A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO CELULAR PROCARIOTOS PROCARIOTOS núcleo primitivo – DNA circular em anel fechado. núcleo primitivo – DNA circular em anel fechado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO CELULAR PROCARIOTOS PROCARIOTOS núcleo primitivo – DNA circular em anel fechado. núcleo primitivo – DNA circular em anel fechado."— Transcrição da apresentação:

1 NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO CELULAR PROCARIOTOS PROCARIOTOS núcleo primitivo – DNA circular em anel fechado. núcleo primitivo – DNA circular em anel fechado. Bactérias, algas azuis, micoplasmas, ricketesias e clamídeas. Bactérias, algas azuis, micoplasmas, ricketesias e clamídeas. Tamanho reduzido = diversidade bioquímica. Tamanho reduzido = diversidade bioquímica. Molécula de DNA livre, circular, associada a histona HU. Molécula de DNA livre, circular, associada a histona HU. Ausência da carioteca. Ausência da carioteca. Pobreza em organóides membramosos. Pobreza em organóides membramosos. Ausência de mitose e meiose. Ausência de mitose e meiose. Presença de ribossomos. Presença de ribossomos.

2 A célula bacteriana Arquibactérias e Eubactérias Arquibactérias e Eubactérias Membrana, parede celular e cápsula Membrana, parede celular e cápsula Ribossomos agrupados em polirribossomos. Ribossomos agrupados em polirribossomos. Um ou vários nucleóides. Um ou vários nucleóides. DNA do nucleóide e plasmídeo (DNA recombinante) DNA do nucleóide e plasmídeo (DNA recombinante) Cápsula polissacarídica. Cápsula polissacarídica. Inclusões – reserva. Inclusões – reserva. Mesossomos – complexo enzimático. Mesossomos – complexo enzimático. Fímbrias comuns e sexuais. Fímbrias comuns e sexuais. Flagelos – flagelina. Flagelos – flagelina.

3

4 PAREDE BACTERIANA Gram positivas Gram positivas Espessa camada de peptidoglicanas e ácido teicóico. Espessa camada de peptidoglicanas e ácido teicóico. Protoplastos = formas L Protoplastos = formas L Cápsula – mucosa, antígenos potentes. Cápsula – mucosa, antígenos potentes. Gram negativas 1- peptidoglicanas; 2- lipoproteínas; 3- membrana - porinas; 4- lipopolissacarídeos (LPS). Esferoplastos – formas L. Cápsula – mucosa, antígenos potentes.

5 Estrutura molecular da parede das bactérias Gram-negativas. 1- Peptidoglicanas 2- Lipoproteínas3- Membrana 4- LPS

6 ALGAS AZUIS OU CIANOFÍCEAS Vivem em colônias, filamentosas. Vivem em colônias, filamentosas. Filamentos envolvidos por ácido murânico e diaminopimélico. Filamentos envolvidos por ácido murânico e diaminopimélico. Parede semelhante as bactérias Gram – Parede semelhante as bactérias Gram – DNA circular, sem carioteca, ribossomos numerosos. DNA circular, sem carioteca, ribossomos numerosos. Apresentam aparelho clorofiliano com lamelas membranosas = cianossomos. Apresentam aparelho clorofiliano com lamelas membranosas = cianossomos.

7 Esquema de uma célula de alga cianofícea.

8 MICOPLASMAS ou PPLO Bactérias patogênicas. Bactérias patogênicas. Apresentam membrana plasmática envolvida por parede reduzida, com colesterol. Apresentam membrana plasmática envolvida por parede reduzida, com colesterol. DNA circular. DNA circular. Ribossomos e aparelho enzimático. Ribossomos e aparelho enzimático.

9 Esquema de um micoplasma.

10 RICKÉTTSIAS E CLAMÍDIAS Células procarióticas incompletas ou degeneradas. Células procarióticas incompletas ou degeneradas. Parasitas intracelulares obrigatórias. Parasitas intracelulares obrigatórias. Possuem DNA e RNA. Possuem DNA e RNA. Possuem parte da maquinaria de síntese, necessitam de suplementação. Possuem parte da maquinaria de síntese, necessitam de suplementação. Possuem membrana semipermeável. Possuem membrana semipermeável.

