A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE ANÁLISE SIMPLISTA OU ANÁLISE INTEGRADA NO SEU CONTEXTO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE ANÁLISE SIMPLISTA OU ANÁLISE INTEGRADA NO SEU CONTEXTO."— Transcrição da apresentação:

1 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE ANÁLISE SIMPLISTA OU ANÁLISE INTEGRADA NO SEU CONTEXTO ECONÓMICO-SOCIAL CONTEXTO ECONÓMICO-SOCIAL E AMBIENTAL E AMBIENTAL Nuno de Santos Loureiro Faculdade de Engenharia de Recursos Naturais Universidade do Algarve

2 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… USOS DO TERRITÓRIO património da região (1995) INTERIOR versus LITORAL

3 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… Verões de 2003 e % da área do Algarve atingida pelo fogo 38% da área florestal do Algarve destruída

4 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… Verões de 2003 e 2004 NomeÁrea ardidaAnoObservações Caldeirão25717 ha20041 Monchique (Agosto)17431 ha2003 Monchique (Setembro)15308 ha2003 Castro Marim8191 ha20042 Tavira (Fonte Salgada)5531 ha20043 Alcoutim4136 ha20034 Monchique1539 ha2004 Tavira (Picota)489 ha2004 Vila do Bispo330 ha2003 Portimão (Mexilhoeira Grande)199 ha2003 Faro (Pontal)187 ha2004 Observações: 1) Afectou os concelhos de Loulé, Silves e São Brás de Alportel, no distrito de Faro, e o concelho de Almodôvar, no distrito de Beja 2) Afectou também os concelhos de Tavira e Vila Real de Santo António. 3) Afectou também o concelho de Vila Real de Santo António. 4) Afectou também o concelho de Castro Marim. incêndios catastró- ficos pequenos incêndios

5 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… ONDA DE CALOR 29 de JULHO A 14 AGOSTO DE 2003 A ocorrência de períodos prolongados com valores elevados da temperatura máxima do ar é um fenómeno que ocorre com alguma frequência em Portugal Continental. Desde a década de 1940, em que existe informação meteorológica diária, em maior numero de estações, têm-se verificado ondas de calor, ainda que de extensão e duração variável; no entanto é na década de 90 que este acontecimento ocorreu com maior frequência (anos de 1990, 1991, 1992, 1995, 1997, 1998 e 1999). De referir ainda que as maiores ondas de calor anteriormente registadas tiveram a duração de 10 dias (Castelo Branco em Julho de 1954 e Amareleja em Julho de 1991). A actual que se iniciou a 29 de Julho e terminou a 14 de Agosto teve uma duração de 16 a 17 dias em grande parte das estações do interior. Onda de calor (Warm-spell days) – número de dias por período, no qual em intervalos de pelo menos 6 dias consecutivos, a temperatura máxima é superior ao percentil 90, isto e, é superior ao valor da temperatura que ocorre em 10% do tempo ou que é susceptível de ser excedido em 10% do tempo. CAUSAS DOS INCÊNDIOS

6 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… CAUSAS DOS INCÊNDIOS

7 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… CAUSAS DOS INCÊNDIOS

8 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… CAUSAS DOS INCÊNDIOS PORTUGAL país de reflorestação a área florestal de Portugal continental era, em 1870, de 5% do território um século depois o valor era já de 30% por outro lado, outros 30% de território estavam ocupados com matos, ecossistemas de susceptibilidade aos incêndios bastante semelhante à do uso florestal

9 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… CAUSAS DOS INCÊNDIOS

10 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… CAUSAS DOS INCÊNDIOS Particularidades da região norte-mediterrânica condições climatéricas semi-áridas afectando grandes áreas, secas periódicas, grande variabilidade pluviométrica e chuvadas repentinas e de grande intensidade solos pobres e altamente erosionáveis, propensos à formação de crostas superficiais relevo acidentado, com declives acentuados e paisagens muito diversificadas grandes perdas no coberto vegetal devido a incêndios florestais frequentes crise na agricultura tradicional associada ao abandono da terra e deterioração das estruturas de protecção do solo e de conservação da água exploração não sustentável dos recursos hídricos, causadora de prejuízos ambientais graves, neles se incluindo a poluição química, a salinização e o esgotamento dos aquíferos concentração da actividade económica no litoral, como resultado do crescimento urbano, da actividade industrial, do turismo e da agricultura de regadio

11 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… um problema global de desertificação… tempo valor do ecossistema estabilidade incêndio erosão hídrica do solo recuperação do solo por terra entende-se o ecossistema terrestre que compreende o solo, a vegetação, outros componentes do biota e dos processos ecológicos e hidrológicos que se desenvolvem dentro do sistema

12 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… um problema global de desertificação… (a acção do Homem, em sentido amplo)

13 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… um problema global de desertificação… (a acção do Homem, em sentido amplo)

14 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INDISPENSÁVEL A ATITUDE PRÓ-ACTIVA?! que futuro para o território? que cenários viáveis existem? que objectivos é sensato perspectivar? que actores considerar e auscultar?

