gerais para a naturalização: Maiores e emancipados; Residir legalmente no território português à pelo menos 6 anos; Conhecimento bastante da língua portuguesa; Não ter sido condenado por crime punível com pena igual ou superior a 3 anos.

9 Menores: Bom conhecimento da língua portuguesa Não ter sido condenado por crime punível com pena igual ou superior a 3 anos; Um dos progenitores deve residir em Portugal à pelo menos 5 anos; OU Menor deve ter concluído em Portugal o 1º ciclo do ensino básico Casamento: Cônjuge estrangeiro viver em Portugal à mais de 3 anos. Laços Familiares: Nascidos no estrangeiro, possuem pelo menos 1 ascendente do 2º grau da linha recta de nacionalidade portuguesa; Nascidos em Portugal, são filhos de estrangeiros que permaneceram em Portugal nos últimos 10 anos; Não sendo apátridas, tenham tido a nacionalidade portuguesa; Forem havidos como membros de comunidades de ascendência portuguesa; Estrangeiros que tenham prestado excepcionais serviços à comunidade portuguesa Adoptados: Os indivíduos vítima de adopção plena consideram-se portugueses se os seus pais adoptivos também o forem.

10 Como é que um indivíduo pode perder a nacionalidade portuguesa? Apenas por vontade do indivíduo Proibição de revogação involuntária Vínculos de oposição à aquisição: Inexistência de vínculo efectivo à comunidade (apenas nos casos de aquisição por laços familiares) Condenação por crime punível com pena igual ou superior a 3 anos Prestação de serviço militar não obrigatório a Estado estrangeiro

11 Curiosidade… Decreto – Lei Nº 322-A/2001 de 14 de Dezembro Pagamento de taxas no acto de obtenção da declaração da renúncia o 75 para declaração de perda o 56 para registo da declaração Exercício da vertente negativa do fundamental à cidadania fica constrangido?

12 Análise de um acórdão STJ – vínculo efectivo à comunidade portuguesa – definição. Antes de 2006 – Mº Pº averiguava a intensidade de tal vínculo Depois de 2006 – Interessado tem de provar o vínculo

13 AA (Bangladesh) casa com DD (Portuguesa). Deseja adquirir nacionalidade portuguesa. Mº Pº instaura acção de oposição à Nacionalidade. AA tenta provar a existência de um vínculo.

14 STJ: seria ainda necessário identificação com os hábitos, tradições, cultura, e história pátria, de modo a poder concluir-se que o interessado se encontra não apenas material, mas também espiritualmente integrado na comunidade nacional. Isto manifestar-se- ia no conhecimento da língua falada e escrita, dos usos, costumes e tradições, da história, da geografia, do convívio e integração nas comunidades de portugueses, das relações sociais, humanas, de integração cultural, da participação na vida comunitária portuguesa, designadamente em associações culturais, recreativas, desportivas, humanitárias e de apoio, isto é, de todos os aspectos familiares, sociais, económico- profissionais, culturais, e de amizade, reveladores dum sentimento de pertença à comunidade portuguesa em Portugal ou no estrangeiro, relevando para tanto todos os elementos ou factores susceptíveis de revelar a efectiva inserção do interessado na cultura e no meio social nacional

15 França Leis sobre nacionalidade estão inseridas no Code Civil Français Importante distinção entre attribution eacquisiton. Mesmo que em Portugal. Significam respectivamente aquisição originária e derivada.

16 Attribution – aquisição originária Sistema francês presume norma de ius sanguinis – presume franceses todo aqueles filhos, legítimos ou ilegítimos, de um progenitor françês. São franceses os filhos de pais desconhecidos/de nacionalidade incerta, desde que nascidos em França.

17 Acquisition – aquisição derivada Modalidade de ius soli automático após o nascimento Casamento Naturalização discricionária Outras modalidades de aquisição

18 Ius soli automático após o nascimento Estrangeiros, nascidos em França, e filhos de pais estrangeiros tornam-se franceses aos 18 anos, mas com o ónus de provarem que residiram em solo francês durante 5 anos após completarem 11 anos.

19 Contracção de matrimónio Estrangeiro que case com um Francês, pode, ao fim de 2 anos de matrimónio declarar que pretende adquirir a nacionalidade. Casamento não se pode ter dissolvido Cônjuge mantenha a cidadania francesa Compreensão suficiente da língua francesa Noção de direitos e deveres perante a República Vínculo afectivo de pertença Poder discricionário do Governo de, nos 2 anos posteriores ao casamento, se opor à declaração de aquisição.

20 Naturalização discricionária Condições de aquisição: Maior de 18 anos Provar que residiu permanentemente me França durante 5 anos Provar que possui uma conexão afectiva com a comunidade: língua escrita e falada, usos e costumes Se o requerente for casado, o cônjuge e os filhos devem ter residido permanentemente em França

21 Outras modalidades de aquisição Casos de serviço militar Sem qualquer requerimento uma pessoa que pertença à comunidade linguística francesa ou seja nacional de um Estado que tenha adoptado como uma das suas línguas oficiais o Francês, desde que prove que frequentou por 5 anos um instituto onde se tenha leccionado a língua francesa. Decisão discricionária do Estado relativamente a quem seja considerada parte integrante da comunidade francesa ou que tenha contribuído para o prestígio económico e internacional da França.

22 Perda da nacionalidade Renúncia voluntária Habilitação Revogação involuntária Diferentes grupos: nunca moraram em França, não têm passaporte, não estão registados no consulado, cometeram certos crimes. Crimes – relevam não só os cometidos depois da obtenção da cidadania, como também aqueles cometidos antes da obtenção, mas que se vieram a descobrir recentemente.

23 Curiosidade Em 2007, um cidadão francês do sexo masculino, que havia fixado residência na Holanda, e aí obtido dupla nacionalidade, casou com um cidadão holandês, também ele do sexo masculino. Quando o cidadão francês tentou registar-se junto do consulado, para poder participar nas eleições francesas de 2007, as autoridades informaram o Ministro da Justiça acerca do assunto. Como a França não reconhece o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o Ministro concluiu que a aquisição da nacionalidade holandesa implicaria a perda da francesa, pelo que a revogou.

24 Realidade actual Inclusão está a ser bem feita? Conflito entre os valores do sistema de aquisição de naturalidade e uma etnicização crescente da sociedade. Lei sobre símbolos religiosos. Testes de integração prévia.

25 Principais diferenças entre os dois regimes Casamento e laços familiares: regime português é mais permissivo; Perda de nacionalidade – Portugal acolhe muito melhor os seus imigrantes. Importância da proibição de revogação involuntária. Em Portugal, a naturalização é um direito adquirido daquele que cumprir os requisitos para o efeito, enquanto que em França, mesmo cumpridos os requisitos, ainda cabe ao Estado decidir discricionariamente pela aceitação do pedido ou não.

26 Questão… Até que ponto é que o contribuinte português está disposto a pagar pela manutenção de um imigrante recém naturalizado na prisão, porque este cometeu crimes em Portugal? Imigrante já é cidadão português, portanto goza de todos os direitos a que os demais nacionais têm acesso. Racionamento de dinheiros públicos. Melhor acolhimento mas mais custos vs. Integração deficiente mas mais poupança.


Carregar ppt "O regime da aquisição da nacionalidade em Portugal e França João Antunes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google