11 VÍRUS CARACTERÍSTICAS GERAIS CARACTERÍSTICAS GERAIS Conjuntos de genes móveis Conjuntos de genes móveis Utilizam a maquinaria celular para replicação. Utilizam a maquinaria celular para replicação. Vírion – capsídeo – capsômeros – RNA ou DNA – nucleocapsídeo (invólucro lipoprotéico). Vírion – capsídeo – capsômeros – RNA ou DNA – nucleocapsídeo (invólucro lipoprotéico). DNA – hélice dupla / RNA – filamento simples. DNA – hélice dupla / RNA – filamento simples. Propriedades do genoma viral : Propriedades do genoma viral : Mixovírus e paramixovírus – neuraminidase – glicocálice. Mixovírus e paramixovírus – neuraminidase – glicocálice. Vírus da estomatite – RNA-polimerase dependente de RNA. Vírus da estomatite – RNA-polimerase dependente de RNA. Fagos – lisozima – ácido N-acetilmurâmico – bactérias. Fagos – lisozima – ácido N-acetilmurâmico – bactérias.

12 CÉLULAS EUCARIÓTICAS Citoplasma e núcleo distintos. Citoplasma e núcleo distintos. Membrana plasmática e o núcleo envolvido pela carioteca. Membrana plasmática e o núcleo envolvido pela carioteca. Riqueza em organóides membranosos. Riqueza em organóides membranosos. Ribossomos, retículos endoplasmáticos, complexo de Golgi, lisossomos, peroxissomos, mitocôndrias. Ribossomos, retículos endoplasmáticos, complexo de Golgi, lisossomos, peroxissomos, mitocôndrias. Organização das células - tecidos – órgãos – sistemas. Organização das células - tecidos – órgãos – sistemas.

13 Modelo do Mosaico Fluido da estrutura da Membrana Plasmática

14 MEMBRANA PLASMÁTICA Características gerais Características gerais Envoltório contínuo da célula, limite assimétrico entre meio intra e extracelular. Envoltório contínuo da célula, limite assimétrico entre meio intra e extracelular. Dupla camada lipídica Dupla camada lipídica Composição química variável associada a região celular limitada. Composição química variável associada a região celular limitada. Continuidade transitória com membranas do sistema endomembranário. Continuidade transitória com membranas do sistema endomembranário. Filtro de seletividade – importação e exportação de substâncias. Filtro de seletividade – importação e exportação de substâncias.

15 Permeabilidade das bicamadas fosfolipídicas – pequenas moléculas não carregadas difundem-se livremente pela membrana, que é impermeável para moléculas polares maiores.

16 Proteína de canal (A) e Proteínas carreadoras (B). A B

17 Membrana Mantém as diferenças de concentrações iônicas = homeostase. Mantém as diferenças de concentrações iônicas = homeostase. Responde aos estímulos modificando o comportamento. Responde aos estímulos modificando o comportamento.

18 ORGANIZAÇÃO GERAL DA MEMBRANA DUPLA CAMADA LIPÍDICA DUPLA CAMADA LIPÍDICA Grupos polares ocupam face externa – folheto osmiófilo externo e a face interna ou folheto osmiófilo externo. Grupos polares ocupam face externa – folheto osmiófilo externo e a face interna ou folheto osmiófilo externo. Os grupos apolares situam-se no folheto mediano osmiófobo. Os grupos apolares situam-se no folheto mediano osmiófobo.

19 Organização molecular da membrana plasmática – proteínas intrínsecas e extrínsecas.

20 Os lipídios membranários Os fosfolipídios: Os fosfolipídios: diversas formas – ácido fosfatídico, de fosfatidilcolina. diversas formas – ácido fosfatídico, de fosfatidilcolina. O Colesterol O Colesterol – modificações de suas proporções – fluidez da membrana. – modificações de suas proporções – fluidez da membrana. Presente nos micoplasmas. Presente nos micoplasmas. Glicolipídios – Glicolipídios – mamíferos – respondem pela antigenicidade de superfície e são receptores membranários de superfície – toxina bacteriana e hormonal. mamíferos – respondem pela antigenicidade de superfície e são receptores membranários de superfície – toxina bacteriana e hormonal.