15 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INDISPENSÁVEL A ATITUDE PRÓ-ACTIVA?! NÃO!!! Não houve erros na prevenção dos incêndios. Não houve erros na afectação de meios. Não houve erros na coordenação de meios. Relatório Parlamentar da Comissão Eventual para os Incêndios Florestais, 2004

16 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INDISPENSÁVEL A ATITUDE PRÓ-ACTIVA?! 1. a necessidade de envolver as populações locais 1.1. propriedade privada 1.2. os direitos e os deveres dos proprietários 2. o modelo de floresta 2.1. a opção das espécies versus a opção dos usos e da gestão 2.2. usos múltiplos agro-silvo-pastoris: utopias e realidades 3. a prevenção 3.1. hipóteses e alternativas 3.2. equipas e brigadas de sapadores florestais 4. o combate aos incêndios florestais 4.1. detecção 4.2. primeira intervenção 4.3. intervenção pesada ESTRUTURANTE

17 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INDISPENSÁVEL A ATITUDE PRÓ-ACTIVA?! 5. as novas tecnologias ao serviço da prevenção e combate 5.1. sistemas de informação geográfica (SIG) 5.2. sistemas de posicionamento global (GPS) 5.3. sistemas de acompanhamento (IMAGENS DE SATÉLITE) 5.4. sistemas de coordenação e comunicação 6. a formação 6.1. proprietários 6.2. sapadores florestais 6.3. corporações de bombeiros 6.4. protecção civil 6.5. forças militares e militarizadas 7. a sensibilização 7.1. públicos-alvo ESTRUTURANTE

18 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INDISPENSÁVEL A ATITUDE PRÓ-ACTIVA?! DesertNet 2 The participation of Portugal Introduction Nowadays, forest fires are becoming one of the most important land degradation and desertification active driving forces in the Algarve region (South of Portugal – Csb Köppen climate classification – km 2 ). During the 2003 and 04 summers, 20% of the Algarves territory was touched by the fire and 40% of its forest lands were burned. Human olding and desertion, and traditional land use abandonment, as well as the several hot days – hot waves (> 35ºC), contribute to explain the recent increase of fires in the Algarve, a phenomenon that founds a similar behaviour in other south and center regions of the country. Consequently, fires need to be understood as a global challenge, with strong environmental and socio- economical consequences. The changing climate (hotest and dryest conditions) is decreasing the competitivity of the Algarves farming. So, the future of the Algarve inland territory will need new forest land uses or, if we will not be able to install them, the final steps of land degradation and desertification will arrive in one or two decades.

19 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INDISPENSÁVEL A ATITUDE PRÓ-ACTIVA?! Actions The proposed strategy to reduce fires claim for several approaches: 1. land planning better uses to the burned areas adaptation of the unburned areas to the new environmental and socio-economical context establisment of an efficient system of early fire detection and warning 2. use of new resources and technologies to increase sucess of prevention and combat GIS database and system GPS facilities real-time position of each early combat team and fire-man force, knowed by the fire combat co-ordination team land navigation of each early combat team and fire-man force during fire occurrences communication facilities between each early combat team and fire-man force, and the fire combat co-ordination team 3. formation to increase knowlegde of forest land owners forest prevention and initial combat teams fire-man forces

20 2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INDISPENSÁVEL A ATITUDE PRÓ-ACTIVA?! 4. involvement in the design and implementation of the new strategies of municipalities (Alcoutim e Castro Marim) Municipal Forest Fires Specialised Comissions regional departments of forest resources, agriculture and environment forest land owners and similar associations fire-man force voluntary corporations local and environmental ONG 5. involvement in the new attitude of the population, in general land owners local policy makers regional policy makers national policy makers fire-man forces


Carregar ppt "2 ANOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE SOL, PRAIA E TERRA QUEIMADA… INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ALGARVE ANÁLISE SIMPLISTA OU ANÁLISE INTEGRADA NO SEU CONTEXTO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google