21 Componentes lipídicos da membrana plasmática.

22 AS PROTEÍNAS MEMBRANÁRIAS As proteínas intrínsecas: As proteínas intrínsecas: Proteínas de travessia única, single pass ou bitópica: Proteínas de travessia única, single pass ou bitópica: Receptores catalíticos Ex: glicoforina Receptores catalíticos Ex: glicoforina Proteínas de travessia múltipla ou politópicas: Proteínas de travessia múltipla ou politópicas: Intervém no transporte de oxigênio e gás carbônico Ex: banda 3. Intervém no transporte de oxigênio e gás carbônico Ex: banda 3. As proteínas extrínsecas: As proteínas extrínsecas: Geralmente localizam-se fora da dupla camada. Geralmente localizam-se fora da dupla camada. Ora na face citosólica, ora na face externa. Ora na face citosólica, ora na face externa.

23 São ligadas à dupla camada lipídica por ligações eletrostáticas, não covalentes. São ligadas à dupla camada lipídica por ligações eletrostáticas, não covalentes. Proteínas periféricas situadas fora da dupla camada se ancoram aos lipídios por ligações covalentes por meio do GPI (glicofosfatidilinositol) como, por exemplo, a glicoproteína N-CAM. Proteínas periféricas situadas fora da dupla camada se ancoram aos lipídios por ligações covalentes por meio do GPI (glicofosfatidilinositol) como, por exemplo, a glicoproteína N-CAM. Proteínas periféricas, situadas sobre a face citosólica, se ancoram por meio de cadeias hidrocarbonadas, como, por exemplo, a tirosina quinase Src. Proteínas periféricas, situadas sobre a face citosólica, se ancoram por meio de cadeias hidrocarbonadas, como, por exemplo, a tirosina quinase Src.

24 FUNÇÕES DAS PROTEÍNAS MEMBRANÁRIAS Transporte transmembranário de substâncias; Transporte transmembranário de substâncias; Recepção de informações; Recepção de informações; Mecanismos de reconhecimento celular; Mecanismos de reconhecimento celular; Aderência celular ou ou suporte ao conjuntivo; Aderência celular ou ou suporte ao conjuntivo; Atividades enzimáticas; Atividades enzimáticas; Ligações estruturais ao citoesqueleto; Ligações estruturais ao citoesqueleto; Fixação de drogas medicamentosas; Fixação de drogas medicamentosas; Fixação de vírus, toxinas e células. Fixação de vírus, toxinas e células.

25 Glicocálice – micrografia eletrônica do epitélio intestinal GLICOCÁLICE – CELL COAT

26 GLICOCÁLICE – CELL COAT Envolve a face externa da membrana. Envolve a face externa da membrana. Composta por frações oligossacarídicas das glicoproteínas, dos proteoglicanos, dos glicolipídios e de glicoproteínas extrínsecas. Composta por frações oligossacarídicas das glicoproteínas, dos proteoglicanos, dos glicolipídios e de glicoproteínas extrínsecas. Glicoproteínas do cell coat: Glicoproteínas do cell coat: Transmembranárias - Glicoforinas A,B e C. – single pass – estabilidade e recepção. Transmembranárias - Glicoforinas A,B e C. – single pass – estabilidade e recepção. Extrínsecas – fibronectina e laminina - domínios de aderência e reconhecimento celular. Extrínsecas – fibronectina e laminina - domínios de aderência e reconhecimento celular.

27 FUNÇÕES DO CELL COAT Proteção da membrana plasmática – resistência às enzimas mucolíticas e proteolíticas, proteção mecânica. Proteção da membrana plasmática – resistência às enzimas mucolíticas e proteolíticas, proteção mecânica. Carga de superfície – ácido siálico. Carga de superfície – ácido siálico. Armadilha – carga negativa captura cátion como cálcio, magnésio e potássio. In vivo – anticorpos citófilos – fagocitose. Armadilha – carga negativa captura cátion como cálcio, magnésio e potássio. In vivo – anticorpos citófilos – fagocitose. Atividades enzimáticas. Atividades enzimáticas.

28 Estrutura do cell coat.


Carregar ppt "NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO CELULAR PROCARIOTOS PROCARIOTOS núcleo primitivo – DNA circular em anel fechado. núcleo primitivo – DNA circular em anel fechado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google